“Não tem co­mo fi­car ca­la­da”, diz mãe de Ma­ri­el­le

Brasil em Folhas - - Primeira Página - Tânia rê­go/agência Brasil

o mês de ju­lho cos­tu­ma­va ser de fes­ta na ca­sa de antô­nio Fran­cis­co da sil­va e Ma­ri­ne­te da sil­va, pais da ve­re­a­do­ra Ma­ri­el­le Fran­co, as­sas­si­na­da há exa­tos qua­tro me­ses jun­to com o mo­to­ris­ta an­der­son go­mes, no cen­tro do rio.

antô­nio e Ma­ri­ne­te ce­le­bra­vam o ani­ver­sá­rio da fi­lha no dia 27 com al­mo­ços em fa­mí­lia. Pe­la pri­mei­ra vez sem Ma­ri­el­le, eles pre­ten­dem fa­zer o mesmo nes­te ano, quan­do a fi­lha com­ple­ta­ria 39 anos.

“a ir­mã de­la quer fa­zer ho­me­na­gens, por­que era uma da­ta em que sem­pre nos reu­nía­mos pa­ra co­me­mo­rar a vi­da”, con­ta o pai de Ma­ri­el­le, que não pre­ten­de usar a da­ta pa­ra tra­tar do as­sas­si­na­to ou das in­ves­ti­ga­ções. “Trin­ta e no­ve anos de­pois, se­rá uma reu­nião que va­mos fa­zer pa­ra lem­brar a Ma­ri­el­le em vi­da.”

antô­nio lem­bra que, no ano pas­sa­do, eles al­mo­ça­ram jun­tos an­tes que a ve­re­a­do­ra (Psol) fi­zes­se uma fes­ta com ami­gos na Pedra do sal, lo­cal que é um dos marcos da his­tó­ria ne­gra no rio de Ja­nei­ro e que abri­ga um tra­di­ci­o­nal sam­ba às se­gun­das-fei­ras.

“ela gos­ta­va que as pes­so­as par­ti­ci­pas­sem da ale­gria de­la. se vo­cês re­pa­ra­rem, a gran­de mai­o­ria das fotos da mi­nha fi­lha era sor­rin­do”, lem­bra antô­nio, que diz ter sen­ti­do mui­to a fal­ta da fi­lha du­ran­te os jo­gos do Brasil na co­pa do Mun­do na rús­sia. “sem­pre nos reu­nía­mos, fa­zía­mos chur­ras­co, e as­sis­tía­mos ao jo­go do Brasil. es­te ano eu as­sis­ti aos jo­gos, mas não dei im­por­tân­cia à co­pa do Mun­do co­mo da­va qua­tro anos atrás.”

a mãe, Ma­ri­ne­te, diz que é pre­ci­so lem­brar de Ma­ri­el­le no dia de seu ani­ver­sá­rio e que con­ti­nu­a­rá com a pres­são pa­ra que ve­nha à to­na a ver­da­de so­bre o as­sas­si­na­to da ve­re­a­do­ra e do mo­to­ris­ta. “nem que eu vá so­zi­nha pa­ra a rua, eu vou lu­tar pe­la vi­da de mi­nha fi­lha. não tem co­mo eu fi­car ca­la­da di­an­te de uma si­tu­a­ção co­mo es­sa.”

Ma­ri­ne­te de­sa­ba­fa que “pre­ci­sa acre­di­tar” que a Po­lí­cia ci­vil che­ga­rá aos cul­pa­dos pe­lo cri­me e la­men­ta a cru­el­da­de dos ati­ra­do­res que se­gui­ram Ma­ri­el­le e ati­ra­ram di­ver­sas ve­zes con­tra sua ca­be­ça. “ela não foi mor­ta por uma ba­la per­di­da, nem em um aci­den­te. ela foi mor­ta em uma em­bos­ca­da”, afir­ma. “es­sa dor é im­pos­sí­vel de ci­ca­tri­zar.”

os pais de Ma­ri­el­le es­ti­ve­ram na se­de da anis­tia in­ter­na­ci­o­nal no Brasil pa­ra cha­mar a aten­ção da so­ci­e­da­de pa­ra os qua­tro me­ses do cri­me, que per­ma­ne­ce sem so­lu­ção. con­du­zi­das pe­la Po­lí­cia ci­vil, as in­ves­ti­ga­ções es­tão sob si­gi­lo. a co­or­de­na­do­ra de Pes­qui­sa da anis­tia, re­na­ta ne­der, des­ta­ca que de­fen­so­res dos di­rei­tos hu­ma­nos co­mo Ma­ri­el­le en­fren­tam uma du­ra re­a­li­da­de no Brasil.

“o Brasil é um país de al­to ris­co pa­ra de­fen­so­res de di­rei­tos hu­ma­nos, de­ze­nas são as­sas­si­na­dos a ca­da ano”, afir­ma re­na­ta. “sa­ben­do que, no Brasil, em ge­ral, não se in­ves­ti­ga ho­mi­cí­di­os de de­fen­so­res de di­rei­tos hu­ma­nos, e que no rio de Ja­nei­ro, a Po­lí­cia ci­vil em ge­ral não in­ves­ti­ga os ho­mi­cí­di­os que têm par­ti­ci­pa­ção de agen­tes do es­ta­do, o ris­co de que o ca­so da Ma­ri­el­le não se­ja cor­re­ta­men­te so­lu­ci­o­nan­do exis­te, e é al­to. e é por is­so que a anis­tia in­ter­na­ci­o­nal tem se mo­bi­li­za­do.”

Ma­ri­ne­te, mãe Ma­ri­el­le, em even­to da Anis­tia In­ter­na­ci­o­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.