Vi­tri­ne des­pro­por­ci­o­nal pa­ra a “in­ter­ven­ção mi­li­tar”

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

na es­tei­ra da gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros, que sur­giu co­mo um mo­vi­men­to com pau­tas cla­ras re­fe­ren­tes ao pre­ço do di­e­sel, aqui e ali apa­re­ce­ram pe­di­dos por uma “in­ter­ven­ção mi­li­tar”. a de­man­da ile­gal por uma to­ma­da de po­der pe­los mi­li­ta­res foi de­fen­di­da por al­guns gru­pos de ca­mi­nho­nei­ros e tam­bém por gru­pos in­de­pen­den­tes que pe­ga­ram ca­ro­na na bo­leia de uma mo­bi­li­za­ção que pa­rou o país sem cau­sar re­cha­ço. Foi uma iné­di­ta vi­tri­ne pa­ra um pe­di­do que vol­tou às ru­as a par­tir de 2013. Mas qual a di­men­são des­se as­pec­to no mo­vi­men­to? além da per­cep­ção de que nem to­do mun­do que cla­ma­va pe­los mi­li­ta­res pa­re­cia se re­fe­rir uma di­ta­du­ra pro­pri­a­men­te di­ta, di­fe­ren­tes aná­li­ses das re­des so­ci­ais mos­tram que, den­tro do uni­ver­so de men­ções so­bre a gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros, os pe­di­dos por um gol­pe — já que a “in­ter­ven­ção” que pe­dem não es­tá pre­vis­ta na cons­ti­tui­ção — fo­ram mi­no­ria. ain­da as­sim, o im­pac­to não foi des­pre­zí­vel. ao lon­go dos úl­ti­mos di­as de gre­ve, os blo­quei­os em es­tra­das fo­ram en­gros­sa­dos por ma­ni­fes­tan­tes ves­ti­dos de ver­de e ama­re­lo que exi­gi­am jus­ta­men­te que os mi­li­ta­res agis­sem pa­ra ti­rar Mi­chel Te­mer do po­der. ali­men­ta­dos por bo­a­tos vin­dos das re­des de mi­lha­res de per­fis, cri­ou-se até mes­mo em al­guns pon­tos a ex­pec­ta­ti­va por uma in­ter­ven­ção que nun­ca che­gou. Mi­nis­tros e ge­ne­rais pre­ci­sa­ram dar en­tre­vis­tas afir­man­do que um gol­pe es­ta­va fo­ra de co­gi­ta­ção. “in­ter­ven­ção mi­li­tar é coi­sa do sé­cu­lo pas­sa­do”, che­gou a di­zer sér­gio et­che­goyen, mi­nis­tro do ga­bi­ne­te de se­gu­ran­ça ins­ti­tu­ci­o­nal e ge­ne­ral de re­ser­va do exér­ci­to. Di­fe­ren­tes mo­ni­to­ra­men­tos do te­ma nas re­des so­ci­ais ras­trei­am a es­ca­la­da da ban­dei­ra em ter­mos de vi­si­bi­li­da­de. ain­da que a pau­ta já es­ti­ves­se pre­sen­te des­de o iní­cio das pa­ra­li­sa­ções, os pe­di­dos por in­ter­ven­ção fo­ram ga­nhan­do cor­po nas re­des so­ci­ais ao lon­go dos di­as — re­sul­tan­do, si­mul­ta­ne­a­men­te, em uma am­pli­fi­ca­ção des­se te­ma nas ru­as. Um dos es­tu­dos que mos­tra es­se efei­to é o da FGV DAPP (Di­re­to­ria de aná­li­se de Po­lí­ti­cas Pú­bli­cas). en­tre mei­a­noi­te do dia 20 de maio até es­ta quar­ta-fei­ra, 30, o de­ba­te so­bre in­ter­ven­ção mi­li­tar so­mou 952.500 tuí­tes, mas só a par­tir do dia 24 hou­ve uma mai­or mo­bi­li­za­ção em tor­no do te­ma. o mai­or pi­co de men­ções ocor­reu por vol­ta de meia- noi­te des­ta quar­ta, com 515 re­fe­rên­ci­as/ mi­nu­to, conforme mos­tra o grá­fi­co abai­xo.

