Des­cul­pe in­va­dir sua pri­va­ci­da­de

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Nos úl­ti­mos três anos e oi­to me­ses, to­das as ve­zes que o Fa­ce­bo­ok me avi­sou que uma mu­lher des­co­nhe­ci­da que­ria se co­nec­tar co­mi­go eu já sa­bia do que se tra­ta­va. Não pre­ci­sa­va se­quer abrir a men­sa­gem re­ce­bi­da. e qua­se to­das as ve­zes es­ta­va cer­ta: era um pe­di­do de so­cor­ro, um su­plí­cio de­ses­pe­ra­do, mui­tas ve­zes acom­pa­nha­do de um de­sa­ba­fo ín­ti­mo, com da­dos pes­so­ais ou cre­den­ci­ais pro­fis­si­o­nais, de al­gu­ma mu­lher de­ci­di­da a abor­tar e que pre­ci­sa­va de aju­da. “des­cul­pe in­va­dir sua pri­va­ci­da­de”, “faz dois di­as que en­tra­mos em de­ses­pe­ro to­tal”, “mi­nha ir­mã com a ida­de men­tal de uma cri­an­ça de 10 anos se en­vol­veu com uma pes­soa que se apro­vei­tou de­la”, “es­tou pen­san­do em co­me­ter sui­cí­dio.”

Men­sa­gens do ti­po se tor­na­ram ro­ti­na des­de que em 7 de mar­ço de 2014 pu­bli­ca­mos uma en­tre­vis­ta com um gi­ne­co­lo­gis­ta que pra­ti­ca­va abor­tos clan­des­ti­nos, em uma par­ce­ria com a co­le­ga es­pa­nho­la ra­quel se­co. Ne­la, o mé­di­co con­ta­va so­bre sua ro­ti­na in­ter­rom­pen­do ges­ta­ções não de­se­ja­das em uma clí­ni­ca pri­va­da de um bair­ro no­bre de são pau­lo a um cus­to de 3.000 re­ais por pro­ce­di­men­to. o gi­ne­co­lo­gis­ta, que pe­las re­gras da le­gis­la­ção bra­si­lei­ra co­me­te um cri­me ca­da vez que re­ti­ra um em­brião de den­tro de um úte­ro, não foi iden­ti­fi­ca­do no tex­to pu­bli­ca­do. Foi sua con­di­ção pa­ra que acei­tas­se con­ver­sar so­bre o te­ma. e no ano­ni­ma­to con­tou de quan­do re­a­li­zou o abor­to de uma me­ni­na de dez anos que ha­via en­gra­vi- da­do do vi­zi­nho de 13. ou de quan­do te­ve de fa­zer abor­to na pró­pria fi­lha, de 19 anos. ou da vez que foi pro­cu­ra­do por uma fi­el que ha­via en­gra­vi­da­do de um pa­dre.

o mé­di­co é co­nhe­ci­do no cír­cu­lo pes­so­al de mui­tas mu­lhe­res da clas­se mé­dia pau­lis­ta­na. Is­so tem al­guns mo­ti­vos: são pou­cos os gi­ne­co­lo­gis­tas que se ar­ris­cam a fa­zer abor­tos clan­des­ti­nos, ele os pra­ti­ca há mais de 40 anos e o pro­ce­di­men­to não é na­da ra­ro no país. se­gun­do a pes­qui­sa Na­ci­o­nal de abor­to, pu­bli­ca­da em 2016 por pes­qui­sa­do­res da uni­ver­si­da­de de Bra­sí­lia e da uni­ver­si­da­de es­ta­du­al do pi­auí, na­que­le ano qua­se uma em ca­da cin­co mu­lhe­res já ha­via re­a­li­za­do aos 40 anos pe­lo me­nos um abor­to na vi­da. Is­so sig­ni­fi­ca que se vo­cê tem cin­co ami­gas ou pa­ren­tes em ida­de re­pro­du­ti­va, uma de­las já de­ve ter in­ter­rom­pi­do uma gra­vi­dez. Mes­mo que vo­cê não sai­ba.

