Jus­ti­ça Mi­li­tar vai jul­gar mor­te de ci­vil em in­ter­ven­ção

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Di­e­go au­gus­to Ferreira, de 25 anos, es­ta­va em sua mo­to quan­do viu uma blitz do exér­ci­to em Ma­ga­lhães Bas­tos, zo­na oes­te do rio de Ja­nei­ro. ele de­ci­diu fu­rar o blo­queio por não ter ha­bi­li­ta­ção. a ten­ta­ti­va fa­lhou quan­do um mi­li­tar – que não te­ve o no­me di­vul­ga­do – ati­rou e fe­riu fa­tal­men­te Di­e­go, que se tor­nou a pri­mei­ra ví­ti­ma ci­vil das For­ças ar­ma­das des­de o iní­cio da in­ter­ven­ção na se­gu­ran­ça pú­bli­ca do rio de Ja­nei­ro. Se­rão mi­li­ta­res – e não a Jus­ti­ça co­mum – os res­pon­sá­veis pe­la apu­ra­ção e jul­ga­men­to de ca­sos des­se ti­po, após lei san­ci­o­na­da pelo pre­si­den­te Mi­chel Te­mer (MDB) no ano pas­sa­do.

em 16 de ou­tu­bro de 2017, o pre­si­den­te san­ci­o­nou a lei 13.491/2017, que trans­fe­re pa­ra a Jus­ti­ça Mi­li­tar o jul­ga­men­to de um mi­li­tar das For­ças ar­ma­das que, em ser­vi­ço, ma­te um ci­vil. es­sa mu­dan­ça é vá­li­da em ações de­fi­ni­das pelo pre­si­den­te ou mi­nis­tro da De­fe­sa, que tra­tem da se­gu­ran­ça da ins­ti­tui­ção mi­li­tar ou, en­tão, du­ran­te a Glo (Ga­ran­tia da lei e da or­dem), lar­ga­men­te uti­li­za­da em vá­ri­os mo­men­tos an­te­ri­o­res à in­ter­ven­ção.

o ca­so de Di­e­go se en­qua­dra­rá na no­va lei, bem co­mo o de mi­li­ta­res do exér­ci­to en­vol­vi­dos em uma ação que re­sul­tou na mor­te de oi­to pes­so­as no com­ple­xo do Sal­guei­ro, em São Gon­ça­lo, em no­vem­bro do ano pas­sa­do. Se­gun­do a ong hu­man rights Wat­ch, o exér­ci­to im­pe­diu que os 17 ho­mens apon­ta­dos co­mo sus­pei­to de en­vol­vi­men­to pres­tas­sem depoimento nas in­ves­ti­ga­ções do MP-RJ (Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do rio de Ja­nei­ro). o ge­ne­ral Walter Bra­ga net­to ne­gou en­tre­gar pa­ra o MP-RJ as de­cla­ra­ções fei­tas pe­los mi­li­ta­res ao MPM (Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Mi­li­tar).

há um em­ba­te ju­rí­di­co quan­to a mu­dan­ça na lei. “não ve­jo pro­ble­ma em [o jul­ga­men­to] ir pa­ra a Jus­ti­ça Mi­li­tar. al­gu­mas ila­ções tem si­do fei­tas, de que a mi­li­tar não tem isen­ção, mas is­so é bo­ba­gem”, ana­li­sa o co­ro­nel da re­ser­va da PM de São Pau- lo e ex-se­cre­tá­rio na­ci­o­nal de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Jo­sé Vi­cen­te da Sil­va Fi­lho. “o po­li­ci­al fe­de­ral se en­vol­ve em uma ocor­rên­cia, qu­em faz a ave­ri­gua­ção? a Po­lí­cia Fe­de­ral. Um po­li­ci­al ci­vil, a ci­vil… não tem pro­ble­ma fa­zer inqué­ri­to. Por ou­tro lado, jus­ti­ça é jus­ti­ça, não se po­de des­con­fi­ar de que se­ja par­ci­al”, ana­li­sa.

Pa­ra Sil­va Fi­lho, a ação do sol­da­do das For­ças ar­ma­das no ca­so de Di­e­go au­gus­to Ferreira se con­fi­gu­ra co­mo um “ho­mi­cí­dio”. “Qual­quer pes­soa que de­so­be­de­ça o si­nal de pa­ra­da, não po­de ser al­vo de ti­ro de for­ma al­gu­ma. não con­fi­gu­ra uma tí­pi­ca ação de le­gí­ti­ma de­fe­sa. apa­ren­te­men­te, o mi­li­tar co­me­teu um gra­ve er­ro e des­sa for­ma um cri­me. Vai ser apu­ra­do em inqué­ri­to em os to­dos de­ta­lhes”, diz, tam­bém im­pu­tan­do res­pon­sa­bi­li­da­de nos su­pe­ri­o­res por não ori­en­tar de­vi­da­men­te a tro­pa a co­mo agir em ca­sos co­mo es­te. en­quan­to o ex-se­cre­tá­rio con­si­de­ra normal e den­tro do es­pe­ra­do o jul­ga­men­to de um mi­li­tar ser fei­to por ou­tros mi­li­ta­res, a de­sem­bar­ga­do­ra iva­na Da­vid ava­lia a lei co­mo uma ex­ce­ção. “co­mo cri­me jul­ga­do na Jus­ti­ça co­mum, não se jus­ti­fi­ca uma ex­ce­ção des­sas. en­tão, se se­le­cio- na is­so pa­ra a in­ter­ven­ção, é uma ex­ce­ção da ex­ce­ção pa­ra jus­ti­fi­car um ser­vi­ço ex­cep­ci­o­nal. o mi­li­tar não de­ve­ria fa­zer es­sa fun­ção da PM e, pa­ra va­li­dar, ex­cep­ci­o­na a Jus­ti­ça, põe um or­de­na­men­to ju­rí­di­co que nem o PM tem”, ar­gu­men­ta a de­sem­bar­ga­do­ra. a ma­gis­tra­da atua há qua­se 30 anos na área cri­mi­nal da Jus­ti­ça de São Pau­lo. Pa­ra ela, é pre­ci­so fa­zer com que os mi­li­ta­res te­nham a mes­ma res­pon­sa­bi­li­da­de quan­do atu­a­rem co­mo PMS ou po­li­ci­ais ci­vis, se­ja na ho­ra de pren­der uma pes­soa, in­ves­ti­gar ou res­pon­der por er­ros co­me­ti­dos.

