Ci­ro Go­mes se ves­te de es­quer­da ‘não radical’

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

As­sim que fer­nan­do Had­dad foi ofi­ci­a­li­za­do co­mo o can­di­da­to do Pt à pre­si­dên­cia, ci­ro Go­mes (PDT) ace­le­rou seu pas­so ru­mo aos ata­ques à cha­pa pe­tis­ta. “o Bra­sil não aguen­ta mais ou­tra Dil­ma”, dis­se o pe­de­tis­ta nes­ta quar­ta-fei­ra em sa­ba­ti­na no jor­nal o Glo­bo. com a frase, ele tenta co­lar no ex-prefeito pau­lis­ta­no a ima­gem de pos­te atri­buí­do à ex-pre­si­den­ta, que ti­nha 9% de apro­va­ção quan­do so­freu o im­pe­a­ch­ment em 2016. o anún­cio de Had­dad, fei­to no dia se­guin­te aos re­sul­ta­dos da úl­ti­ma pes­qui­sa Da­ta­fo­lha, de­vem cris­ta­li­zar es­sa es­tra­té­gia de ci­ro Go­mes de dis­pu­tar o voto do elei­to­ra­do pro­gres­sis­ta que es­tá de­cep­ci­o­na­do com o Pt. De acor­do com o le­van­ta­men­to, ci­ro pas­sou de 10%, no fi­nal de agos­to, pa­ra 13% das in­ten­ções de voto ago­ra. Já Had­dad, quan­do ain­da não era o can­di­da­to ofi­ci­al mas se man­ti­nha em cam­pa­nha, pas­sou de 4% pa­ra 9%.

com o se­gun­do lu­gar da pes­qui­sa em­ba­ra­lha­do por qua­tro can­di­da­tos – além de ci­ro e Had­dad, disputam um es­pa­ço no se­gun­do tur­no ma­ri­na silva (11%) e Ge­ral­do alck­min (10%) – o pe­de­tis­ta de­ve cor­rer pa­ra abo­ca­nhar par­te do elei­to­ra­do de ma­ri­na e ou­tros tan­tos da­que­les que vo­ta­ri­am em lula, mas rejeitam ou não es­tão 100% se­gu­ros so­bre a es­co­lha de Had­dad.

a es­tra­té­gia de ci­ro, se­gun­do car­los lu­pi, pre­si­den­te do PDT, é con­so­li­dar o pe­de­tis­ta co­mo o can­di­da­to da es­quer- da não-radical, e ten­tar fu­rar a bo­lha de dis­pu­ta entre Pt e PSDB, apre­sen­tan­do-o co­mo uma via pro­gres­sis­ta fora do Par­ti­do dos tra­ba­lha­do­res. “a gen­te tem fei­to es­se dis­cur­so, de que não so­mos o Pt, mas, ao mes­mo tem­po, não so­mos an­ti­pe­tis­tas”, diz lu­pi. “es­sa é a es­tra­té­gia des­de o iní­cio da cam­pa­nha”.

De fa­to, ci­ro vem mi­ran­do no elei­tor “cons­tran­gi­do” com o Pt, co­mo ele mes­mo de­fi­ne, há al­gum tem­po. Nas ru­as, seu dis­cur­so se de­mons­tra afi­na­do com o pla­no de sua cam­pa­nha. No iní­cio da se­ma­na, o can­di­da­to afir­mou que o Pt tam­bém co­la­bo­rou pa­ra a ra­di­ca­li­za­ção do Bra­sil, co­lo­can­do o Par­ti­do de lula no lu­gar da es­quer­da radical e se po­si­ci­o­nan­do co­mo o can­di­da­to mais cen­tra­do, qua­se um paz e amor, não fos­se a fa­ma de seu tem­pe­ra­men­to ex­plo­si­vo. “eu acho que es­tou de­mons­tran­do ao po­vo bra­si­lei­ro que eu in­ter­pre­to o me­lhor pro­je­to pa­ra o Bra­sil, e, na po­lí­ti­ca, nos­sa po­si­ção é en­cer­rar es­sa crônica de con­fron­ta­ção ra­di­ca­li­za­da que infelizmente o Pt tam­bém co­la­bo­rou pa­ra acon­te­cer”, afir­mou, em mauá (sp).

