Senado apro­va pro­je­to de lei da Pro­te­ção de Da­dos Pes­so­ais

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Ople­ná­rio do Senado apro­vou ho­je (10) o Pro­je­to de Lei nú­me­ro 53, da Câ­ma­ra, que dis­ci­pli­na a pro­te­ção dos da­dos pes­so­ais e de­fi­ne as si­tu­a­ções em que es­tes po­dem ser co­le­ta­dos e tra­ta­dos tan­to por em­pre­sas quan­to pe­lo Poder Pú­bli­co. O tex­to foi apro­va­do nos ter­mos do con­teú­do vo­ta­do na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos no fim de maio.

Com is­so, o Brasil se jun­ta a di­ver­sos paí­ses do mun­do, que já pos­su­em le­gis­la­ção so­bre o te­ma. O pro­je­to ago­ra vai a san­ção do presidente Mi­chel Temer.

O tex­to dis­ci­pli­na a for­ma co­mo as in­for­ma­ções são co­le­ta­das e tra­ta­das, es­pe­ci­al­men­te em mei­os di­gi­tais, co­mo da­dos pes­so­ais de ca­das­tro ou até mesmo tex­tos e fotos pu­bli­ca­das em re­des so­ci­ais. A pro­pos­ta foi man­ti­da na se­ma­na pas­sa­da pe­la Co­mis­são de As­sun­tos Econô­mi­cos (CAE), con­ser­van­do o con­teú­do da Câ­ma­ra e in­di­can­do re­gi­me de ur­gên­cia pa­ra vo­ta­ção na ca­sa. A ur­gên­cia foi apre­sen­ta­da em ple­ná­rio, mas não che­gou a ser apre­ci­a­da.

O se­na­dor Ri­car­do Fer­ra­ço (PSDB-ES), re­la­tor do pro­je­to na Co­mis­são de As­sun­tos Econô­mi­cos, des­ta­cou que a re­gu­la­ção do te­ma já é uma re­a­li­da­de no res­to do mun­do. “Mais de 100 paí­ses já co­lo­ca­ram de pé leis e di­re­tri­zes de pro­te­ção de da­dos no am­bi­en­te da in­ter­net. A in­ter­net não po­de ser am­bi­en­te sem re­gras. A pri­va­ci­da­de é um va­lor ci­vi­li­za­tó­rio”, sa­li­en­tou.

O se­na­dor Edu­ar­do Bra­ga (MDB- AM), no­me­a­do re­la­tor em ple­ná­rio, de­fen­deu a im­por­tân­cia da pro­pos­ta. “Na era di­gi­tal da­dos são con­si­de­ra­dos gran­de ati­vo e pa­trimô­nio. Da­dos de­vem re­ce­ber grau mí­ni­mo de pro­te­ção ju­rí­di­ca. Da­dos tra­fe­gam pe­las re­des e sem con­sen­ti­men­to aca­bam sen­do co­mer­ci­a­li­za­dos, em con­tra­po­si­ção aos pre­cei­tos cons­ti­tu­ci­o­nais, que ga­ran­tem o di­rei­to à vi­da pri­va­da”, co­men­tou.

“To­das as en­ti­da­des, sem ne­nhu­ma ex­ce­ção, fo­ram par­tí­ci­pes na cons­tru­ção do pro­je­to de lei e es­ta­mos vo­tan­do al­go que é uma una­ni­mi­da­de”, afir­mou a se­na­do­ra Vanessa Graz­zi­o­tin (PC­DOB- AM). “Es­ta­mos vi­ven­do a re­vo­lu­ção das re­des so­ci­ais. Ago­ra va­mos ter mar­co re­gu­la­tó­rio que per­mi­te que ci­da­dão pos­sa aci­o­nar aque­les que fi­ze­rem mau uso de seus da­dos”, acres­cen­tou o se­na­dor Jor­ge Vi­a­na (PT- AC).

