Pre­juí­zo

No­ve Di­as De Gre­ve, BI­LHÕES De re­ais em

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Nem to­dos os caminhoneiros vol­ta­ram ao tra­ba­lho após uma se­ma­na de pa­ra­li­sa­ções pe­lo país, mas os pre­juí­zos cau­sa­dos pe­los blo­quei­os nas es­tra­das já es­tão bem evi­den­tes pa­ra de­ze­nas de se­to­res — e lon­go qu­an­do a eco­no­mia mos­tra si­nais de de­sa­ce­le­ra­ção. O PIB bra­si­lei­ro cres­ceu 0,4% no pri­mei­ro tri­mes­tre, in­for­ma o IBGE. O re­sul­ta­do era esperado, mas mos­tra per­da de ím­pe­to da re­cu­pe­ra­ção econô­mi­ca qu­an­do com­pa­ra­do ao mes­mo re­sul­ta­do do ano an­te­ri­or. Em relação ao pri­mei­ro tri­mes­tre de 2017, o cres­ci­men­to foi de 1,2%, me­nor que o avan­ço de 2,1% na com­pa­ra­ção en­tre os quar­tos tri­mes­tres do ano pas­sa­do e de 2016.

A agro­pe­cuá­ria se­gue pu­xan­do o cres­ci­men­to, mas des­ta vez com me­nos in­ten­si­da­de (1,4%). A boa no­tí­cia é o con­su­mo das fa­mí­li­as, que apre­sen­tou al­ta mai­or do que o esperado, de 0,5%. Mas a já tí­mi­da re­cu­pe­ra­ção econô­mi­ca nes­te ano po­de sofrer mais um re­le­van­te aba­lo por con­ta da gre­ve dos caminhoneiros, de acor­do com pre­vi­são da Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal de Di­ri­gen­tes Lo­gis­tas (CNDL). Com per­das es­ti­ma­das de 27 bi­lhões de re­ais por con­ta da pa­ra­li­sa­ção, a CNDL pre­vê um cres­ci­men­to em tor­no de 2% pa­ra o ano, me­nos do que os 2,5% pre­vis­tos pe­lo Go­ver­no re­cen­te­men­te.

Ca­da se­tor re­faz seus cál­cu­los no mo­men­to. A As­so­ci­a­ção Brasileira das In­dús­tri­as Ex­por­ta­do­ras de Car­nes (Abi­ec), por exem­plo, cal­cu­la em até 10 bi­lhões de re­ais os im­pac­tos pa­ra a ca­deia pro­du­ti­va de pe­cuá­ria de cor­te. Das 109 plan­tas de pro­du­ção de car­ne do país, 107 pa­ra­ram, e as du­as que fun­ci­o­nam ope­ram com me­nos de 50% da ca­pa­ci­da­de. A Câ­ma­ra Brasileira da In­dús­tria da Cons­tru­ção (CBIC) cal­cu­lou pre­juí­zo de 2,9 bi­lhões de re­ais com obras pa­ra­das por fal­ta de con­cre­to e di­vul­gou uma no­ta pa­ra pe­dir que ou­tros se­to­res não pa­rem. “Não é ho­ra pa­ra mo­vi­men­tos opor­tu­nis­tas. No­vas pa­ra­li­sa­ções, nes­te mo­men­to, são ina­cei­tá­veis. Ca­da um pre­ci­sa as­su­mir a sua par­te de res­pon­sa­bi­li­da­de pa­ra su­pe­rar es­sa si­tu­a­ção. A pri­o­ri­da­de de­ve ser o re­a­bas­te­ci­men­to ime­di­a­to e ace­le­ra­ção da dis­cus­são sobre os pro­ble­mas

es­tru­tu­rais do país, tais co­mo re­vi­são do pa­pel da Pe­tro­bras, re­vi­são tributária, re­a­va­li­a­ção da ma­triz de transporte e in­ves­ti­men­to em in­fra­es­tru­tu­ra”, diz a no­ta. O Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Pla­ne­ja­men­to e Tri­bu­ta­ção (IBPT) estimou em 32,5 bi­lhões de re­ais o im­pac­to to­tal dos no­ve di­as da cri­se dos com­bus­tí­veis pa­ra a eco­no­mia na­ci­o­nal. A au­sên­cia de ati­vi­da­de econô­mi­ca du­ran­te es­ses di­as te­ria re­sul­ta­do na per- da de 4,7 bi­lhões de re­ais em ar­re­ca­da­ção de im­pos­tos pa­ra a União e pa­ra as ad­mi­nis­tra­ções es­ta­du­ais e mu­ni­ci­pais. “A ar­re­ca­da­ção tributária sobre os com­bus­tí­veis é mui­to al­ta. O con­jun­to de pro­du­tos ga­so­li­na, di­e­sel e ál­co­ol re­pre­sen­ta 5% da ar­re­ca­da­ção to­tal do país”, diz Gil­ber­to Luiz do Ama­ral, co­or­de­na­dor de es­tu­dos do IBPT, que cal­cu­la em 110 bi­lhões de re­ais a quan­ti­da­de de im­pos­tos que de­ve ser ar­re­ca­da pe­lo país por meio da ta­xa­ção dos com­bus­tí­veis nes­te ano.