Já as no­tí­ci­as — fal­sas ou não — à res­pei­to de uma pos­sí­vel in­ter­ven­ção mi­li­tar con­se­gui­ram 2,1 mi­lhões de in­te­ra­ções no Fa­ce­bo­ok e no Twit­ter en­tre os di­as 20 e 29 de maio, pe­río­do em que fo­ram re­gis­tra­dos 2.500 links so­bre o te­ma, se­gun­do a FGV DAPP. em am­bas as re­des, o pi­co de engajamento ocor­reu no dia 24, conforme mos­tra o grá­fi­co abai­xo. ou­tras aná­li­ses mos­tram que nem sem­pre a gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros e os pe­di­dos por in­ter­ven­ção mi­li­tar an­da­ram la­do a la­do. o sis­te­ma de mo­ni­to­ra­men­to di­gi­tal To­ra­bit, por exem­plo, ana­li­sou 659.015 pu­bli­ca­ções no Twit­ter, ins­ta­gram, You­tu­be, go­o­gleP­lus, Fa­ce­bo­ok, blogs e si­tes da in­ter­net en­tre 12h de sex­ta-fei­ra, 25 de maio, e 10h des­ta quar­ta-fei­ra, 30. Des­co­briu que ape­nas 1,14% das pu­bli­ca­ções den­tro do uni­ver­so “gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros” es­ta­va re­la­ci­o­na­do a pe­di­dos por uma “in­ter­ven­ção mi­li­tar” — em nú­me­ros ab­so­lu­tos, ape­nas 7.486 posts de um to­tal 659.015 men­ci­o­nan- do a pa­ra­li­sa­ção. os da­dos coincidem com le­van­ta­men­to fei­to pe­lo la­bo­ra­tó­rio de es­tu­dos so­bre ima­gem e ci­ber­cul­tu­ra (la­bic), da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do es­pí­ri­to san­to (Ufes). es­se úl­ti­mo le­van­ta­men­to mos­tra que, en­tre os di­as 22 e 29 de maio, o ter­mo “in­ter­ven­ção mi­li­tar” se­quer era um dos dez mais men­ci­o­na­dos quan­do o as­sun­to era a pa­ra­li­sa­ção.

en­tre­tan­to, o es­tu­do fei­to pe­la To­ra­bit pondera: “É pos­sí­vel que o te­ma da in­ter­ven­ção te­nha trans­cen­di­do o as­sun­to gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros e se­ja tra­ta­do de for­ma in­de­pen­den­te, ou em ou­tra es­fe­ras, e até em quan­ti­da­de mai­or nas re­des”. Mais uma vez, sua aná­li­se coin­ci­de com a do la­bic. em co­le­ta da ex­pres-

são “in­ter­ven­ção mi­li­tar” fei­ta en­tre os di­as 20 e 28 de maio, o la­bo­ra­tó­rio mos­tra que o ter­mo pas­sou a ser usa­do com al­ta in­ten­si­da­de só a par­tir do dia 24, al­gu­mas ve­zes ali­a­do à pa­ra­li­sa­ção dos ca­mi­nho­nei­ros, que já ia pa­ra seu ter­cei­ro dia. nos pe­río­dos ana­li­sa­dos pe­lo la­bic, fo­ram co­le­ta­dos 109.641 tuí­tes com viés in­ter­ven­ci­o­nis­ta e 199.920 so­bre a pa­ra­li­sa­ção, o que mos­tra que, ao me­nos no Twit­ter, um te­ma an­dou dis­so­ci­a­do da ou­tro.

nes­se mes­mo sen­ti­do, a FGV DAPP cha­ma a aten­ção: “a cons­tru­ção dos dis­cur­sos que con­tra­põem de­mo­cra­cia e in­ter­ven­ção mi­li­tar per­pas­sa o con­tex­to de pa­ra­li­sa­ção dos ca­mi­nho­nei­ros, que des­per­tou ain­da de­ba­tes so­bre cor­rup­ção e gas­tos par­la­men­ta­res”. o es­tu­do ain­da mos­tra que, en­tre as hash­tags mais utilizadas du­ran­te a pa­ra­li­sa­ção, es­tão #in­ter­ven­ção­mi­li­tar­já (13.300 ocor­rên­ci­as), #bra­sil­na­rua (9.200 ocor­rên­ci­as), #fo­ra­te­mer (5.300 ocor­rên­ci­as) e #eu­a­poi­o­a­gre­ve­dos­ca­mi­nho­nei­ros (4.900 ocor­rên­ci­as). “a pri­mei­ra é uti­li­za­da por apoi­a­do­res da in­ter­ven­ção. a se­gun­da es­tá in­se­ri­da em um de­ba­te pro­pos­to por per­fis que de­fen­dem a de­mo­cra­cia e são con­tun­den­tes na re­jei­ção à in­ter­ven­ção mi­li­tar. a ter­cei­ra é uti­li­za­da por per­fis que se po­si­ci­o­nam mais à es­quer­da do es­pec­tro ide­o­ló­gi­co e re­for­çam a li­ga­ção en­tre o pre­si­den­te e as for­ças mi­li­ta­res. a quar- ta é al­vo de dis­pu­ta en­tre de­fen­so­res e opo­si­to­res à in­ter­ven­ção mi­li­tar – par­te dos per­fis fa­vo­rá­veis iden­ti­fi­ca a in­ter­ven­ção co­mo uma das ban­dei­ras de­fen­di­das pe­los ca­mi­nho­nei­ros”, diz o es­tu­do.

