Ge­ne­ral que elo­gi­ou tor­tu­ra­dor “li­de­ra pe­lo exem­plo”

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Após 46 anos, o ge­ne­ral An­to­nio Ha­mil­ton Mou­rão pas­sou à re­ser­va do exér­ci­to nes­ta quar­ta-fei­ra co­mo um sím­bo­lo de que o al­to es­ca­lão do po­der no Bra­sil to­le­ra mi­li­ta­res que não só re­sis­tem a re­co­nhe­cer os cri­mes de di­ta­du­ra que se en­cer­rou em 1985 co­mo se mos­tram dis­pos­tos a fler­tar pu­bli­ca­men­te com a ideia de que os quar­téis de­vem in­ter­vir na vi­da po­lí­ti­ca do país.

Nos úl­ti­mos dois anos, Mou­rão vi­nha cri­ti­can­do o po­der po­lí­ti­co, al­go inu­su­al pa­ra al­guém da ati­va des­de a re­de­mo­cra­ti­za­ção. em se­tem­bro pas­sa­do de­fen­deu pu­bli­ca­men­te uma in­ter­ven­ção mi­li­tar e, em de­zem­bro, dis­se que o Governo Mi­chel Te­mer só es­ta­va de pé por­que man­ti­nha “um bal­cão de ne­gó­ci­os”. es­se his­tó­ri­co re­cen­te não im­pe­diu Mou­rão de se des­pe­dir da car­rei­ra no pres­ti­gi­o­so car­go de se­cre­tá­rio de eco­no­mia e Fi­nan­ças do Co­man­do do exér­ci­to, res­pon­sá­vel pe­lo or­ça­men­to da for­ça. Fez ain­da seu úl­ti­mo dis­cur­so co­mo ge­ne­ral em uma con­cor­ri­da ce­rimô­nia no Sa­lão de Hon­ras do Co­man­do Mi­li­tar do exér­ci­to, em Bra­sí­lia, no qual de­ci­diu na­da me­nos do que cha­mar de “he­rói” o co­ro­nel Car­los Bri­lhan­te us­tra (1932-2015). us­tra foi che­fe de um im­por­tan­te cen­tro da re­pres­são du­ran­te a di­ta­du­ra mi­li­tar e re­co­nhe­ci­do co­mo tor­tu­ra- dor pe­la Jus­ti­ça bra­si­lei­ra e pe­lo re­la­tó­rio ofi­ci­al da Co­mis­são Na­ci­o­nal da Ver­da­de, de 2014.

en­quan­to a im­pren­sa re­per­cu­tia o que Mou­rão, ago­ra na re­ser­va, fa­la­va a res­pei­to de seu pla­nos po­lí­ti­cos - en­tre eles o de su­bir, se ne­ces­sá­rio, no pa­lan­que do pre­si­den­ciá­vel de ex­tre­ma di­rei­ta Jair Bol­so­na­ro -, o ge­ne­ral re­for­ma­do era elo­gi­a­do pe­lo atu­al co­man­dan­te do exér­ci­to, edu­ar­do Vil­las Bôas. em sua con­ta de Twit­ter, se­gui­da por 82.000 pes­so­as, Vil­las Bôas dis­se ter sen­ti­do “emo­ção ge­nuí­na” na des­pe­di­da. “To­dos te agra­de­ce­mos ami­go Mou­rão os exem­plos de ca­ma­ra­da­gem, dis­ci­pli­na in­te­lec­tu­al e li­de­ran­ça pe­lo exem­plo”, es­cre­veu o nu­me­ro 1 do exér­ci­to.

Vil­las Bôas de­fen­de mu­dan­ça le­gal pa­ra atu­a­ção no rio

Não foi a úni­ca sin­to­nia en­tre o ge­ne­ral que fi­ca e o que dei­xa o quar­tel. Mou­rão, em con­ver­sa com os jor­na­lis­tas, dis­se que a atu­al in­ter­ven­ção fe­de­ral em cur­so no Rio de Ja­nei­ro, com a área de se­gu­ran­ça sob co­man­do de um ge­ne­ral des­de me­a­dos de fe­ve­rei­ro, é “meia so­la”. “O ge­ne­ral Bra­ga Net­to (in­ter­ven­tor no Rio) não tem po­der po­lí­ti­co, é um ca­chor­ro acu­a­do e não vai con­se­guir re­sol­ver des­sa for­ma”, dis­se Mou­rão.

O ge­ne­ral Vil­las Bôas

usou pa­la­vras mais su­a­ves, mas tam­pou­co es­con­deu o seu des­con­for­to com o atu­al sta­tus le­gal da iné­di­ta in­ter­ven­ção, ain­da na fa­se de pla­ne­ja­men­to em­bo­ra te­nha si­do anun­ci­a­da há 12 di­as. Se­gun­do a Fo­lha de S. pau­lo, o ge­ne­ral, que de­ve em pou­cas se­ma­nas pas­sar o co­man­do do exér­ci­to a um su­ces­sor, afir­mou ser “fun­da­men­tal” que os mi­li­ta­res pos­sam ati­rar em quem se des­lo­que ar­ma­do no Rio de Ja­nei­ro. O ge­ne­ral dis­se que es­se de­ba­te es­tá em cur­so.

A cha­ma­da mu­dan­ça na “re­gra de en­ga­ja­men­to” vem sen­do ven­ti­la­da há di­as pe­lo ge­ne­ral da re­ser­va Au­gus­to He­le­no, ex­co­man­dan­te de tro­pas bra- si­lei­ras e in­ter­na­ci­o­nais no pro­gra­ma chan­ce­la­do pe­la ONU de es­ta­bi­li­za­ção do Hai­ti, on­de ela foi apli­ca­da. A al­te­ra­ção pre­o­cu­pa es­pe­ci­a­lis­tas em di­rei­tos hu­ma­nos que ve­em ne­la uma es­pé­cie de “car­ta bran­ca” que abri­ria por­ta pa­ra vi­o­la­ções. es­pe­ci­a­lis­tas em se­gu­ran­ça pú­bli­ca tam­bém ve­em com apre­en­são a re­gra, já em vi­gor, que per­mi­te que mi­li­ta­res que ma­ta­rem al­guém du­ran­te a ope­ra­ção se­jam jul­ga­dos pe­la Jus­ti­ça Mi­li­tar, e não pe­la ci­vil.

Res­pon­sá­vel pe­lo mo­men­to de mai­or pro­ta­go­nis­mo das For­ças Ar­ma­das na vi­da po­lí­ti­ca des­de 1985 que in­qui­e­ta mi­li­tan­tes an­ti-di­ta­du­ra, o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, de­fen­deu seu mo­vi­men­to. “por mui­to tem­po as For­ças Ar­ma­das se re­co­lhe­ram, até de­ma­si­a­da­men­te no meu mo­do de ver. elas só são cha­ma­das quan­do eu as con­vo­co. Não há um de­se­jo se­quer das For­ças Ar­ma­das em as­su­mir o po­der”, dis­se em en­tre­vis­ta à Jo­vem pan. FLÁVIA MARREIRO el pais

O ge­ne­ral Mou­rão, que cho­rou em d

TWIT­TER VIL­LAS BÔAS

dis­cur­so ho­me­na­ge­an­do o tor­tu­ra­dor Us­tra, ba­te con­ti­nên­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.