STF abre ca­mi­nho pa­ra li­mi­tar fo­ro pri­vi­le­gi­a­do

Brasil em Folhas - - Front Page -

Oi­to dos on­ze mi­nis­tros do su­pre­mo tri­bu­nal Fe­de­ral (stf) vo­ta­ram nes­ta quin­ta­fei­ra pa­ra res­trin­gir o al­can­ce do fo­ro pri­vi­le­gi­a­do, a prer­ro­ga­ti­va de de­pu­ta­dos e se­na­do­res de só se­rem jul­ga­dos pe­la mais al­ta cor­te do país. seis mi­nis­tros (Cel­so de mel­lo, mar­co au­ré­lio, ro­sa We­ber, ed­son Fa­chin, Luiz Fux e Car­men Lu­cia) se­gui­ram a pro­pos­ta do re­la­tor, o mi­nis­tro Luís ro­ber­to bar­ro­so, de li­mi­tar o fo­ro no stf pa­ra aque­les cri­mes ocor­ri­dos du­ran­te o exer­cí­cio do man­da­to par­la­men­tar e em ra­zão do car­go, co­mo, por exem­plo, re­ce­bi­men­to de pro­pi­na. ale­xan­dre de mo­ra­es propôs uma res­tri­ção, mas me­nos du­ra. o mi­nis­tro an­to­nio di­as tof­fo­li, no en­tan­to, de­ci­diu pe­dir vis­tas, ou se­ja, mais tem­po pa­ra ava­li­ar o ca­so, e a con­clu­são do jul­ga­men­to, ain­da que já ha­ja mai­o­ria no tri­bu­nal, foi adi­a­da. a re­gra do fo­ro be­ne­fi­cia um to­tal de 54.990 pes­so­as, se­gun­do um le­van­ta­men­to fei­to pe­la Con­sul­to­ria Le­gis­la­ti­va do se­na­do. abran­ge au­to­ri­da­des do po­der Ju­di­ciá­rio, do mi­nis­té­rio pú­bli­co, co­man­dan­tes das For­ças ar­ma­das, che­fes de mis­são di­plo­má­ti­ca per­ma­nen­te, en­tre ou­tros. a pro­pos­ta do mi­nis­tro bar­ro­so in­ci­de ape­nas em par­la­men­ta­res fe­de­rais. ain­da as­sim, com es­ta mu­dan­ça 90% dos pro­ces­sos e in­ves­ti­ga­ções cri­mi­nais que es­tão em an­da­men­to iri­am pa­ra ou­tras ins- tân­ci­as, se­gun­do um le­van­ta­men­to fei­to pe­la Fun­da­ção Ge­tú­lio var­gas (FGV).

“os pro­ces­sos de­mo­ram cin­co ou se­te anos. É um mo­de­lo que não fun­ci­o­na e es­tou con­ven­ci­do de que ele foi fei­to pa­ra não fun­ci­o­nar. não há cul­pa­dos, mas o sis­te­ma é ruim por­que des­gas­ta po­li­ti­ca­men­te o su­pre­mo, é ruim por­que um tri­bu­nal cons­ti­tu­ci­o­nal não de­ve fi­gu­rar co­mo juí­zo cri­mi­nal de pri­mei­ra ins­tân­cia e é ruim por­que alon­ga os pro­ces­sos in­de­fi­ni­da­men­te”, ar­gu­men­tou bar­ro­so. “o que eu pro­po­nho é uma in­ter­pre­ta­ção que é a se­guin­te: no ca­so de par­la­men­ta­res fe­de­rais, so­men­te ha­ve­rá o fo­ro aqui no stf pa­ra aque­les cri­mes ocor­ri­dos du­ran­te o car­go e em ra­zão do car­go. se o fa­to ocor­rer fo­ra do car­go, co­mo uma dis­cus­são com um vi­zi­nho, não tem por­que es­tar no stf”, ex­pli­cou o mi­nis­tro.

du­ran­te a ses­são do su­pre­mo, o mi­nis­tro ale­xan­dre de mo­ra­es tam­bém apoi­ou a li­mi­ta­ção do al­can­ce do fo­ro pri­vi­le­gi­a­do, mas propôs uma li­mi­ta­ção me­nor. ele de­fen­deu que par­la­men­ta­res se­jam pro­ces­sa­dos no su­pre­mo mes­mo qu­an­do o cri­me do qual é acu­sa­do não te­nha re­la­ção com o car­go — co­mo, por exem­plo, um ca­so de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca.

