Fe­mi­nis­tas bus­cam res­sig­ni­fi­car o Dia da Mu­lher

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Há mais de um sé­cu­lo, mu­lhe­res fo­ram mor­tas in­cen­di­a­das por pro­tes­ta­rem por di­rei­tos. À épo­ca, mais pre­ci­sa­men­te em 1857, elas que­ri­am li­cen­ça-ma­ter­ni­da­de e me­lho­res con­di­ções de tra­ba­lho. a tra­gé­dia fez com que, pos­te­ri­or­men­te, fos­se ins­ti­tuí­do o dia in­ter­na­ci­o­nal da Mu­lher, em 8 de mar­ço. a da­ta é lem­bra­da com dor, mas tam­bém re­co­nhe­ci­men­to por ter si­do um dos prin­ci­pais pas­sos na lu­ta fe­mi­nis­ta pe­la igual­da­de. Con­tu­do, com o pas­sar do tem­po, a in­fluên­cia do mer­ca­do ofus­cou o ver­da­dei­ro sig­ni­fi­ca­do da da­ta, e mu­lhe­res pas­sa­ram a ga­nhar pre­sen­tes. a bo­ni­fi­ca­ção, no en­tan­to, não re­pre­sen­ta­va au­to­no­mia, tam­pou­co no­vas va­gas em car­gos de che­fia. eram flo­res e bom­bons pa­ra pa­ra­be­ni­zá­las, de uma cer­ta ma­nei­ra, ape­nas por se­rem mu­lhe­res. e na­da mais.

Há al­gum tem­po, a mo­bi­li­za­ção das mu­lhe­res pa­ra que o 8 de mar­ço fos­se res­sig­ni­fi­ca­do fez com que a da­ta fos­se le­va­da às ru­as — com in­ter­ven­ções, pro­tes­tos e de­ba­tes. o que an­tes era ins­tru­men­to de lu­ta, atu­al­men­te es­tá na Con­so­li­da­ção das Leis do Tra­ba­lho — a li­cen­ça-ma­ter­ni­da­de no Bra­sil foi apro­va­da em 1943. um item ris­ca­do en­tre tan­tos ou­tros da lis­ta de de­man­das do mo­vi­men­to. ago­ra, no dia in­ter­na­ci­o­nal da Mu­lher, a exi­gên­cia é por mais re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de, se­gu­ran­ça, au­to­no­mia sob o pró­prio cor­po, se­guir a ori­en­ta­ção se­xu­al que lhes con­vir, vi­ver da ma­nei­ra co­mo bem en­ten­de­rem. Pe­la dig­ni­da­de, pe­lo res­pei­to e pe­lo di­rei­to de ir e vir sem me­do.

a so­ció­lo­ga e pro­fes­so­ra da uni­ver­si­da­de de Bra­sí­lia Tâ­nia Ma­ria Cam­pos de al­mei­da ex­pli­ca que o mer­ca­do se apro­pri­ou da da­ta pa­ra fa­zer ne­gó­cio. as­sim, a des­ca­rac­te­ri­za­ção do dia veio co­mo con­sequên­cia. “a in­dús­tria re­ti­rou o po­der po­lí­ti­co des­sa da­ta. É fun­da­men­tal re­to­mar a es­sên­cia e en­ten­der que é um dia de lu­ta por nos­sos di­rei­tos, que, por si­nal, não es­tão ga­ran­ti­dos”, pon­tua. Pa­ra a es­pe­ci­a­lis­ta, é pre­ci­so uma mu­dan­ça de men­ta­li­da­de não só das mu­lhe­res, que de­vem ir à lu­ta por seus ide­ais, mas prin­ci­pal­men­te dos ho­mens. a re­fle­xão e os atos, se­gun­do Tâ­nia, de­vem atin­gir a so­ci­e­da­de de uma ma­nei­ra es­tru­tu­ral.

