A Guer­ra do Aço de Trump aba­la uma in­dús­tria

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Opre­si­den­te dos es­ta­dos Uni­dos, Do­nald Trump, con­fir­mou nesta quin­ta-fei­ra sua apos­ta em uma for­te me­di­da pro­te­ci­o­nis­ta e anun­ci­ou que irá im­por um tri­bu­to de im­por­ta­ção de 25 % so­bre o aço e de 10% so­bre o alu­mí­nio vin­dos de ou­tros paí­ses. A jus­ti­fi­ca­ti­va do pre­si­den­te é que a ação irá pro­te­ger a in­dús­tria si­de­rúr­gi­ca dos es­ta­dos Uni­dos, que con­vi­ve com uma con­cor­rên­cia “in­jus­ta”. ele ci­tou ain­da ques­tões de se­gu­ran­ça na­ci­o­nal na de­fi­ni­ção das ta­ri­fas, afir­man­do que os EUA pre­ci­sam de ofer­ta do­més­ti­ca de aço e alu­mí­nio pa­ra seus tan­ques e na­vi­os de guer­ra.

A de­ci­são con­fir­ma­da nesta quin­ta-fei­ra já vi­nha sen­do anun­ci­a­da há di­as e ti­nha ge­ra­do re­a­ções ime­di­a­tas de di­ver­sos paí­ses ex­por­ta­do­res, que pro­me­te­ram re­ta­li­a­ções. o de­ba­te so­bre a ado­ção das ta­ri­fas tam­bém pro­vo­cou um ra­cha den­tro do pró­prio Go­ver­no. Nesta se­ma­na, Gary Cohn, prin­ci­pal con­se­lhei­ro econô­mi­co do pre­si­den­te, que era con­tra a de­ci­são, pe­diu de­mis­são.

o Bra­sil es­tá en­tre os paí­ses que mais de­vem ser afe­ta­dos pe­la me­di­da que in­ten­si­fi­ca a po­lí­ti­ca que ele­geu Trump em 2016, da “Amé­ri­ca em pri­mei­ro lu­gar”. Um ter­ço do aço ex­por­ta­do no Bra­sil tem co­mo des­ti­no o mer­ca­do dos EUA. em 2017, o aço ven­di­do aos nor­te-ame­ri­ca­nos so­mou 4,8 mi­lhões de to­ne­la­das e ge­rou uma re­cei­ta de 2,63 bi­lhões de dó­la­res (8,58 bi­lhões de re­ais), o que faz do Bra­sil o se­gun­do mai­or for­ne­ce­dor do pro­du­to pa­ra os es­ta­dos Uni­dos, atrás ape­nas do Ca­na­dá.

A dis­cus­são so­bre o te­ma, no en­tan­to, não é no­va. Des­de o ano pas­sa­do, o de­par­ta­men­to de co­mér­cio ame­ri­ca­no tra­ba­lha­va com um es­tu­do so­bre os da­nos da im­por­ta­ção de aço pa­ra a in­dús­tria si­de­rúr­gi­ca dos es­ta­dos Uni­dos e pos­sí­veis al­ter­na­ti­vas pa­ra so­lu­ci­o­nar o pro­ble­ma.

Des­de que sou­be do re­la­tó­rio, em 2017, o Bra­sil, as­sim co­mo ou­tros ex­por­ta­do­res, co­me­ça­ram a tra­ba­lhar nos bas­ti­do­res pa­ra con­ven­cer os EUA a re­cu­a­rem so­bre a proposta. se­gun­do Ale­xan­dre ly­ra, pre­si­den­te do con­se­lho di­re­tor do Ins­ti­tu­to Aço Bra­sil e da fran­ce­sa Val­lou­rec no Bra­sil, a or­ga­ni­za­ção jun­ta­men­te com o Mi­nis­té­rio da In­dús­tria e Co­mér­cio ex­te­ri­or (Mdic) já or­ga­ni­za­ram mais de uma mis­são pa­ra Washing­ton pa­ra con­ver­sar com mem­bros da Casa Bran­ca e par­la­men­ta­res. A úl­ti­ma de­las acon­te­ceu há pou­cos di­as. “Ten­ta­mos mos­trar que o Bra­sil é bas­tan­te di­fe­ren­te dos ou­tros paí­ses, já que a mai­o­ria das nos­sas ex­por­ta­ções de aço são de pro­du­tos se­mi-aca­ba­dos, que ain­da pre­ci­sam ser re­pro­ces­sa­dos nos es­ta­dos Uni­dos an­tes de che­gar no con­su­mi­dor fi­nal. Fa­ze­mos ape­nas par­te de uma ca­deia de pro­du­ção”, ex­pli­ca ly­ra. se­gun­do a As­so­ci­a­ção de Co­mér­cio ex­te­ri­or do Bra­sil, em 2017, o Bra­sil ex­por­tou aos es­ta­dos Uni­dos cer­ca de 4 mi­lhões de to­ne­la­das de aço se­mi-aca­ba­do, con­tra 920 mil to­ne­la­das de aço. o re­pre­sen­tan­te do Aço Bra­sil, que reúne as prin­ci­pais em­pre­sas do se­tor, ar­gu­men­ta ain­da que a in­dús­tria si­de­rúr­gi­ca bra­si­lei­ra é uma gran­de im­por­ta­do­ra do car­vão dos es­ta­dos Uni­dos, es­sen­ci­al, jun­ta­men­te com o mi­né­rio de fer­ro, pa­ra a fa­bri- ca­ção do aço. “Nós so­mos o mai­or im­por­ta­dor de car­vão mi­ne­ral no for­ma­to de co­que dos ame­ri­ca­nos. em 2017, im­por­ta­mos 1 bi­lhão de dó­la­res de car­vão e ex­por­ta­mos 2,6 bi­lhões [de dó­la­res] de aço. ou se­ja, há uma com­ple­men­ta­ri­e­da­de na nos­sa ca­deia. Uma res­tri­ção le­va­rá uma re­du­ção da nos­sa im­por­ta­ção de car­vão”, ex­pli­ca.

