HAD­DAD E BOL­SO­NA­RO, OS DOIS MAI­O­RES AL­VOS NO QUAR­TO DE­BA­TE PRE­SI­DEN­CI­AL

Brasil em Folhas - - Pri­mei­ra Pá­gi­na -

Opri­mei­ro de­ba­te pre­si­den­ci­al des­ta elei­ção com a pre­sen­ça de um can­di­da­to pe­tis­ta expôs o po­der de atra­ção do po­lo que se es­ta­be­le­ceu no to­po de disputa. fernando Had­dad (Pt) di­vi­diu com o de­pu­ta­do Jair Bol­so­na­ro (Psl-rj), que se­gue hos­pi­ta­li­za­do após aten­ta­do a fa­ca no iní­cio do mês, o pa­pel de al­vo no quar­to em­ba­te en­tre os can­di­da­tos nes­ta cam­pa­nha, pro­mo­vi­do pe­la con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal dos Bis­pos do Bra­sil (CNBB) e pe­la tv apa­re­ci­da. “To­dos os par­ti­dos de­ve­ri­am fa­zer uma au­to­crí­ti­ca, mas o Pt lança can­di­da­to em por­ta de pe­ni­ten­ciá­ria”, dis­se o ex-go­ver­na­dor Ge­ral­do alck­min (PSBD) em um dos ata­ques ao subs­ti­tu­to do ex-pre­si­den­te luiz iná­cio lula da sil­va na cor­ri­da pre­si­den­ci­al.

No en­con­tro em que a igre­ja ca­tó­li­ca e su­as tvs mos­tra­ram mais uma vez sua ca­pa­ci­da­de de in­fluên­cia, Had­dad tam­bém foi al­vo de Hen­ri­que mei­rel­les (MDB), que o as­so­ci­ou ao Go­ver­no Dil­ma rous­seff; de ci­ro Go­mes (PDT), que o co­brou, no que cha­mou de “uma pi­ni­ca­di­nha”, pe­lo fa­to de o Pt não ter fei­to, du­ran­te os 14 anos em que es­te­ve no po­der, re­for­mas tri­bu­tá­ri­as pa­ra re­du­zir a de­si­gual­da­de no país; e do se­na­dor al­va­ro Di­as (Po­de­mos-pr), que se des­ta­cou nas re­des so­ci­ais ao cha­mar o pe­tis­ta de “por­ta-voz da tra­gé­dia” e “re­pre­sen­tan­te do caos”, en­tre ou­tros des­qua­li­fi­ca­ti­vos. ape­sar das al­fi­ne­ta­das, o modelo do de­ba­te não fa­vo­re­ceu os con­fron­tos di­re­tos en­tre os can­di­da­tos – eles não pu­de­ram es­co­lher a quem per­gun­tar, já que to­das as in­te­ra­ções fo­ram de­fi­ni­das por meio de sor­tei­os. a sor­te per­mi­tiu que os em­ba­tes mais aguar­da­dos, en­tre alck­min e Had­dad e en­tre ci­ro e o pe­tis­ta, ocor- res­sem ape­nas uma vez. o res­to das per­gun­tas foi fei­to por jor­na­lis­tas das emis­so­ras li­ga­das à igre­jas ou por bis­pos, o que atri­bui ao de­ba­te uma mai­or ga­ma de as­sun­tos, mas im­pe­diu que os can­di­da­tos de­sen­vol­ves­sem com mais fô­le­go su­as pro­pos­tas. tal­vez por con­ta do modelo, o de­ba­te não fluiu co­mo os três pri­mei­ros, e boa par­te das in­ter­ven­ções dos pre­si­den­ciá­veis so­ou her­mé­ti­ca.

lo­go em sua pri­mei­ra in­ter­ven­ção, Had­dad fez ques­tão de men­ci­o­nar o ex-pre­si­den­te lula, pre­so des­de abril e can­di­da­to do Pt à Pre­si­dên­cia até ser subs­ti­tuí­do nes­te mês pe­lo ex-pre­fei­to de são Pau­lo. o pe­tis­ta usou o seu tem­po pa­ra rei­vin­di­car o le­ga­do do ex-pre­si­den­te e pa­ra co­lar alck­min e seu PSDB ao Go­ver­no de mi­chel te­mer. em res­pos­ta a dom odi­lo sche­rer, ar­ce­bis­po de são Pau­lo, ele pro­me­teu for­ta­le­cer to­das as ins­ti­tui­ções que com­ba­tem a cor­rup­ção. “Pa­ra is­so pre­ci­sa­mos ter uma con­tro­la­do­ria, uma Polícia fe­de­ral e uma Jus­ti­ça for­te e apar­ti­dá­ria”, dis­se, afir­man­do que o Pt for­ta­le­ceu es­sas ins­ti­tui­ções en­quan­to