“al­guns ho­mens pre­ci­sam ter au­to­crí­ti­ca e en­ten­der que ‘pre­ci­sam ser ho­mens’ de ou­tra ma­nei­ra. en­ten­do que eles se­jam tam­bém re­féns do ma­chis­mo, por­que são co­bra­dos. Mas is­so não os dei­xa isen­tos de iden­ti­fi­car o lu­gar de­les de pri­vi­lé­gio. não há uma re­fle­xão crí­ti­ca nis­so”, jus­ti­fi­ca. Tâ­nia diz ain­da que o pa­tri­ar­ca­do e o ma­chis­mo sur­gem com no­vas ca­ras. Pa­ra su­pe­rá-los, são ne­ces­sá­ri­as a edu­ca­ção, a in­for­ma­ção e a em­pa­tia da po­pu­la­ção. “a so­ci­e­da­de tem ca­rac­te­rís­ti­cas de uma so­ci­e­da­de mo­der­na, mas com pro­ble­mas an­ti­gos. É pre­ci­so iden­ti­fi­car no­vas ma­nei­ras de fa­zer fren­te con­tra a opres­são. não é só uma sim­ples ques­tão de edu­ca­ção for­mal. É um pro­ble­ma de pen­sa­men­to que atin­ge a eli­te, os pri­vi­le­gi­a­dos”.

a pro­fes­so­ra atri­buiu ao

avan­ço das tec­no­lo­gi­as e à cri­a­ção das re­des so­ci­ais o en­ga­ja­men­to ca­da vez mai­or de jo­vens me­ni­nas na mi­li­tân­cia fe­mi­nis­ta. “as mu­lhe­res en­tram na mi­li­tân­cia ca­da vez mais no­vas e is­so é um fenô­me­no re­cen­te. os no­vos ins­tru­men­tos de co­mu­ni­ca­ção são uns dos mai­o­res res­pon­sá­veis por es­se en­ga­ja­men­to, por­que unem mu­lhe­res de di­fe­ren­tes ida­des, em uma con­ver­sa ho­ri­zon­tal e com fá­cil aces­so às informações”.

Cons­ci­en­ti­za­ção

as ati­vis­tas Cla­re­a­na e Le­tí­cia, do Co­le­ti­vo nós na rua, ex­pli­cam que, ape­sar da mi­li­tân­cia, ain­da é di­fí­cil vol­tar ao fo­co prin­ci­pal do 8 de mar­ço, por­que “a so­ci­e­da­de é es­tru­tu­ra­da no ma­chis­mo e no pa­tri­ar­ca­do”. Pa­ra elas, as mar­chas sim­bo­li­zam o iní­cio de um mo­vi­men­to de cons­ci­en­ti­za­ção so­bre os di­rei­tos das mu­lhe­res. “Va­mos a ma­ni­fes­ta­ções prin­ci­pal­men­te pa­ra de­nun­ci­ar a vi­o­lên­cia e a fal­ta de de­mo­cra­cia que atin­ge di­re­ta­men­te as nos­sas vi­das. so­men­te com mui­ta lu­ta con­se­gui­re­mos um 2018 com uma mu­dan­ça de ce­ná­rio. es­tar na mi­li­tân­cia é es­tar vi­va”, acres­cen­tam.

