ACORDO FRACASSA E TEMER CONVOCA FORÇAS ARMADAS PARA DESMOBILIZAR CAMINHONEIROS

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Der­ro­ta­do na ne­go­ci­a­ção na qual fez vá­ri­as con­ces­sões aos caminhoneiros gre­vis­tas pa­ra­dos des­de se­gun­da­fei­ra, o go­ver­no Mi­chel Temer ape­lou para o uso das Forças armadas para ten­tar evi­tar o de­sa­bas­te­ci­men­to de com­bus­tí­vel e in­su­mos bá­si­cos no país. o pre­si­den­te emi­tiu um de­cre­to de ga­ran­tia da lei e da or­dem (glo), a ba­se le­gal para au­to­ri­zar que mi­li­ta­res aca­bem com blo­quei­os de ro­do­vi­as e dos aces­sos a ae­ro­por­tos, por­tos e re­fi­na­ri­as. Re­ce­beu ain­da um aval de uma de­ci­são do su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral para fa­zê-lo. Mas o ce­ná­rio es­ta­va lon­ge de ser ani­ma­dor. a ges­tão se de­pa­ra­va com um len­to en­fra­que­ci­men­to do mo­vi­men­to que ain­da blo­que­a­va 519 ro­do­vi­as até o iní­cio da noi­te des­ta sex­ta-fei­ra _da­dos da Po­lí­cia Ro­do­viá­ria Fe­de­ral dão con­ta de que des­de se­gun­da­fei­ra hou­ve 938 in­ter­di­ções ao lon­go do país. a pers­pec­ti­va de nor­ma­li­za­ção de ser­vi­ços, in­cluin­do o fun­ci­o­na­men­to dos pos­tos de ga­so­li­na, tam­bém era si­nal de um fi­nal de se­ma­na tu­mul­tu­a­do pe­la fren­te: na mai­or ci­da­de do país, são Pau­lo, ha­via pouquís­si­mo com­bus­tí­vel e pre­vi­sões de­sa­ni­ma­do­ras do se­tor.

o go­ver­no ha­via anun­ci­a­do um acordo com li­de­ran­ças de caminhoneiros na ex­pec­ta­ti­va de que os pro­tes­tos fos­sem sus­pen­sos. aten­de­ram 12 exi­gên­ci­as de­les, en­tre elas a da re­du­ção da ci­de e o des­con­to no pre­so do di­e­sel, as­sim co­mo o con­ge­la­men­to men­sal de re­a­jus­te des­se com­bus­tí­vel. a es­pe­ran­ça era de que a ma­nhã des­sa sex­ta-fei­ra já hou­ves­se um nú­me­ro me­nor de in­ter­di­ções. Mas não foi is­so que ocor­reu. no meio do dia, Temer ou­viu os mi­nis­tros do nú­cleo du­ro do go­ver­no e, te­men­do um de­sa­bas­te­ci­men­to ge­ne­ra­li­za­do, de­ci­diu cha­mar os mi­li­ta­res. “o ga­ti­lho da de­ci­são de em­pre­gar os re­cur­sos mais enér­gi­cos foi o ris­co de de­sa­bas­te­ci­men­to”, afir­mou o ge­ne­ral e mi­nis­tro do ga­bi­ne­te de se­gu­ran­ça ins­ti­tu­ci­o­nal, sér­gio Et­che­goyen. o de­cre­to de glo va­le até 4 de ju­nho e po­de ser pror­ro­ga­da. Mas a ex­pec­ta­ti­va no Pla­nal­to é que o pro­ble­ma se­ja con­tor­na­do an­tes des­se pra­zo.

