Sen­sa­ção de in­se­gu­ran­ça to­ma con­ta do Rio

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Du­as se­ma­nas após a apro­va­ção da in­ter­ven­ção fe­de­ral no Rio de Ja­nei­ro, o ca­ri­o­ca per­deu a es­pon­ta­nei­da­de do sor­ri­so. O sem­blan­te do po­vo sim­pá­ti­co que en­can­tou tu­ris­tas do mun­do to­do du­ran­te a Co­pa do Mun­do e as Olim­pía­das ago­ra tem contornos de pre­o­cu­pa­ção. A ci­da­de es­tá mais tris­te. Os ba­res no­tur­nos, mais va­zi­os. “Não há mais lu­gar se­gu­ro no Rio” é um man­tra en­tre a po­pu­la­ção. Do mo­ra­dor de co­mu­ni­da­de ao do Le­me, fre­quen­ta­dor do Shop­ping Rio Sul, em Bo­ta­fo­go, a ex­pec­ta­ti­va é de que a ação co­man­da­da pe­lo ge­ne­ral Wal­ter Souza Bra­ga Net­to mi­ni­mi­ze, de al­gu­ma for­ma, a sen­sa­ção de in­se­gu­ran­ça que to­mou con­ta da Ci­da­de Ma­ra­vi­lho­sa.

“Qual­quer mu­dan­ça va­le a pe­na. A si­tu­a­ção es­tá crí­ti­ca. Mo­ro mi­nha vi­da to­da aqui. Nun­ca o Rio foi tão vi­o­len­to. es­pe­ro que a in­ter­ven­ção nos tra­ga paz”, diz eli­sa­beth Be­zer­ra da Sil­va, 66 anos, co­mer­ci­an­te e mo­ra­do­ra da fa­ve­la do Can­ta­ga­lo. Ape­sar de a po­pu­la­ção de­se­jar a pre­sen­ça os­ten­si­va das For­ças Ar­ma­das nas ru­as, não há mi­li­ta­res nas es­qui­nas, co­mo em 2010, após a ocu­pa­ção do Com­ple­xo do Ale­mão. Fal­ta po­li­ci­a­men­to. em uma ca­mi­nha­da de du­as ho­ras, na Ave­ni­da Atlân­ti­ca, em Co­pa­ca­ba­na, foi pos­sí­vel pre­sen­ci­ar dois as­sal­tos a tu­ris­tas. um es­tran­gei­ro que fo­to­gra­va o be­lo Ho­tel Co­pa­ca­ba­na pa­la­ce per­deu a câ­me­ra di­gi­tal pa­ra um me­nor em ques­tão de se­gun­dos. Ou­tro tu­ris­ta te­ve seu ce­lu­lar rou­ba­do, da mes­ma for­ma, nas ime­di­a­ções da fei­ra de ar­te­sa­na­to, que fi­ca no can­tei­ro cen­tral da ave­ni­da, na al­tu­ra da rua Mi­guel Lemos.

“Es­pe­ra­ram o Rio che­gar no fun­do do po­ço. O meu bair­ro era tran­qui­lo, mas co­mo é pró­xi­mo à Li­nha Ama­re­la, dei­xou de ser. Não tem mais lu­gar se­gu­ro na ci­da­de. Não à toa ou­ço os pas­sa­gei­ros mais jo­vens di­ze­rem que vão sair do Rio”, co­men­ta o mo­to­ris­ta de uber Luiz Car­los Ja­cob, 61, mo­ra­dor da Abo­li­ção, pa­ra quem a in­ter­ven­ção já de­ve­ria ter ocor­ri­do há mui­to tempo.