Pe­tro­bras

Afe­ta­da di­re­ta­men­te pe­la cri­se, a Pe­tro­bras vol­tou a res­pi­rar nes­ta ter­ça-feira. De­pois de uma sequên­cia de que­das que der­ru­ba­ram em um ter­ço (cer­ca de 120 bi­lhões de re­ais) o seu va­lor de mer­ca­do, as ações da pe­tro­lei­ra vol­ta­ram a su­bir (14%), pu­xan­do pa­ra ci­ma tam­bém o ín­di­ce Ibo­ves­pa, que fe­chou em al­ta de 0,95%. A em­pre­sa, aliás, já di­ri­giu nes­ta ter­ça seus es­for­ços pa­ra en­fren­tar a gre­ve dos pe­tro­lei­ros, agen­da­da pa­ra a quar­ta-feira, pre­vis­ta pa­ra du­rar ini­ci­al­men­te 72 ho­ras. Jun­to com a Ad­vo­ca­cia-ge­ral da União (AGU), a Pe­tro­bras pe­diu uma li­mi­nar ao Tri­bu­nal Su­pe­ri­or do Tra­ba­lho (TST) pa­ra ten­tar im­pe­dir a gre­ve — e ob­te­ve su­ces­so. Se­gun­do o pe­di­do de li­mi­nar, as rei­vin­di­ca­ções dos sin­di­ca­tos — en­tre elas a de­mis­são do pre­si­den­te da Pe­tro- bras, Pe­dro Pa­ren­te — não são de na­tu­re­za tra­ba­lhis­ta, mas político-ide­o­ló­gi­ca. A es­ta­tal cal­cu­la que uma gre­ve no se­tor cus­ta­ria por dia 349 mi­lhões de re­ais. Os pe­tro­lei­ros pla­ne­jam pa­ra­li­sar as ati­vi­da­des du­ran­te 72 ho­ras, mas a mi­nis­tra Ma­ria de As­sis Cal­sing de­ci­diu que eles te­rão de pagar mul­ta diá­ria de 500.000 re­ais se pa­ra­rem. “É po­ten­ci­al­men­te gra­ve o da­no que even­tu­al gre­ve da ca­te­go­ria dos pe­tro­lei­ros irá cau­sar à po­pu­la­ção brasileira, por re­sul­tar na con­ti­nui­da­de dos efei­tos da­no­sos cau­sa­dos com a pa­ra­li­sa­ção dos caminhoneiros”, es­cre­veu a mi­nis­tra em sua de­ci­são, acres­cen­tan­do que “bei­ra ao opor­tu­nis­mo a gre­ve anun­ci­a­da”.

Pe­dro Pa­ren­te fa­lou pa­ra ana­lis­tas pe­la segunda vez em me­nos de uma se­ma­na nes­ta ter­ça pa­ra di­zer que “a mu­dan­ça de pe­ri­o­di­ci­da­de men­sal pa­ra diá­ria [nos re­a­jus­tes do com­bus­tí­vel] não foi es­co­lha ca­pri­cho­sa”. “Foi fun­da­men­tal pa­ra que pu­dés­se­mos es­co­lher en­tre mar­gem e mar­ket sha­re [participação de mer­ca­do]”, se­gun­do ele. “O Go­ver­no sem­pre res­sal­tou que não es­ta­va de­man­dan­do mu­dan­ça nas ques­tões es­sen­ci­ais da po­lí­ti­ca de pre­ços. No en­tan­to, não é se­gre­do pa­ra nin­guém que es­sa é uma em­pre­sa de con­tro­le e es­ta­tal e que elei­ções têm enor­me in­fluên­cia”, ad­mi­tiu.

Os ae­ro­por­tos tam­bém vão ten­tan­do nor­ma­li­zar a si­tu­a­ção do trá­fe­go aé­reo no país. A As­so­ci­a­ção Brasileira das Empresas Aé­re­as (ABEAR) re­gis­trou “mais de 270 vo­os can­ce­la­dos” du­ran­te a se­ma­na de pa­ra­li­sa­ção dos caminhoneiros. “É es­ti­ma­do um pre­juí­zo diário de mais de R$ 50 mi­lhões, que en­vol­ve can­ce­la­men­tos, pou­sos téc­ni­cos pa­ra re­a­bas­te­ci­men­tos, no shows [pas­sa­gei­ros que não apa­re­ce­ram pa­ra em­bar­car] e aten­di­men­to a pas­sa­gei­ros que dei­xa­ram de em­bar­car”, in­for­ma a as­so­ci­a­ção em no­ta.

En­quan­to a cri­se pa­re­ce se en­ca­mi­nhar pa­ra o fi­nal, fi­ca cla­ro tam­bém que os pro­ble­mas do Go­ver­no es­tão lon­ge de aca­bar. A Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal da In­dús­tria (CNI) di­vul­gou no­ta pa­ra cri­ti­car a for­ma co­mo o Pa­lá­cio do Pla­nal­to pre­ten­de com­pen­sar os sub­sí­di­os con­ce­di­dos aos caminhoneiros. Na men­sa­gem, a CNI “la­men­ta a pos­tu­ra do mi­nis­tro da Fa­zen­da, Edu­ar­do Gu­ar­dia, que, em en­tre­vis­ta, ad­mi­tiu a in­ten­ção do go­ver­no fe­de­ral de au­men­tar im­pos­tos pa­ra co­brir o rom­bo de­cor­ren­te do sub­sí­dio ao óleo di­e­sel in­cluí­do no acor­do com caminhoneiros”. Pa­ra a CNI, “o ca­mi­nho pa­ra o Bra­sil sair da cri­se pas­sa por se cri­ar as con­di­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra o país vol­tar a crescer” e is­so en­vol­ve uma apos­ta” na re­du­ção de im­pos­tos pa­ra fo­men­tar a eco­no­mia, atrair in­ves­ti­men­tos e ge­rar mais em­pre­gos”.

TÂNIA RÊ­GO/AGÊN­CIA BRA­SIL

Fren­tis­ta en­che o tan­que de car­ro em posto de com­bus­tí­vel em Bra

MAR­CE­LO CA­MAR­GO/AGÊN­CIA BRA­SIL

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.