Ten­tá­cu­lo po­lí­ti­co da mi­lí­cia mi­ra as pró­xi­mas elei­ções

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Cin­co anos atrás o de­le­ga­do da po­lí­cia Ci­vil Mar­cus Ne­ves pro­fe­ti­zou o fim do po­der po­lí­ti­co dos gru­pos mi­li­ci­a­nos no rio: “As prin­ci­pais ca­be­ças da mi­lí­cia fo­ram pre­sas. o ten­tá­cu­lo po­lí­ti­co não exis­te mais”. o po­li­ci­al, uma au­to­ri­da­de res­pei­ta­da no as­sun­to e res­pon­sá­vel pe­la pri­são de 143 pa­ra­mi­li­ta­res den­tre eles de­pu­ta­dos e ve­re­a­do­res flu­mi­nen­ses, apa­ren­te­men­te quei­mou a lar­ga­da. Ago­ra, com as elei­ções à vis­ta, um ve­re­a­dor e di­ver­sos mi­li­ci­a­nos es­tão sob sus­pei­ta de par­ti­ci­pa­ção no as­sas­si­na­to da ve­re­a­do­ra Ma­ri­el­le Fran­co (psol) e de seu mo­to­ris­ta An­der­son Go­mes. A pro­fe­cia do de­le­ga­do pa­re­ce lon­ge de se con­cre­ti­zar em um ce­ná­rio no qual au­to­ri­da­des ou­vi­das pe­lo el PAÍS di­zem ser pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel im­pe­dir que mi­li­ci­a­nos in­ter­fi­ram no re­sul­ta­do do plei­to e em­pla­quem seus can­di­da­tos. o “ten­tá­cu­lo po­lí­ti­co” con­ti­nua mais vi­vo do que nun­ca.

Com do­mí­nio sob ter­ri­tó­ri­os do rio on­de mo­ram mais de 2 mi­lhões de pes­so­as se­gun­do es­ti­ma­ti­vas do por­tal G1, os gru­pos pa­ra­mi­li­ta­res for­ma­dos por bom­bei­ros, ex­po­li­ci­ais e mem­bros das for­ças de se­gu­ran­ça ain­da na ati­va têm po­der pa­ra de­ci­dir so­bre a vi­da e a mor­te des­ta po­pu­la­ção. e tam­bém so­bre o vo­to. An­ti­ga­men­te a es­tra­té­gia dos mi­li­ci­a­nos pa­ra al­can­çar o po­der po­lí­ti­co con­sis­tia em co­lo­car seus prin­ci­pais lí­de­res na dis­pu­ta elei­to­ral. Mas a pri­são do ex-ve­re­a­dor Cris­ti­a­no Gi­rão Ma­ti­as, do ex-de­pu­ta­do Na­ta­li­no Jo­sé Guimarães e do ex-ve­re­a­dor Jerô­ni­mo Guimarães Fi­lho, ca­ci­ques da Li­ga da Jus­ti­ça, o mais fa­mo­so gru­po pa­ra­mi­li­tar do rio, obri­gou os cri­mi­no­sos a re­ver seus pla­nos.

“Via de re­gra ho­je em dia o can­di­da­to da mi­lí­cia não é um mem­bro atu­an­te do gru­po. É al­guém que usa es­ta or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa pa­ra cap­tar vo­tos”, ex­pli­ca da­ni­el Braz, co­or­de­na­dor do Gru­pos de Atu­a­ção es­pe­ci­al de Com­ba­te ao Cri­me or­ga­ni­za­do do Mi­nis­té­rio pú­bli­co do rio. Nes­te no­vo ce­ná­rio, os pa­ra­mi­li­ta­res “apoi­am can­di­da­tos que tem agen­da fa­vo­rá­vel a de­les”. “É um lobby que eles fa­zem co­mo se fos­sem uma en­ti­da­de le­gal, que tam­bém faz is­so: a pm vo­ta em seus can­di­da­tos. Co­bra­do­res de ôni­bus e de pos­to de ga­so­li­na idem. o mi­li­ci­a­no tam­bém”, afir­ma o pro­mo­tor. Se­gun­do ele, a in­fluên­cia de mi­li­ci­a­nos nas elei­ções des­te ano é uma “pos­si­bi­li­da­de qua­se cer­ta”.

