POR una­ni­mi­da­de, STJ ne­ga Ha­be­as cor­pus Pa­ra evi­tar PRI­SÃO De Lu­la

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Au­na­ni­mi­da­de dos mi­nis­tros da quin­ta tur­ma do su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ) de­cre­tou mais uma der­ro­ta ju­rí­di­ca ao ex-pre­si­den­te Luiz inácio Lu­la da sil­va (PT) nes­ta ter­ça-fei­ra, dia 6 de mar­ço. os cin­co mi­nis­tros da Cor­te ne­ga­ram um ha­be­as cor­pus pre­ven­ti­vo ao pe­tis­ta no qual ele pre­ten­dia evi­tar sua pri­são até a con­clu­são do julgamento de to­dos os re­cur­sos a se­rem apre­sen­ta­dos a qual­quer ins­tân­cia do Ju­di­ciá­rio bra­si­lei­ro. Lu­la é réu em se­te pro­ces­sos. Foi con­de­na­do em um de­les pe­los cri­mes de cor­rup­ção pas­si­va e la­va­gem de di­nhei­ro no ca­so que fi­cou co­nhe­ci­do co­mo o do trí­plex do Gu­a­ru­já.

quan­do foi con­de­na­do a 12 anos e um mês de pri­são, em ja­nei­ro passado, três de­sem­bar­ga­do­res do Tri­bu­nal re­gi­o­nal Fe­de­ral da 4ª re­gião (TRF-4) de­ci­di­ram que Lu­la só cum­pri­ria a pe­na após o es­go­ta­men­to de to­das as fa­ses de re­cur­sos na­que­la mes­ma ins­tân­cia. o ob­je­ti­vo dos de­fen­so­res do ex- pre­si­den­te era que es­sa pu­ni­ção só po­de­ria ocor­rer após a aná­li­se de ou­tras ins­tân­ci­as, co­mo o pró­prio STJ ou o su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral. a de­fe­sa ale­gou que uma even­tu­al pri­são po­de­ria fe­rir a pre­sun­ção de ino­cên­cia do acu­sa­do, o que não foi re­co­nhe­ci­do pe­los mi­nis­tros que jul­ga­ram o ca­so nes­ta ter­ça- fei­ra.

“não se vis­lum­bra a exis­tên­cia de ile­ga­li­da­de na de­ter­mi­na­ção de que o pa­ci­en­te ve­nha a cum­prir pe­na após o julgamento dos re­cur­sos em se­gun­do grau”, dis­se o re­la­tor do pro­ces­so no STJ, o mi­nis­tro Fé­lix Fis­cher. seu vo­to foi acom­pa­nha­do pe­los ou­tros mi­nis­tros da quin­ta tur­ma. Ho­ras an­tes do STJ de­ci­dir con­tra Lu­la, o ex-pre­si­den- te re­a­fir­mou em seu Twit­ter que pre­ten­de dis­pu­tar as elei­ções pre­si­den­ci­ais em ou­tu­bro. nos pró­xi­mos me­ses, o TRF-4 de­ve­rá ana­li­sar um re­cur­so de Lu­la, cha­ma­do de em­bar­gos de de­cla­ra­ção, que ques­ti­o­na a con­de­na­ção de­le pe­los cri­mes de cor­rup­ção pas­si­va e la­va­gem de di­nhei­ro. os em­bar­gos de de­cla­ra­ção não con­se­guem re­ver­ter de­ci­sões. eles ser­vem ape­nas pa­ra es­cla­re­cer pon­tos obs­cu­ros, am­bi­gui­da­des, con­tra­di­ções ou omis­sões que es­te­jam no acór­dão do julgamento. o julgamento des­ta ter­ça-fei­ra tor­nou-se mais uma bar­rei­ra con­tra a can­di­da­tu­ra de Lu­la à pre­si­dên­cia da re­pú­bli­ca. Pe­la lei da Fi­cha Lim­pa, con­de­na­dos em se­gun­da ins­tân­cia são proibidos de con­cor­rer a car­gos ele­ti­vos. ad­vo­ga­dos do pe­tis­ta de­ve­rão re­cor­rer ao STF pa­ra que ele dis­pu­te o pró­xi­mo plei­to. ain­da ca­be­rá ao Tri­bu­nal su­pe­ri­or elei­to­ral de­ci­dir se o pe­tis­ta é ine­le­gí­vel ou não. o que se­ria um im­pe­di­ti­vo se­ria o TRF-4 de­cre­tar sua pri­são.

um dos ad­vo­ga­dos de Lu­la, o ex-pre­si­den­te do STF se­pul­ve­da Per­ten­ce,

dis­se es­pe­rar o julgamento de um ou­tro ha­be­as cor­pus que já tra­mi­ta no su­pre­mo as­sim co­mo que a Cor­te re­to­me a aná­li­se do pro­ces­so que tra­ta das pri­sões em con­de­na­ções em se­gun­da ins­tân­cia. o STF de­ci­diu em ou­tu­bro de 2016, por seis vo­tos a cin­co, que con­de­na­dos em se­gun­da ins­tân­cia po­dem ser pre­sos pro­vi­so­ri­a­men­te. ao me­nos dois mi­nis­tros já se ma­ni­fes­ta­ram que o pla­car po­de ser al­te­ra­do e há uma pressão so­bre a pre­si­den­te da Cor­te, Cár­men Lúcia, pa­ra que o as­sun­to re­tor­ne à pau­ta. um dos prin­ci­pais be­ne­fi­ci­a­dos com uma even­tu­al al­te­ra­ção nes­se pro­ces­so se­ria Lu­la.

O ca­so con­tra Lu­la

em 24 de ja­nei­ro, os de­sem­bar­ga­do­res da 8ª Tur­ma do TRF-4 con­si­de­ra­ram que o ex-pre­si­den­te re­ce­beu um apar­ta­men­to trí­plex na ci­da­de do Gu­a­ru­já (sp) co­mo pro­pi­na pa­ga pe­la em­prei­tei­ra oas. a em­pre­sa te­ria pa­go o va­lor em con­tra­par­ti­da a con­tra­tos ob­ti­dos na Pe­tro­bras no pe­río­do que Lu­la pre­si­diu o país (2003 a 2010). na oca­sião, os ma­gis­tra­dos au­men­ta­ram a pe­na de Lu­la de 9 anos – de­ci­di­da pe­lo juiz ser­gio Mo­ro – pa­ra 12 anos e um mês de pri­são. Mes­mo após as con­de­na­ções em pri­mei­ra e se­gun­da ins­tân­ci­as, a de­fe­sa de Lu­la re­a­fir­ma que ele ne­ga as acu­sa­ções. diz que não é do­no do apar­ta­men­to, que não re­ce­beu ne­nhum va­lor por con­tra­tos ob­ti­dos pe­las em­prei­tei­ras com a Pe­tro­bras. e in­sis­te que o pe­tis­ta é al­vo de perseguição po­lí­ti­ca que tem co­mo ob­je­ti­vo fi­nal im­pe­dir que ele con­cor­ra à pre­si­dên­cia da re­pú­bli­ca nas elei­ções de ou­tu­bro. “Há uma fa­la­ci­o­sa pressão de ór­gãos im­por­tan­tes da mí­dia pa­ra for­çar uma con­de­na­ção”, re­cla­mou o ad­vo­ga­do se­pul­ve­da Per­ten­ce.

Mi­nis­tros de­ci­dem que o pe­tis­ta po­de­rá ser pre­so após se es­go­ta­rem os re­cur­sos na 2ª ins­tân­cia

Lu­la Mar­ques/li­de­ran­ça do PT na Ca­ma­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.