Trump esfria com cú­pu­la da Coreia do Nor­te

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

As mo­e­das co­me­mo­ra­ti­vas já fo­ram cu­nha­das e as can­di­da­tu­ras ao No­bel da Paz pos­tas so­bre a me­sa, mas a his­tó­ri­ca cú­pu­la en­tre o pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos e o lí­der da di­ta­du­ra nor­te-co­re­a­na es­tá em aber­to. Do­nald Trump ad­mi­tiu nes­ta ter­ça-fei­ra que há uma pos­si­bi­li­da­de “subs­tan­ci­al” de que a reu­nião pre­vis­ta pa­ra 12 de ju­nho em Sin­ga­pu­ra, com o ob­je­ti­vo de pac­tu­ar a des­nu­cle­a­ri­za­ção da Coreia do Nor­te, se­ja adi­a­da ou can­ce­la­da. A de­cla­ra­ção foi fei­ta du­ran­te uma reu­nião com o man­da­tá­rio da Coreia do Sul, Mo­on Jae-in, cu­jo ob­je­ti­vo é sal­var a ne­go­ci­a­ção.

Trump es­ta­va com von­ta­de de fa­lar nes­ta ter­ça. Sem en­tre­vis­ta co­le­ti­va pro­gra­ma­da, res­pon­deu lon­ga­men­te às per­gun­tas dos jor­na­lis­tas so­bre a Coreia do Nor­te pa­ra con­fir­mar uma sen­sa­ção cres­cen­te nos úl­ti­mos di­as: que a pro­ba­bi­li­da­de da his­tó­ri­ca cú­pu­la de Sin­ga­pu­ra per­deu, co­mo cos­tu­mam di­zer os nor­te-ame­ri­ca­nos, o seu mo­men­tum (im­pul­so). “Po­de ser que [a cú­pu­la] não acon­te­ça em 12 de ju­nho”, dis­se o pre­si­den­te re­pu­bli­ca­no, ten­tan­do mi­ni­mi­zar a ques­tão ao as­se­gu­rar que po­de­rá vir a ocor­rer mais adi­an­te. “Se acon­te­cer se­rá óti­mo, se não, tu­do bem tam­bém”, afir­mou. Mas fe­chou a ca­ra ao anun­ci­ar os mo­ti­vos pe­los quais acre­di­ta que o cli­ma de apro­xi­ma­ção com Pyongyang aze­dou: a se­gun­da reu­nião que Kim Jong-un man­te­ve em Pe­quim com o pre­si­den­te chi­nês, Xi Jin­ping, nos di­as 7 e 8 de maio. “De­vo di­zer que fi­quei um pou­co de­cep­ci­o­na- do”, dis­se Trump, por­que, de­pois des­se se­gun­do en­con­tro, “hou­ve cer­ta mu­dan­ça de ati­tu­de”. O sul-co­re­a­no Mo­on guar­da­va si­lên­cio, sen­ta­do ao la­do de Trump no Sa­lão Oval, quan­do o pre­si­den­te o pe­gou no con­tra­pé ao con­vi­dá-lo a com­par­ti­lhar sua opi­nião so­bre es­sa se­gun­da reu­nião na China, “da qual na­da se sa­bia”. Mo­on res­pon­deu com ge­ne­ra­li­da­des so­bre a im­por­tân­cia des­sa cú­pu­la en­tre man­da­tá­ri­os e o com­pre­en­sí­vel ce­ti­cis­mo. Es­te au­men­tou na se­ma­na pas­sa­da, quan­do Pyongyang can­ce­lou as con­ver­sa­ções pre­vis­tas pa­ra aque­les di­as com a Coreia do Sul, em pro­tes­to pe­los exer­cí­ci­os mi­li­ta­res con­jun­tos de Seul com os EUA. Além dis­so, aler­tou que a cú­pu­la se­ria can­ce­la­da se Washing­ton in­sis­tia em exi­gir a des­nu­cle- ari­za­ção to­tal e uni­la­te­ral do re­gi­me, sem con­tra­par­ti­das. A ra­zão ale­ga­da pe­la Coreia do Nor­te pa­ra a ad­ver­tên­cia foi uma de­cla­ra­ção do as­ses­sor de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal dos EUA, John Bol­ton, que apos­ta­va no “mo­de­lo lí­bio” de des­nu­cle­a­ri­za­ção – o que pa­ra Kim Jong-un soa a mau pres­sá­gio, vis­ta a que­da de Mu­a­mar Gad­da­fi em 2011.

Não se sa­be o quan­to há de pô­quer e o quan­to há de mu­dan­ça de ce­ná­rio re­al. Trump ne­ces­si­ta em to­do ca­so evi­tar o ri­dí­cu­lo de aper­tar a mão do lí­der de uma ti­ra­nia co­mo a nor­te-co­re­a­na pa­ra de­pois não ob­ter o que quer. Nes­ta ter­ça-fei­ra, in­sis­tiu em que seu ob­je­ti­vo não é eli­mi­nar o re­gi­me nor­te-co­re­a­no, mas sa­li­en­tou que “a des­nu­cle­a­ri­za­ção de­ve acon­te­cer”. E es­ta, opi­nou, se­ria “me­lhor de uma só vez”, em­bo­ra te­nha aber­to a por­ta a um pro­ces­so “gra­du­al”. Dis­se acre­di­tar que Kim “fa­la a sé­rio” quan­do ofe­re­ce a des­nu­cle­a­ri­za­ção, mas in­sis­te: “Há cer­tas con­di­ções que que­re­mos que se pro­du­zam. Acre­di­to que con­se­gui­re­mos es­sas con­di­ções. E se não, não te­re­mos a reu­nião”.

As dú­vi­das so­bre a cú­pu­la e o su­ces­so des­ta ne­go­ci­a­ção his­tó­ri­ca le­vam ime­di­a­ta­men­te a uma per­gun­ta mui­to bá­si­ca: o que ca­da uma das par­tes en­ten­de por des­nu­cle­a­ri­za­ção e, so­bre­tu­do, se es­ta po­de dar-se por ir­re­ver­sí­vel. Washing­ton as­pi­ra a que Pyongyang se des­fa­ça com­ple­ta­men­te de to­do o seu pro­gra­ma nu­cle­ar e de­mons­tre que já não po­de mais vol­tar atrás, mas o re­gi­me nor­te-co­re­a­no en­con­tra na bom­ba atô­mi­ca o es­cu­do dis­su­a­si­vo pa­ra ga­ran­tir a so­bre­vi­vên­cia do re­gi­me he­re­di­tá­rio que há 70 anos go­ver­na es­te pe­que­no e her­mé­ti­co país. Trump re­cu­sou-se a con­fir­mar se al­gu­ma vez já fa­lou ou não com Kim. Mas do Sa­lão Oval en­vi­ou-lhe uma men­sa­gem: se con­cor­dar com a des­nu­cle­a­ri­za­ção, “se­rá fe­liz e seu país se­rá ri­co”. So­bre sta­tus quo, o nor­te-ame­ri­ca­no se­me­ou dú­vi­das. Dis­se que co­gi­ta um ce­ná­rio de “du­as Co­rei­as”, mas ad­ver­tiu de que a fron­tei­ra en­tre uma e ou­tra é “ar­ti­fi­ci­al” e não tem por que con­ti­nu­ar as­sim no fu­tu­ro.

TI­ME

Do­nald Trump nes­ta ter­ça-fei­ra na Ca­sa Bran­ca, jun­to com o pre­si­den­te sul-co­re­a­no, Mo­on Jae-in

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.