ENTENDA O PRO­JE­TO

O PLC 53 con­si­de­ra da­dos pes­so­ais a in­for­ma­ção re­la­ci­o­na­da a uma pes­soa que se­ja “iden­ti­fi­ca­da” ou “iden­ti­fi­cá­vel”. Ou se­ja, o pro­je­to de lei re­gu­la tam­bém aque­le da­do que, so­zi­nho, não re­ve­la a quem es­ta­ria re­la­ci­o­na­do (um en­de­re­ço, por exem­plo) mas que, pro­ces­sa­do jun­ta­men­te com ou­tros, po­de­ria in­di­car de quem se tra­ta (o en­de­re­ço com­bi­na­do com a ida­de, por exem­plo).

Foi cri­a­da uma ca­te­go­ria es­pe­ci­al, de­no­mi­na­da da­dos “sen­sí­veis”, que abran­ge re­gis­tros de ra­ça, opi­niões po­lí­ti­cas, cren­ças, con­di­ção de saú­de e ca­rac­te­rís­ti­cas ge­né­ti­cas. O uso des­ses re­gis­tros fi­ca mais res­tri­to, já que traz riscos de dis­cri­mi­na­ção e ou­tros pre­juí­zos à pes­soa. Tam­bém há pa­râ­me­tros di­fe­ren­ci­a­dos pa­ra pro­ces­sa­men­to de in­for­ma­ções de cri­an­ças, co­mo a exi­gên­cia de con­sen­ti­men­to dos pais e a proi­bi­ção de con­di­ci­o­nar o for­ne­ci­men­to de re­gis­tros à par­ti­ci­pa­ção em apli­ca­ções (co­mo re­des so­ci­ais e jo­gos ele­trô­ni­cos).

O pro­je­to de lei abran­ge

as ope­ra­ções de tra­ta­men­to re­a­li­za­das no Brasil ou a par­tir de co­le­ta de da­dos fei­ta no país. A nor­ma tam­bém va­le pa­ra em­pre­sas ou en­tes que ofer­tem bens e ser­vi­ços ou tra­tem in­for­ma­ções de pes­so­as que es­tão aqui. As­sim, por exem­plo, por mais que o Fa­ce­bo­ok re­co­lha re­gis­tros de bra­si­lei­ros e fa­ça o tra­ta­men­to em ser­vi­do­res nos Es­ta­dos Uni­dos, ele te­ria de res­pei­tar as re­gras. Tam­bém é per­mi­ti­da a trans­fe­rên­cia in­ter­na­ci­o­nal de da­dos (co­mo no exem­plo ci­ta­do), des­de que o país de des­ti­no te­nha ní­vel de pro­te­ção com­pa­tí­vel com a lei ou quan­do a em­pre­sa res­pon­sá­vel pe­lo tra­ta­men­to com­pro­var que ga­ran­te as mes­mas con­di­ções exi­gi­das pe­la nor­ma por ins­tru­men­tos co­mo con­tra­tos ou nor­mas cor­po­ra­ti­vas.

Fi­ca­ram de fo­ra das obrigações o tra­ta­men­to pa­ra fins pes­so­ais, jor­na­lís­ti­cos e ar­tís­ti­cos. Tam­bém não são co­ber­tos o pro­ces­sa­men­to de in­for­ma­ções em ati­vi­da­des de se­gu­ran­ça na­ci­o­nal, se­gu­ran­ça pú­bli­ca e re­pres­são a in­fra­ções. O tex­to in­di­ca que es­ses te­mas de­vem ser tra­ta­dos em uma lei es­pe­cí­fi­ca. O Poder Pú­bli­co ga­nhou tam­bém a pos­si­bi­li­da­de de tra­tar da­dos sem con­sen­ti­men­to das pes­so­as, em de­ter­mi­na­das si­tu­a­ções, co­mo na exe­cu­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas. Pa­ra is­so, o ór­gão de­ve in­for­mar em seu si­te em que hi­pó­te­se o pro­ces­sa­men­to de da­dos é re­a­li­za­do, sua fi­na­li­da­de e quais são os pro­ce­di­men­tos ado­ta­dos. Es­sas re­gras es­pe­ci­ais se apli­cam tam­bém aos car­tó­ri­os.

