‘A EX­TRE­MA PO­BRE­ZA VOL­TOU AOS NÍ­VEIS de 12 Anos ATRÁS’

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Ao dei­xar em 2014 a re­la­ção de paí­ses que têm mais de 5% da po­pu­la­ção in­ge­rin­do me­nos ca­lo­ri­as do que o re­co­men­dá­vel, o Bra­sil atin­giu um fei­to iné­di­to: saiu do Ma­pa da Fo­me da ONU. Mas, após três anos do fei­to, um re­la­tó­rio de 20 en­ti­da­des da so­ci­e­da­de ci­vil, pu­bli­ca­do em ju­lho do ano pas­sa­do, aler­ta­va so­bre os ris­cos de o país re­tor­nar ao ma­pa in­de­se­ja­do. O eco­no­mis­ta Francisco Me­ne­zes, pes­qui­sa­dor do Iba­se (Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Aná­li­ses So­ci­ais e Econô­mi­cas) e da Ac­ti­o­naid Bra­sil, fez par­te da equi­pe que ela­bo­rou o re­la­tó­rio. Nes­ta en­tre­vis­ta à Pú­bli­ca, o tam­bém es­pe­ci­a­lis­ta em se­gu­ran­ça ali­men­tar con­ta que no final des­te mês um novo do­cu­men­to atu­a­li­za­do da so­ci­e­da­de ci­vil se­rá lan­ça­do. E aler­ta: “A nossa no­va ad­ver­tên­cia já le­va a qua­se uma cer­te­za”. Es­sa qua­se cer­te­za, ele diz, é de que o Bra­sil vol­ta­rá ao Ma­pa da Fo­me. “To­da a ex­pe­ri­ên­cia sem­pre mos­trou que os nú­me­ros da ex­tre­ma po­bre­za com os nú­me­ros da fo­me são mui­to pró­xi­mos.”

Em re­la­ção à po­bre­za e ex­tre­ma po­bre­za, por exem­plo, le­van­ta­men­to da Ac­ti­o­naid Bra­sil in­di­ca que nos úl­ti­mos três anos — 2015-2017 — o país vol­tou ao pa­ta­mar de 12 anos atrás no nú­me­ro de pes­so­as em si­tu­a­ção de ex­tre­ma po­bre­za. Ou se­ja, mais de 10 mi­lhões de bra­si­lei­ros es­tão nes­sa con­di­ção (ve­ja o grá­fi­co abai­xo). “Is­so nos le­va a crer que aque­la cor­re­la­ção po­bre­za ver­sus fo­me su­ge- re for­te­men­te que a gen­te já es­tá, nes­te mo­men­to, nu­ma si­tu­a­ção ruim, que de­ve apa­re­cer com os da­dos da Pes­qui­sa de Or­ça­men­tos Familiares — POF — do final de 2018.” A se­guir, Me­ne­zes ex­pli­ca a com­bi­na­ção de fa­to­res que le­vou a es­sa si­tu­a­ção que ele ca­rac­te­ri­za co­mo “es­ta­do de des­pro­te­ção so­ci­al”.

Per­gun­ta. A in­se­gu­ran­ça ali­men­tar vol­tou a ron­dar o país?

Res­pos­ta.

No ano pas­sa­do, nós fi­ze­mos uma ad­ver­tên­cia à ONU de que, se o Bra­sil pros­se­guis­se no ru­mo mais re­cen­te que ti­nha to­ma­do de cer­to aban­do­no das po­lí­ti­cas de pro­te­ção so­ci­al, cor­re­ria o ris­co de re­tor­nar ao Ma­pa da Fo­me do qual saiu em 2014. Pu­bli­ca­mos es­se re­la­tó­rio em ju­lho de 2017, e um novo re­la­tó­rio de acom­pa­nha­men­to des­ses ob­je­ti­vos do de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel vai sair ao final des­te mês. O que nós as­si­na­la­mos na­que­la pri­mei­ra ad­ver­tên­cia vem sen­do con­fir­ma­da ago­ra.

