Mé­di­cos quer bar­rar lei ru­ra­lis­ta de agro­tó­xi­cos

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

uma gu­er­ra de nar­ra­ti­vas pre­do­mi­na em um de­ba­te en­vol­ven­do agro­tó­xi­cos no Con­gres­so Na­ci­o­nal. de um la­do, ru­ra­lis­tas cha­mam o pro­je­to 6.299/2002 de “Lei do ali­men­to Mais Se­gu­ro”. do ou­tro, opo­si­to­res o cha­mam de “pa­co­te de Ve­ne­no”. Na prá­ti­ca, a pro­pos­ta ela­bo­ra­da por en­ti­da­des que re­pre­sen­tam pro­du­to­res ru­rais, com o au­xí­lio da in­dús­tria quí­mi­ca, tem co­mo ob­je­ti­vo al­te­rar uma lei do ano 1989 que tra­ta do uso e do re­gis­tro de agro­tó­xi­cos, her­bi­ci­das e pes­ti­ci­das em to­do o ter­ri­tó­rio bra­si­lei­ro. a dis­cus­são, que fi­cou qua­se 14 anos pa­ra­da, foi re­to­ma­da em 2016. ago­ra, es­tá em vi­as de ser vo­ta­da na Câ­ma­ra com al­tas chan­ces de apro­va­ção. en­tre os de­pu­ta­dos fe­de­rais, 228, ou 44% dos 513, se de­cla­ram mem­bros da ban­ca­da ru­ra­lis­ta e são vin­cu­la­dos à Fren­te par­la­men­tar agro­pe­cuá­ria.

Se apro­va­da, a lei mo­di­fi­ca­rá uma sé­rie de pro­ce­di­men­tos. en­tre eles es­tão: a re­du­ção do tem­po pa­ra o re­gis­tro e a co­mer­ci­a­li­za­ção dos pro­du­tos jun­to aos ór­gão de saúde e meio am­bi­en­te, a mu­dan­ça do no­me ofi­ci­al de­les (pas­sa­ri­am a se cha­mar pro­du­tos fi­tos­sa­ni­tá­ri­os ou de con­tro­le am­bi­en­tal), além da pos­si­bi­li­da­de de va­li­dar o uso de de­fen­si­vos agrí­co­las que são proi­bi­dos em ou­tros paí­ses por tra­ze­rem ris­cos à saúde (co­mo a má-for­ma­ção de fe­tos ou o au­men­to da pro­ba­bi­li­da­de do apa­re­ci­men­to de cân­ce­res). o pro­je­to é re­la­ta­do pe­lo de­pu­ta­do Luiz Nishi­mo­ri (pr-pr). já apro­va­do no Se­na­do, o au­tor da pro­pos­ta é o se­na­dor li­cen­ci­a­do e ho­je mi­nis­tro da agri­cul­tu­ra, Blai­ro Mag­gi (pp-mt).

os em­ba­tes apai­xo­na­dos to­ma­ram con­ta das úl­ti­mas se­ma­nas de uma co­mis­são es­pe­ci­al na Câ­ma­ra. Nas au­di­ên­ci­as re­cen­tes, de­pu­ta­dos e mi­li­tan­tes le­va­ram car­ta­zes que re­pre­sen­tam o mo­men­to de po­la­ri­za­ção po­lí­ti­ca do país. di­zi­am eles: “Querem co­lo­car ve­ne­no no seu pra­to” ou “eu apoio ali­men­tos mais se­gu­ros”.

o ar­gu­men­to dos que são con­trá­ri­os à lei é o de que au­to­ri­zar as mo­di­fi­ca­ções fa­rá com que ca­da vez mais agro­tó­xi­cos se­jam usa­dos nas la­vou­ras e, con­se­cu­ti­va­men­te, re­sí­du­os de­les aca­bem nas co­mi­das dos bra­si­lei­ros. en­quan­to que os apoi­a­do­res do pro­je­to dizem que, com mais de­fen­si­vos agrí­co­las mo­der­nos, se­rá pos­sí­vel au­men­tar a pro­du­ção com o uso re­du­zi­do de pro­du­tos quí­mi­cos.

