A MU­LHER MAR­CA O RIT­MO NO SÉ­CU­LO XXI

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Se no sé­cu­lo XX o rit­mo da mú­si­ca po­pu­lar foi mar­ca­do pe­los homens, no sé­cu­lo XXI já é das mu­lhe­res. Elas são as pro­ta­go­nis­tas pa­ra nos fa­zer me­xer o es­que­le­to, mas tam­bém pa­ra nos ex­pli­car a vi­da por meio das can­ções. Um es­tu­do da rádio pú­bli­ca nor­te-ame­ri­ca­na NPR Mu­sic cons­ta­tou que o pa­pel das mu­lhe­res é es­sen­ci­al pa­ra en­ten­der o som de nos­sos tem­pos. A NPR Mu­sic, uma or­ga­ni­za­ção de mí­dia for­ma­da por uma re­de de 900 rá­di­os pú­bli­cas nos Es­ta­dos Uni­dos, ana­li­sou os su­ces­sos mu­si­cais de 2000 até ho­je e con­cluiu que as mu­lhe­res são mais in­flu­en­tes e de­ter­mi­nan­tes do que os homens na cri­a­ção mu­si­cal por “de­sa­fi­a­rem to­das as ca­te­go­ri­as ar­tís­ti­cas” e “em­pur­ra­rem o som em no­vas di­re­ções”. Co­mo par­te de seu pro­je­to Tur­ning the Ta­bles, que vi­sa mu­dar o câ­no­ne da mú­si­ca po­pu­lar pa­ra for­mas mais in­clu­si­vas, a pres­ti­gi­a­da or­ga­ni­za­ção ra­di­ofô­ni­ca com­pro­vou es­sa te­se com uma lis­ta de 200 “com­po­si­ções fe­mi­ni­nas es­sen­ci­ais”, pre­pa­ra­das por um painel de 70 es­pe­ci­a­lis­tas da in­dús­tria mu­si­cal nor­te-ame­ri­ca­na. Es­sas 200 mú­si­cas são uma amos­tra co­lo­ri­da dos gê­ne­ros mo­der­nos do no­vo sé­cu­lo e de­mons­tram que a mú­si­ca do nos­so tem­po não po­de­ria ser en­ten­di­da sem as mu­lhe­res. As con­clu­sões sur­gem da ob­ser­va­ção de que vá­ri­as can­to­ras e com­po­si­to­ras ne­gras e la­ti­nas re­for­mu­la­ram a mú­si­ca pop em di­fe­ren­tes fren­tes es­ti­lís­ti­cas. En­tre as pri­mei­ras, M.I.A. —que en­ca­be­ça a lis­ta com a can­ção Pa­per Pla­nes—, Beyon­cé, Nic­ki Mi­naj, Ja­nel­le Mo­náe, Ali­cia Keys, So­lan­ge e Brit­tany Howard, do Ala­ba­ma Sha­kes. Seus me­lho­res te­mas, que vêm do le­ga­do da mú­si­ca afro-ame­ri­ca­na, se­ja o soul, o rhythm and blu­es, o funk ou o hip hop, de­ram rit­mo a es­te sé­cu­lo. O mes­mo acon­te­ce com as la­ti­nas Xe­nia Ru­bi­nos, Ama­ra La Ne­gra, Na­ta­lia La­four­ca­de, Ana Ti­joux e Bom­ba Es­té­reo. Elas ex­plo­ra­ram os sons e os te­mas com gran­de qua­li­da­de. Até mes­mo no reg­ga­e­ton, o úl­ti­mo gri­to la­ti­no-ame­ri­ca­no dan­çá­vel com im­pac­to mun­di­al que pa­re­ce ter­ri­tó­rio de homens co­mo Luis Fon­si, Ma­lu­ma, J. Bal­vin e Daddy Yan­kee, há re­gue­to­nei­ras de destaque, co­mo Ka­rol G, Nat­ti Na­tasha e Anit­ta.

A can­to­ra bra­si­lei­ra en­trou na lis­ta da re­vis­ta Bill­bo- ard em de­zem­bro, com o hit “Vai Ma­lan­dra”, ga­ran­tin­do a 10ª po­si­ção na lis­ta dos 50 ar­tis­tas mais in­flu­en­tes na in­ter­net, su­pe­ran­do as­tros co­mo Jus­tin Bi­e­ber, Beyon­cé e Lady Ga­ga. A apos­ta na car­rei­ra in­ter­na­ci­o­nal con­ti­nua ren­den­do frutos. Em mar­ço, Anit­ta che­gou ao 7º lu­gar no ran­king. Seu úl­ti­mo sin­gle, “Me­di­ci­na”, uma apos­ta no reg­ga­e­ton, can­tan­do em es­pa­nhol e gra­va­do na Colôm­bia, com equi­pe to­tal­men­te la­ti­na, foi lan­ça­do no fi­nal de ju­lho e ren­deu-lhe elo­gi­os da im­pren­sa in­ter­na­ci­o­nal. A re­vis­ta da Bill­bo­ard EUA, que a de­fi­ne co­mo “a deu­sa pop bra­si­lei­ra”, afir­mou que o lan­ça­men­to é “tão con­ta­gi­an­te qu­an­to su­as ou­tras mú­si­cas”.