P. Co­mo se che­gou a es­sa cons­ta­ta­ção?

R. A ca­da cin­co anos é fei­ta uma pes­qui­sa pe­lo IBGE so­bre a si­tu­a­ção de se­gu­ran­ça e in­se­gu­ran­ça ali­men­tar do bra­si­lei­ro. Es­sa pes­qui­sa era fei­ta jun­to à Pes­qui­sa Na­ci­o­nal por Amos­tra de Do­mi­cí­lio — Pnad — e pas­sou ago­ra a ser fei­ta pela POF, que é a pes­qui­sa do or­ça­men­to fa­mi­li­ar. A úl­ti­ma pes­qui­sa foi re­a­li­za­da em 2013 e di­vul­ga­da em 2014. Co­mo é quin­que­nal, ain­da es­tá sen- do re­a­li­za­da, mas o pes­so­al es­tá no cam­po e a di­vul­ga­ção des­ses re­sul­ta­dos de­ve sair no final de 2018 ou iní­cio de 2019. O que ocor­re é que exis­tem al­gu­mas si­tu­a­ções em re­la­ção ao es­ta­do da se­gu­ran­ça ali­men­tar, des­de os que es­tão em se­gu­ran­ça ali­men­tar — de ter aces­so aos ali­men­tos de uma for­ma re­gu­lar e su­fi­ci­en­te — até ní­veis de in­se­gu­ran­ça ali­men­tar. E tem a in­se­gu­ran­ça ali­men­tar gra­ve, ex­pres­são que se usa para ca­rac­te­ri­zar a fo­me, em que uma de­ter­mi­na­da fa­mí­lia não te­ve dis­po­ni­bi­li­da­de de ali­men­tos num de­ter­mi­na­do pe­río­do. Es­sa in­se­gu­ran­ça ali­men­tar gra­ve em 2013, por exem­plo, quan­do foi fei­ta a úl­ti­ma pes­qui­sa, es­ta­va num ní­vel bas­tan­te bai­xo, e é por is­so tam­bém que em 2014 a ONU co­lo­cou o Bra­sil fora do ma­pa do fo­me.

P. os da­dos ago­ra apon­tam um re­tro­ces­so?

R. Quan­tas pes­so­as pas­sam fo­me? Para di­zer al­gu­ma coi­sa pró­xi­ma, vai ter que es­pe­rar um pou­co, mas to­da ex­pe­ri­ên­cia sem­pre mos­trou que os nú­me­ros da ex­tre­ma po­bre­za com os nú­me­ros da fo­me são mui­to pró­xi­mos. Mas a nossa ad­ver­tên­cia já le­va a qua­se uma cer­te­za. Pri­mei­ro, é pre­ci­so con­si­de­rar que uma si­tu­a­ção de ex­tre­ma po­bre­za tem uma cor­re­la­ção mui­to gran­de com a si­tu­a­ção de fo­me. Ou se­ja, pes­so­as que es­tão nu­ma si­tu­a­ção mais ex­tre­ma de po­bre­za es­tão for­te­men­te vul­ne­rá­veis e su­jei­tas à fo­me, ge­ral­men­te

pas­san­do fo­me. Por is­so, é im­por­tan­te tra­ba­lhar a ques­tão da fo­me jun­to com a ques­tão da po­bre­za, e nós te­mos as­sis­ti­do a um em­po­bre­ci­men­to mui­to ace­le­ra­do da po­pu­la­ção, e so­bre is­so nós te­mos os da­dos. Em três anos, 2015, 2016, 2017, a gen­te, in­fe­liz­men­te, vol­tou a 12 anos atrás em ter­mos do nú­me­ro de pes­so­as em si­tu­a­ção de ex­tre­ma po­bre­za. Is­so nos le­va a crer que aque­la cor­re­la­ção po­bre­za ver­sus fo­me su­ge­re for­te­men­te que a gen­te já es­tá, nes­te mo­men­to, nu­ma si­tu­a­ção bas­tan­te ruim, que de­ve apa­re­cer no final do ano com os da­dos da POF. A ex­tre­ma po­bre­za es­tá cres­cen­do mais ace­le­ra­da­men­te do que a po­bre­za, que vol­tou a oi­to anos atrás.