Nes­se ce­ná­rio de ten­ta­ti­va de rom­pi­men­to da po­la­ri­za­ção entre pe­tis­tas e tu­ca­nos, Pau­lo cal­mon, ci­en­tis­ta po­lí­ti­co da Uni­ver­si­da­de de Bra­sí­lia (UNB), afir­ma que o pe­de­tis­ta tem se mos­tra­do a mais pro­vá­vel “ter­cei­ra via” —po­si­ção que ma­ri­na silva (re­de) tenta en­car­nar des­de 2014. “ci­ro tal­vez se­ja o can­di­da­to mais pre­pa­ra­do, se apre­sen­ta bem nos de­ba- tes e entrevistas e encarna bem o que chama de ala pro­gres­sis­ta”, diz. “ele dis­pu­ta a pre­fe­rên­cia des­sa ala pro­va­vel­men­te com o can­di­da­to do Pt, Had­dad, e um pou­co me­nos com ma­ri­na, por­que ela de cer­ta for­ma as­su­miu uma po­si­ção mais ao cen­tro”, ex­pli­ca.

em números, a dis­pu­ta con­fir­ma a te­o­ria de cal­mon: o vá­cuo dei­xa­do por lula im­pul­si­o­nou tan­to ci­ro qu­an­to Had­dad, di­vi­din­do as­sim, o elei­to­ra­do pro­gres­sis­ta. ao que tu­do in­di­ca, am­bos abo­ca­nha­ram par­te dos vo­tos per­di­dos pe­la am­bi­en­ta­lis­ta da re­de. Dos cin­co pri­mei­ros co­lo­ca­dos, ma­ri­na foi a úni­ca que caiu: de 16% pa­ra 11% das in­ten­ções de voto, se­gun­do o Da­ta­fo­lha de 10 de se­tem­bro. a mes­ma pes­qui­sa mos­tra tam­bém que ci­ro tem boa vo­ta­ção até entre os pe­tis­tas con­vic­tos: 18% das pes­so­as que afir­mam ter co­mo par­ti­do de pre­fe­rên­cia o Pt di­zem que vo­ta­ri­am ne­le, um nú­me­ro qua­tro pon­tos per­cen­tu­ais mai­or que o re­gis­tra­do em 22 de agos­to —nes­te pe­río­do, Had­dad su­biu de 11% pa­ra 30% nes­te seg­men­to.

A apos­ta de cal­mon, por­tan­to, é que o se­gun­do tur­no se­ja dis­pu­ta­do por um can­di­da­to mais con­ser­va­dor e ou­tro do cam­po pro­gres­sis­ta. “Na ala con­ser­va­do­ra, Jair Bolsonaro (Psl) até ago­ra tem de­mons­tra­do ampla van­ta­gem so­bre alck­min (PSDB), e na es­quer­da, a dis­pu­ta fi­ca­ria entre Had­dad, ma­ri­na e ci­ro”, diz. Pa­ra ele, po­rém, ci­ro lar­ga na fren­te do pe­tis­ta, não só por já es­tar em cam­pa­nha há mais tem­po, co­mo tam­bém por in­cor­po­rar me­lhor a ima­gem de mu­dan­ça, já que Had­dad tem, com o Pt,

o re­call da la­va Ja­to e da cri­se econô­mi­ca. “Por ou­tro la­do, Had­dad tem um elei­to­ra­do mui­to fi­el. en­tão, a pergunta é: em que me­di­da ele vai con­se­guir atrair toda es­sa gama de elei­to­res tra­di­ci­o­nais do Pt e ex­pan­dir seu apoio pa­ra o se­gun­do tur­no?”, ques­ti­o­na. “Já ci­ro, apoi­a­do por um par­ti­do me­nor, em que me­di­da vai con­se­guir se apre­sen­tar co­mo can­di­da­to pro­gres­sis­ta, e, ao mes­mo tem­po, co­mo al­guém que re­pre­sen­te a mu­dan­ça?”.

De­pois que Had­dad dei­xou o pos­to de vi­ce pa­ra ser o ti­tu­lar, a se­gun­da po­si­ção ain­da é um pon­to im­por­tan­te pa­ra a de­ci­são do voto. en­quan­to o pe­tis­ta le­va ma­nu­e­la d’ávi­la (Pc­dob) em sua cha­pa, uma can­di­da­ta jo­vem, que se iden­ti­fi­ca com as mu­lhe­res e o mo­vi­men­to feminista, ci­ro compôs com Kátia abreu (PDT), próxima do agro­ne­gó­cio e dos ru­ra­lis­tas e po­lê­mi­ca em re­la­ção a de­mar­ca­ções de ter­ras in­dí­ge­nas. Pa­ra cal­mon, es­ses fa­to­res po­dem depor con­tra a cha­pa de ci­ro ao ten­tar atrair a con­fi­an­ça da es­quer­da, mas há ou­tras va­riá­veis que de­vem ser pon­de­ra­das. “É im­por­tan­te no­tar que, em­bo­ra as ba­ses elei­to­rais de Kátia abreu se­jam tra­di­ci­o­nal­men­te o agro­ne­gó­cio, ela as­su­miu uma po­si­ção bas­tan­te pro­gres­sis­ta es­pe­ci­al­men­te em apoio a Dil­ma na épo­ca do im­pe­a­ch­ment”, diz. “ela as­su­miu uma pos­tu­ra bas­tan­te crí­ti­ca com es­se mo­vi­men­to e se iden­ti­fi­cou mui­to co­mo mu­lher. acho que es­sas ca­rac­te­rís­ti­cas não são ca­pa­zes de anu­lar a pro­xi­mi­da­de de­la com o agro­ne­gó­cio, mas se so­bres­sa­em”.

