O mo­vi­men­to frag­men­ta­do que uniu di­rei­ta e es­quer­da

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Um dia de­pois de o Go­ver­no Mi­chel te­mer co­me­mo­rar um acor­do com o gru­po de ca­mi­nho­nei­ros em gre­ve, o ca­mi­nho da so­lu­ção do pro­ble­ma se mos­trou mais di­fí­cil do que a ver­são ofi­ci­al ten­ta­va apon­tar. Se­gun­do os da­dos go­ver­na­men­tais, 60% das in­ter­rup­ções ro­do­viá­ri­as con­ti­nu­a­ram. o mo­vi­men­to, or­ga­ni­za­do pe­lo Whatsapp, se mos­trou mais com­ple­xo e des­cen­tra­li­za­do. e foi ca­paz de atrair o apoio de se­to­res di­ver­sos, da di­rei­ta à es­quer­da, da clas­se mé­dia ao gran­de pro­du­tor ru­ral, ain­da que a cri­se de abas­te­ci­men­to te­nha se­gui­do nes­ta sex­ta, com pos­tos se di­vi­din­do en­tre fi­las qui­lo­mé­tri­cas e o va­zio pe­la fal­ta de com­bus­tí­vel em vá­ri­as ci­da­des .

Des­de o meio do mês os mo­vi­men­tos que re­pre­sen­tam os ca­mi­nho­nei­ros aler­ta­vam o Go­ver­no pa­ra a pos­si­bi­li­da­de de uma pa­ra­li­sa­ção por con­ta do au­men­to no pre­ço do di­e­sel. a as­so­ci­a­ção bra­si­lei­ra dos Ca­mi­nho­nei­ros (ab­cam) pro­to­co­lou em 14 de maio um ofí­cio na Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca e na Ca­sa Ci­vil pa­ra pe­dir me­di­das con­tra o cons­tan­te au­men­to dos com­bus­tí­veis. Re­cla­ma­vam que em 11 de maio o di­e­sel atin­gia o mai­or ní­vel des­de me­a­dos de 2017 e a os­ci­la­ção de pre­ços cons­tan­te pre­ju­di­ca­va a pre­vi­si­bi­li­da­de do va­lor dos fre­tes. Fo­ram na­da me­nos que dez au­men­tos em um mês, por con­ta da flu­tu­a­ção do pre­ço in­ter­na­ci­o­nal do bar­ril de pe­tró­leo se­gui­do pe­la Pe­tro­bras. em 16 de maio, sob a mes­ma mo­ti­va­ção, a Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal dos trans­por­ta­do­res autô­no­mos (Cnta), que reú­ne um milhão de fi­li­a­dos, tam­bém pe­diu au­di­ên­cia em ca­rá­ter emer­gen­ci­al com o Go­ver­no.

am­bas, en­tre­tan­to, fo­ram ig­no­ra­das. e, com is­so, a mo­bi­li­za­ção co- me­çou a ga­nhar cor­po. o des­con­ten­ta­men­to dos ca­mi­nho­nei­ros se es­pa­lhou ra­pi­da­men­te pe­las re­des so­ci­ais e pe­los gru­pos de Whatsapp. e a ca­te­go­ria, ge­ral­men­te des­mo­bi­li­za­da, con­se­guiu se unir de for­ma des­cen­tra­li­za­da e ho­ri­zon­tal, sem lí­de­res cla­ros. Nas es­tra­das, se con­cen­tra­ram es­pe­ci­al­men­te os tra­ba­lha­do­res autô­no­mos (650.000 dos dois mi­lhões de ca­mi­nho- nei­ros do país, con­sul­to­ria ilos Sup­ply Chain), mas tam­bém pro­fis­si­o­nais li­ga­dos a trans­por­ta­do­ras. as em­pre­sas não po­dem, por lei, or­ga­ni­zar pa­ra­li­sa­ções (cha­ma­das de lo­cau­te) e, ca­so is­so se­ja pro­va­do, po­de­rão so­frer san­ções le­gais. “a ca­te­go­ria dos ca­mi­nho­nei­ros é de­sor­ga­ni­za­da, não pa­ga sin­di­ca­to e as as­so­ci­a­ções re­pre­sen­ta­ti­vas. Mas is­so foi a go­ta d’água pa­ra nos or­ga­ni­zar­mos. Ho­je, pe­lo Whatsapp, pe­las re­des so­ci­ais, um fa­la aqui, o ou­tro fa­la aí, vai pa­ra um gru­po, vai pa­ra o ou­tro e em dez mi­nu­tos es­tá no bra­sil in­tei­ro”, afir­ma Jo­sé araú­jo Sil­va, o China, pre­si­den­te da União Na­ci­o­nal dos Ca­mi­nho­nei­ros (Uni­cam). a or­ga­ni­za­ção des­tes tra­ba­lha­do­res pe­la in­ter­net é jus­ta­men­te a cha­ve da di­fi­cul­da­de en­fren­ta­da pe­lo Go­ver­no nes­ta ne­go­ci­a­ção.