nes­ta quin­ta, mu­lhe­res, or­ga­ni­za­ções fe­mi­nis­tas, en­ti­da­des sin­di­cais, mo­vi­men­tos so­ci­ais e es­tu­dan­tis mar­cham, na es­pla­na­da dos Mi­nis­té­ri­os, pe­la vi­da das mu­lhe­res, em de­fe­sa da de­mo­cra­cia, da igual­da­de de gê­ne­ro e con­tra o ra­cis­mo. o ato “8 de Mar­ço uni­fi­ca­das” co­me­ça às 13h, com ati­vi­da­des cul­tu­rais e po­lí­ti­cas, e ter­mi­na às 17h, com um pro­tes­to que se­gui­rá até o Con­gres­so na­ci­o­nal, on­de se­rá en­cer­ra­do o even­to. são es­pe­ra­das ao me­nos 10 mil par­ti­ci­pan­tes, de acor­do com a or­ga­ni­za­ção do ato uni­fi­ca­do. uma das co­or­de­na­do­ras à fren­te do ato, Cleu­des Pes­soa, ati­vis­ta fe­mi­nis­ta do Fó­rum de Mu­lhe­res do df e en­tor­no e da ar­ti­cu­la­ção de Mu­lhe­res Bra­si­lei­ras, afir­ma ao Cor­reio que se­rão dis­cu­ti­dos, prin­ci­pal­men­te, te­mas que afe­tam di­re­ta­men­te a vi­da e a se­gu­ran­ça das mu­lhe­res no país, co­mo o ra­cis­mo, o fe­mi­ni­cí­dio e o des­mon­te de po­lí­ti­cas pú­bli­cas nos úl­ti­mos anos. “É fun­da­men­tal que as mu­lhe­res com­pa­re­çam em pe­so, por­que es­se ato, es­sa pa­ra­li­sa­ção, sim­bo­li­za a ce­le­bra­ção de nos­sas lu­tas. Fo­ram mui­tas mu­lhe­res que vi­e­ram an­tes de nós pa­ra ga­ran­tir nos­sa li­ber­da­de de lu­ta pe­la igual­da­de de gê­ne­ro”.

Con­quis­tas Das Mu­lhe­res no Bra­sil

1919 Foi cri­a­da pe­la bió­lo­ga Bertha Lutz a Li­ga pa­ra a eman­ci­pa­ção in­te­lec­tu­al da Mu­lher, o em­brião da Fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra pe­lo Pro­gres­so Fe­mi­ni­no (1922). re­pre­sen­tou o Bra­sil na as­sem­bleia ge­ral da Li­ga das Mu­lhe­res elei­to­ras, nos es­ta­dos uni­dos.

1932 As mu­lhe­res con­quis­ta­ram o di­rei­to ao vo­to.

1975 Os jor­nais Nós Mu­lhe­res e Bra­sil Mu­lher fo­ram cri­a­dos pa­ra dis­cu­tir so­bre a ques­tão da mu­lher.

1978 No Con­gres­so da Mu­lher Me­ta­lúr­gi­ca, as mu­lhe­res in­ten­si­fi­ca­ram a lu­ta por cre­ches, di­rei­tos tra­ba­lhis­tas, sa­lá­ri­os iguais ao dos ho­mens, ser­vi­ços de aten­di­men­to e pe­la di­vi­são do tra­ba­lho do­més­ti­co.

1985 Foi cri­a­da a pri­mei­ra De­le­ga­cia da Mu­lher no país.

1997 Foi san­ci­o­na­da a co­ta de mu­lhe­res na po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra. A lei 9.504 ga­ran­te a re­ser­va de, no mí­ni­mo, 30% de mu­lhe­res can­di­da­tas du­ran­te as elei­ções.

2006 San­ci­o­na­da pe­lo ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va, a Lei Ma­ria da Pe­nha foi cri­a­da pa­ra com­ba­ter a vi­o­lên­cia do­més­ti­ca con­tra a mu­lher no Bra­sil. A lei de­ter­mi­na que que a vi­o­lên­cia do­més­ti­ca — fí­si­ca, psi­co­ló­gi­ca, se­xu­al, pa­tri­mo­ni­al ou mo­ral — é cri­me.

2015 A Lei do Fe­mi­ni­cí­dio co­lo­cou a mor­te de mu­lhe­res no rol de cri­mes he­di­on­dos e di­mi­nuiu a to­le­rân­cia nes­ses ca­sos.

Mar­cha das Mu­lhe­res Ne­gras e In­dí­ge­nas

Pau­lo Pin­to

s de São Pau­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.