quem são os in­flu­en­ci­a­do­res di­gi­tais

no Fa­ce­bo­ok, o Mo­ni­tor do De­ba­te Po­lí­ti­co no Meio Di­gi­tal, pla­ta­for­ma ge­ri­da por es­pe­ci­a­lis­tas da Uni­ver­si­da­de de são Pau­lo (USP), mos­trou nes­ta ter­ça-fei­ra, 29, que o ter­mo “in­ter­ven­ção mi­li­tar”, ape­sar de não ser ma­jo­ri­tá­rio en­tre os que men­ci­o­nam a pa­ra­li­sa­ção dos ca­mi­nho­nei­ros, pro­vo­ca engajamento e dis­tri­bui­ção. Das 10 pu­bli­ca­ções mais im­por­tan­tes so­bre o as­sun­to — que não ra­ro con­tém no­tí­ci­as e pro­nun­ci­a­men­tos fal­sos —, ape­nas du­as eram crí­ti­cas à in­ter­ven­ção. Uma pos­ta­gem da pá­gi­na “in­ter­ven­ca­o­mi­li­tar” fi­cou no to­po do ran­king, com 465.000 vi­su­a­li­za­ções e 28.000 com­par­ti­lha­men­tos. in­ti­tu­la­da “Bra­sí­lia pe­gan­do fo­go – in­ter­ven­ção Mi­li­tar”, a pu­bli­ca­ção já não po­dia ser aces­sa­da na ma­nhã des­ta quar­ta-fei­ra, 30.

em um le­van­ta­men­to in­ter­no, o el País tam­bém con­se­guiu en­con­trar os prin­ci­pais per­fis do Fa­ce­bo­ok que es­ta­vam im­pul­san­do o te­ma da in­ter­ven­ção. en­tre os cin­co pri­mei­ros es­tão as pá­gi­nas “o Bra­zil de Fo­ra do Bra- sil” (145.000 se­gui­do­res), “cru­za­da pe­la li­ber­da­de” (294.000), “ge­ne­ral Mou­rão – eu apoio” (231.000), “in­ter­ven­ção Mi­li­tar no Bra­sil” (430.000) e a já men­ci­o­na­da “in­ter­ven­ca­o­mi­li­tar”, que já não po­de mais ser aces­sa­da. a pá­gi­na “o Bra­zil de Fo­ra do Bra­sil”, por exem­plo, cha­ma o atu­al go­ver­no Fe­de­ral de “co­mu­nis­ta” lo­go após com­par­ti­lhar um vídeo an­ti­go do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer fa­zen­do uma ca­mi­nha­da com a legenda: “en­quan­to o país afun­da sem se­gu­ran­ça, saú­de e edu­ca­ção, Te­mer vai ca­mi­nhar ou­vin­do os bra­si­lei­ros o cha­man­do de la­drão”.

em co­mum, as pá­gi­nas não têm ges­to­res cla­ros e cos­tu­mam com­par­ti­lhar pos­ta­gens e vídeos de fi­gu­ras conhecidas na in­ter­net, além de mui­tas no­tí­ci­as des­con­tex­tu­a­li­za­das e pro­nun­ci­a­men­tos de su­pos­tas au­to­ri­da­des. ne­nhu­ma des­sas pá­gi­nas pa­re­ce ob­ter o mo­no­pó­lio da agi­ta­ção po­lí­ti­ca nes­te te­ma. o am­bi­en­te é frag­men­ta­do, com di­ver­sas vo­zes e di­ver­sos per­fis am­pli­fi­can­do es­se de­ba­te, sem gran­des li­de­ran­ças cla­ras. al­go pa­re­ci­do com o que acon­te­ceu com a pró­pria pa­ra­li­sa­ção dos ca­mi­nho­nei­ros, nas quais um mo­tor im­por­tan­te fo­ram as mi­lhões de men­sa­gens, in­for­ma­ções e bo­a­tos en­vi­a­dos e re­ce­bi­dos por Whatsapp. o con­teú­do mo­vi­men­ta­do nes­ta re­de so­ci­al, que é fe­cha­da, é di­fí­cil de ser ma­pe­a­do pe­las pes­qui­sas.

