Um pa­co­te li­nha-du­ra que não mi­ra in­ves­ti­ga­ção

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

ACâ­ma­ra dos De­pu­ta­dos en­cer­rou sua “se­ma­na da se­gu­ran­ça” com a apro­va­ção de cin­co pro­je­tos de lei que en­du­re­cem a pu­ni­ção de cri­mi­no­sos, mas pou­co aju­dam a es­cla­re­cer os cri­mes ou a evi­tá-los. Em cin­co di­as de análises e vo­ta­ções, os de­pu­ta­dos fe­de­rais apro­va­ram o fim da pro­gres­são de re­gi­me pa­ra os con­de­na­dos por ho­mi­cí­dio de po­li­ci­ais, a res­tri­ção pa­ra a saí­da tem­po­rá­ria de pre­sos das ca­dei­as, a cri­a­ção de uma po­lí­ti­ca na­ci­o­nal pa­ra a bus­ca de pes­so­as de­sa­pa­re­ci­das, a obri­ga­to­ri­e­da­de das pri­sões ins­ta­la­rem blo­que­a­do­res de si­nais de te­le­fo­nes ce­lu­la­res e aca­ba­ram com os ate­nu­an­tes de pe­nas pa­ra cri­mi­no­sos que te­nham en­tre 18 e 21 anos.

Ou­tras pro­pos­tas po­lê­mi­cas co­mo a que al­te­ra as re­gras dos au­tos de re­sis­tên­cia (que são as mor­tes em de­cor­rên­cia da in­ter­ven­ção po­li­ci­al), a que cria pu­ni­ções pa­ra es­tu­pro co­le­ti­vo e a que tra­ta do uso de ví­ti­mas co­mo “es­cu­dos hu­ma­nos” aca­ba­ram sen­do dei­xa­das pa­ra se­rem ana­li­sa­das em um ou­tro mo­men­to.

O pa­co­tão da se­gu­ran­ça sur­ge em um ano pré-elei­to­ral e num con­tex­to de­li­ca­do que não po­de ser dei­xa­do de la­do. além de es­ta­rem de olho nas ur­nas, uma sé­rie de acon­te­ci­men­tos mo­ti­va­ram que a vo­ta­ção to­mas­se cor­po nes­te mo­men­to. Des­de o co­me­ço do ano o qua­dro de se­gu­ran­ça pú­bli­ca só pi­o­rou: ja­nei­ro foi mar­ca­do por re­be­liões em pre­sí­di­os e de­ze­nas de pre­sos mor­tos em bri­gas de fac­ções cri­mi­no­sas. O Go­ver­no fe­de­ral ten­tou re­a­gir lan­çan­do de ma­nei­ra apres­sa­da um pla­no Na­ci­o­nal de Se­gu­ran­ça cri­ti­ca­do por es­pe­ci­a­lis­tas e pe­los pró­pri­os se­cre­tá­ri­os es­ta­du­ais, mas o pró­prio pa­no­ra­ma em Bra­sí­lia não é dos me­lho­res: o Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça so­freu três tro­cas de co­man­do em me­nos de um ano. pa­ra com­ple­tar, a si­tu­a­ção de vi­o­lên­cia do Rio ali­a­da a fal­ta de re­cur­sos pa­ra a po­lí­cia lo­cal tam­bém es­ca­lou e obrigou o Mi­nis­té­rio da De­fe­sa en­vi­ar tro­pas ao Es­ta­do, num cli­ma de des­con­fi­an­ça ins­ti­tu­ci­o­nal agra­va­do pe­lo cho­que do mi­nis­tro Tor­qua­to Jar­dim com o Go­ver­no flu­mi­nen­se e a po­lí­cia lo­cal. Nes­te mês, o anuá­rio do fó­rum Bra­si­lei­ro de Se­gu­ran­ça mos­trou que Bra­sil atin­giu re­cor­de em ví­ti­mas de cri­mes vi­o­len­tos (61.619 ca­sos, em 2016) dan­do o ca­rá­ter agu­do e na­ci­o­nal dos pro­ble­mas.

Foi com es­se pa­no de fun­do que o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), aca­tou os pe­di­dos da “ban­ca­da da ba­la” e de­ci­diu pau­tar o pa­co­tão vo­ta­do nes­ta se­ma­na. Mes­mo sem to­das as me­di­das ana­li­sa­das, já há crí­ti­cas à ma­nei­ra com que os con­gres­sis­tas têm se com­por­ta­do. “O Con­gres­so tem ana­li­sa­do pro­je­tos de res­pos­ta fá­cil. En­du­re­ce as pe­nas, mas não pen­sa em so­lu­ci­o­nar os ca­sos. Sem es­cla­re­cer os cri­mes, tan­to faz se a pe­na vai ser de oi­to, do­ze ou trin­ta anos”, ana­li­sou Isa­bel fi­guei­re­do, pes­qui­sa­do­ra e ex-di­re­to­ra da Se­cre­ta­ria Na­ci­o­nal de Se­gu­ran­ça pú­bli­ca (Se­nasp). a aná­li­se de fi­guei­re­do se ali­nha à uma con­clu­são re­cen­te do Ins­ti­tu­to de pes­qui­sa Econô­mi­ca e apli­ca­da (Ipea). Dis­se o ór­gão go­ver­na­men­tal em bo­le­tim es­pe­cí­fi­co so­bre se­gu­ran­ça pú­bli­ca pu­bli­ca­do no úl­ti­mo dia 7: “Há que se mu­dar to­tal­men­te a di­re­ção do que vem sen­do ob­ser­va­do nos úl­ti­mos anos, em que a ên­fa­se ba­se­a­da na abor­da­gem de ‘co­man­do e con­tro­le’, de re­pres­são os­ten­si­va

e de su­pe­ren­car­ce­ra­men­to não ape­nas se mos­trou ine­fi­caz, mas tem con­tri­buí­do pa­ra di­na­mi­zar os ci­clos de vi­o­lên­cia na so­ci­e­da­de, com al­to nú­me­ro de ví­ti­mas ci­vis e po­li­ci­ais”.