Fo­ra do par­la­men­to di­ver­sas ins­ti­tui­ções já se ma­ni­fes­ta­ram, por meio de no­tas téc­ni­cas ou ar­ti­gos, con­trá­ri­os ou fa­vo­rá­veis ao pro­je­to. en­tre os que querem sua re­jei­ção es­tão: o ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Cân­cer (in­ca), o Mi­nis­té­rio pú­bli­co Fe­de­ral (MPF), a Fun­da­ção oswal­do Cruz (Fi­o­cruz), a agên­cia Na­ci­o­nal de Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria (an­vi­sa), além de um gru­po de 329 ongs. do ou­tro la­do, en­tre os fa­vo­rá­veis às al­te­ra­ções es­tão gru­pos ligados com o agro­ne­gó­cio, co­mo a em­pre­sa Bra­si­lei­ra de pes­qui­sa agro­pe­cuá­ria (em­bra­pa), a Con­fe­de­ra­ção da agri­cul­tu­ra e pe­cuá­ria do Bra­sil (CNA), além das as­so­ci­a­ções de pro­du­to­res de So­ja (apro­so­ja), mi­lho (abra­mi­lho) e al­go­dão (abra­pa). es­sas três úl­ti­mas cri­a­ram um si­te e pro­mo­vem o cor­po a cor­po com os par­la­men­ta­res pe­la “Lei do ali­men­to Mais Se­gu­ro”. No ca­so do MPF, os pro­cu­ra­do­res ale­ga­ram que, se apro­va­da, a lei se­ria in­cons­ti­tu­ci­o­nal.

Cân­cer e má-for­ma­ção

um dos ar­gu­men­tos in­sis­ten­te­men­te usa­dos pe­los opo­si­to­res ao pro­je­to são o de que o uso de agro­tó­xi­cos au­men­ta a pos­si­bi­li­da­de de que os tra­ba­lha­do­res que atu­am nas la­vou­ras as­sim co­mo os con­su­mi­do­res desses ali­men­tos te­nham mai­or pos­si­bi­li­da­de de con­trair cân­cer, ter al­gu­ma má-for­ma­ção ge­né­ti­ca (prin­ci­pal­men­te no ca­so de fe­tos) ou al­gum dis­túr­bio hor­mo­nal.

a to­xi­co­lo­gis­ta e pes­qui­sa­do­ra Már­cia Sar­pa, do ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Cân­cer, diz que a atu­al le­gis­la­ção (7802/1989) proí­be o re­gis­tro de qual­quer agro­tó­xi­co que tra­ga es­ses ris­cos. Mas o pro­je­to re­la­ta­do pe­lo de­pu­ta­do Nishi­mo­ri sus­pen­de es­sa proi­bi­ção ime­di­a­ta pe­la ela­bo­ra­ção de um pro­ces­so de análise de ris­co, em que ha­ve­ria ní­veis acei­tá­veis pa­ra a pre­sen­ça de pro­du­tos te­ra­to­gê­ni­cos (que cau­sam má-for­ma­ção fe­tal) ou can­ce­rí­ge­nas.

“Quan­do você ca­rac­te­ri­za uma subs­tân­cia co­mo mu­ta­gê­ni­ca não exis­te li­mi­te se­gu­ro de ex­po­si­ção. Quan­do al­guém en­tra em con­ta­to, já es­tá em ris­co. Não há co­mo es­ta­be­le­cer o li­mi­te”, pon­de­ra. Sar­pa vai além e diz que há um ris­co imi­nen­te de mais pes­so­as ado­e­ce­rem ca­so o pro­je­to se­ja apro­va­do e au­men­te o nú­me­ro de agro­tó­xi­cos nas la­vou­ras. “Cor­re­mos o ris­co de co­mer­mos uma so­pa de agro­tó­xi­cos, uma so­pa de ve­ne­no”.