OBRIGAÇÕES E DI­REI­TOS

Pa­ra co­le­tar e tra­tar um da­do, uma em­pre­sa ou en­te pre­ci­sa so­li­ci­tar o con­sen­ti­men­to do ti­tu­lar, que de­ve ser li­vre e in­for­ma­do. Es­sa au­to­ri­za­ção de­ve ser so­li­ci­ta­da de for­ma cla­ra, em cláu­su­la es­pe­cí­fi­ca, e não de ma­nei­ra ge­né­ri­ca. Ca­so uma em­pre­sa co­le­te um da­do pa­ra uma coi­sa e mu­de sua fi­na­li­da­de, de­ve ob­ter no­vo con­sen­ti­men­to. A per­mis­são da­da por al­guém, en­tre­tan­to, po­de ser re­vo­ga­da se o ti­tu­lar as­sim o de­se­jar.

O pro­je­to pre­vê, con­tu­do, al­gu­mas si­tu­a­ções em que es­te não é ne­ces­sá­rio, co­mo a pro­te­ção da vi­da, o cum­pri­men­to de obri­ga­ção le­gal e pro­ce­di­men­to de saú­de. A ex­ce­ção mais po­lê­mi­ca é cha­ma­da de “le­gí­ti­mo in­te­res­se”, que na prá­ti­ca per­mi­te a uma em­pre­sa co­le­tar um da­do pa­ra um pro­pó­si­to e usá-lo pa­ra ou­tro, des­de que pa­ra “fi­na­li­da­des le­gí­ti­mas” e a “par­tir de si­tu­a­ções con­cre­tas”. Nes­se ca­so, so­men­te os da­dos “es­tri­ta­men­te ne­ces­sá­ri­os” po­dem ser ma­ne­ja­dos.

Ou­tra obri­ga­ção das em­pre­sas in­cluí­da no re­la­tó­rio do de­pu­ta­do Or­lan­do Sil­va ( PC­DOB- SP) é a ga­ran­tia da se­gu­ran­ça dos da­dos, im­pe­din­do aces­sos não au­to­ri­za­dos e qual­quer for­ma de va­za­men­to. Ca­so ha­ja al­gum in­ci­den­te de se­gu­ran­ça que pos­sa acar­re­tar da­no ao ti­tu­lar da in­for­ma­ção, a em­pre­sa é obri­ga­da a co­mu­ni­car à pes­soa e ao ór­gão com­pe­ten­te.

A re­da­ção pre­vê uma sé­rie de di­rei­tos ao ti­tu­lar, que po­de so­li­ci­tar aces­so às in­for­ma­ções que uma em­pre­sa tem dele - in­cluin­do a fi­na­li­da­de, a for­ma e a du­ra­ção do tra­ta­men­to - e se hou­ve uso com­par­ti­lha­do com al­gum ou­tro en­te e com qual fi­na­li­da­de. Tam­bém é pos­sí­vel re­qui­si­tar a cor­re­ção de um da­do in­com­ple­to, a eli­mi­na­ção de re­gis­tros des­ne­ces­sá­ri­os ou ex­ces­si­vos e a por­ta­bi­li­da­de pa­ra ou­tro pro­ve­dor de ser­vi­ço. Ou se­ja, o usuá­rio de uma con­ta de e- mail po­de ter to­das as su­as men­sa­gens, ca­so de­se­je abrir con­ta em ou­tro ser­vi­ço des­te ti­po. O ti­tu­lar tam­bém po­de so­li­ci­tar a re­vi­são de uma de­ci­são au­to­ma­ti­za­da ba­se­a­da em seus da­dos, co­mo uma clas­si­fi­ca­ção pa­ra obtenção de cré­di­to, por exem­plo.