No meu cír­cu­lo pró­xi­mo, por exem­plo, fo­ram qua­tro. e por mais fa­vo­rá­veis ao pro­ce­di­men­to que ca­da uma de­las fos­se, ne­nhu­ma con­tou es­se se­gre­do sem dei­xar cla­ro im­pli­ci­ta­men­te que, ali, es­ta­va ex­pon­do um dos as­pec­tos mais pro­fun­dos de sua vi­da. era sem­pre um cer­to re­la­to de dor, se­ja ela psi­co­ló­gi­ca ou física. al­go ine­vi­tá­vel por­que, é pre­ci­so dei­xar cla­ro, nin­guém de­se­ja fa­zer um abor­to. Nin­guém acor­da e pla­ne­ja: acho que hoje me pa­re­ce um bom dia pa­ra in­ter­rom­per uma gra­vi­dez. É uma de­ci­são di­fí­cil e que, na mai­o­ria dos ca­sos, é to­ma­da em ple­na so­li­dão, pois ela ge­ral­men­te re­cai so­men­te nas cos­tas da pró­pria mu­lher, co­mo se fos­se ela a única res- pon­sá­vel por aque­la ges­ta­ção.

al­gu­mas des­sas re­ve­la­ções só me fo­ram di­tas mui­tos anos de­pois de elas te­rem acon­te­ci­do. por­que ain­da que fôs­se­mos pró­xi­mas, a história ge­ral­men­te é com­par­ti­lha­da com um quê de cul­pa, com um te­mor de ser jul­ga­da. É pre­ci­so que ha­ja uma con­fi­an­ça imen­sa pa­ra se di­vi­dir al­go tão ín­ti­mo. por is­so, quan­do che­gou o pri­mei­ro pe­di­do via Fa­ce­bo­ok de uma des­co­nhe­ci­da le­vei um susto. es­ta­va ali, na cai­xa fria de men­sa­gens de uma re­de so­ci­al, a história mais ín­ti­ma de uma mu­lher que mal sa­bia meu no­me. Que não fa­zia ideia se eu era al­guém con­fiá­vel ou não.

Co­mo re­pór­ter, co­bri saú- de pú­bli­ca por al­guns anos. Co­nhe­ci os ser­vi­ços de abor­to le­gal de re­fe­rên­cia, on­de são fre­quen­tes as tris­tes his­tó­ri­as de me­ni­nas-qua­se-cri­an­ças abu­sa­das que pre­ci­sam ti­rar o fru­to da­que­la vi­o­lên­cia de seus ven­tres. Mas, pela pri­mei­ra vez, me de­pa­ra­va com uma di­fi­cul­da­de que nem ima­gi­na­va exis­tir, por mais que ago­ra ela pa­re­ça bas­tan­te ób­via: não há qual­quer re­de de apoio, ao me­nos fa­cil­men­te aces­sí­vel, a mu­lhe­res que en­gra­vi­dam sem de­se­jar e que não se en­qua­dram em ne­nhu­ma das op­ções em que o abor­to é per­mi­ti­do no país: es­tu­pro, ris­co pa­ra ges­tan­te e fe­tos anen­cé­fa­los. Não se tra­ta de uma re­de de apoio pa­ra in­di­car a es­sa mu­lher on­de abor­tar, o que se­ria ile­gal, mas al­go que pu­des­se aco­lhê-la, ou­vir su­as an­gús­ti­as, ten­tar con­for­tá-la. es­ta­va ali uma mu­lher de­ses­pe­ra­da que, após di­gi­tar no Go­o­gle al­go co­mo “mé­di­co que faz abor­to” che­gou ao nos­so tex­to, bus­cou meu no­me no Fa­ce­bo­ok e ar­ris­cou me man­dar uma men­sa­gem. e eu não fa­zia a me­nor ideia de co­mo aju­dá-la. Con­ver­sa­mos no jor­nal so­bre co­mo de­ve­ría­mos pro­ce­der. e sa­bía­mos que o má­xi­mo que es­ta­va em nos­so al­can­ce pa­ra não bur­lar a le­gis­la­ção se­ria in­di­car a ela te­le­fo­nes de ongs fe­mi­nis­tas que, tal­vez, pu­des­sem aco­lhê­la com al­gu­ma ori­en­ta­ção le­gal. o te­le­fo­ne do mé­di­co não

Pro­tes­to con­tra a PEC 181 em

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.