Não acha­mos que ‘fa­ke news’ se­ri­am tão im­por­tan­tes

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Me­nos­pre­zar o im­pac­to que as “fa­ke news” -no­tí­ci­as fal­sas, ge­ral­men­te cri­a­das com ob­je­ti­vo po­lí­ti­co ou fi­nan­cei­ro- po­de­ri­am ter nas elei­ções foi um er­ro que jor­na­lis­tas, elei­to­res e po­lí­ti­cos dos EUA co­me­te­ram na cam­pa­nha pre­si­den­ci­al de 2016.

A opi­nião é da jor­na­lis­ta ame­ri­ca­na an­gie Ho­lan, edi­to­ra do si­te de che­ca­gem de fa­tos po­li­ti­fact, e vem co­mo aler­ta pa­ra que os brasileiros não re­pi­tam os equí­vo­cos que trans­for­ma­ram a dis­pu­ta en­tre Hil­lary Clin­ton e Do­nald Trump num em­ba­te de mui­tas agres­sões e pou­cas idei­as. Re­pór­ter no ti­me que ga­nhou o prê­mio pu­lit­zer de 2009 pe­la che­ca­gem de fa­tos nas elei­ções ame­ri­ca­nas do ano an­te­ri­or, Ho­lan diz que seu tra­ba­lho de ates­tar a ve­ra­ci­da­de das de­cla­ra­ções de po­lí­ti­cos tor­nou-se mais re­le­van­te sob o go­ver­no de um pre­si­den­te com pou­co apre­ço pe­la ver­da­de.

Ela con­ver­sou com a fo­lha no Rio, on­de par­ti­ci­pa, nes­te do­min­go (12), do fes­ti­val 3i - Jor­na­lis­mo Ino­va­dor, Ins­pi­ra­dor e In­de­pen­den­te, cri­a­do por oi­to or­ga­ni­za­ções de jor­na­lis­mo on-li­ne e pe­lo Go­o­gle News Lab.

Em sua me­sa (“po­la­ri­za­ção e Elei­ções”), a ame­ri­ca­na vai dis­cu­tir a im­por­tân­cia de fa­zer bom jor­na­lis­mo e che­ca­gem de fa­tos nu­ma épo­ca de di­vi­são po­lí­ti­ca ra­di­cal e de âni­mos exal­ta­dos.

Fo­lha - O Bra­sil de­ve

ter uma cam­pa­nha elei­to­ral tu­mul­tu­a­da em 2018. O que a úl­ti­ma elei­ção ame­ri­ca­na po­de nos en­si­nar?

An­gie Ho­lan - pa­ra jor­na­lis­tas, di­ria que de­vem tra­tar as “fa­ke news” com se­ri­e­da­de. De­ve­ría­mos ter fei­to mais che­ca­gem de fa­tos em ci­ma des­sas no­tí­ci­as fal­sas du­ran­te a elei­ção, mas não acha­mos que fos­sem ser um fa­tor tão im­por­tan­te quan­to fo­ram. Nos EUA, os can­di­da­tos não que­ri­am dis­cu­tir os gran­des te­mas, mas se ata­car: Hil­lary ata­ca­va a fal­ta de pre­pa­ro de Trump pa­ra o car­go, e Trump ata­ca­va Hil­lary e to­dos os de­mais por não fa­ze­rem um bom tra­ba­lho. Mas não eram acu­sa­ções em­ba­sa­das.

O pú­bli­co tam­bém tem a res­pon­sa­bi­li­da­de de es­tar bem in­for­ma­do. E os po­lí­ti­cos têm as obri­ga­ções de sem­pre: di­vul­gar su­as po­si­ções, par­ti­ci­par de de­ba­tes. Há uma ideia de que, se os jor­na­lis­tas fi­zes­sem seu tra­ba­lho me­lhor, as cam­pa- nhas se­ri­am me­lho­res, mas não sei se é ver­da­de. Às ve­zes, os po­lí­ti­cos só que­rem ape­lar às emo­ções das pes­so­as, e não te­mos po­der de di­tar o ti­po de cam­pa­nha que eles de­vem fa­zer.

Co­mo os lei­to­res po­dem se blin­dar das no­tí­ci­as fal­sas?

Eles de­vem es­tar sem­pre des­con­fi­a­dos qu­an­do usam re­des so­ci­ais, es­pe­ci­al­men­te o fa­ce­bo­ok.

Se vi­rem uma man­che­te sur­pre­en­den­te, do ti­po “meu Deus, não acre­di­to nis­so”, de­vem che­car, mes­mo que te­nha vin­do de ami­gos ou da fa­mí­lia. Se vi­rem al­go mui­to emo­ci­o­nal ou vi­ru­len­to, ou que diz as pi­o­res coi­sas so­bre um dos can­di­da­tos, têm a res­pon­sa­bi­li­da­de de che­car, de ir mais fun­do.