A no­va me­to­do­lo­gia dos pa­ra­mi­li­ta­res di­fi­cul­ta e qua­se im­pos­si­bi­li­ta que as au­to­ri­da­des iden­ti­fi­quem qu­em são os po­lí­ti­cos be­ne­fi­ci­a­dos por sua atu­a­ção. “É mui­to com­pli­ca­do coi­bir is­so. Vo­cê não tem co­mo sa­ber pe­lo per­fil do can­di­da­to se ele tem es­sa re­la­ção com a mi­lí­cia. To­dos os ór­gãos do Mp es­tão aten­tos a is­so no cam­po elei­to­ral, mas é mui­to di­fí­cil de iden­ti­fi­car”, diz Braz. o pre­si­den­te do Tri­bu­nal re­gi­o­nal elei­to­ral do rio de Ja­nei­ro, de­sem­bar­ga­dor Car­los eduardo da ro­sa da Fon­se­ca pas­sos, com­par­ti­lha com Braz cer­to pes­si­mis­mo quan­to à pos­si­bi­li­da­de de eli­mi­nar o fa­tor mi­li­ci­a­no das elei­ções. “Não há co­mo se ex­cluir to­da a in­fluên­cia de or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas no re­du­zi­do pe­río­do até as pró­xi­mas elei­ções, mas sua atu­a­ção de­ve ser com­ba­ti­da e coi­bi­da com aus­te­ri­da­de e ce­le­ri­da­de”, afir­mou ao el PAÍS. uma das fer­ra­men­tas que o Tre de­ve lan­çar mão são as “cas­sa­ções de re­gis­tros e di­plo­mas de can­di­da­tos en­vol­vi­dos com o cri­me or­ga­ni­za­do, de mo­do a per­mi­tir que a von­ta­de do elei­tor pre­va­le­ça e que as elei­ções trans­cor­ram em cli­ma de nor­ma­li­da­de”. Além dis­so, a Cor­te de­ve dar “ên­fa­se à fis­ca­li­za­ção da pro­pa­gan­da elei­to­ral, com in­tui­to de re­du­zir, ao má­xi­mo, a di­fu­são de can­di­da­tu­ras re­la­ci­o­na­das ao cri­me or­ga­ni­za­do”.

o de­sem­bar­ga­dor não de­ta­lhou co­mo o Tre tra­ba­lha pa­ra iden­ti­fi­car quais são as can­di­da­tu­ras li­ga­das a ban­di­da­gem, mas dis­se que con­ta com “a par­ti­ci­pa­ção da po­pu­la­ção e dos ór­gãos de im­pren­sa (...) tan­to na apre­sen­ta­ção de de­nún­ci­as quan­to na di­vul­ga­ção de prá­ti­cas in­com­pa­tí­veis com a le­gi­ti­mi­da­de do pro­ces­so elei­to­ral”. pas­sos afir­ma ain­da que “o cri­me or­ga­ni­za­do sem­pre bus­ca no­vas al­ter­na­ti­vas pa­ra con­tor­nar as res­tri­ções le­gais”, o que exi­ge “cons­tan­te evo­lu­ção nas di­re­tri­zes de pre­ven­ção e de fis­ca­li­za­ção de fa­to­res de ris­co”. “Ape­nas fui apre­sen­ta­do ao lí­der co­mu­ni­tá­rio”

“Ape­nas fui apre­sen­ta­do ao lí­der co­mu­ni­tá­rio”. es­sa é a frase re­pe­ti­da por can­di­da­tos acu­sa­dos de se be­ne­fi­ci­a­rem do do­mí­nio de mi­li­ci­a­nos, se­gun­do o pro­mo­tor Braz. exis­tem al­gu­mas ma­nei­ras pe­las quais um po­lí­ti­co po­de ti­rar pro­vei­to da ação des­tes gru­pos: pres­si­o­nan­do elei­to­res pa­ra que vo­tem em seus can­di­da­tos, fi­nan­ci­an­do es­ses can­di­da­tos e bar­ran­do cam­pa­nha de po­lí­ti­cos em de­ter­mi­na­do bair­ro. Nos lo­cais sob do­mí­nio da mi­lí­cia são ve­ta­das as pro­pa­gan­das elei­to­rais de qu­em não é es­co­lhi­do pe­los cri­mi­no­sos, e mui­tos po­lí­ti­cos, por ques­tões de se­gu­ran­ça, não se ar­ris­cam a fa­zer cam­pa­nha nes­tas re­giões. “A não ser que ha­ja uma in­ves­ti­ga­ção que com­pro­ve o elo en­tre o can­di­da­to e o mi­li­ci­a­no, vo­cê não con­se­gue pren­der nin­guém. o fa­to de um de­ter­mi­na­do po­lí­ti­co con­se­guir fa­zer cam­pa­nha na co­mu­ni­da­de por si só não con­fi­gu­ra cri­me”, diz o pro­mo­tor Braz. pa­ra ele, “sem­pre vai ter em uma Ca­sa po­lí­ti­ca [câ­ma­ras ou as­sem­blei­as] al­guém apoi­a­do por cri­mi­no­sos”. ou­tra di­fi­cul­da­de no com­ba­te às mi­lí­ci­as é o fa­to de que após as pri­sões dos prin­ci­pais lí­de­res, os gru­pos ado­ta­ram uma pos­tu­ra low pro­fi­le.

Prf/rio

Ar­se­nal apre­en­di­do em ope­ra­ção con­tra mi­lí­ci­as no Rio em abril de 2018.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.