di­o­go rais, es­pe­ci­a­lis­ta em di­rei­to Cons­ti­tu­ci­o­nal elei­to­ral e pro­fes­sor da mac­ken­zie, ex­pli­ca que a in­ten­ção do su­pre­mo é di­mi­nuir a abran­gên­cia do fo­ro e jul­gar me­nos pro­ces­sos. ele ex­pli­ca que do pon­to de vis­ta elei­to­ral o fim do fo­ro po­de ter in­ci­dên­cia na lei da fi­cha lim­pa. is­so por­que uma pes­soa que é con­de­na­da por um ór­gão co­le­gi­a­do, ain­da que pos­sa re­cor­rer, já fi­ca ine- le­gí­vel se­gun­do a lei. “na prá­ti­ca, um de­pu­ta­do qu­an­do é con­de­na­do pe­lo su­pre­mo ou stj já fi­ca fi­cha su­ja. se ele é jul­ga­do por um juiz de pri­mei­ra ins­tân­cia, ou se­ja, por um úni­co juiz, ele não fi­ca fi­cha su­ja. en­tão ele po­de ga­nhar um oxi­gê­nio”, ex­pli­ca rais.

is­so vai de­pen­der do an­da­men­to de ca­da pro­ces­so, se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta. Co­mo o su­pre­mo de­mo­ra anos pa­ra jul­gar um ca­so, o pró­prio fo­ro já re­pre­sen­ta um oxi­gê­nio pa­ra o acu­sa­do. “o mai­or pro­ble­ma é com os ca­sos que es­tão em cur­so. Ca­da pro­ces­so tem seu rit­mo”, ex­pli­ca rais. de acor­do com a pro­pos­ta de bar­ro­so, o pro­ces­so só não mu­da­ria de ins­tân­cia qu­an­do a ins­tru­ção pro­ces­su­al es­ti­ves­se con­cluí­da, ou se­ja, qu­an­do a úl­ti­ma fa­se an­tes do jul­ga­men­to de uma ação, qu­an­do as par­tes apre­sen- tam su­as ale­ga­ções fi­nais, já es­ti­ves­se fi­na­li­za­da.

FIM DO FO­RO NO CONGRESSO

na prá­ti­ca, não há pra­zo pa­ra que o mi­nis­tro di­as tof­fo­li de­vol­va o pro­ces­so pa­ra que o jul­ga­men­to se­ja con­cluí­do. ape­sar da mai­o­ria for­ma­da, em te­se, os vo­tos a fa­vor da pro­pos­ta de bar­ro­so ain­da po­dem ser re­ver­ti­dos. o cro­no­gra­ma, nes­te ca­so, im­por­ta. an­tes de pro­vo­car a sus­pen­são, o pró­prio tof­fo­li su­ge­riu que a Cor­te não de­ve­ria ana­li­sar o te­ma até que o Congresso de­li­be­ras­se so­bre ela -os par­la­men­ta­res se mo­vi­men­tam pa­ra ten­tar se an­te­ci­par à Cor­te e aca­bar com o fo­ro pri­vi­le­gi­a­do à sua ma­nei­ra, sob crí­ti­cas de es­pe­ci­a­lis­tas. nes­ta quar­ta-fei­ra, a Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ) da Câ­ma­ra res­pal­dou um pro­je­to apro­va­do em maio des­te ano no se­na­do que li­mi­ta o fo­ro ape­nas aos pre­si­den­tes da re­pú­bli­ca (e seu vi­ce) e das Ca­sas do Le­gis­la­ti­vo. tra­ta-se de uma li­mi­ta­ção ain­da mais du­ra que a pro­pos­ta por bar­ro­so. no en­tan­to, na oca­sião os se­na­do­res co­lo­ca­ram no pro­je­to um ar­ti­go que im­pe­de o iní­cio do cum­pri­men­to de pe­na após con­de­na­ção na se­gun­da ins­tân­cia. es­ta ju­ris­pru­dên­cia foi apro­va­da pe­lo stf e é con­si­de­ra­da im­por­tan­te pa­ra o su­ces­so de ope­ra­ções an­ti­cor­rup­ção co­mo a pró­pria ope­ra­ção La­va Ja­to.

Re­pro­du­ção FOLHA

O mi­nis­tro Luís Ro­ber­to Bar­ro­so, nes­ta quin­ta-fei­ra du­ran­te o jul­ga­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.