“A so­ci­e­da­de não mu­dou es­pon­ta­ne­a­men­te, e avan­çou sen­do me­nos pa­tri­ar­cal gra­ças ao tra­ba­lho de mu­lhe­res em ou­tros tem­pos. Um exem­plo que abriu o ca­mi­nho na mú­si­ca pa­ra as mu­lhe­res é Ma­don­na”, diz Lau­ra Viñu­e­la, mu­si­có­lo­ga fe­mi­nis­ta e con­sul­to­ra de gê­ne­ro. O ca­so de Ma­don­na no pop tam­bém é pre­ce­di­do no sé­cu­lo pas­sa­do por fi­gu­ras co­mo Bil­lie Ho­li­day no jazz, Wan­da Jack­son no coun­try, Ja­nis Jo­plin no blu­es e Pat­ti Smith no rock. Mas bas­ta uma sim­ples olha­da na lis­ta da NPR Mu­sic pa­ra ve­ri­fi­car que a li­de­ran­ça cri­a­ti­va fe­mi­ni­na em nos­sos di­as não é al­go pon­tu­al. Es­tá em to­das as áre­as. Ne­la tam­bém apa­re­cem o pop dan­çan­te de Rihan­na, Lady Ga­ga, Flo­ren­ce and The Ma­chi­ne, Lor­de e Dua Li­pa; o rap de Ms. Lauryn Hill e Car­di B; o rock de Court­ney Bar­nett, Haim e Ye­ah Ye­ah Ye­ahs; o folk de Bran­di Car­li­le e Feist; o soul de Sha­ron Jo­nes, Ery­kah Ba­du e Ala­ba­ma Sha­kes; o blu­es re­vi­sa­do de Va­le­ri­ne Ju­ne e Rhi­an­non Gid­dens; o jazz de Cé­ci­le Mclo­rin Sal­vant e Lizz Wright ou a su­ges­tão in­die de Re­gi­na Spek­tor, Jo­an­na New­som e Sha­ron Van Et­ten. Há tam­bém as su­per­ven­dá­veis, co­mo Tay­lor Swift e Ade­le, que se re­pe­te com vá­ri­as mú­si­cas na se­le­ção da rádio nor­te-ame­ri­ca­na. Na re­a­li­da­de, além des­te tra­ba­lho da NPR Mu­sic, o sé­cu­lo XXI tem ou­tros fa­tos de­fi­ni­ti­vos que refletem o va­lor trans­cen­den­tal das mu­lhe­res na mú­si­ca, co­mo os re­cor­des de Ade­le em ven­da de dis­cos, tor­nan­do-se a ar­tis­ta mais co­mer­ci­al des­te sé­cu­lo. Além dis­so, en­tre as tur­nês mais es­pe­ta­cu­la­res e de mai­or bi­lhe­te­ria es­tão as de Beyon­cé e Lady Ga­ga, que tam­bém os­ten­ta, aci­ma de Paul Mc­cart­ney, Bru­ce Springs­te­en, Prin­ce e Rol­ling Sto­nes, o re­cor­de de au­di­ên­cia, com mais de 150 mi­lhões de es­pec­ta­do­res no in­ter­va­lo do Super Bo­wl, a gran­de vi­tri­ne mi­diá­ti­ca do ano nos Es­ta­dos Uni­dos. A so­ci­e­da­de tem avan­ça­do na igual­da­de e is­so tam­bém se re­fle­te na mú­si­ca. Mas ain­da há um lon­go ca­mi­nho a per­cor­rer. Por exem­plo, con­se­guir mais pre­sen­ça fe­mi­ni­na na pro­gra­ma­ção dos fes­ti­vais e dis­tri­buir mais prê­mi­os pa­ra mu­lhe­res em even­tos do se­tor, co­mo o Grammy nos EUA. É o que Viñu­e­la de­fi­ne co­mo “al­can­çar uma re­a­li­da­de de lon­go pra­zo”. Por­que, sem elas, de­fi­ni­ti­va­men­te, o rit­mo de nos­sos di­as se­ria mui­to me­nos con­ta­gi­an­te, ale­gre, re­sis­ten­te, emo­ti­vo, sen­su­al, triun­fan­te.

IMA­GEM DO VIDEOCLIPE DE ‘ME­DI­CI­NA’

Ima­gem do videoclipe de ‘Me­di­ci­na’, úl­ti­mo ‘sin­gle’ de Anit­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.