‘É PRE­CI­SO Per­do­ar QUEM BA­TEU Pa­ne­la’

DILMA rous­seff

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

em vi­a­gem pela ale­ma­nha, a ex­pre­si­den­te dilma rous­seff afir­mou, em en­tre­vis­ta à deuts­che Wel­le nes­ta se­gun­da-fei­ra (13) em Ber­lim, que o Bra­sil “pre­ci­sa se re­en­con­trar” e que o pt não de­ve ter um es­pí­ri­to vin­ga­ti­vo nas pró­xi­mas elei­ções.

dilma dis­se que seu go­ver­no foi ví­ti­ma de um gol­pe, mas que é ho­ra de “per­do­ar a pes­soa que ba­teu pa­ne­la achan­do que es­ta­va sal­van­do o Bra­sil, e que de­pois se deu con­ta de que não es­ta­va”. ela tam­bém afir­mou que não vê pro­ble­mas em ali­an­ças en­tre seu par­ti­do e fi­gu­ras co­mo o se­na­dor re­nan Ca­lhei­ros. No as­pec­to pes­so­al, a ex-pre­si­den­te con­tou que ten­ta man­ter a ro­ti­na de exer­cí­ci­os fí­si­cos e de tem­po com a fa­mí­lia. tam­bém não des­car­tou vol­tar a con­cor­rer a um car­go po­lí­ti­co. e, em meio à con­tro­vér­sia en­vol­ven­do a de­cla­ra­ção ra­cis­ta do jor­na­lis­ta Wil­li­am Wa­ack, afir­mou: “o pt é coi­sa de pre­to, eu sou coi­sa de pre­to.”

dw Bra­sil: Co­mo a se­nho­ra ava­lia a si­tu­a­ção em que o Bra­sil se en­con­tra hoje?

dilma rous­seff - o gol­pe que so­fri tem três fa­ses. a pri­mei­ra e inau­gu­ral é meu im­pe­a­ch­ment. a se­gun­da é es­se es­tra­go que eles es­tão pro­vo­can­do no Bra­sil, co­mo a emen­da que con­ge­la os gas­tos em saú­de e edu­ca­ção. ou a re­for­ma tra­ba­lhis­ta, num país que há pou­co tem­po saiu da es­cra­vi­dão, e es­se pro­ces­so de ven­da de pa­trimô­nio pú­bli­co. o ter­cei­ro momento do gol­pe é in­vi­a­bi­li­zar o Lu­la e, aí, ven­der o pré-sal.

so­bre as elei­ções de 2018, quais são su­as ex­pec­ta­ti­vas?

Há uma mai­or per­cep­ção no Bra­sil de que o Lu­la es­tá sen­do per­se­gui­do. em que eu ba­seio es­sa afir­ma­ção? se vo­cê olhar o de­sen­vol­vi­men­to das pes­qui­sas, vai ver que es­tá su­bin­do a apro­va­ção. É a per­cep­ção do po­vo brasileiro de que ele foi o me­lhor pre­si­den­te. Mi­nha es­pe­ran­ça se­ria ele vol­tar. Na épo­ca do im­pe­a­ch­ment, eles [a mí­dia e os ad­ver­sá­ri­os po­lí­ti­cos] con­se­gui­ram co­lo­car a re­jei­ção a ele e ao pt lá em ci­ma. eles apos­tam que o po­vo brasileiro é ig­no­ran­te. Mas o po­vo brasileiro vai per­ce­ben­do es­se grau de in­to­le­rân­cia e de per­se­gui­ção.

Co­mo a se­nho­ra vê a apro­xi­ma­ção do pt com o pmdb em di­ver­sos es­ta­dos? o pró­prio ex-pre­si­den­te Lu­la já afir­mou que es­tá “per­do­an­do os gol­pis­tas”. Não é um tan­to in­co­e­ren­te o pt de­nun­ci­ar um “gol­pe” e vol­tar a se ali­ar com um par­ti­do que o te­ria traí­do?

di­fi­cil­men­te nós fa­re­mos ali­an­ça com o pmdb em ní­vel na­ci­o­nal. Mas vo­cê vai fa­lar que não po­de fa­zer ali­an­ça com o [se­na­dor ro­ber­to] re­quião? o re­quião é do pmdb, e uma pes­soa que com­ba­teu o gol­pe. Vo­cê não vai fa­zer uma ali­an­ça com a Ká­tia abreu? ela foi outra que com­ba­teu o gol­pe.

e fi­gu­ras co­mo o se­na­dor re­nan Ca­lhei­ros?

o re­nan não tra­ba­lhou a fa­vor do gol­pe.

Mas ele vo­tou pe­lo im­pe­a­ch­ment.

ele pre­si­dia [o se­na­do], não po­dia vo­tar.

o vo­to fi­nal de­le foi pe­lo im­pe­a­ch­ment.

