in­cên­dio no Mu­seu na­ci­o­nal

a Pri­mei­ra ins­ti­tui­ção Ci­en­tí­fi­ca da His­tó­ria do País

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

omu­seu Na­ci­o­nal, a mais an­ti­ga ins­ti­tui­ção ci­en­tí­fi­ca bra­si­lei­ra e o mu­seu mais an­ti­go do país, foi des­truí­do por um in­cên­dio de gran­des pro­por­ções na noi­te des­te do­min­go. as cha­mas co­me­ça­ram por vol­ta de 19h30, quan­do o pré­dio his­tó­ri­co, na Quin­ta da Boa Vis­ta, zo­na nor­te do rio de Ja­nei­ro, já ha­via si­do fe­cha­do pa­ra o pú­bli­co. se­gun­do o cor­po de Bom­bei­ros, que con­se­gui­ram con­tro­lar as cha­mas por vol­ta das 3h des­ta se­gun­da-fei­ra, não há no­tí­ci­as de fe­ri­dos. Ha­via ape­nas qua­tro vi­gi­lan­tes no lo­cal no mo­men­to em que o fo­go co­me­çou e eles con­se­gui­ram es­ca­par.

Nas pri­mei­ras ho­ras des­ta ma­nhã, pe­que­nos fo­cos de in­cên­dio ain­da per­sis­tem. ao to­do, 80 bom­bei­ros e 21 vi­a­tu­ras par­ti­ci­pa­ram do com­ba­te às cha­mas, que fi­ze­ram ar­der o edi­fí­cio du­ran­te mais de se­te ho­ras.

No do­min­go, ima­gens aé­re­as mos­tra­ram o edi­fí­cio com­ple­ta­men­te to­ma­do pe­las cha­mas e a di­fi­cul­da­de dos bom­bei­ros de con­tro­lá­las. Pou­cos mi­nu­tos de­pois de de­fla­gra­do o in­cên­dio, já ha­via se­to­res do pré­dio sem qual­quer co­ber­tu­ra de te­lha­do. “Não vai so­brar ab­so­lu­ta­men­te na­da do mu­seu Na­ci­o­nal”, afir­mou o vi­ce-di­re­tor da ins­ti­tui­ção, luiz fer­nan­do Di­as Du­ar­te, em en­tre­vis­ta à Glo­bo­news. “os 200 anos de his­tó­ria do país fo­ram quei­ma­dos”, dis­se. Na por­ta do lo­cal, pro­fes­so­res, alu­nos e pes­qui­sa­do­res cho­ram en­quan­to pre­sen­ci­am a des­trui­ção.

ain­da não há pis­tas do que po­de ter ini­ci­a­do as cha­mas. se­gun­do o cor­po de Bom­bei­ros, o tra­ba­lho foi di­fi­cul­ta­do por­que os hi­dran­tes do mu­seu es­ta­vam des­car­re­ga­dos e foi ne­ces­sá­rio pe­dir o apoio de car­ros-pi­pa. al­guns pa­vi­men­tos in­ter­nos do pré­dio de­sa­ba­ram, mas os bom­bei­ros con­se­gui­ram re­ti­rar uma par­te do acer­vo an­tes. atu­am no com­ba­te às cha­mas equi­pes de 20 quar­téis do rio de Ja­nei­ro.

o pré­dio foi cri­a­do por D. João Vi e com­ple­tou 200 anos em 2018. o edi­fí­cio é tom­ba­do pe­lo pa­trimô­nio his­tó­ri­co e foi re­si­dên­cia da fa­mí­lia re­al e im­pe­ri­al bra­si­lei­ra. sua es­tru­tu­ra é de ma­dei­ra, o que per­mi­te que as cha­mas se es­pa­lhem com mais fa­ci­li­da­de. o pré­dio tam­bém so­fria com a fal­ta de ma­nu­ten­ção, co­mo cu­pins que cor­roíam a es­tru­tu­ra e que­da de re­bo­co. em fe­ve­rei­ro des­te ano, ale­xan­der Kell­ner, di­re­tor do mu­seu, re­cla­mou ao jor­nal o Glo­bo da fal­ta de ver­ba pa­ra a ma­nu­ten­ção do lo­cal. “fe­liz­men­te es­sas pra­gas [mor­ce­gos e gam­bás] não têm apa­re­ci­do no acer­vo, mas ain­da po­dem ser vis­tas nas áre­as co­muns. o mai­or pro­ble­ma são as go­tei­ras. fi­ca­mos pre­o­cu­pa­dos quan­do cai uma tem­pes­ta­de por­que só te­mos ver­bas pa­ra me­di­das pa­li­a­ti­vas de pre­ven­ção.”

o acer­vo do mu­seu é com­pos­to por cer­ca de 20 mi­lhões de itens. en­tre os des­ta­ques es­tão a co­le­ção egíp­cia, que co­me­çou a ser ad­qui­ri­da pe­lo im­pe­ra­dor Dom Pedro i; o mais an­ti­go fós­sil hu­ma­no já en­con­tra­do no país, ba­ti­za­do de “lu­zia”, com cer­ca de 11.000 anos; um diá­rio da im­pe­ra­triz le­o­pol­di­na; um trono do rei­no de Da­o­mé, da­do ao Prín­ci­pe re­gen­te D. João Vi, em 1811; o mai­or e mais im­por­tan­te acer­vo in­dí­ge­na e uma das bi­bli­o­te­cas de an­tro­po­lo­gia mais ri­cas do país. até es­te mo­men­to não é pos­sí­vel sa­ber exa­ta­men­te qual o da­no pro­vo­ca­do pe­las cha­mas, mas, se­gun­do um fun­ci­o­ná­rio da ins­ti­tui­ção que acom­pa­nha­va o tra­ba­lho dos bom­bei­ros dis­se à Glo­bo­news, to­da a área de ex­po­si­ção do mu­seu foi atin­gi­da.

