Gri­to con­tra a de­si­gual­da­de

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Mo­ti­vos pa­ra a mo­bi­li­za­ção não fal­tam. No rit­mo atu­al, le­va­rá cem anos pa­ra aca­bar com a dis­pa­ri­da­de en­tre ho­mens e mu­lhe­res, de acor­do com da­dos do Fó­rum Econô­mi­co Mun­di­al. Um sé­cu­lo pa­ra al­can­çar a igual­da­de de gê­ne­ro no tra­ba­lho, na po­lí­ti­ca, no aces­so à edu­ca­ção, na dis­tri­bui­ção das ta­re­fas do­més­ti­cas. Da­dos que, jun­to com a pan­de­mia de vi­o­lên­cia con­tra as mu­lhe­res, es­ti­mu­lam um mo­vi­men­to mun­di­al con­tra a dis­cri­mi­na­ção e o ma­chis­mo que nes­ta quin­ta­fei­ra, 8 de mar­ço, às ru­as. É o ano da res­sa­ca do #Me­too, que mos­trou a mui­tos o fla­ge­lo do ma­chis­mo, mas que tam­bém re­vi­go­rou os mo­vi­men­tos das mu­lhe­res.

Mais de 170 paí­ses con­vo­ca­ram mo­bi­li­za­ções no Dia In­ter­na­ci­o­nal da Mu­lher. Al­guns, co­mo Croá­cia e Tur­quia, pla­ne­jam ma­ni­fes­ta­ções de mas­sa. Na Es­pa­nha, as or­ga­ni­za­ções de mu­lhe­res e al­guns sin­di­ca­tos con­vo­ca­ram le­gal­men­te uma iné­di­ta gre­ve ge­ral de 24 ho­ras, que o mo­vi­men­to fe­mi­nis­ta pe­de que ape­nas as mu­lhe­res cru­zem os bra­ços pa­ra que sua au­sên­cia se­ja vi­sí­vel. Em ou­tros paí­ses, co­mo a Ar­gen­ti­na, ha­ve­rá pa­ra­li­sa­ções to­tais ou par­ci­ais em al­guns se­to­res. Até as or­ga­ni­za­ções ira­ni­a­nas con­vo­ca­ram uma ma­ni­fes­ta­ção, ape­sar das proi­bi­ções.

Na Polô­nia, on­de há al­gum tem­po pai­ra a ame­a­ça de que o Go­ver­no re­for­me a lei do abor­to pa­ra tor­ná-la ain­da mais res­tri­ti­va, foi con­vo­ca­da uma gre­ve sim­bó­li­ca às seis da tar­de. Nes­sa ho­ra, to­das as po­lo­ne­sas es­tão cha­ma­das a sair às ru­as. Tam­bém em Bu­da­pes­te ha­ve­rá mar­chas. Em­bo­ra as or­ga­ni­za­ções fe­mi­nis­tas não se­jam tão ma­jo­ri­tá­ri­as co­mo em ou­tros paí­ses, su­as rei­vin­di­ca­ções são co­muns a ou­tros paí­ses eu­ro­peus, com um exem­plo tal­vez mais ex­tre­mo: o Par­la­men­to hún­ga­ro só tem 10% dos as­sen­tos ocu­pa­dos por mu­lhe­res (da­dos do Ban­co Mun­di­al), uma das por­cen­ta­gens mais bai­xas do mun­do, al­go que po­de mu­dar no pró­xi­mo mês, quan­do as elei­ções fo­rem re­a­li­za­das.

A ca­da 10 mi­nu­tos uma mu­lher é as­sas­si­na­da pe­lo par­cei­ro ou ex-par­cei­ro no mun­do. Uma re­a­li­da­de ater­ra­do­ra que na Amé­ri­ca La­ti­na, com uma ta­xa al­tís­si­ma de fe­mi­ni­cí­di­os, é ain­da mais gra­ve. O mo­vi­men­to fe­mi­nis­ta es­tá ga­nhan­do ca­da vez mais for­ça na re­gião; gre­ves e ma­ni­fes­ta­ções fo­ram con­vo­ca­das — mais ou me­nos ma­ci­ças — em qua­se to­dos os paí­ses.

No Mé­xi­co, on­de mais de se­te mu­lhe­res são as­sas­si­na­das di­a­ri­a­men­te e 23.800 per­de­ram a vi­da na úl­ti­ma dé­ca­da, a vi­o­lên­cia ma­chis­ta tam­bém di­fi­cul­ta o avan­ço do país. Por es­sa ra­zão, mas tam­bém pa­ra exi­gir mais re­pre­sen­ta­ção na po­lí­ti­ca, o fim do as­sé­dio se­xu­al e me­di­das con­tra as di­fe­ren­ças sa­la­ri­ais, ma­ni­fes­ta­ções acon­te­ce­rão em vá­ri­as ci­da­des.

