Pa­dre sus­pei­to de mo­les­tar ga­ro­tos em São Pau­lo

Brasil em Folhas - - Portada -

Ao lon­go de quase três anos, as mis­sas na igreja de São Se­bas­tião, em Gu­a­pi­a­çu, uma ci­da­de do in­te­ri­or de São Pau­lo com me­nos de 20.000 ha­bi­tan­tes, eram ce­le­bra­das pe­lo pa­dre Ma­no­el Be­zer­ra de Lima na mais se­re­na nor­ma­li­da­de. O fa­to de es­tar sempre ro­de­a­do de me­ni­nos, com os quais se en­con­tra­va re­gu­lar­men­te den­tro e fo­ra da pa­ró­quia, ja­mais le­van­tou des­con­fi­an­ças. Até que, no úl­ti­mo dia 30 de no­vem­bro, o sa­cer­do­te de 66 anos foi pre­so por sus­pei­ta de abu­so e ex­plo­ra­ção se­xu­al. Em sua ca­sa, po­li­ci­ais en­con­tra­ram fo­tos e ví­de­os por­no­grá­fi­cos de ado­les­cen­tes, pre­ser­va­ti­vos, lu­bri­fi­can­tes e vá­ri­as car­tei­ri­nhas de cri­an­ças que ha­vi­am si­do trei­na­das por ele em um ti­me de fu­te­bol ama­dor. Além da ba­ti­na, pa­dre Ma­no­el era re­co­nhe­ci­do pe­la atu­a­ção co­mo téc­ni­co de equi­pes in­fan­tis na ci­da­de vi­zi­nha de Ce­dral. Des­de que che­gou a Gu­a­pi­a­çu pa­ra as­su­mir a pos­to de vi­gá­rio após a morte do pa­dre João Ma­ria Zan­zi, pá­ro­co do mu­ni­cí­pio por mais de 30 anos, ele ti­nha se afas­ta­do da ati­vi­da­de nos cam­pos, mas, se­gun­do re­la­tos de ga­ro­tos que con­vi­vi­am com o re­li­gi­o­so, cos­tu­ma­va se apresentar co­mo um des­co­bri­dor de ta­len­tos e pro­me­tia levar jo­vens pa­ra tes­tes em clu­bes da re­gião. Ga­nha­va a con­fi­an­ça de ado­les­cen­tes com lon­gos pa­pos so­bre fu­te­bol, con­vi­tes pa­ra pes- ca­ri­as, pre­sen­tes e, prin­ci­pal­men­te, nos su­pos­tos en­con­tros de “acon­se­lha­men­to es­pi­ri­tu­al” que pro­mo­via na re­si­dên­cia pa­ro­qui­al de uma ca­pe­la no con­do­mí­nio fe­cha­do on­de vi­via e ce­le­bra­va mis­sas há al­guns me­ses.

Vi­zi­nhos con­fir­mam o fre­quen­te en­tra e sai de ga­ro­tos com ida­des en­tre 14 e 17 anos na ca­sa do re­li­gi­o­so. A po­lí­cia co­me­çou a in­ves­ti­gá-lo so­men­te de­pois da de­nún­cia de uma mãe à Va­ra de In­fân­cia e Ju­ven­tu­de de São Jo­sé do Rio Pre­to. Ela re­la­tou que o fi­lho, de 17 anos, dei­xou de ir à escola e che­ga­va a pas­sar pe­río­dos su­pe­ri­o­res a uma semana hos­pe­da­do com o pa­dre. Pro­mo­to­res de Justiça ten­ta­ram en­trar no con­do­mí­nio em du­as opor­tu­ni­da­des, mas aca­ba­ram bar­ra­dos na por­ta­ria. Só então a Justiça emi­tiu um man­da­do de bus­ca e apre­en­são. Fo­ram aber­tos um inqué­ri­to con­tra o pa­dre e ou­tro con­tra um ho­mem que o acom­pa­nha­va no mo­men­to da ba­ti­da. Ele não foi de­ti­do nem te­ve a iden­ti­da­de di­vul­ga­da, mas seu ce­lu­lar também foi apre­en­di­do por ar­ma­ze­nar ima­gens por­no­grá­fi­cas.

