Acordo de paz na Colôm­bia te­rá re­fle­xos no Bra­sil

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Um no­vo re­la­tó­rio so­bre o acordo de paz en­tre go­ver­no da Colôm­bia e as Forças Armadas Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia (Farc), pu­bli­ca­do nes­ta sex­ta-fei­ra (25), ana­li­sa o pro­ces­so de paz e cha­ma aten­ção para pos­sí­veis des­do­bra­men­tos do su­ces­so ou fra­cas­so do acordo para o Bra­sil. O con­fli­to com as guer­ri­lhas no país já du­ra mais de 50 anos e pro­vo­cou a mor­te de mais de 260.000 pes­so­as e o des­lo­ca­men­to for­ça­do de ou­tras 7 mi­lhões de su­as ca­sas, se­gun­do o do­cu­men­to do Ins­ti­tu­to Iga­ra­pé, ela­bo­ra­do por agen­tes da Po­lí­cia Fe­de­ral bra­si­lei­ra.

Após a as­si­na­tu­ra do acordo de paz, em se­tem­bro de 2016, as Farc se trans­for­ma­ram em um par­ti­do po­lí­ti­co e, se­gun­do a ONU, con­cluí­ram a en­tre­ga de su­as ar­mas. Uma das ques­tões ain­da pre­o­cu­pan­tes so­bre o tra­ta­do, po­rém, são os dis­si­den­tes das FARC, que po­dem per­ma­ne­cer en­vol­vi­dos com o cri­me or­ga­ni­za­do. A en­tre­ga de to­do o ar­ma­men­to da guer­ri­lha tam­bém é ques­ti­o­na­da por mui­tos.

Re­la­ti­va­men­te ao Bra­sil, pre­o­cu­pa a vin­da de dis­si­den­tes das FARC para ter­ri­tó­rio bra­si­lei­ro em bus­ca de re­fú­gio ou para se jun­ta­rem a or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas bra­si­lei­ras, se­gun­do o es­tu­do.

Tam­bém se­gun­do o do­cu­men­to, já exis­tem re­la­tos de que gru­pos co­mo a Fa­mí­lia do Nor­te (FDN), que atua prin­ci­pal­men­te no Es­ta­do do Ama­zo­nas, e o Pri­mei­ro Co­man­do da Ca­pi­tal (PCC), fun­da­do em São Pau­lo, pos­su­em ali­an­ças com no­vos gru­pos cri­mi­no- sos e ma­fi­o­sos emer­gen­tes na Colôm­bia, en­vol­vi­dos prin­ci­pal­men­te no trá­fi­co in­ter­na­ci­o­nal de co­caí­na.

Há pre­o­cu­pa­ção tam­bém de que par­te das ar­mas das FARC te­nha si­do en­vi­a­da para fo­ra do país, mais es­pe­ci­fi­ca­men­te para a Ve­ne­zu­e­la e para o Bra­sil, e ne­go­ci­a­das no mer­ca­do ne­gro.

Em re­cen­te reu­nião, os mi­nis­tros da De­fe­sa do Bra­sil e da Colôm­bia acor­da­ram que os dois paí­ses vão in­ten­si­fi­car sua co­o­pe­ra­ção bi­la­te­ral, para im­pe­dir que nar­co­tra­fi­can­tes co­lom­bi­a­nos bus­quem es­con­de­ri­jo no la­do bra­si­lei­ro da fron­tei­ra.

Elei­ções - O país es­co­lhe no­vo pre­si­den­te no pró­xi­mo do­min­go (27). O re­sul­ta­do se­rá de­ci­si­vo para o fu­tu­ro do acordo com as Farc, que ain­da pre­ci­sa de re­gu­la­men­ta­ção para a tran­si­ção à le­ga­li­da­de. “Um even­tu­al in­su­ces­so do pro­ces­so de paz com as Farc po­de­ria im­pac­tar fu­tu­ras ini­ci­a­ti­vas si­mi­la­res com ou­tros gru­pos guer­ri­lhei­ros, co­mo o ELN. Re­gi­o­nal­men­te, is­so po­de­ria fo­men­tar ain­da mais a ex­pan­são trans­na­ci­o­nal das or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas co­lom­bi­a­nas, que, há dé­ca­das, se as­so­ci­a­ram com o cri­me or­ga­ni­za­do bra­si­lei­ro, por exem­plo”, ana­li­sam Gui­lher­me Da­mas­ce­no e Ch­ris­ti­an Vi­an­na, au­to­res do re­la­tó­rio.

Ou­tra ques­tão con­tro­ver­sa so­bre o acordo de paz é a da Jus­ti­ça Es­pe­ci­al, cri­a­da tra­tar os ca­sos de ex-guer­ri­lhei­ros com his­tó­ri­co cri­mi­nal. A pri­são do ex-lí­der Je­sús San­tri­ch re­as­cen­deu es­sa dis­cus­são. Ele par­ti­ci­pou ati­va­men­te das ne­go­ci­a­ções de paz, po­rém, foi pre­so em abril des­te ano sob acu­sa­ções de que con­ti­nu­ou a tra­fi­car dro­gas e a co­me­ter ex­tor­sões após a as­si­na­tu­ra do acordo. O fa­to ge­rou no­vas acu­sa­ções de im­pu­ni­da­de e des­res­pei­to ao tra­ta­do por par­te das Farc e foi ex­plo­ra­do es­pe­ci­al­men­te pe­lo can­di­da­to à Pre­si­dên­cia da di­rei­ta, Iván Du­que. A im­ple­men­ta­ção do tra­ta­do é uma das prin­ci­pais ta­re­fas do pró­xi­mo go­ver­no. Po­rém, os fla­ge­los do nar­co­trá­fi­co, a cor­rup­ção, a po­bre­za e a de­si­gual­da­de so­ci­al di­fi­cul­tam a con­so­li­da­ção de uma paz ain­da frá­gil na Colôm­bia.

SPUTNIK BRA­SIL

Gu­er­ri­lhei­ro das Farc é fo­to­gra­fa­do na Colôm­bia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.