Nas re­des so­ci­ais, os tí­tu­los são os mais en­ga­na­do­res. En­tão su­gi­ro ao pú­bli­co que se­ja mui­to cau­te­lo­so com os tí­tu­los e tex­tos cur­tos que vê nas re­des so­ci­ais.

Leia mais re­por­ta­gens apro­fun­da­das.

o pró­prio ter­mo “fa­ke news” tem si­do usa­do de for­ma de­tur­pa­da, não?

Sim. Nós, che­ca­do­res de fa­tos, de­fi­ni­mos “fa­ke news” co­mo no­tí­ci­as in­ven­ta­das que se pas­sam por tex­tos jor­na­lís­ti­cos. Trump de­fi­ne co­mo no­tí­ci­as de que ele não gos­ta. Ele fre­quen­te­men­te tra­ta no­tí­ci­as de em­pre­sas jor­na­lís­ti­cas de tra­di­ção, com pro­ce­di­men­tos e prá­ti­cas de re­por­ta­gem, co­mo “fa­ke news”. Co­mo jor­na­lis­tas, pre­ci­sa­mos re­a­gir a is­so, di­zer que aqui­lo não é no­tí­cia fal­sa, mas re­por­ta­gem de ver­da­de, ain­da que al­guém não gos­te. Se os po­lí­ti­cos re­pe­tem men­ti­ras se­gui­da­men­te, pre­ci­sa­mos cor­ri­gi-los re­pe­ti­da­men­te. por exem­plo, Trump vi­ve re­pe­tin­do que os EUA são o país com os im­pos­tos mais al­tos do mun­do, e não so­mos.

Trump é um exem­plo de po­lí­ti­co que usa as re­des so­ci­ais pa­ra fa­lar di­re­ta­men­te ao pú­bli­co, ig­no­ran­do a im­pren­sa. is­so en­fra­que­ce o jor­na­lis­mo?

To­dos os po­lí­ti­cos têm o di­rei­to de fa­lar di­re­ta­men­te com os elei­to­res, pas­san­do as men­sa­gens co­mo qui­se­rem. O pro­ble­ma é que, ao mes­mo tem­po em que Trump usa o Twit­ter, ele evi­ta as en­tre­vis­tas co­le­ti­vas da im­pren­sa, que é qu­an­do os ques­ti­o­na­men­tos so­bre a pre­si­dên­cia são fei­tos. E te­mos pro­ble­mas com sua por­ta-voz [ Sa­rah San­ders] que, qu­an­do questionada so­bre as im­pre­ci­sões de Trump, diz que ele es­tá cer­to, mes­mo com evi­dên­cia em con­trá­rio.

A mí­dia ame­ri­ca­na o cri­ti­ca mais do que fez com ou­tros pre­si­den­tes? Há exa­ge­ros?

Pa­ra jor­na­lis­tas pro­fis­si­o­nais, é mui­to im­por­tan­te que o prin­cí­pio da ver­da­de ori­en­te su­as re­por­ta­gens. Trump diz coi­sas que são in­cor­re­tas, re­pe­ti­da­men­te. Nun­ca sa­be­re­mos se ele acha que o que diz é ver­da­de, mas, qu­an­do a im­pren­sa bus­ca re­por­tar com pre­ci­são e ele diz coi­sas in­cor­re­tas, is­so cria mui­ta ten­são nes­sa re­la­ção. É por is­so que ele tem uma re­la­ção tão an­tagô­ni­ca com a im­pren­sa.

Di­to is­so, o pre­si­den­te Ba­rack Oba­ma não ama­va a im­pren­sa, ti­nha mui­tas re­cla­ma­ções e sua ad­mi­nis­tra­ção foi mui­to du­ra con­tra os “whis­tle­blowers”, gen­te que tra­ba­lha­va no go­ver­no e va­za­va [in­for­ma­ções] pa­ra a im­pren­sa.

Co­mo o go­ver­no Trump afe­tou a vi­da dos jor­na­lis­tas que fa­zem che­ca­gem de fa­tos?

Ele não mu­dou nos­so tra­ba­lho, te­mos um mé­to­do es­ta­be­le­ci­do pa­ra che­ca­gem: pro­cu­ra­mos evi­dên­ci­as, fon­tes ori­gi­nais, fa­la­mos com um am­plo es­pec­tro de es­pe­ci­a­lis­tas. a di­fe­ren­ça é que o ní­vel de im­pre­ci­são de­le é mai­or do que o de ou­tros po­lí­ti­cos, en­tão tra­ba­lha­mos mais.

Afp

A jor­na­lis­ta An­gie Ho­lan, ven­ce­do­ra do Pu­lit­zer

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.