Na Ar­gen­ti­na, em ple­no de­ba­te tam­bém so­bre a re­for­ma da lei do abor­to, as or­ga­ni­za­ções fe­mi­nis­tas cha­ma­ram uma pa­ra­li­sa­ção do tra­ba­lho, dos cui­da­dos e do con­su­mo. E em­bo­ra as cen­trais sin­di­cais a te­nham apoi­a­do, não a con­vo­ca­ram ofi­ci­al­men­te, dei­xan­do a de­ci­são a car­go de ca­da sin­di­ca­to. As­sim, a ra­di­o­gra­fia é di­ver­si­fi­ca­da: o mai­or sin­di­ca­to de fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos do país con­vo­cou uma gre­ve de 24 ho­ras; o de ju­ris­tas cha­mou pa­ra pa­ra­li­sa­ções par­ci­ais. No en­tan­to, a ex­pec­ta­ti­va em tor­no da ma­ni­fes­ta­ção da tar­de é que atraia mul­ti­dões. O slo­gan “nem uma a me­nos” vol­ta­rá a ser en­to­a­do e se gri­ta­rá con­tra os as­sas­si­na­tos de mu­lhe­res: fo­ram 295 no ano pas­sa­do, de acor­do com a con­ta­gem fei­ta por ONGS.

Em El Sal­va­dor, on­de o abor­to é proi­bi­do em to­das as cir­cuns­tân­ci­as — in­clu­si­ve pa­ra sal­var a vi­da da mu­lher ou em ca­so de es­tu­pro — as mu­lhe­res sai­rão às ru­as pa­ra exi­gir a des­cri­mi­na­li­za­ção. Tam­bém o fim da vi­o­lên­cia. Es­ti­ma-se que acon­te­çam dez agres­sões se­xu­ais por dia no país. Uma mu­lher é as­sas­si­na­da a ca­da du­as ho­ras no Bra­sil, de acor­do com as es­ta- tís­ti­cas. A de­si­gual­da­de es­tá mui­to en­rai­za­da no país, pois ape­sar de as mu­lhe­res te­rem um ní­vel edu­ca­ci­o­nal mais al­to, elas ga­nham, em mé­dia, 76,5% do sa­lá­rio mas­cu­li­no, de acor­do com da­dos do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE). Pa­ra er­ra­di­car es­sa dis­pa­ri­da­de, as or­ga­ni­za­ções cha­ma­ram ma­ni­fes­ta­ções em mais de 50 ci­da­des e, em­bo­ra o le­ma da mo­bi­li­za­ção se­ja “Gre­ve em 8 de mar­ço”, não são es­pe­ra­das pa­ra­li­sa­ções im­por­tan­tes, pe­lo me­nos nos ser­vi­ços pú­bli­cos e nos prin­ci­pais se­to­res pro­du­ti­vos. Gri­ta­rão pe­la igual­da­de no tra­ba­lho, mas aci­ma de tu­do “pe­la vi­da das mu­lhe­res”, em ho­me­na­gem às de mi­lha­res de mu­lhe­res que mor­rem a ca­da ano em con­sequên­cia de abor­tos clan­des­ti­nos — a de­fe­sa da des­pe­na­li­za­ção to­tal do abor­to é uma das ban­dei­ras — e do fe­mi­ni­cí­dio, in­for­ma Ma­ri­na Ros­si. No en­tan­to, não é em to­dos os paí­ses que o 8 de mar­ço é uma jor­na­da de rei­vin­di­ca­ção; em­bo­ra al­gu­mas mar­chas es­pe­cí­fi­cas te­nham si­do pre­vis­tas. Na Rús­sia, on­de uma mu­lher é as­sas­si­na­da a ca­da 40 mi­nu­tos e a vi­o­lên­cia ma­chis­ta é um gran­de pro­ble­ma, o 8 de mar­ço — dia em que tra­di­ci­o­nal­men­te não se tra­ba­lha — tor­nou-se uma fes­ta bas­tan­te co­mer­ci­al. Um pa­drão que se re­pe­te em ou­tros paí­ses ex-co­mu­nis­tas, co­mo a Es­lo­vá­quia.

MOHAMMED ABED AFP

Mu­lhe­res pa­les­ti­nas du­ran­te a ma­ni­fes­ta­ção do Dia da Mu­lher em 7 de mar­ço de 2018.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.