Com tan­to em­pe­nho em pu­nir, o país se­gue com um al­to ín­di­ce de cri­mes não so­lu­ci­o­na­dos. Não há um con­sen­so so­bre es­ses da­dos, mas um le­van­ta­men­to fei­to pe­lo Con­se­lho Na­cio- nal do Mi­nis­té­rio pú­bli­co (CNMP) mos­tra que 79% dos ca­sos de ho­mi­cí­di­os em to­do país se­guem sem so­lu­ção. Em Es­ta­dos co­mo o Rio de Ja­nei­ro es­se nú­me­ro sal­ta a 96%.

PO­DE­RIA SER MAIS DU­RO

En­tre as cin­co me­di­das apro­va­das, ao me­nos em uma de­las foi pos­sí­vel ter uma ne­go­ci­a­ção en­tre os que de­fen­dem mai­or pu­ni­ção aos cri­mi­no­sos e os que in­sis­tem na res­so­ci­a­li­za­ção dos de­ten­tos. Ini­ci­al­men­te, um dos pro­je­tos pre­via o fim do “sai­dão tem­po­rá­rio” dos pre­sos. Que é qu­an­do os con­de­na­dos têm o di­rei­to de sair em de­ter­mi­na­dos pe­río­dos do ano pa­ra vi­si­ta­rem seus fa­mi­li­a­res e de­pois são obri­ga­dos a vol­ta­rem à pri­são.

Após mui­ta ne­go­ci­a­ção, a pro­pos­ta apro­va­da man­te­ve o “sai­dão”, mas o res­trin­giu. an­tes, os de­ten­tos po­di­am pas­sar até se­te di­as em ca­sa, ago­ra, só po­de­rão qua­tro. a au­to­ri­za­ção ju­di­ci­al tam­bém po­de­ria ser da­da até qua­tro ve­zes ao ano (em da­tas co­mo Na­tal, ano No­vo, Dia dos pais, Dia das Mães...). ago­ra, se­rá ape­nas uma vez. “Con­se­gui­mos ob­ter uma re­du­ção de da­nos”, afir­mou o de­pu­ta­do Da­ni­el al­mei­da (pc­dob-ba).

Mem­bros da ban­ca­da da ba­la co­mo Olím­pio Go­mes (SD-SP) e alberto fra­ga (DEM-DF) re­cla­ma­ram. “Se sair uma vez só, ele po­de co­me­ter cri­mes à von­ta­de”, afir­mou Olím­pio. Nos dis­cur­sos dos fa­vo­rá­veis à ex­tin­ção era co­mum a ci­ta­ção ao ca­so da jo­vem Kelly Ca­da­mu­ro, as­sas­si­na­da aos 22 anos de ida­de, no iní­cio do mês. O as­sas­si­no con­fes­so foi Jo­nathan pereira do prado, um fo­ra­gi­do do sis­te­ma pri­si­o­nal de São paulo que foi be­ne­fi­ci­a­do por uma saí­da tem­po­rá­ria em mar­ço des­te ano. No ca­so de Kelly, qua­se 43.000 pes­so­as par­ti­ci­pa­ram de um abai­xo as­si­na­do vir­tu­al pe­din­do o fim das saí­das tem­po­rá­ri­as.

FIM DOS AU­TOS

A pró­xi­ma ba­ta­lha da se­gu­ran­ça na Câ­ma­ra se­rá na aná­li­se do pro­je­to que tra­ta da in­ves­ti­ga­ção dos ho­mi­cí­di­os ocor­ri­dos após in­ter­ven­ção po­li­ci­al, os au­tos de re­sis­tên­cia. De um la­do, a ban­ca­da da ba­la diz que es­se pro­je­to aca­ba des­va­lo­ri­zan­do o po­li­ci­al que se en­vol­ve em uma tro­ca de ti­ros e aca­ba o equi­pa­ran­do aos cri­mi­no­sos. De ou­tro, os au­to­res do pro­je­to en­ten­dem que ao não se in­ves­ti­ga­rem es­sas mor­tes, di­fi­cil­men­te se sa­be­rá se o ato do po­li­ci­al foi le­gí­ti­ma de­fe­sa ou se foi um ho­mi­cí­dio.

No ano pas­sa­do, 4.224 pes­so­as mor­re­ram após a in­ter­ven­ção po­li­ci­al, um au­men­to de 25,8% em com­pa­ra­ção com 2015. Do ou­tro la­do des­sa guer­ra, tam­bém cres­ceu a quan­ti­da­de de po­li­ci­ais ví­ti­mas de as­sas­si­na­tos, fo­ram 437, ou 17,% a mais que no ano an­te­ri­or. “O que tem acon­te­ci­do no Bra­sil é mui­ta exe­cu­ção. O que que­re­mos é que se­ja apu­ra­do. Que­re­mos se­pa­rar a boa po­lí­cia da má po­lí­cia”, re­su­miu o au­tor do pro­je­to paulo Tei­xei­ra ( PT- SP).

Po­li­ci­ais du­ran­te trei­na­men­to no com­ple­xo pe­ni­ten­ciá­rio de Bangu.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.