Be­zer­ra de Lima dei­xou a de­le­ga­cia de Gu­a­pi­a­çu no mes­mo dia de sua pri­são. Dois pa­dres de ci­da­des pró­xi­mas pa­ga­ram a fi­an­ça de 3.000 re­ais por ori­en­ta­ção da Di­o­ce­se de São Jo­sé do Rio Pre­to, res­pon­sá­vel pe-

las pa­ró­qui­as da re­gião. A en­ti­da­de afir­mou em um co­mu­ni­ca­do que o sa­cer­do­te já não ce­le­bra­va mis­sas na ca­pe­la do con­do­mí­nio tam­pou­co na igreja de São Se­bas­tião. Ele ha­via si­do afas­ta­do de su­as fun­ções em 7 de no­vem­bro pe­la Di­o­ce­se, que re­pre­en­deu a con­du­ta do pa­dre de­vi­do ao flu­xo de ado­les­cen­tes na re­si­dên­cia pa­ro­qui­al. Na oca­sião, se­gun­do o bis­po Dom To­mé, a ins­ti­tui­ção ofe­re­ceu ao acu­sa­do “uma sé­rie de con­si­de­ra­ções que de­ve­ria to­mar em sua vida”. Ape­sar do afas­ta­men­to, a ad­mi­nis­tra­ção ecle­siás­ti­ca não le­vou a sus­pei­ta in­ter­na às au­to­ri­da­des, mas in­for­ma que o re­li­gi­o­so “res­pon­de­rá por su­as ati­tu­des à me­di­da que o pro­ces­so [judicial] avan­çar”.

A prin­cí­pio, pa­dre Ma­no­el foi in­di­ci­a­do por ar­ma­ze­na­men­to de por­no­gra­fia in­fan­til, que pre­vê pe­na de um a qua­tro anos de pri­são. Po­rém, a Pro­mo­to­ria da In­fân­cia e Ju­ven­tu­de in­ves­ti­ga a sus­pei­ta de que o acom­pa­nhan­te do sa­cer­do­te no mo­men­to da pri­são se­ja um ex-pa­dre, ho­je pro­fes­sor de edu­ca­ção fí­si­ca, e a su­pos­ta exis­tên­cia de uma rede de ex­plo­ra­ção se­xu­al na re­gião. O ma­te­ri­al apre­en­di­do se­rá ana­li­sa­do por pe­ri­tos pa­ra apu­rar se o pa­dre par­ti­ci­pou da pro­du­ção das ima­gens com ado­les­cen­tes. Na pró­xi­ma semana, a mãe res­pon­sá­vel pe­la de­nún­cia e o fi­lho, que so­nha vi­rar jo­ga­dor pro­fis­si­o­nal, pres­ta­rão de­poi­men­to na de­le­ga­cia de Gu­a­pi­a­çu. Au­to­ri­da­des en­vol­vi­das na in­ves­ti­ga­ção também pre­ten­dem lo­ca­li­zar os ga­ro­tos iden­ti­fi­ca­dos nas car­tei­ri­nhas do ti­me de fu­te­bol – atu­al­men­te, al­guns de­les já são mai­o­res de 18 anos. “Va­mos ave­ri­guar se es­ses me­ni­nos fo­ram ví­ti­mas de as­sé­dio ou abu­sos se­xu­ais do pa­dre”, afir­ma o pro­mo­tor da In­fân­cia e Ju­ven­tu­de, An­dré Luis de Souza. En­quan­to res­pon­de ao pro­ces­so, Be­zer­ra de Lima se man­tém re­clu­so na re­si­dên­cia pa­ro­qui­al. Em seu pri­mei­ro de­poi­men­to às au­to­ri­da­des, ele re­ve­lou já ter man­ti­do re­la­ções se­xu­ais com ho­mens adul­tos. En­tre­tan­to, ne­gou abu­sos con­tra os ado­les­cen­tes que fre­quen­ta­vam o con­do­mí­nio. “A pró­xi­ma eta­pa do pro­ces­so é ou­vir pos­sí­veis ví­ti­mas e aguar­dar a con­clu­são dos exa­mes pe­ri­ci­ais pa­ra de­ter­mi­nar se o pa­dre se­rá in­di­ci­a­do por ou­tros cri­mes”, diz o de­le­ga­do res­pon­sá­vel pe­lo ca­so, Mar­ce­lo Fer­ra­ri. Mo­ra­do­res de Gu­a­pi­a­çu, ain­da ten­tan­do di­ge­rir o es­cân­da­lo que cho­cou a ci­da­de, des­cre­vem o pa­dre Ma­no­el co­mo uma pes­soa pa­ca­ta e hu­mil­de. Dos cam­pos de fu­te­bol ao al­tar, ele apre­sen­ta­va cre­den­ci­ais que jus­ti­fi­cam a in­dis­cre­ta pro­xi­mi­da­de dos ga­ro­tos, mas que ago­ra, além do cons­tran­gi­men­to pa­ra a co­mu­ni­da­de re­li­gi­o­sa, cer­cam de des­cren­ça a re­pu­ta­ção cons­truí­da en­tre a bo­la e a Bí­blia.

Fu­te­bol e reu­niões na ca­sa pa­ro­qui­al apro­xi­ma­ram pa­dre de ado­les­cen­tes.

REUTERS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.