A po­si­ção do Go­ver­no bra­si­lei­ro foi de ex­pec­ta­ti­va até sa­ber se Trump iria efe­ti­var a de­ci­são de ta­xar o aço. Ago­ra, de­pois do anun­cio do pre­si­den­te dos EUA, o Go­ver­no Te­mer de­ve le­var a ques­tão pa­ra or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio (OMC). o Bra­sil

fi­cou fo­ra das ex­ce­ções das ta­xas, que, por en­quan­to, só be­ne­fi­ci­a­rão a Mé­xi­co e Ca­na­dá, os par­cei­ros dos EUA no NAFTA, o Tra­ta­do de li­vre Co­mér­cio da Amé­ri­ca do Nor­te. se­gun­do ly­ra, du­ran­te as mis­sões, o gru­po per­ce­beu que al­guns par­la­men­ta­res es­ta­vam pre­o­cu­pa­dos so­bre a cha­ma­da cir­cun­ven­ção, quan­do um país ten­ta bur­lar a ori­gem do pro­du­to pa­ra es­ca­par de al­gu­ma res­tri­ção já em vi­gor. “Na nos­sa con­ver­sa, vi­mos es­se ti­po de re­ceio, mas que não acon­te­ce no ca­so do Bra­sil. Ho­je tam­bém so­fre­mos por exem­plo com o aço chi­nês, tan­to que es­ta­mos abrin­do pro­ces­sos an­ti­dum­ping pa­ra evi­tar a en­tra­da do aço chi­nês a pre­ços pre­da­tó­ri­os”, diz.

Ain­da an­tes de co­nhe­cer o de­cre­to as­si­na­do nesta quin­ta-fei­ra por Trump, ly­ra acre­di­ta­va que, ca­so se con­fir­mas­sem as no­vas ta­xas anun­ci­a­das há di­as, o Bra­sil en­fren­ta­ria gra­ves pro­ble­mas no se­tor si­de­rúr­gi­co. “Te­re­mos que re­a­lo­car es­se vo­lu­me gran­de de aço pa­ra ou­tros mer­ca­dos, mas to­do o mun­do es­ta­rá fa­zen­do a mes­ma coi­sa. o que vai acon­te­cer se­rá uma gran­de guer­ra co­mer­ci­al. Não se­rá os EUA ver­sus o res­to do mun­do e sim o res­to do mun­do ver­sus o res­to do mun­do ten­tan­do se de- fen­der”, ex­pli­ca. em no­ta di­vul­ga­da nesta quin­ta-fei­ra, o Go­ver­no bra­si­lei­ro ma­ni­fes­ta “gran­de pre­o­cu­pa­ção” com as me­di­das, que “cau­sa­rão gra­ves pre­juí­zos às ex­por­ta­ções bra­si­lei­ras e te­rão sig­ni­fi­ca­ti­vo im­pac­to ne­ga­ti­vo nos flu­xos bi­la­te­rais de Co­mér­cio, am­pla­men­te fa­vo­rá­veis aos es­ta­dos Uni­dos nos úl­ti­mos 10 anos, e nas re­la­ções co­mer­ci­ais e de in­ves­ti­men­tos en­tre os dois paí­ses”. “Ao mes­mo tem­po em que ma­ni­fes­ta pre­fe­rên­cia pe­la via do diá­lo­go e da par­ce­ria, o Bra­sil re­a­fir­ma que re­cor­re­rá a to­das as ações ne­ces­sá­ri­as, nos âm­bi­tos bi­la­te­ral e mul­ti­la­te­ral, pa­ra pre­ser­var seus di­rei­tos e in­te­res­ses”, fi­na­li­za a no­ta. A mu­dan­ça das re­gras de im­por­ta­ção do aço nos es­ta­dos Uni­dos tam­bém che­ga em um mo­men­to em que o Bra­sil co­me­ça a sair de uma das su­as pi­o­res cri­ses econô­mi­cas. “Te­ría­mos que adap­tar o nos­so par­que em um mo­men­to em que já ope­ra­mos com um ní­vel baixo de ocu­pa­ção. Va­mos ter que nos adap­tar ao per­der um ter­ço das nos­sas ex­por­ta­ções. Va­mos des­li­gar equi­pa­men­tos, o que vai im­pac­tar tam­bém no em­pre­go”, ex­pli­ca. As in­dús­tri­as de aço e alu­mí­nio em­pre­gam mais de 200 mil tra­ba­lha­do­res no país.