no Twit­ter, a FGV DAPP iden­ti­fi­cou que, en­tre os prin­ci­pais in­flu­en­ci­a­do­res do de­ba­te, “es­tão per­fis de ca­rá­ter hu­mo­rís­ti­co (@Je­ni­o­qua­dros e @fe­li­pe­ne­to), per­fis de mi­li­ta­res (@ge­ne­ral­gi­rao), in­flu­en­ci­a­do­res da in­ter­net (@Qu­e­bran­do­o­ta­bu) e ex­po­en­tes da im­pren­sa (@de­luc­ca e @fo­lha)”. ain­da se­gun­do o cen­tro de es­tu­do, há uma dis­pu­ta de nar­ra­ti­vas em três pers­pec­ti­vas: há aque­les que rei­vin­di­cam a in­ter­ven­ção mi­li­tar e a con­si­de­ram uma so­lu­ção pa­ra a cri­se po­lí­ti­ca e econô­mi­ca no país; aque­les que cri­ti­cam de­fen­so­res da di­ta­du­ra e tra­zem re­la­tos de vi­o­la­ções de di­rei­tos hu­ma­nos so­bre o pe­río­do en­tre1964 e 1985; e, em me­nor nú­me­ro, aque­les que ca­rac­te­ri­zam a con­jun­tu­ra atu­al co­mo uma di­ta­du­ra dis­far­ça­da de de­mo­cra­cia. es­ta ter­cei­ra pers­pec­ti­va, ape­sar de mi­no­ri­tá­ria, lo­grou em­pla­car o tuí­te mais com­par­ti­lha­do no pe­río­do ana­li­sa­do. ele foi es­cri­to pe­lo per­fil @bi­po­lau­ren, que “não se en­cai­xa nas ca­te­go­ri­as de in­flu­en­ci­a­do­res men­ci­o­na­dos”, se­gun­do o es­tu­do.

o arau­to da in­ter­ven­ção

no Fa­ce­bo­ok, há tam­bém pes­so­as que, mes­mo sem qual­quer vín­cu­lo com os ca­mi­nho­nei­ros ou com os prin­ci­pais in­flu­en­ci­a­do­res do de­ba­te, con­se­guem uma enor­me au­di­ên­cia com su­as pu­bli­ca­ções com viés in­ter­ven­ci­o­nis­ta. es­dras Pra­do, por exem­plo, é um dos que se tor­nou in­flu­en­cer. seu per­fil, com 24.000 se­gui­do­res, es­tá ilus­tra­do com uma fo­to sua ves­ti­do de far­da do exér­ci­to na fren­te de uma ban­dei­ra do Bra­sil — uma cla­ra mon­ta­gem, co­mo ele pró­prio ad­mi­tiu em um vídeo. Já seu ca­nal no You­tu­be tem mais de 29.000 ins­cri­tos.

na se­gun­da-fei­ra, dia 28, Pra­do fez uma pu­bli­ca­ção ao vi­vo len­do um fal­so co­mu­ni­ca­do in­ter­no dos quar­téis anun­ci­an­do uma in­ter­ven­ção: “em vis­ta de não se ter mais go­ver­na­bi­li­da­de pa­ra co­man­dar o país, e de­vi­do ao agra­van­te que le­vou o país em um ca­os pro­fun­do, so­ci­o­e­conô­mi­co e po­lí­ti­co, atra­vés da pa­ra­li­sa­ção dos ca­mi­nho­nei­ros, de for­ma le­gí­ti­ma e or­dei­ra (...) con­vo­ca­mos em ca­rá­ter de ur­gên­cia a to­das as oms [or­ga­ni­za­ções Mi­li­ta­res] do país pa­ra se pre­pa­ra­rem de ma­nei­ra rá­pi­da pa­ra nós exer­ce­mos o PDN, Pla­no de De­fe­sa na­ci­o­nal, e re­co­lo­car­mos o país no tri­lho do de­sen­vol­vi­men­to e do cres­ci­men­to”. na tar­de da­que­le dia, ma­ni­fes­tan­tes e ca­mi­nho­nei­ros es­ta­ci­o­na­dos no quilô­me­tro 281 da ro­do­via ré­gis Bit­ten­court, em são Pau­lo, re­ce­bi­am o vídeo de Pra­do e aguar­da­vam an­si­o­sa­men­te por uma in­ter­ven­ção que nun­ca acon­te­ce­ria. no dia se­guin­te, o ra­paz apa­gou seu per­fil no Fa­ce­bo­ok — ape­nas por um dia — e pu­bli­cou ou­tro vídeo no You­tu­be di­zen­do que ele e sua fa­mí­lia es­ta­vam sen­do ame­a­ça­dos.

TO­MAZ sil­va/agên­cia Bra­sil

Agen­tes da PRF co­me­ça­ram a iden­ti­fi­car os ca­mi­nhões pa­ra­dos fo­ra das es­tra­das e dos acos­ta­men­tos na Ro­do­via

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.