RE­FOR­MA EN­TRA EM VI­GOR

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

ano­va le­gis­la­ção tra­ba­lhis­ta fru­to da re­for­ma pa­tro­ci­na­da pe­lo Go­ver­no Te­mer en­tra em vi­gor nes­te sá­ba­do com a ex­pec­ta­ti­va de uma ba­ta­lha ju­di­ci­al até sua con­so­li­da­ção e sem as ate­nu­an­tes pro­me­ti­das pe­lo pla­nal­to qu­an­do a re­for­ma es­ta­va sen­do vo­ta­da pe­lo Con­gres­so. pa­ra ga­ran­tir que o Se­na­do apro­vas­se com ce­le­ri­da­de o tex­to, Mi­chel Te­mer se com­pro­me­teu atra­vés de uma car­ta, no fim de ju­nho, a re­a­li­zar ajus­tes nos pon­tos de mai­or di­ver­gên­cia. En­tre eles, es­ta­vam, por exem­plo, a pro­mes­sa de ve­to do tra­ba­lho de ges­tan­tes e lac­tan­tes em lo­cais in­sa­lu­bres.

O tex­to que co­me­ça a va­ler man­tém a pre­va­lên­cia dos acor­dos co­le­ti­vos em re­la­ção à lei em pon­tos es­pe­cí­fi­cos, mas con­ti­nu­am ine­go­ciá­veis os di­as de fé­ri­as, por exem­plo. pro­põe al­gu­mas ga­ran­ti­as ao tra­ba­lha­dor ter­cei­ri­za­do e o fim da obri­ga­to­ri­e­da­de da con­tri­bui­ção sin­di­cal, cria obs­tá­cu­los ao ajui­za­men­to de ações tra­ba­lhis­tas en­tre ou­tras al­te­ra­ções. O do­cu­men­to cria ain­da du­as mo­da­li­da­des de con­tra­ta­ção: a de tra­ba­lho in­ter­mi­ten­te, por jor­na­da ou ho­ra de ser­vi­ço, e tam­bém o ho­me of­fi­ce.

Foi jus­ta­men­te as re­gras do tra­ba­lho in­ter­mi­ten­te um dos pon­tos que cau­sou mais po­lê­mi­ca e o pre­si­den­te pro­me­teu ate­nu­ar (leia os pon­tos pro­me­ti­dos). a ideia era es­ta­be­le­cer um me­ca­nis­mo de qua­ren­te­na de 18 me­ses pa­ra evi­tar o ris­co de mi­gra­ção de con­tra­tos por tem­po in­de­ter­mi­na­do pa­ra con­tra­to in­ter­mi­ten­te. Já no das mu­lhe­res grá­vi­das, o ob­je­ti­vo era pro­te­gê-las de am­bi­en­tes que ofe­re­çam ris­co à saú­de tan­to de­las co­mo dos be­bês. a es­tra­té­gia de pro­me­ter aos se­na­do­res mu­dan­ças pa­ra ame­ni­zar a re­for­ma - via me­di­da pro­vi­só­ria (Mp) - vi­sa­va im­pe­dir que as al­te­ra­ções fos­sem fei­tas di­re­ta­men­te no tex­to - se is­so acon­te­ces­se, tu­do atra­sa­ria, por­que o pro­je­to te­ria que ser ava­li­a­do mais uma vez pe­la Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos.

Ape­sar da pro­mes­sa, o pla­nal­to e o mi­nis­tro do Tra­ba­lho, Ro­nal­do No­guei­ra, ain­da ana­li­sam quais se­rão es­sas al­te­ra­ções e se elas se­rão fei­tas atra­vés de uma Mp - que tem for­ça de lei e co­me­ça a va­ler no mo­men­to de sua pu­bli­ca­ção, pa­ra só de­pois se­rem va­li­da­das pe­lo Con­gres­so - ou de uma pl que que pre­ci­sa­rá ain­da pas­sar pe­la vo­ta­ção dos par­la­men­ta­res an­tes de pas­sar a va­ler. ao EL país, a as­ses­so­ria do pla­nal­to afir­mou que ain­da não há in­for­ma­ções so­bre o te­ma.