Nes­ta quin­ta, re­pre­sen-

tan­tes de te­mer se reu­ni­ram com 11 as­so­ci­a­ções do se­tor, um nú­me­ro que, por si só, já mos­tra a dis­per­são da ca­te­go­ria. No­ve de­las as­si­na­ram o acor­do, ce­le­bra­do pe­lo Go­ver­no co­mo a re­so­lu­ção do pro­ble­ma —ape­nas a ab­cam e a Uni­cam não as­si­na­ram. Mas a pró­pria Cnta, uma das sig­na­tá­ri­as, já avi­sa­va pe­la ma­nhã que “ne­nhu­ma pes­soa ou en­ti­da­de tem, so­zi­nha, o po­der de aca­bar com es­sa mo­bi­li­za­ção”. tam­bém aler­ta­va que as en­ti­da­des ha­vi­am ape­nas con­cor­da­do em co­mu­ni­car aos tra­ba­lha­do­res nas es­tra­das so­bre as pro­pos­tas do Go­ver­no. em ví­deo di­vul­ga­do no fi­nal do dia, o pre­si­den­te da en­ti­da­de, Gil­mar bu­e­no, afir­mou que “em ne­nhum mo­men­to ne­nhu­ma das en­ti­da­des que par­ti­ci­pa­ram [ da reu­nião] se po­si­ci­o­nou no sen­ti­do de com­pro­me­ter ou des­mo­bi­li­zar es­te mo­vi­men­to.”

Du­ran­te to­do o dia, a po­si­ção dos gre­vis­tas era de crí­ti­ca tan­to ao Go­ver­no quan­to às mo­bi­li­za­ções que par­ti­ci­pa­ram do en­con­tro. “elas são fas­cis­tas, es­tão a man­do de em­pre­sas que têm bas­tan­te ca­mi­nhão, a man­do de em­pre­sá­ri­os. Não nos re­pre­sen­tam. aqui nin­guém nos re­pre­sen­ta, é o po­vo que es­tá aqui”, afir­ma­va o ca­mi­nho­nei­ro Ra­fa­el Ma­cha­do, que es­ta­va em um dos blo­quei­os na ro­do­via Ré­gis bit­ten­court, em São Pau­lo, ao re­pór­ter Fe­li­pe be­tim. Du­ran­te dos di­as de gre­ve tam­bém não fal­ta­ram de­mons­tra­ções de apoio a uma “in­ter­ven­ção mi­li­tar”, ain­da que não se sai­ba o al­can­ce e a re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de des­se se­gui­men­to mais ra­di­cal no con­jun­to.

Na br-101, al­tu­ra da en­tra­da do Re­ci­fe, em Per­nam­bu­co, Mar­ce­lo Frei­tas, do­no de três ca­mi­nhões, dis­se que pas­sa­va o dia com os gre­vis­tas, le­va­va água e ali­men­tos, e vol­ta­va pa­ra ca­sa de­pois. “Meus três fun­cio- ná­ri­os es­tão pa­ra­dos, um no Rio de Ja­nei­ro, um na bahia e ou­tro aqui”, ex­pli­cou. “to­dos nós te­mos con­tas acu­mu­la­das. Que­re­mos tra­ba­lhar, mas não sai­re­mos da­qui en­quan­to o va­lor do di­e­sel não abai­xar”, re­la­tou à re­pór­ter Ma­ri­na Ros­si.

a si­tu­a­ção se tor­nou mais crí­ti­ca ain­da de­pois que o Go­ver­no afir­mou que au­to­ri­za­va o uso das For­ças Fe­de­rais pa­ra des­blo­que­ar as es­tra­das. “Se as For­ças ar­ma­das vi­e­rem, va­mos re­sol­ver da me­lhor ma­nei­ra pos­sí­vel”, di­zia an­der­son Wan­der­ley, em Re­ci­fe. “Mas eles não vi­rão. es­ta­mos com apoio da po­pu­la­ção, re­ce­be­mos do­a­ções o tem­po to­do e não es­ta­mos im­pe­din­do nin­guém, além dos ca­mi­nhões, de pas­sar”, con­ta­va, en­quan­to car­ros bu­zi­na­vam em apoio ao mo­vi­men­to.

TEM­PES­TA­DE PER­FEI­TA

A mo­bi­li­za­ção con­tra o au­men­to dos com­bus­tí­veis aca­bou pres­si­o­nan­do um ner­vo já do­lo­ri­do na so­ci­e­da­de. e, por is­so, con­se­guiu aglu­ti­nar se­to­res ge­ral­men­te dis­tan­tes ou opos­tos: da clas­se mé­dia, ir­ri­ta­da com os cons­tan­tes au­men­tos da ga­so­li­na, aos pro­du­to­res ru­rais, que re­cla­mam dos pre­juí­zos do se­tor com o com­bus­tí­vel em al­ta; da es­quer­da, que apro­vei­tou pa­ra cri­ti­car a po­lí­ti­ca de pre­ço li­vre da Pe­tro­bras, à di­rei­ta, que mi­rou na si­tu­a­ção pa­ra de­nun­ci­ar o des­mon­te da pe­tro­lei­ra ge­ra­do pe­la cor­rup­ção dos go­ver- nos de es­quer­da.