P. o que vo­cê es­tá di­zen­do é que a ten­dên­cia já apon­ta, mes­mo que ain­da não con­fir­ma­da, que o Bra­sil vol­ta­rá ao ma­pa da Fo­me?

R. Acre­di­to que, in­fe­liz­men­te, sim. Nós não te­mos ain­da os da­dos des­sa pes­qui­sa que co­men­tei. Eu pos­so fa­lar, sim, so­bre os pró­pri­os da­dos da Pnad Con­tí­nua [Pes­qui­sa Na­ci­o­nal por Amos­tra de Do­mi­cí­li­os Con­tí­nua], que re­ve­lam es­se em­po­bre­ci­men­to ace­le­ra­do da po­pu­la­ção com au­men­to mui­to gran­de, e que va­ria de re­gião para re­gião, de es­ta­do para es­ta­do. O Rio de Ja­nei­ro, por exem­plo, vi­ve uma si­tu­a­ção em que a po­bre­za ex­tre­ma, mui­to li­ga­da à ques­tão do pró­prio de­sem­pre­go, cres­ceu mui­to, tri­pli­cou em um ano [de 143 mil para 480 mil em um ano].

P. Quais são as ou­tras re­giões?

R. O Nor­des­te bra­si­lei­ro e a re­gião Nor­te têm um grau de po­bre­za mai­or do que o Su­des­te e o Sul, mas o nor­des­te te­ve um mo­vi­men­to mui­to po­si­ti­vo até 2014 no sen­ti­do de re­cu­pe­ra­ção, mas ago­ra a gen­te vol­ta a as­sis­tir a uma si­tu­a­ção de agra­va­men­to, por­que já era mais vul­ne­rá­vel ori­gi­nal­men­te.

P. E quais são os fa­to­res des­se cres­ci­men­to da ex­tre­ma po­bre­za?

R. São vá­ri­os fa­to­res. Ava­lio que, em pri­mei­ro lu­gar, a tí­tu­lo de en­fren­ta­men­to do que se cha­ma­va de­se­qui­lí­brio fis­cal, se fez uma política que, de um la­do, ge­rou uma pa­ra­li­sia gran­de da eco­no­mia, ge­ran­do com is­so de­sem­pre­go, e não re­sol­veu o pro­ble­ma do dé­fi­cit fis­cal. A receita, con­se­quen­te­men­te, se re­du­ziu e o país en­trou num cír­cu­lo vi­ci­o­so de pa­ra­li­sia e, ao mes­mo tem­po, cres­ci­men­to do de­sem­pre­go e da po­bre­za, sem ca­pa­ci­da­de pró­pria de ge­rar uma re­cu­pe­ra­ção. Es­se é um fa­tor. Não que­ren­do ser o do­no da ver­da­de, mas é a prá­ti­ca de uma política econô­mi­ca com­ple­ta­men­te equi­vo­ca­da nos três úl­ti­mos anos. Não se po­de es­que­cer de que 2015 já se ex­pe­ri­men­tou uma política bas­tan­te re­ces­si­va co­mo op­ção para o en­fren­ta­men­to das di­fi­cul­da­des que apa­re­ce­ram. A pa­ra­li­sia na cons­tru­ção ci­vil, por exem­plo, atin­ge as ca­ma­das po­bres da po­pu­la­ção, dei­xan­do um gran­de nú­me­ro de pes­so­as de­sem­pre­ga­das ou su­bem­pre­ga­das; as pró­pri­as em­pre­sas que tra­ba­lha­vam em tor­no do sis­te­ma Pe­tro­bras e tan­tas ou­tras que fo­ram pa­ra­li­san­do agra­vam es­se qua­dro. Ou se­ja, o de­sem­pre­go não po­de ser des­pre­za­do nes­se as­pec­to.

P. A to­ma­da de de­ci­são de fa­zer o ajus­te fis­cal e con­ge­lar os gas­tos pú­bli­cos por 20 anos de­ve ser con­si­de­ra­da com efei­to ime­di­a­to?