As pri­mei­ras de­cla­ra­ções do ge­ne­ral Bra­ga Net­to, no en­tan­to, de­ram a en­ten­der que não ha­ve­rá ocu­pa­ção de co­mu­ni­da­des pe­las For­ças Ar­ma­das, mas, sim, o for­ta­le­ci­men­to das for­ças po­li­ci­ais do es­ta­do e o com­ba­te à cor­rup­ção nas cor­po­ra­ções. pa­ra o co­ro­nel da re­ser­va da po­lí­cia Mi­li­tar do es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro (PMERJ) Rob­son Ro­dri­gues, an­tro­pó­lo­go e pes­qui­sa­dor do La­bo­ra­tó­rio de Aná­li­se de Vi­o­lên­cia (LAV) da uni­ver­si­da­de do es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro (uerj), a in­ter­ven­ção não é “ne­ces­sa­ri­a­men­te” mi­li­tar. “Mas cri­ou-se uma ex­pec­ta­ti­va ao co­lo­car um ge­ne­ral no co­man­do. Mi­nha pre­o­cu­pa­ção é on­de ele vai co­lo­car o exér­ci­to, por­que fi­cou pa­ten­te o ob­je­ti­vo de re­du­zir a sen­sa­ção de in­se­gu­ran­ça. Se for uma coi­sa cos­mé­ti­ca, se­rá a um cus­to ele­va­do. Sen­sa­ção de se­gu­ran­ça não se man­tém por mui­to tempo quan­do as cau­sas não são com­ba­ti­das”, aler­ta o es­pe­ci­a­lis­ta, ex-che­fe do es­ta­do-mai­or da PMERJ. pa­ra as ir­mãs Aman­da pi­nhei­ro, 27, au­xi­li­ar de departamento de pessoal e mo­ra­do­ra de Cam­po Gran­de, e Lu­an­da pi­nhei­ro, 23, ana­lis­ta de pro­ces­sos e mo­ra­do­ra de pi­la­res, a in­ter­ven­ção só vai dar cer­to no iní­cio. “Não vai ter tempo de re­sol­ver to­dos os pro­ble­mas, que pas­sam por uma po­lí­cia cor­rup­ta. Mas de­ve se­gu­rar um pou­co”, diz Aman­da. “in­fe­liz­men­te, acho que vai vol­tar tu­do co­mo era an­tes as­sim que aca­bar a in­ter­ven­ção”, acres­cen­ta Lu­an­da.

A so­ció­lo­ga Ju­li­ta Lem­gru­ber, co­or­de­na­do­ra do Cen­tro de es­tu­dos de Se­gu­ran­ça e Ci­da­da­nia (Cesec), con­si­de­ra a in­ter­ven­ção uma ação pre­ci­pi­ta­da do go­ver­no fe­de­ral, que pe­gou as For­ças Ar­ma­das de surpresa. “Não hou­ve tempo pa­ra pla­ne­ja­men­to. Foi uma me­di­da po­lí­ti­ca, nu­ma es­tra­té­gia de ele­var a po­pu­la­ri­da­de do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer”, ava­lia.

Com tan­ta vi­o­lên­cia, o Rio cor­re o ris­co de per­der sua ga­li­nha dos ovos de ou­ro: os tu­ris­tas. Os ar­gen­ti­nos San­dra Sar­to­rel­li, 50, en­ge­nhei­ra de se­gu­ran­ça, e Agus­tin Cal­de­ron, 18, es­tu­dan­te, pen­sa­vam em ficar 10 di­as na ca­pi­tal fluminense. quan­do fo­ram in­for­ma­dos da in­ter­ven­ção, de­ci­di­ram ficar ape­nas três e apro­vei­tar o res­to das fé­ri­as em Bú­zi­os. “eu me sur­pre­en­di por­que não vi­mos mi­li­ta­res nas ru­as. Aliás, há pou­cos po­li­ci­ais tam­bém”, as­si­na­la San­dra.

ATU­A­ÇÃO NAS RU­AS

En­quan­to a po­pu­la­ção es­pe­ra per­der o me­do que es­tá de sair às ru­as, com a pro­te­ção de for­ças po­li­ci­ais e mi­li­ta­res, du­ran­te a in­ter­ven­ção, os lí­de­res de fa­ve­las são con­tra a me­di­da e te­mem pe­los sol­da­dos que tam­bém são mo­ra­do­res de co­mu­ni­da­des. es­pe­ci­a­lis­tas es­tão cau­te­lo­sos, so­bre­tu­do, di­an­te da pos­si­bi­li­da­de de am­pli­a­ção dos po­de­res mi­li­ta­res na atu­a­ção de com­ba­te à guer­ra ur­ba­na.

TANIA REGO/AGÊNCIA BRA­SIL

Mi­li­tar vas­cu­lha mo­ra­dor em bus­ca de dro­ga ou ar­mas: no­va or­dem

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.