re­pre­sen­tan­tes de as­so­ci­a­ções de pro­du­to­res, con­tu­do, dizem que há um cer­to exa­ge­ro nes­sas co­lo­ca­ções e mi­ni­mi­zam as de­cla­ra­ções dos opo­si­to­res da pro­pos­ta. “Às ve­zes, querem pas­sar a ima­gem de que o pro­du­tor fi­ca igual um ta­ra­do, um lou­co, em ci­ma de um ca­mi­nhão jo­gan­do agro­tó­xi­co em to­da a la­vou­ra. o que não é verdade”, dis­se o di­re­tor-exe­cu­ti­vo da apro­so­ja, Fa­brí­cio ro­sa. “Que­re­mos usar ca­da vez me­nos agro­tó­xi­cos. pa­ra is­so, pre­ci­sa­mos de pro­du­tos mais mo­der­nos”, com­ple­men­ta.

ou­tro mé­di­co, o to­xi­co­lo­gis­ta e pro­fes­sor apo­sen­ta­do da uni­camp an­ge­lo Za­na­ga Tra­pé dis­cor­da da vi­são de sua co­le­ga do in­ca. Nos úl­ti­mos anos ele de­sen­vol­veu três es­tu­dos com uma po­pu­la­ção de cer­ca de 3.000 agri­cul­to­res di­re­ta­men­te ex­pos­tos a agro­tó­xi­cos. em ne­nhum de­les foi en­con­tra­do qual­quer re­gis­tro de que a ex­po­si­ção a es­ses pro­du­tos tenha cau­sa­do cân­cer, par­kin­son ou qual­quer ou­tro dis­túr­bio re­le­van­te. “em to­das pes­qui­sas que de­sen­vol­vi en­con­trei um pa­drão de mor­bi­da­de nes­sas po- pu­la­ções ru­rais que é mui­to si­mi­lar ao res­tan­te da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra. Não há ne­nhum lu­gar que eu fui que tenha al­go mais gra­ve que ou­tros”, re­la­tou.

Na opi­nião de Tra­pé, uma no­va lei po­de ser um avan­ço, des­de que acom­pa­nha­da de uma sé­rie de es­tu­dos clí­ni­cos e epi­de­mi­o­ló­gi­cos de bi­o­mo­ni­to­ra­men­to das po­pu­la­ções mais ex­pos­tas pa­ra en­ten­der se es­se pú­bli­co es­tá so­fren­do ou não com os no­vos agro­tó­xi­cos. “Sem da­dos so­bre os in­di­ca­do­res de saúde, en­tra­mos no achis­mo, um viés ide­o­ló­gi­co. São mais pes­so­as con­trá­ri­as ao sis­te­ma ne­o­li­be­ral do que con­tra o uso de agro­tó­xi­co”.

tem­po de re­gis­tro

atu­al­men­te, pa­ra se re­gis­trar um de­fen­si­vo agrí­co­la de­mo­ra-se de três a dez anos. en­quan­to que em paí­ses co­mo es­ta­dos uni­dos ou ou­tros da união eu­ro­peia le­va-se de dois a qua­tro anos. No Bra­sil, é ne­ces­sá­rio que a Co­mis­são Téc­ni­ca pa­ra agro­tó­xi­cos, for­ma­da por re­pre­sen­tan­tes do Mi­nis­té­rio da agri­cul­tu­ra, da an­vi­sa e do ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Meio am­bi­en­te (ibama), ana­li­sem o no­vo pro­du­to. os três emi­tem pa­re­ce­res so­bre o pe­di­do e só é acei­to após o aval unâ­ni­me de que ele não afe­ta de ma­nei­ra gra­ve nem a saúde pú­bli­ca, nem o meio am­bi­en­te e de que é efi­caz no con­tro­le de de­ter­mi­na­da pra­ga.

pe­lo pro­je­to atu­al, es­se gru­po se­ria co­or­de­na­do pe­lo Mi­nis­té­rio da agri­cul­tu­ra e os ou­tros ór­gãos te­ri­am me­nos re­le­vân­cia na análise. e o re­gis­tro do agro­tó­xi­co de­ve­ria le­var no má­xi­mo 12 me­ses. Se ex­tra­po­las­se es­se pra­zo, se­ria emi­ti­do um re­gis­tro tem­po­rá­rio, des­de que ou­tros três paí­ses da or­ga­ni­za­ção pa­ra a Co­o­pe­ra­ção do de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co (ocde) já ti­ves­sem au­to­ri­za­do a co­mer­ci­a­li­za­ção des­se mes­mo pro­du­to.