es­te­ve no Go­ver­no. foi ao ten­tar as­so­ci­ar alck­min a te­mer, en­tre­tan­to, que Had­dad abriu ca­mi­nho pa­ra os ata­ques do ad­ver­sá­rio. o pe­tis­ta ques­ti­o­nou o tu­ca­no so­bre o te­to de gas­tos pú­bli­cos es­ta­be­le­ci­do pe­lo atu­al Go­ver­no e a re­for­ma tra­ba­lhis­ta, que ele pro­me­teu re­vo­gar. “es­ta­mos com 13 mi­lhões de de­sem­pre­ga­dos, he­ran­ça da Dil­ma e do Pt”, res­pon­deu o tu­ca­no. “Não pre­ci­sa­ria do te­to de gas­tos se não fos­se o Go­ver­no do Pt”, emen­dou. alck­min dis­se que a si­tu­a­ção do Bra­sil é de­li­ca­da e, sem­pre ten­tan­do se des­co­lar de te­mer, pro­me­teu re­for­mas já no iní­cio do ano pa­ra a eco­no­mia vol­tar a cres­cer.

o mai­or in­ci­si­vo con­tra Had­dad du­ran­te o de­ba­te foi al­va­ro Di­as, que usou to­do o tem­po de em­ba­te en­tre os dois pa­ra fa­zer ata­ques ao Pt, o par­ti­do da “cren­ça na ig­no­rân­cia”, o “arau­to da in­to­le­rân­cia”, que “dis­tri­buiu a po­bre­za pa­ra to­dos e a ri­que­za pa­ra al­guns”. a es­tra­té­gia lhe ren­deu ser um dos a

Bol­so­na­ro

tam­bém não fal­ta­ram crí­ti­cas a Jair Bol­so­na­ro, mas elas par­ti­ram de mei­rel­les, Gui­lher­me Bou­los (Psol) e ma­ri­na sil­va (re­de). sem­pre to­man­do o cui­da­do de não so­a­rem des­res­pei­to­sos ao mi­rar con­tra um can­di­da­to hos­pi­ta­li­za­do, os três se re­ve­za­ram em crí­ti­cas ao com­por­ta­men­to e às pro­pos­tas do ca­pi­tão re­for­ma­do do exér­ci­to. “Não é com vi­o­lên­cia que se com­ba­te a vi­o­lên­cia, dis­tri­buin­do ar­mas à po­pu­la­ção”, dis­se Bou­los ao abor­dar a ques­tão em de­ba­te com ma­ri­na. “Va­mos en­fren­tar o pro­ble­ma com pre­ven­ção. Não qu­e­re­mos que o jo­vem te­nha a pri­mei­ra ar­ma, mas o pri­mei­ro em­pre­go. Não po­de­mos usar co­mo exem­plo quem cri­ou a polícia que mais ma­ta e a polícia que mais mor­re.”

mei­rel­les pre­fe­riu cri­ti­car os pla­nos econô­mi­cos da can­di­da­tu­ra Bol­so­na­ro, mi­ran­do con­tra seu fi­a­dor econô­mi­co, Pau­lo Gu­e­des, e a pro­pos­ta de re­tor­no da cpmf que cir­cu­lou nos úl­ti­mos di­as sem mui­ta cla­re­za – e que foi ne­ga­da pe­la cam­pa­nha de Bol­so­na­ro. “Não é ne­ces­sá­rio fi­car cri­an­do mais tri­bu­tos. eu sou con­tra a re­e­di­ção da cpmf. es­sa con­fu­são en­tre o Bol­so­na­ro e seu eco­no­mis­ta-mor, que ele diz que é o Pos­to ipi­ran­ga, é um si­nal que es­se pos­to de­ve es­tar ten­do um in­cên­dio”, dis­se ma­ri­na.

Pa­ra o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co eduardo José Grin, pro­fes­sor do De­par­ta­men­to de Ges­tão Pú­bli­ca da FGV que co­men­tou o de­ba­te em tem­po re­al no el País, o con­fron­to dei­xou de­se­nha­dos três cam­pos: “Pe­tis­tas, an­ti­pe­tis­tas e os que se apre­sen­tam co­mo re­pre­sen­tan­tes de um cen­tro de­mo­crá­ti­co e re­for­mis­ta”. “Va­mos ver se is­so ser­ve pa­ra ba­lan­çar a po­la­ri­za­ção que se de­se­nha en­tre Bol­so­na­ro e Had­dad”, co­men­tou.

Os can­di­da­tos no de­ba­te da TV Apa­re­ci­da

DI­VUL­GA­ÇÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.