O Cam­po de ba­ta­lha no nor­des­te

Pa­ra tú­lio Ve­lho Bar­re­to, ci­en­tis­ta po­lí­ti­co e pes­qui­sa­dor da fun­da­ção Jo­a­quim Na­bu­co, no re­ci­fe, não há ou­tro ca­mi­nho pa­ra ci­ro Go­mes cres­cer que não pas­se pe­la dis­pu­ta pe­los vo­tos do Pt. “ma­ri­na tem um elei­to­ra­do ca­ti­vo, em fun­ção de já ter dis­pu­ta­do du­as elei­ções. a apos­ta de ci­ro tem que ser nos vo­tos do Pt”, diz. e pa­ra con­quis­tar es­se elei­to­ra­do mais à es­quer­da, e que ain­da po­de es­tar in­de­ci­so, o pe­de­tis­ta pre­ci­sa­rá con­ti­nu­ar ex­plo­ran­do a re­gião Nor­des­te. “ci­ro tem que apos­tar no elei­to­ra­do de lula que, em par­te, es­tá no Nor­des­te”, afir­ma Bar­re­to.

com 26% do elei­to­ra­do bra­si­lei­ro, o Nor­des­te é a úni­ca re­gião on­de so­men­te ci­ro e Had­dad cres­ce­ram nas in­ten­ções de voto, se­gun­do o Da­ta­fo­lha: ci­ro foi de 14%, no fi­nal de agos­to, pa­ra 20% ago­ra. e Had­dad su­biu de 5% pa­ra 13% no mes­mo pe­río­do. “o Nor­des­te é o que cha­ma­mos de bat­tle grown [cam­po de ba­ta­lha] pa­ra os dois can­di­da­tos. e os dois vão precisar de mui­tos vo­tos ali, pa­ra com­pen­sar a divisão dos vo­tos que te­rão no sul e su­des­te”, diz Pau­lo cal­mon, da UNB. De acor­do com ele, am­bos os can­di­da­tos têm van­ta­gens e fra­gi­li­da­des nes­sa re­gião. “Had­dad não tem apelo no Nor­des­te, mas de­pen­de da ca­pa­ci­da­de de lula trans­fe­rir vo­tos pra ele. e ci­ro ca­re­ce de ba­se par­ti­dá­ria, mas é da re­gião”.

De­pois que Had­dad in- cor­po­rou a cam­pa­nha do Pt, mes­mo co­mo o can­di­da­to não ofi­ci­al, o ce­ná­rio no Nor­des­te mu­dou. o per­cen­tu­al de vo­tos bran­cos, nu­los ou em ne­nhum can­di­da­to, que em agos­to era de 28%, ago­ra caiu pa­ra 18%, pul­ve­ri­za­do entre o pe­tis­ta e ci­ro, já que ma­ri­na silva caiu de 19% pa­ra 11% na re­gião. os de­mais, se man­ti­ve­ram ou os­ci­la­ram den­tro da mar­gem de er­ro, que é de dois pon­tos per­cen­tu­ais pa­ra mais ou pa­ra me­nos. o cres­ci­men­to de ci­ro Go­mes, por­tan­to, de­pen­de da dú­vi­da do elei­to­ra­do pe­tis­ta so­bre a ca­pa­ci­da­de de cres­ci­men­to e re­pre­sen­ta­ção de Had­dad co­mo o can­di­da­to de lula. “ci­ro não tem ou­tro elei­to­ra­do a não ser o elei­to­ra­do do Pt”, diz tú­lio Ve­lho Bar­re­to.

com is­so, a dis­pu­ta de ho­je re­me­mo­ra a elei­ção de 1989, quan­do le­o­nel Bri­zo­la (PDT) bus­cou apoio de lula pa­ra com­por uma cha­pa com o pe­tis­ta co­mo vi­ce. Na épo­ca, lula des­de­nhou do pe­de­tis­ta gaú­cho e não acei­tou a ali­an­ça por ser con­trá­rio à po­lí­ti­ca de Ge­tú­lio Var­gas, de­fen­di­da por Bri­zo­la. Na­que­la dis­pu­ta, o pe­tis­ta fi­cou gran­de par­te do tem­po em ter­cei­ro lu­gar nas pes­qui­sas, atrás de Bri­zo­la e fer­nan­do col­lor de me­lo (PRN), mas no fi­nal, aca­bou che­gan­do no se­gun­do tur­no. o re­vés ocor­reu quan­do Bri­zo­la te­ve que en­go­lir o “sa­po bar­bu­do”, co­mo ele mes­mo dis­se, e apoi­ar o pe­tis­ta no se­gun­do tur­no pa­ra não fi­car ao la­do de col­lor.

Ci­ro Go­mes (PDT) du­ran­te ca­mi­nha­da em Mauá, re­gião me­tro­po­li­ta­na de São Pau­lo

Leo ca­na­bar­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.