os caminhoneiros de­sa­fi­a­ram o go­ver­no em tem­po re­al. Boa par­te de- les ig­no­rou o acordo com as li­de­ran­ças sin­di­cais e de­ci­diu se­guir o pro­tes­to, mos­tran­do tam­bém a di­fi­cul­da­de de ne­go­ci­ar com um mo­vi­men­to frag­men­ta­do. “nós da ab­cam, te­mos mui­to or­gu­lho des­se mo­vi­men­to que to­mou di­men­sões co­mo nun­ca na his­tó­ria do país. Mas, para pro­te­ção e se­gu­ran­ça de to­dos vo­cês, pe­di­mos que li­be­rem as vi­as e res­pei­tem o de­cre­to pre­si­den­ci­al. a nos­sa lu­ta con­ti­nua e a ma­ni­fes­ta­ção não aca­bou, ape­nas se­gue, a par­tir de ago­ra, sem in­ter­ven­ções nas es­tra­das bra­si­lei­ras”, pe­diu, em no­ta, uma das prin­ci­pais as­so­ci­a­ções que ha­via se re­cu­sa­do a acei­tar a pro­pos­ta do Pla­nal­to. as se­gui­das no­tí­ci­as de que os ae­ro­por­tos es­ta­vam sen­do afe­ta­dos tam­bém as­sus­ta­ram o go­ver­no. até as 18h as qua­tro prin­ci­pais com­pa­nhi­as aé­re­as que atu­am no Bra­sil in­for­ma­ram que 89 vo­os em 11 ae­ro­por­tos ha­vi­am si­do can­ce­la­dos por cau­sa da fal­ta de com­bus­tí­veis para as ae­ro­na­ves. até vo­os in­ter­na­ci­o­nais dei­xa­ram de pou­sar ou de­co­lar no ter­ri­tó­rio bra­si­lei­ro. “o Bra­sil não po­de fi­car iso­la­do”, acres­cen­tou o mi­nis­tro do gsi.

os pri­mei­ros lo­cais em que os mi­li­ta­res te­ri­am agi­do se­gun­do o go­ver­no, fo­ram na Re­fi­na­ria de Du­que de ca­xi­as, no Rio de Ja­nei­ro, de on­de ca­mi­nhões­tan­ques eram im­pos­si­bi- li­ta­dos de dei­xar o lo­cal e se­guir para dis­tri­bui­do­ras de com­bus­tí­veis, e no in­te­ri­or da Bahia. Mas uma re­por­ta­gem da BBC Bra­sil cons­ta­tou que, ao me­nos no mo­men­to do anún­cio, no fim da tar­de, o pro­tes­to se­guia fir­me no lo­cal e ape­nas ca­mi­nhões que abas­te­ce­ri­am forças de se­gu­ran­ça ou a área de saú­de po­di­am sair da re­fi­na­ria na Bai­xa­da Flu­mi­nen­se. Em ou­tros Es­ta­dos, co­mo são Pau­lo, a ges­tão fe­de­ral pe­diu que o go­ver­no lo­cal aju­de a des­blo­que­ar as ro­do­vi­as com o uso da Po­lí­cia Mi­li­tar. o em­ba­sa­men­to ju­rí­di­co para a li­be­ra­ção de to­das as vi­as foi da­do por uma de­ci­são ju­di­ci­al do mi­nis­tro ale­xan­dre de Mo­ra­es, do su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral. Ele aten­deu a um pe­di­do da ad­vo­ca­cia ge­ral da União para que to­das as es­tra­das bra­si­lei­ras blo­que­a­das pu­des­sem ser li­be­ra­das.

co­mo foi der­ro­ta­do pe­los caminhoneiros, ato es­se re­co­nhe­ci­do pe­lo mi­nis­tro da se­cre­ta­ria de go­ver­no, car­los Ma­run (“o mo­vi­men­to é vi­to­ri­o­so”, dis­se ele), o go­ver­no se viu obri­ga­do a cri­ar uma sa­la de si­tu­a­ção para a cri­se dos com­bus­tí­veis. É uma es­pé­cie de gru­po de tra­ba­lho que reú­ne du­as ve­zes ao dia re­pre­sen­tan­tes dos mi­nis­té­ri­os da se­gu­ran­ça, De­fe­sa, gsi, saú­de, agri­cul­tu­ra e Trans­por­te com o ob­je­ti­vo de mo­ni­to­rar a si­tu­a­ção dos pro­tes­tos e de­fi­nir on­de ocor­re­rá a pró­xi­ma ação.

Tâ­nia Rê­go/agên­cia Bra­sil

Vla­di­mir Pla­to­now/agên­cia Bra­sil

eo­mens da Po­lí­cia do Exér­ciío na saí­da de re­fi­na­ria da Peí­ro­bras, na Bai­xa­da Flu­mi­nen­se.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.