R. Não te­nha dú­vi­da. A emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal foi apro­va­da no final de 2016. Se vo­cê pe­ga o or­ça­men­to de 2016 — e es­tou fa­lan­do dos pro­gra­mas so­ci­ais —, já se vê um for­tís­si­mo con­tin­gen­ci­a­men­to du­ran­te aque­le ano. En­tão se vi­veu já em 2016 uma ex­pe­ri­men­ta­ção do cor­te de re­cur­sos. A pro­pos­ta de or­ça­men­to para 2017 traz um enor­me cor­te e para 2018 ain­da mais. É o que nós ho­je es­ta­mos cha­man­do de es­ta­do de des­pro­te­ção so­ci­al, por­que fal­tam re­cur­sos de to­dos os la­dos. No as­pec­to da po­bre­za ex­tre­ma, a gen­te es­tá sen­tin­do que em re­la­ção ao pro­gra­ma Bol­sa Fa­mí­lia, es­tão sen­do fei­to cor­tes gran­des de con­tin­gen­tes de fa­mí­li­as que, na ver­da­de, ao con­trá­rio do que o go­ver­no ale­ga, não são fa­mí­li­as que sim­ples­men­te não pres­ta­ram con­ta ade­qua­da­men­te, mas são aque­las mais vul­ne­rá­veis que em ge­ral têm mais di­fi­cul­da­des de pres­tar es­sas con­tas. Mui­tas fa­mí­li­as den­tro do Bol­sa Fa­mí­lia fo­ram cor­ta­das e ti­nham, ou co­mo úni­ca ren­da ou uma par­te im­por­tan­te de sua ren­da, vin­da do pro­gra­ma, e is­so tem uma im­por­tân­cia na ques­tão ali­men­tar por ou­tras pes­qui­sas que já fi­ze­mos. A gen­te sa­be que os re­ce­be­do­res do Bol­sa Fa­mí­lia, na sua mai­or par­te, gas­tam em ali­men­ta­ção, pe­lo pe­so que o ali­men­to tem nos seus pró­pri­os or­ça­men­tos.

P. Es­sa ques­tão do Bol­sa

Fa­mí­lia é um le­van­ta­men­to ou uma per­cep­ção?

R. Não é um le­van­ta­men­to. Fo­ram cor­ta­das 1 mi­lhão e 500 mil fa­mí­li­as, po­de-se ver pe­los pró­pri­os da­dos do go­ver­no. In­clu­si­ve, para 2018 o go­ver­no já co­lo­ca um or­ça­men­to me­nor para o Bol­sa Fa­mí­lia. O que es­tá ocor­ren­do, o que a gen­te su­põe, não te­mos com­pro­va­ção ain­da, é que gran­de par­te des­sas fa­mí­li­as cor­ta­das são as mais po­bres. E uma ou­tra cau­sa é a ques­tão dos pre­ços, não só dos ali­men­tos, mas ou­tra ques­tão que pe­sa, o gás. O gás impacta mui­to so­bre as fa­mí­li­as mais po­bres. Com um au­men­to dos com­bus­tí­veis de uma ma­nei­ra ge­ral, es­ta­mos co­me­çan­do a es­cu­tar as pri­mei­ras ma­ni­fes­ta­ções do quan­to is­so es­tá pe­san­do. Fora o fa­to de que o au­men­to dos com­bus­tí­veis ge­ra um au­men­to dos gê­ne­ros ali­men­tí­ci­os.

P. o Bra­sil é um dos prin­ci­pais pro­du­to­res de ali­men­tos do mun­do e pes­so­as pas­sam fo­me. Co­mo com­pre­en­der es­sa si­tu­a­ção?

R. O Bra­sil tem in­du­bi­ta­vel­men­te uma ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção de ali­men­tos re­le­van­te. Es­se não é o nos­so pro­ble­ma, o da pro­du­ção, mas o que ocor­re é que exis­te uma pro­fun­da de­si­gual­da­de, in­clu­si­ve, no cam­po.

Para eco­no­mis­ta Francisco Me­ne­zes, os nú­me­ros de po­bre­za su­ge­rem que o Bra­sil vol­ta­rá ao Ma­pa da Fo­me da ONU

MAR­CE­LO CA­MAR­GO/AGÊN­CIA BRA­SIL

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.