Te­mer si­na­li­za vo­ta­ção da Pre­vi­dên­cia após elei­ção

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Opre­si­den­te mi­chel te­mer, em en­con­tro, on­tem com em­pre­sá­ri­os, dis­se que o go­ver­no po­de ten­tar apro­var a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia ain­da es­te ano, de­pois das elei­ções. Pa­ra is­so, pre­ten­de dis­cu­tir o as­sun­to com o ven­ce­dor das ur­nas em ou­tu­bro. “a re­for­ma es­tá for­ma­ta­da e pron­ta e, evi­den­te­men­te, vai de­pen­der das con­ver­sas que eu ti­ver com o pre­si­den­te elei­to”, afir­mou ele, após o al­mo­ço or­ga­ni­za­do pe­la câ­ma­ra de co­mér­cio Bra­sil- es­ta­dos Uni­dos, em No­va York. Ho­je, ele, o pre­si­den­te par­ti­ci­pa ho­je da aber­tu­ra da as­sem­bleia Ge­ral da or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das.

“a re­for­ma po­de ter saí­do mo­men­ta­ne­a­men­te da pau­ta le­gis­la­ti­va, mas não saiu da pau­ta po­lí­ti­ca”, ga­ran­tiu te­mer. ele re­for­çou a ne­ces­si­da­de da mu­dan­ça no sis­te­ma de apo­sen­ta­do­ri­as pa­ra o equi­lí­brio das con­tas pú­bli­cas e afir­mou que es­sa re­a­li­da­de vem sen­do per­ce­bi­da pe­los can­di­da­tos ao Pa­lá­cio do Pla­nal­to.

ape­sar de ter si­do apro­va­da na co­mis­são es­pe­ci­al da câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, a pro­pos­ta de emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal (Pec) da Pre­vi­dên­cia es­tá im­pe­di­da de ser vo­ta­da em ple­ná­rio des­de fe­ve­rei­ro, de­vi­do ao de­cre­to de in­ter­ven­ção fe­de­ral no rio de Ja­nei­ro. Pa­ra que a ma­té­ria ou qual­quer ou­tra al­te­ra­ção na cons­ti­tui­ção se­ja apro­va­da, é pre­ci­so que o pre­si­den­te sus­pen­da ou der­ru­be o de­cre­to.

Na ava­li­a­ção do ju­ris­ta ives Gan­dra mar­tins, ha­ven­do su­pe­ra­ção dos mo­ti­vos, não há por­que a in­ter­ven­ção con­ti­nu­ar. “Não ha­ve­ria ne­nhum pro­ble­ma em sus­pen­der a in­ter­ven­ção fe­de­ral no rio, pois ela só se jus­ti­fi­ca en­quan­to per­du­ra­rem os mo­ti­vos que le­va­ram pre­si­den­te da re­pú­bli­ca a to­mar es­ta de­ci­são”, re­su­miu. en­tre téc­ni­cos do con­gres­so, con­tu­do, co­mo o pro­ble­ma de se­gu­ran­ça no rio não es­tá re­sol­vi­do, in­ter­rom­per a in­ter­ven­ção se­ria vis­to co­mo uma “bur­la”, que abri­ria bre­chas pa­ra en­fra­que­cer a car­ta mag­na.

De acor­do com te­mer, a pro­pos­ta que es­tá no con­gres­so te­rá mais chan­ces de ser vo­ta­da de­pois das elei­ções. “os se­na­do­res e de­pu­ta­dos não te­rão mais a pre­o­cu­pa­ção elei­to­ral”, pon­tu­ou. Uma fon­te do go­ver­no in­for­mou que a equi­pe econô­mi­ca pon­de­rou aos eco­no­mis­tas dos can­di­da­tos que o ven­ce- dor do plei­to ga­nha­ria “vá­ri­os me­ses de tra­mi­ta­ção” se apro­vas­sem a pro­pos­ta atu­al na câ­ma­ra e, se achas­sem ade­qua­do, a mo­di­fi­cas­sem no se­na­do.

“to­dos re­co­nhe­cem que se­ria pri­o­ri­tá­rio apro­var a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia (e ou­tras re­for­mas mais im­por­tan­tes) o mais rá­pi­do pos­sí­vel. se fo­rem par­tir do ze­ro, en­vi­ar um no­vo pro­je­to pa­ra a câ­ma­ra, te­rão que cum­prir pra­zos no­vos, e a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia fi­ca­ria pa­ra o se­gun­do se­mes­tre de 2019”, ex­pli­cou a fon­te.

DESGASTE

Pa­ra ale­xan­dre es­pi­ri­to san­to, eco­no­mis­ta da Óra­ma, não há dú­vi­das de que, pa­ra o pró­xi­mo pre­si­den­te, se­ria me­lhor apro­var a pro­pos­ta que já es­tá no con­gres­so , de mo­do a evi­tar o desgaste po­lí­ti­co da re­for­ma. “es­se te­ma é mui­to im­po­pu­lar. se o no­vo pre­si­den­te fi­car sem es­se ônus, se­ria po­si­ti­vo pa­ra ele”, fri­sou. Não à toa, o eco­no­mis­ta Pau­lo Gu­e­des, co­ta­do pa­ra ser o su­per­mi­nis­tro da eco­no­mia em um even­tu­al go­ver­no de Jair Bol­so­na­ro (Psl), que li­de­ra as pesquisas, ad­mi­tiu a um gru­po de in­ves­ti­do­res a in­ten­ção de ne­go­ci­ar com te­mer a vo­ta­ção da Pec ain­da es­te ano. “se ele fi­zer is­so, e é bom pa­ra ele fa­zer is­so, o avião que va­mos pe­gar não cai­rá na mi­nha ca­be­ça”, dis­se Gu­e­des. Zei­na la­tif, eco­no­mis­ta-che­fe da XP in­ves­ti­men­tos, po­rém, tem dú­vi­das se Bol­so­na­ro vai aca­tar a ideia.

ana­lis­tas lem­bram que até fer­nan­do Had­dad (Pt) tem si­na­li­za­do a in­ter­lo­cu­to­res ser fa­vo­rá­vel à pro­pos­ta do atu­al go­ver­no, ape­sar de o pro­gra­ma do par­ti­do não fa­la­rem re­for­ma e, sim, em de­vol­ver o equi­lí­brio das con­tas da Pre­vi­dên­cia “a par­tir da re­to­ma­da do em­pre­go”. “Had­dad tem um dis­cur­so mais mo­de­ra­do que o do pro­gra­ma do Pt, mas ain­da tem a des­con­fi­an­ça dos in­ves­ti­do­res”, co­men­tou a eco­no­mis­ta ales­san­dra ri­bei­ro, só­cia da ten­dên­ci­as con­sul­to­ria.

Cesar iti­be­rê/pr

Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Mi­chel Te­mer du­ran­te vi­si­ta a Blo­om­berg em No­va York

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.