“Qu­em se pro­põe a fa­zer a fun­ção que não é sua tem que ter to­das as re­gras, as be­nes­ses e as ruins. a par­te boa ele tem, que é a fun­ção, po­der abor­dar, pren­der, mas no mo­men­to em que tem que pres­tar con­tas da fun­ção que exer­ceu fo­ra dos trâ­mi­tes da lei, quer ser tra­ta­do de for­ma di­fe­ren­te? a tí­tu­lo do que?”, pon­tua. “a in­ter­ven­ção que pre­ci­sa se ade­quar ao es­ta­do de direito. es­se é um ca­mi­nho in­ver­so que es­tão to­ma­do”, con­ti­nua.

Pms Ten­tam ‘en­trar na on­da’

a mu­dan­ça na lei es­pe­cí­fi- ca pa­ra “mi­li­ta­res das For­ças ar­ma­das” cri­ou uma dis­cus­são ju­rí­di­ca en­vol­ven­do as Po­lí­ci­as Mi­li­ta­res. afi­nal, o ter­mo “mi­li­tar” tam­bém os en­glo­ba nes­sa mu­dan­ça de­fi­ni­da por Mi­chel Te­mer ou não? no­va­men­te, há po­si­ções di­fe­ren­tes quan­to à res­pos­ta pa­ra se um PM que ma­tar um ci­vil du­ran­te o tra­ba­lho de­ve ser jul­ga­do na Jus­ti­ça Mi­li­tar ou co­mum.

“não en­con­tra res­pal­do na lei. o pró­prio raul Jung­mann [mi­nis­tro ex­tra­or­di­ná­rio da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca e ex-mi­nis­tro da De­fe­sa] deu de­cla­ra­ção por escrito ex­pli­can­do que es­sa lei não se apli­ca aos PMS, seus jul­ga­men­tos são na Jus­ti­ça co­mum por uma ques­tão de com­pe­tên­cia. Por­que o in­te­res­se de ser jul­ga­do de mo­do ex­cep­ci­o­nal em uma de­mo­cra­cia?”, ques­ti­o­na a de­sem­bar­ga­do­ra iva­na Da­vid, pon­tu­an­do que exis­tem ape­nas cin­co TJMS (Tri­bu­nais de Jus­ti­ça Mi­li­tar) no país (São Pau­lo, rio de Ja­nei­ro, Mi­nas Ge­rais, Dis­tri­to Fe­de­ral e rio Gran­de do Sul).

“cus­to e lu­to con­tra a ex­ce­ção rom­per com to­dos os 30 anos de de­mo­cra­cia que es­ta­mos vi­ven­do. acre­di­to que não con­se­gue fa­zer ju­ris­pru­dên­cia”, ana­li­sa, con- si­de­ran­do que na Jus­ti­ça co­mum tem mais chan­ce de o po­li­ci­al não ser con­de­na­do e, em ca­so de sen­ten­ça, a pos­si­bi­li­da­de de tran­si­ção de pe­na. cor­re­ge­dor da PM de São Pau­lo, o co­ro­nel Mar­ce­li­no Fer­nan­des dis­cor­da do po­si­ci­o­na­men­to da de­sem­bar­ga­do­ra. Pa­ra ele, a própria cons­ti­tui­ção é qu­em res­pal­da que, com a mu­dan­ça na lei, os jul­ga­men­tos de PMS sai­am dos jú­ris po­pu­la­res e vão aos TJMS. “To­dos os cri­mes co­me­ti­dos em ra­zão da fun­ção são cri­mes mi­li­ta­res e é vá­li­do pa­ra to­das as PMS. es­ta mu­dan­ça no có­di­go atin­ge ar­ti­go 42 cons­ti­tui­ção”, sus­ten­ta.

o tex­to do ar­ti­go 42 diz que “os mem­bros das Po­lí­ci­as Mi­li­ta­res e cor­pos de Bom­bei­ros Mi­li­ta­res, ins­ti­tui­ções or­ga­ni­za­das com ba­se na hi­e­rar­quia e dis­ci­pli­na, são mi­li­ta­res dos es­ta­dos, do Dis­tri­to Fe­de­ral e dos Ter­ri­tó­ri­os”. as­sim, Fer­nan­des con­si­de­ra vá­li­do pa­ra os PMS a mu­dan­ça na lei 13.491/2017, que, em sua es­cri­ta, tra­ta so­bre os cri­mes, “quan­do do­lo­sos con­tra a vi­da e co­me­ti­dos por mi­li­ta­res das For­ças ar­ma­das con­tra ci­vil, se­rão da com­pe­tên­cia da Jus­ti­ça Mi­li­tar da União”.

Mi­li­ta­res part­ti­ci­pam de ope­ra­ção na fa­ve­la da Ro­ci­nha.

Fernando Fra­zão agên­cia Bra­sil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.