“Se for apro­va­do, ha­ve­rá um de­se­qui­lí­brio de for­ças. o mi­nis­té­rio so­fre­ria pres­são do po­der econô­mi­co e os ou­tros ór­gãos se­ri­am en­fra­que­ci­dos”, afir­mou o pre­si­den­te da as­so­ci­a­ção dos ser­vi­do­res da an­vi­sa (uni­vi­sa), Carlos re­na­to pon­te. “as quei­xas são, em sua mai­o­ria, ide­o­ló­gi­cas. Se ou­tros paí­ses da ocde au­to­ri­za­ram, por qual ra­zão não po­de­ría­mos au­to­ri­zar?”, ques­ti­o­nou paulo Cé­sar ama­ral, con­sul­tor ju­rí­di­co da as­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de pro­du­to­res de al­go­dão.

por ou­tro la­do, há o te­mor de que pro­du­tos que fo­ram proi­bi­dos em ou­tras na­ções sob o ar­gu­men­to de que po­de­ri­am afe­tar a saúde pú­bli­ca ou o meio am­bi­en­te pas­sem a ser usa­dos no Bra­sil, exa­ta­men­te por cau­sa des­sa re­gu­la­men­ta­ção tem­po­rá­ria. um do­cu­men­to emi­ti­do pe­la an­vi­sa, que con­tes­ta o pro­je­to de lei, elen­ca ao me­nos no­ve ca­sos que is­so po­de­ria ocor­rer. atu­al­men­te há 2.500 pro­du­tos na fi­la pa­ra se­rem apro­va­dos. os mais an­ti­gos da­tam do ano de 2009. “Não que­re­mos que to­dos se­jam apro­va­dos lo­go, ape­nas os 30 no­vos que já po­de­ri­am es­tar sen­do usa­dos e fo­ram au­to­ri­za­dos em vá­ri­os paí­ses”, com­ple­tou o con­sul­tor da abra­pa.

Mas os opo­si­to­res acham que tem al­ter­na­ti­va pa­ra se ace­le­rar a análise desses pro­du­tos sem mu­dar a lei, se­gun­do o re­pre­sen­tan­te da uni­vi­sa, se­ria apri­mo­rar um de­cre­to mi­nis­te­ri­al es­pe­cí­fi­co so­bre agro­tó­xi­cos. “Não faz sen­ti­do le­var cin­co anos pa­ra ana­li­sar um pro­du­to. di­mi­nui­ria a bu­ro­cra­cia e aten­de­ria ao mer­ca­do, que é o que tan­tas pes­so­as querem. Não pre­ci­sa mu­dar a lei”, dis­se pon­te.

No mes­mo sen­ti­do se­gue o mé­di­co Guilherme Franco Net­to, es­pe­ci­a­lis­ta em saúde, am­bi­en­te e sustentabilidade da Fi­o­cruz. “de­ve­ría­mos tra­ba­lhar no sen­ti­do de apri­mo­rar a lei atu­al, não só for­ta­le­cen­do os ór­gãos re­gu­la­do­res, co­mo tam­bém tra­ba­lhar na pers­pec­ti­va de abrir a pos­si­bi­li­da­de de pro­du­ção de ali­men­tos e ou­tros in­su­mos que pos­sam ser fei­tos de ma­nei­ra mais sau­dá­vel”.

Vo­ta­ção na co­mis­são

Nas pró­xi­mas du­as se­ma­nas, o pl 6.299/ 2002 de­ve­rá ser vo­ta­do na co­mis­são es­pe­ci­al que ana­li­sa o te­ma. a ten­dên­cia é que se­ja apro­va­do da ma­nei­ra que es­tá, já que 20 dos 26 par­la­men­ta­res que a com­põem são mem­bros da ban­ca­da ru­ra­lis­ta. de­pois de pas­sar pe­la co­mis­são, de­ve le­var de uma a du­as se­ma­nas pa­ra ser vo­ta­do pe­lo ple­ná­rio da Câ­ma­ra.

Plan­ta­ção de so­ja em Goiás.

TONY oliveira CNA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.