Acu­sa­ções de co­bran­ça de pro­pi­na

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

E-mails iné­di­tos ob­ti­dos pe­lo EL PAÍS mos­tram o em­pe­nho, em um pe­di­do de “ur­gên­cia” do em­prei­tei­ro Jo­sé An­tu­nes So­bri­nho, só­cio da em­pre­sa En­ge­vix, pa­ra con­se­guir um pa­ga­men­to de 1,1 mi­lhão de re­ais, des­ti­na­dos a um dos prin­ci­pais ho­mens de con­fi­an­ça do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer (MDB), o co­ro­nel João Bap­ti­is­ta Li­ma Fi­lho. As men­sa­gens re­for­çam e de­ta­lham a ver­são que An­tu­nes apre­sen­tou em pro­pos­ta de de­la­ção pre­mi­a­da: de que es­se pa­ga­men­to era um re­pas­se de pro­pi­na ao co­ro­nel Li­ma. Se­gun­do An­tu­nes, o des­ti­na­tá­rio fi­nal era o pró­prio Te­mer. A com­pro­va­ção do pa­ga­men­to e de­ta­lhes da ne­go­ci­a­ção co­me­çam ago­ra a apa­re­cer em um pro­ces­so no Tri­bu­nal de Jus­ti­ça do Dis­tri­to Fe­de­ral.

Co­mo EL PAÍS re­ve­lou em ou­tu­bro, uma em­pre­sa ten­ta pro­var na Jus­ti­ça que foi in­du­zi­da por An­tu­nes e um com­par­sa a fa­zer um pa­ga­men­to de 1,1 mi­lhão de re­ais ao co­ro­nel re­for­ma­do João Bap­tis­ta Li­ma, ami­go de Te­mer e in­ves­ti­ga­do co­mo o mais an­ti­go ope­ra­dor de pro­pi­nas do pre­si­den­te. A com­pa­nhia Alú­mi Pu­bli­ci­da­des diz que não sa­bia que es­se pa­ga­men­to fa­zia par­te de um ajus­te de pro­pi­na e se diz usa­da in­vo­lun­ta­ri­a­men­te co­mo “tes­ta de fer­ro”. À Jus­ti­ça, a Alú­mi re­la­tou que foi in­du­zi­da a con­tra­tar o ami­go de Te­mer, por­que es­sa foi uma con­di­ção im­pos­ta por An­tu­nes en­quan­to só­cio da En­ge­vix pa­ra que a em­pre­sa con­se­guis­se as­si­nar um con­tra­to de ex­plo­ra­ção de mí­dia ex­ter­na no Ae­ro­por­to de Bra­sí­lia. An­tu­nes co­man­da­va na épo­ca a con­ces­si­o­ná­ria da ope­ra­ção do ae­ro­por­to, In­fra­mé­ri­ca, um con­sór­cio de que a En­ge­vix fa­zia par­te.

Pri­mei­ro, a Alú­mi ane­xou no pro­ces­so com­pro­van­tes ban­cá­ri­os dos pa­ga­men­tos. De­pois, em um no­vo des­do­bra­men­to, a Alú­mi apre­sen­tou tam­bém e-mails en­vi­a­dos pe­lo só­cio da En­ge­vix, pe­lo ami­go de Te­mer e por ou­tro em­pre­sá­rio, Ro­dri­go Cas­tro Al­ves Ne­ves, só­cio da com­pa­nhia EPS, que fun­ci­o­nou na épo­ca co­mo um in­ter­me­diá­rio en­tre An­tu­nes e a Alú­mi. Pe­la ver­são da Alú­mi, a em­pre­sa ten­tou por vá­ri­os me­ses con­se­guir o di­rei­to de ex­plo­rar pai­néis e por­tais de pro­pa­gan­da no Ae­ro­por­to de Bra­sí­lia, sem su­ces­so. Até que um dia ela foi pro­cu­ra­da por Al­ves Ne­ves, que dis­se ser ca­paz de con­se­guir a as­si­na­tu­ra do con­tra­to. Pa­ra tra­ba­lhar no ae­ro­por­to, mes­mo con­ce­di­do à ini­ci­a­ti­va pri­va­da, se­ria pre­ci­so pa­gar um pre­ço, que era con­tra­tar o co­ro­nel Li­ma por 1,1 mi­lhão de re­ais, um pa­ga­men­to que se­ria uma “es­pé­cie de lu­vas pa­ra a In­fra­mé­ri­ca”, de acor­do com a ar­gu­men­ta­ção da Alú­mi apre­sen­ta­da à Jus­ti­ça. Até ho­je, não exis­tem re­gis­tros ou do­cu­men­tos na Jus­ti­ça nem nos Con­se­lhos de Ar­qui­te­tu­ra e de En­ge­nha­ria de que Li­ma te­nha pres­ta­do al­gum ti­po de ser­vi­ço pa­ra a Alú­mi ou pa­ra o Ae­ro­por­to de Bra­sí­lia em tro­ca des­se pa­ga­men­to

Nas men­sa­gens en­tre­gues à Jus­ti­ça, é pos­sí­vel ver co­mo par­te da tra­ma se de­sen­ro­lou. O con­tra­to en­tre a Alú­mi e o ae­ro­por­to, que ga­ran­tia a ex­plo­ra­ção da mí­dia ex­ter­na na prin­ci­pal via de aces­so, só foi as­si­na­do em 11 de se­tem­bro de 2014, mas os e-mails mos­tram que, an­tes dis­so, o co­ro­nel Li­ma já es­ta­va pre­o­cu­pa­do com os fru­tos do ne­gó­cio. Em 4 de se­tem­bro, ele en­vi­ou um e-mail pa­ra An­tu­nes, em que co­bra: “Al­guém po­de­ria en­trar em con­ta­to co­mi­go ou com a ar­qui­te­ta Ri­ta Fra­te­zi pa­ra acer­tar a for­ma­ta­ção do con­tra­to?”.

Li­ma não se sa­tis­faz com uma res­pos­ta de An­tu­nes e es­cre­ve no­va­men­te em tom de co­bran­ça: “Pre­ci­sa­mos con­cluir a pro­pos­ta de co­mu­ni­ca­ção vi­su­al. Aguar­do pro­vi­dên­ci­as”. Pou­co de­pois da co­bran­ça do co­ro­nel, An­tu­nes re­a­ge e pe­de ur­gên­cia de Ne­ves, que fun­ci­o­nou co­mo uma es­pé­cie de in­ter­me­diá­rio na ne­go­ci­a­ção do ae­ro­por­to com a Alú­mi. “Por fa­vor, eu não te­nho con­di­ção de ge­ren­ci­ar pes­so­al­men­te a ma­té­ria e por is­so eu os co­lo­quei em con­ta­to di­re­to; apre­ci­a­ria que o Ro­dri­go fa­ça ur­gen­te con­ta­to com o dou­tor Li­ma vi­san­do fe­char e re­a­li­zar o con­tra­to”.

Pro­cu­ra­dos, ad­vo­ga­dos de Li­ma e de An­tu­nes não qui­se­ram co­men­tar. No pro­ces­so, Ne­ves diz que não co­nhe­ce o co­ro­nel re­for­ma­do e que não te­ve par­ti­ci­pa­ção no con­tra­to de­le com a Alú­mi.

LUIS MA­CE­DO (C­MA­RA DOS DE­PU­TA­DOS)

O em­pre­sá­rio Jo­sé An­tu­nes So­bri­nho, que acu­sa o co­ro­nel Li­ma de co­brar uma pro­pi­na de 1 mi­lhão

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.