SE­GU­RAN­ÇA JU­RÍ­DI­CA

Nes­ta sex­ta-fei­ra, o mi­nis­tro do Tra­ba­lho afir­mou, em pro­nun­ci­a­men­to em re­de na­ci­o­nal, que a no­va lei, garante ao po­vo bra­si­lei­ro re­la­ções tra­ba­lhis­tas mo­der­nas, cri­an­do as con­di­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra o cres­ci­men­to econô­mi­co. Mais de 100 pon­tos da CLT fo­ram mo­di­fi­ca­dos. “a mo­der­ni­za­ção

te­ve co­mo ba­se 3 ei­xos: con­so­li­dar di­rei­tos, pro­mo­ver a se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca e ge­rar em­pre­gos”, afir­mou No­guei­ra. O mi­nis­tro ain­da re­for­çou o dis­cur­so de Te­mer de que ne­nhum tra­ba­lha­dor foi pre­ju­di­ca­do. “Ne­nhum di­rei­to a me­nos, mui­tos em­pre­gos a mais”, dis­se o mi­nis­tro que não ci­tou o pos­sí­vel tex­to com ajus­tes que o Go­ver­no es­ta­ria pre­pa­ran­do. ain­da que a mai­o­ria dos es­pe­ci­a­lis­tas em di­rei­to tra­ba­lhis­ta con­cor­de so­bre a ne­ces­si­da­de de re­vi­sar e ade­quar as leis atu­ais, mui­tos de­les dis­cor­dam da re­for­ma que en­tra em vi­gor. Na opi­nião de Ri­car­do Gui­ma­rães, mes­tre em di­rei­to do tra­ba­lho e pro­fes­sor na PUC-SP, a re­for­ma tra­ba­lhis­ta foi fei­ta de ma­nei­ra aço­da­da, com mui­ta pres­sa, con­tra­ri­an­do di­rei­tos do tra­ba­lho. “as no­vas for­mas de con­tra­ta­ção vão fa­zer a mi­gra­ção dos pou­cos em­pre­gos que te­mos pa­ra su­bem­pre­gos, não cri­ar no­vos em­pre­gos”, diz. ain­da se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta, ape­sar de to­dos os con­tra­tos pas­sa­rem a ser re­gi­dos pe­la no­va lei, os pro­ces­sos an­ti­gos pre­ci­sam ser ana­li­sa­dos a luz da lei an­ti­ga. “O pro­ble­ma é que te­re­mos si­tu­a­ções em que es­sas du­as leis vão se mis­tu­rar. Se da­qui a oi­to me­ses eu ter­mi­no um con­tra­to que já vi­go­ra há um tem­po e en­tro na Jus­ti­ça pa­ra re­cla­mar so­bre ban­co de ho­ras, qual lei vai va­ler? Te­re­mos mui­tas di­ver­gên­ci­as”, afir­ma.

Gui­ma­rães res­sal­ta ain­da que é ce­do pa­ra pre­ver co­mo a Jus­ti­ça in­ter­pre­ta­rá a no­vas re­gras, já que ain­da se­rá cri­an­do um en­ten­di­men­to ju­rí­di­co so­bre o te­ma. “Não é a lei que dá a se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca, é a lei apli­ca­da, ou se­ja a re­pe­ti­ção da­que­le te­ma nos tri­bu­nais, cri­an­do ju­ris­pru­dên­cia é o que vai dar a se­gu­ran­ça”, ex­pli­ca.

AFP

Tex­to que en­tra em vi­gor nes­te sá­ba­do man­tém a pre­va­lên­cia dos acor­dos co­le­ti­vos.

EFE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.