a Cen­tral Úni­ca dos tra­ba­lha­do­res (CUT), ali­nha­da ao Pt, de­cla­rou apoio aos mo­to­ris­tas. “a po­pu­la­ção pre­ci­sa apoi­ar es­te mo­vi­men­to que não é so­men­te con­tra o re­a­jus­te dos com­bus­tí­veis, é con­tra a pri­va­ti­za­ção da Pe­tro­bras. o Go­ver­no es­tá uti­li­zan­do es­ses au­men­tos pa­ra de­fen­der a ven­da da es­ta­tal”, diz o pre­si­den­te da en­ti­da­de, Vag­ner Frei­tas, apro­vei­tan­do pa­ra jo­gar a cul­pa na po­lí­ti­ca de pre­ços im­ple­men­ta­da sob te­mer. a as­so­ci­a­ção bra­si­lei­ra dos Pro­du­to­res de So­ja (apro­so­ja) tam­bém en­dos­sou a pa­ra­li­sa­ção dos ca­mi­nho­nei­ros, ape­sar do im­pac­to que a gre­ve tem no es­co­a­men­to da pro­du­ção. o pre­si­den­te da en­ti­da­de, bar­to­lo­meu braz Pe­rei­ra, afir­mou que den­tro da as­so­ci­a­ção exis­tem in­clu­si­ve se­to­res fa­vo­rá­veis à con­ti­nui­da­de da gre­ve mes­mo ca­so os ca­mi­nho­nei­ro ce­dam. “en­tre o iní­cio da sa­fra e a co­lhei­ta ti­ve­mos um au­men­to de óleo di­e­sel de 60 cen­ta­vos por sa­ca. Gas­ta­mos qua­se 3 bi­lhões a mais so­men­te em com­bus­tí­vel. e es­se gas­to vai pro pro­du­tor”, afir­mou.

For­mou-se, en­tão, uma tem­pes­ta­de per­fei­ta so­bre um Go­ver­no de po­pu­la­ri­da­de ex­tre­ma­men­te bai­xa. No twit­ter, a hash­tag Fo­ra­te­mer che­gou a se­gun­do lu­gar nos tren­ding to­pics, lo­go de­pois de #te­me­ra­bai­xa­a­ga­so­li­na. tu­do is­so tor­na o fu­tu­ro da gre­ve e seus des­do­bra­men­tos ain- da mais in­cer­tos. o trans­tor­no pro­vo­ca­do pe­los blo­quei­os con­ti­nu­a­dos vai fa­zer ruir es­sa he­te­ro­gê­nea co­a­li­zão an­ti-te­mer? Não ha­via ain­da res­pos­tas. Por ora, o Par­ti­do dos Ca­mi­nho­nei­ros atraía o apoio de pré-can­di­da­tos pre­si­den­ci­ais. o de­pu­ta­do de ex­tre­ma-di­rei­ta, Jair bol­so­na­ro, o se­gun­do nas pes­qui­sas, ani­mou os gre­vis­tas, cri­ti­cou os pre­ços pra­ti­ca­dos pe­la es­ta­tal, mas tam­bém os blo­quei­os, se­gun­do ele in­fla­dos por “in­fil­tra­dos pe­tis­tas”. Pe­la es­quer­da, Ci­ro Go­mes (PDT) acu­sou a Pe­tro­bras de que­rer ape­nas be­ne­fi­ci­ar os aci­o­nis­tas pri­va­dos da em­pre­sa mis­ta. “a al­ta dos com­bus­tí­veis é uma aber­ra­ção que pra­ti­ca­men­te ne­ga a ra­zão de ser da pró­pria exis­tên­cia ins­ti­tu­ci­o­nal da Pe­tro­bras. a po­lí­ti­ca de pre­ços ado­ta­da es­tá equi­vo­ca­da e des­res­pei­ta a sua es­tru­tu­ra de cus­tos”, dis­se o pe­de­tis­ta, no twit­ter. “o exér­ci­to nas ru­as é mais uma de­mons­tra­ção da in­ca­pa­ci­da­de do te­mer de li­dar com uma cri­se cri­a­da por um dos seus ho­mens: Pe­dro Pa­ren­te. te­mer age com co­var­dia, com uma po­lí­ti­ca de pre­ços de com­bus­tí­veis que se ajo­e­lhou di­an­te do mer­ca­do. e ago­ra ape­la pa­ra a for­ça mi­li­tar”, es­cre­veu Gui­lher­me bou­los, do PSOL. era o si­nal de­fi­ni­ti­vo de que a ca­te­go­ria ha­via ins­ta­la­do o de­ba­te so­bre os ru­mos e o pa­pel es­tra­té­gi­co da Pe­tro­bras num pon­to al­to da agen­da elei­to­ral.

Pro­tes­to no Dis­tri­to Fe­de­ral em apoio aos ca­mi­nho­nei­ros.

Fa­bio RO­DRI­GUES Pozzebom (AGÊN­CIA bra­sil)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.