Mas ele não tra­ba­lhou pe­lo im­pe­a­ch­ment. e es­sa não é ques­tão re­le­van­te. Não acho que per­do­ar gol­pis­ta é per­do­ar o pmdb e o psdb. acho que per­do­ar gol­pis­ta é per­do­ar aque­la pes­soa que ba­teu pa­ne­la achan­do que es­ta­va sal­van­do o Bra­sil, e que de­pois se deu con­ta de que não es­ta­va.

uma ho­ra nós va­mos ter que nos re­en­con­trar. uma par­te do Bra­sil se equi­vo­cou. ago­ra is­so não sig­ni­fi­ca per­dão àque­les que pla­ne­ja­ram e exe­cu­ta­ram o gol­pe. Vo­cê tem uma por­ção de pes­so­as que fo­ram às ru­as e que es­ta­vam com­ple­ta­men­te equi­vo­ca­das. Mas vo­cê não vai che­gar pa­ra elas e fa­lar ‘nós va­mos te per­se­guir’. pre­ci­sa­mos cri­ar um cli­ma de re­en­con­tro, en­ten­de? Não vai ser um cli­ma vin­ga­ti­vo, não po­de ser is­so.

a po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra não es­tá pre­ci­san­do de renovação de­pois do im­pe­a­ch­ment? Não se­ria o momento de abrir espaço pa­ra no­vas li­de­ran­ças, es­pe­ci­al­men­te na es­quer­da?

[dilma gar­ga­lha] Is­so se cha­ma “co­mo ti­rar o Lu­la da pa­ra­da”. tá en­ten­den­do?

Com o im­pe­a­ch­ment o psdb aca­bou, su­miu. o que os con­ser­va­do­res con­se­gui­ram pro­du­zir? pro­du­zi­ram a ex­tre­ma di­rei­ta, o MBL [Mo­vi­men­to Bra­sil Li­vre] e o [Jair] Bol­so­na­ro. e o que ain­da é novo no Bra­sil? o ges­tor in­com­pe­ten­te, ti­po o trump? o João dó­ria? ou vo­cê de­se­ja a po­lí­ti­ca de ani­ma­ção de au­di­tó­rio co­mo po­lí­ti­ca so­ci­al, que é o Lu­ci­a­no Huck? Is­so é o novo?

sa­be o que eu acho que é o novo? es­se foi um pen­sa­men­to que ti­ve de­pois do ca­so do Wil­li­am Wa­ack. Vo­cê sa­be o que é coi­sa de pre­to? o pt é coi­sa de pre­to. o Lu­la é coi­sa de pre­to. Nós so­mos coi­sa de pre­to. eu sou uma coi­sa de pre­to.

Co­mo es­tá sen­do sua ro­ti­na um ano após o im­pe­a­ch­ment?

É uma ro­ti­na que de­pen­de de on­de es­tou, se­ja em são pau­lo ou em Ber­lim. par­ti­ci­po de au­las, de­ba­tes, con­fe­rên­ci­as, ca­ra­va­nas –es­ti­ve na do nor­des­te e na de Mi­nas Ge­rais. sem­pre que pos­so fa­ço mi­nha ati­vi­da­de física, an­do de bi­ci­cle­ta, pe­lo me­nos 50 mi­nu­tos por dia.

Quan­do es­tou em por­to ale­gre fi­co com meus ne­tos, às ve­zes, le­vo pa­ra dor­mir na mi­nha ca­sa. Cri­an­ça tem uma ener­gia ines­go­tá­vel e não te­mos mais a mes­ma ener­gia. Mas ser avó tem es­se mé­ri­to: a gen­te es­tra­ga bas­tan­te e de­pois de­vol­ve pa­ra a mãe.

Não pa­re­ce exis­tir no Bra­sil um pa­pel bem de­fi­ni­do de ex-pre­si­den­te, co­mo nos eua e em al­guns paí­ses eu­ro­peus. Que ti­po de ex-pre­si­den­te a se­nho­ra vai pro­cu­rar ser?

o pre­si­den­te só tem di­rei­to à se­gu­ran­ça e uma pe­que­na as­ses­so­ria. em al­gum momento, vão ter que dis­cu­tir qual é a pro­te­ção que tem um ex-pre­si­den­te, a física, a le­gal, não acho que um ex­pre­si­den­te pos­sa vol­tar a tra­ba­lhar na ini­ci­a­ti­va pri­va­da. acho que is­so é in­com­pa­tí­vel com o ex-pre­si­den­te. Vai ter que de­fi­nir o que é. Nos eua, es­tá es­ti­pu­la­do.

a se­nho­ra vai ser uma ex­pre­si­den­te que vai pro­cu­rar no­vos man­da­tos po­lí­ti­cos?

Não vou dei­xar de fa­zer po­lí­ti­ca por­que sou ex-pre­si­den­te ou não te­nho um man­da­to ele­ti­vo. Fiz po­lí­ti­ca mi­nha vi­da in­tei­ra, eu es­ti­ve pre­sa não era por­que eu era téc­ni­ca, nin­guém vai pa­ra a pri­são por ser téc­ni­co. Fiz po­lí­ti­ca a vi­da in­tei­ra e não pre­ci­sei de man­da­to par­la­men­tar pa­ra con­ti­nu­ar fa­zen­do, ob­vi­a­men­te num rit­mo com­pa­tí­vel com a mi­nha ida­de.

Re­pro­du­ção es­ta­dao

Fran­cois Le­noir - 11.JUN.2015

Dilma em vi­si­ta a Bru­xe­las

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.