a ins­ti­tui­ção, li­ga­da à Uni­ver­si­da­de fe­de­ral do rio de Ja­nei­ro (Ufrj), vi­nha so­fren­do com os cor­tes or­ça­men­tá­ri­os há pe­lo me­nos três anos. alu­nos do Pro-

grama de Pós-gra­du­a­ção em an­tro­po­lo­gia so­ci­al da uni­ver­si­da­de, que atu­am no mu­seu, che­ga­ram a cri­ar me­mes em que mos­tra­vam fós­seis à es­pe­ra de ver­ba, iro­ni­zan­do os cor­tes, quan­do, na épo­ca, a pre­vi­são era a de que só se re­ce­be­ria 25% do or­ça­men­to pre­vis­to pa­ra pes­qui­sa no ano. tam­bém em 2015, o mu­seu che­gou a fi­car fe­cha­do por dez di­as após uma gre­ve de fun­ci­o­ná­ri­os da lim­pe­za que re­cla­ma­vam sa­lá­ri­os atra­sa­dos. Nas re­des so­ci­ais, pes­qui­sa­do­res, alu­nos e pro­fes­so­res bra­si­lei­ros tam­bém com­par­ti­lham seus de­poi­men­tos, la­men­tan­do o ocor­ri­do e cre­di­tan­do a tragédia ao cor­te de cus­tos vi­vi­do nos úl­ti­mos anos.

ain­da em en­tre­vis­ta à Glo­bo­news, o vi­ce-di­re­tor do mu­seu Na­ci­o­nal qua­li­fi­cou o in­cên­dio co­mo uma “ca­tás­tro­fe in­su­por­tá­vel”. “o ar­qui­vo de 200 anos vi­rou pó”, dis­se. “são 200 anos de me­mó­ria, ci­ên­cia, cul­tu­ra e edu­ca­ção, tu­do se per­den­do em fu­mo por fal­ta de su­por­te e cons­ci­ên­cia da clas­se po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra. meu sen­ti­men­to é de imen­sa rai­va por tu­do o que lu­ta­mos e que foi per­di­do na va­la co­mum”, res­sal­tou ele, que afir­mou que no ani­ver­sá­rio de 200 anos da ins­ti­tui­ção ne­nhum mi­nis­tro de es­ta­do acei­tou par­ti­ci­par da co­me­mo­ra­ção. “É uma pe­que­na mos­tra do des­ca­so”, dis­se ele, que afir­mou que a ins­ti­tui­ção es­ta­va fe­chan­do uma ne­go­ci­a­ção com o Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co e so­ci­al (BNDES), que in­cluía, jus­ta­men­te, um pro­je­to de pre­ven­ção de in­cên­di­os. “Ve­ja, con­se­gui­mos is­so jun­to a um ban­co. Nun­ca con­se­gui­mos na­da do Go­ver­no bra­si­lei­ro. a uni­ver­si­da­de fe­de­ral vi­ve à min­gua”, de­sa­ba­fou.

o mi­nis­tro da cul­tu­ra, sér­gio sá lei­tão, afir­mou em en­tre­vis­ta à Glo­bo­news que o ocor­ri­do é par­te do “pro­ces­so de ne­gli­gên­cia de anos an­te­ri­o­res”. “Que is­so sir­va de aler­ta pa­ra que não acon­te­ça em ou­tros mu­seus. me­di­das que po­de­ri­am ter si­do to­ma­das an­te­ri­or­men­te não fo­ram to­ma­das”, des­ta­cou ele, que dis­se que foi feito um pro­je­to pa­ra a re­vi­ta­li­za­ção do pré­dio e os re­cur­sos fo­ram le­van­ta­dos, “mas não deu tem­po de evi­tar a tragédia”.

em no­ta, o pre­si­den­te mi­chel te­mer afir­mou que a per­da do acer­vo do mu­seu Na­ci­o­nal é “in­cal­cu- lá­vel pa­ra o Bra­sil”. “Ho­je é um dia trá­gi­co pa­ra a mu­se­o­lo­gia de nos­so país. fo­ram per­di­dos 200 anos de tra­ba­lho, pes­qui­sa e co­nhe­ci­men­to. o va­lor pa­ra nos­sa his­tó­ria não se po­de men­su­rar, pe­los da­nos ao pré­dio que abri­gou a fa­mí­lia re­al du­ran­te o im­pé­rio. É um dia tris­te pa­ra to­dos bra­si­lei­ros”. o mi­nis­té­rio da edu­ca­ção, ao qual à Ufrj é li­ga­da, tam­bém la­men­tou por no­ta e dis­se que “não me­di­rá es­for­ços pa­ra au­xi­li­ar a uni­ver­si­da­de no que for ne­ces­sá­rio pa­ra a re­cu­pe­ra­ção do pa­trimô­nio his­tó­ri­co.”

Ta­nia re­go/ agen­cia Bra­sil

Ta­nia re­go agen­cia Bra­sil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.