Que­da dos pre­ços

o efei­to das mu­dan­ças e a cor­ri­da mun­di­al atrás de no­vos mer­ca­dos pa­ra a ven­da de aço de­vem fa­zer o va­lor do pro­du­to cair e cri­ar um efei­to do­mi­nó. “se es­se pre­ço des­pen­car mui­to ou­tros paí­ses que po­de­ri­am com­prar tam­bém po­dem abrir no­vos pro­ces­sos an­ti­dum­ping [com o ob­je­ti­vo de evi­tar que os pro­du­to­res na­ci­o­nais se­jam pre­ju­di­ca­dos por im­por­ta­ções re­a­li­za­das a pre­ços in­fe­ri­o­res ao mer­ca­do in­ter­no do país ex­por­ta­dor]”, ex­pli­ca.

Pa­ra a agên­cia de ris­co Mo­ody’s, a me­di­da afe­ta, mas não dra­ma­ti­ca­men­te, as três prin­ci­pais si­de­rúr­gi­cas do país: Usi­mi­nas, CSN e Ger­dau. A prin­ci­pal con­sequên­cia po­de ser for­çar as si­de­rúr­gi­cas a ven­de­rem pa­ra mer­ca­dos al­ter­na­ti­vos, com lu­cros me­no­res.

Jo­sé Augusto de Cas­tro, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção de Co­mér­cio ex­te­ri­or do Bra­sil (AEB), ava­lia que a me­di­da po­de ge­rar um im­pac­to de Us$ 250 mi­lhões de dó­la­res (815 mi­lhões de re­ais) pa­ra o Bra­sil so­bre o aço aca­ba­do. An­tes des­ta quin­ta-fei­ra Cas­tro ain­da acre­di­ta­va que al­go po­de­ria ser mo­di­fi­ca­do na me­di­da proposta pe­lo pre­si­den­te ame­ri­ca­no. “o que o Trump es­tá fa­zen­do não tem am­pa­ro le­gal, ele es­tá tra­tan­do to­dos os paí­ses co­mo se eles ti­ves­ses fei­to um car­tel pa­ra ex­por­tar aço pa­ra os es­ta­dos Uni­dos pe­lo mes­mo pre­ço. Is­so po­de ge­rar um gran­de pro­ble­ma, uma guer­ra co­mer­ci­al e o mun­do po­de, in­clu­si­ve, se unir e iso­lar os EUA co­mer­ci­al­men­te”.

Cas­tro ava­lia ain­da que o Bra­sil per­de du­as ve­zes, pois além de fi­car sem mer­ca­do no ex­te­ri­or, o mer­ca­do in­ter­no po­de ser afe­ta­do tam­bém. Com a re­vi­ra­vol­ta da so­bre­ta­xa­ção do aço pe­los EUA, as im­por­ta­ções do pro­du­to no Bra­sil po­dem au­men­tar já que ha­ve­rá uma dis­pu­ta de mer­ca­do e pre­ços no mun­do in­tei­ro.

Pa­ra a Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal da In­dús­tria (CNI), a de­ci­são nor­te-ame­ri­ca­na de im­por so­bre­ta­xas ao aço e alu­mí­nio é “in­jus­ti­fi­ca­da, ile­gal e pre­ju­di­ca o Bra­sil”. “se ado­ta­das, as me­di­das vão afe­tar 3 bi­lhões de dó­la­res em ex­por­ta­ções bra­si­lei­ras de fer­ro e aço e 144 mi­lhões de dó­la­res em ex­por­ta­ções de alu­mí­nio. Is­so equi­va­le a uma mas­sa sa­la­ri­al de qua­se 350 mi­lhões de re­ais e im­pos­tos da or­dem de 200 mi­lhões”, res­sal­tou a en­ti­da­de, em no­ta.

Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, Do­nald Trump.

ARQUIVO CASA BRAN­CA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.