FIS­CA­LI­ZA­ÇÃO E ÓR­GÃO RE­GU­LA­DOR

O re­la­tó­rio de Sil­va pro­põe a cri­a­ção da Au­to­ri­da­de Na­ci­o­nal de Pro­te­ção de Da­dos, que ficará res­pon­sá­vel pe­la edi­ção de nor­mas com­ple­men­ta- res e pe­la fis­ca­li­za­ção das obrigações pre­vis­tas na lei. Es­sa au­to­ri­da­de te­rá poder, por exem­plo, pa­ra exi­gir re­la­tó­ri­os de im­pac­to à pri­va­ci­da­de de uma em­pre­sa, do­cu­men­to que de­ve iden­ti­fi­car co­mo o pro­ces­sa­men­to é re­a­li­za­do, as me­di­das de se­gu­ran­ça e as ações pa­ra re­du­zir riscos. Ou se­ja, se o ór­gão sus­pei­tar que em al­gu­ma em­pre­sa há ris­co de pro­ble­mas no tra­ta­men­to dos da­dos, o re­la­tó­rio reú­ne in­for­ma­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra uma pri­mei­ra apu­ra­ção. Po­de tam­bém fa­zer uma au­di­to­ria, em que se ve­ri­fi­que no lo­cal da em­pre­sa se o ma­ne­jo dos da­dos es­tá sen­do re­a­li­za­do cor­re­ta­men­te.

Se cons­ta­tar al­gu­ma ir­re­gu­la­ri­da­de em qual­quer ati­vi­da­de de tra­ta­men­to, a au­to­ri­da­de po­de aplicar uma sé­rie de sanções, en­tre as quais es­tá pre­vis­ta mul­ta de até 2% do fa­tu­ra­men­to da em­pre­sa en­vol­vi­da, com li­mi­te de R$ 50 mi­lhões, o blo­queio ou eli­mi­na­ção dos da­dos tra­ta­dos de ma­nei­ra ir­re­gu­lar e a sus­pen­são ou proi­bi­ção do ban­co de da­dos ou da ati­vi­da­de de tra­ta­men­to. O subs­ti­tu­ti­vo tam­bém ins­ti­tui o Con­se­lho Na­ci­o­nal de Pro­te­ção de Da­dos, for­ma­do por 23 re­pre­sen­tan­tes do Poder Pú­bli­co, da so­ci­e­da­de ci­vil, de em­pre­sas e de ins­ti­tui­ções ci­en­tí­fi­cas e tec­no­ló­gi­cas. O co­le­gi­a­do tem co­mo atri­bui­ções pro­por di­re­tri­zes es­tra­té­gi­cas so­bre o te­ma e au­xi­li­ar a au­to­ri­da­de na­ci­o­nal.

APOI­OS

O PLC tem apoio de di­ver­sas en­ti­da­des, co­mo a As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Emis­so­ras de Rádio e TV (Abert), a As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Em­pre­sas de Tec­no­lo­gia da In­for­ma­ção e Co­mu­ni­ca­ção (Bras­s­com) e a Co­a­li­zão Di­rei­tos na Re­de, que reú­ne en­ti­da­des de de­fe­sa de di­rei­tos dos usuá­ri­os de in­ter­net. Mas en­con­tra­va re­sis­tên­cia em or­ga­ni­za­ções do ra­mo fi­nan­cei­ro, co­mo a Fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Ban­cos (Fe­bra­ban) e a Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal de Se­gu­ra­do­ras. “Es­te pro­je­to é fun­da­men­tal pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da eco­no­mia di­gi­tal no Brasil por­que ele al­can­ça equi­lí­brio en­tre a pro­te­ção do di­rei­to do ci­da­dão em um ar­ca­bou­ço que aju­de as em­pre­sas a ino­va­rem”, ava­li­ou a di­re­to­ra ju­rí­di­ca da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Em­pre­sas de Tec­no­lo­gia da In­for­ma­ção e Co­mu­ni­ca­ção (Bras­s­com).

“Es­sa dis­cus­são con­tou com de­ze­nas de en­ti­da­des da so­ci­e­da­de ci­vil mas tam­bém com inú­me­ras en­ti­da­des do se­tor em­pre­sa­ri­al, que en­ten­de­ram que a pro­te­ção de da­dos é prin­cí­pio que de­ve ser ga­ran­ti­do na le­gis­la­ção bra­si­lei­ra”, co­men­tou Marcos Uru­pá, do Co­le­ti­vo In­ter­vo­zes, en­ti­da­de in­te­gran­te da Co­a­li­zão Di­rei­tos na Re­de, que reú­ne or­ga­ni­za­ções de de­fe­sa de di­rei­tos dos usuá­ri­os.

BITMAG/COM/BR

Mar­co Ci­vil da In­ter­net en­tra em vi­gor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.