Loi­ro e li­so, po­de?

Sai­ba o que é pos­sí­vel fa­zer pa­ra ter fi­os mais cla­ros e ali­sa­dos

Cabelo e Visual Especial - - Sempre Linda -

He­nê, que ali­sa e co­lo­re, é in­com­pa­tí­vel com qual­quer ou­tra quí­mi­ca

Beyon­cé, Rihan­na e Ro­ber­ta Ro­dri­gues são al­guns exem­plos de ne­gras loi­ras e ali­sa­das. Co­mo is­so é pos­sí­vel? Adi­an­ta­mos que não há mi­la­gres e há dois se­gre­di­nhos: o ca­be­lo tem que es­tar com a saú­de im­pe­cá­vel e a amô­nia é a gran­de vi­lã das res­tri­ções da in­com­pa­ti­bi­li­da­de quí­mi­ca.

ME­LHOR NÃO!

Os ali­sa­men­tos per­ma­nen­tes, co­mo os com ti­o­gli­co­la­to de amô­nia, hi­dró­xi­do de gua­ni­di­na e hi­dró­xi­do de só­dio, são in­com­pa­tí­veis com a amô­nia, pre­sen­te em gran­de parte dos pro­du­tos de co­lo­ra­ção e des­co­lo­ra­ção. “O des­co­lo­ran­te ti­ra par­ci­al­men­te as mo­lé­cu­las de água, pro­teí­na e que­ra­ti­na do fio. E os ali­san­tes com es­ses prin­cí­pi­os ati­vos tam­bém”, es­cla­re­ce Jimmy Monteiro, hairsty­list do Es­pa­ço Bem Me Quer.

A amô­nia ser­ve pa­ra abrir a cu­tí­cu­la do fio, pos­si­bi­li­tan­do o cla­re­a­men­to ou tin­gi­men­to. “A ex­ce­ção acon­te­ce pa­ra as co­res até o cas­ta­nho-cla­ro ou mais es­cu­ras, pois, nor­mal­men­te, pos­su­em te­or de amô­nia mais bai­xo e são mis­tu­ra­das aos oxi­dan­tes de 20 vo­lu­mes”, ex­pli­ca Car­men Ma­ri­ju­an, Di­re­to­ra da Al­ta Mo­da É .... Já as co­lo­ra­ções se­mi­per­ma­nen­tes são com­pa­tí­veis. En­tre­tan­to, “o to­na­li­zan­te só de­po­si­ta a cor, ele não tem o po­der de cla­re­ar”, re­ve­la Li­li­an De Pau­la, técnica da Kert Cos­mé­ti­cos.

SIM, É POS­SÍ­VEL!

Se vo­cê já tem o ca­be­lo ali­sa­do qui­mi­ca­men­te, uma op­ção pa­ra se trans­for­mar em loira é o uso do des­co­lo­ran­te free amô­nia. Ele não con­tém a subs­tân­cia-vi­lã e pos­si­bi­li­ta a aber­tu­ra de, em mé­dia, três tons da cor do seu fio. En­tre­tan­to, é im­por­tan­te sem­pre con­sul­tar um pro­fis­si­o­nal pa­ra sa­ber a re­al con­di­ção das su­as ma­dei­xas. Mas vo­cê de­ve es­tar se per­gun­tan­do: co­mo é pos­sí­vel ser pla­ti­na­da e li­sa? A atriz Ro­ber­ta Ro­dri­gues é um exem­plo e re­cor­reu ao me­gahair em tom loi­ro. Há vá­ri­as téc­ni­cas que dei­xam o apli­que per­ma­nen­te no ca­be­lo, co­mo pon­to ame­ri­ca­no e nó ita­li­a­no, e tam­bém há as ex­ten­sões mó­veis, que pro­por­ci­o­nam o efei­to de me­chas. “In­di­co o me­gahair de tic-tac, pois é pos­sí­vel ti­rá-lo a qual­quer ho­ra evi­tan­do que­da de ca­be­lo”, su­ge­re Li­li­an de Pau­la. Já os mé­to­dos per­ma­nen­tes, mui­tas ve­zes, podem ser um obs­tá­cu­lo pa­ra re­to­car a raiz cres­pa, já que não sa­em com fa­ci­li­da­de.

CHA­PA!

Se vo­cê co­lo­riu e des­co­lo­riu a ca­be­lei­ra e ago­ra quer ali­sar, a cha­pi­nha é um equi­pa­men­to que po­de lhe tra­zer o efei­to de­se­ja­do. “É uma so­lu­ção prá­ti­ca, que tem um pre­ço, por­que o ca­lor é um ve­ne­no pa­ra os fi­os trans­for­ma­dos, ela quei­ma e até ama­re­la”, co­men­ta Car­men Ma­ri­ju­an. Po­rém, pa­ra evi­tar es­ses pre­juí­zos, é im­pres­cin­dí­vel o uso de um bom pro­te­tor tér­mi­co e não abu­sar do ca­lor, ou se­ja, não pas­sar o equi­pa­men­to vá­ri­as ve­zes em uma mes­ma me­cha.

Tex­to: Bruna Gi­or­gi | Con­sul­to­ria: Car­men Ma­ri­ju­an, Di­re­to­ra Edu­ca­ti­on e De­sen­vol­vi­men­to da Al­ta Mo­da É..., 0800-0212652; Jimmy Monteiro, hairsty­list do Es­pa­ço Bem Me Quer, de São Pau­lo, (11) 2729-2808; Li­li­an De Pau­la, técnica da Kert Cos­mé­ti­cos, 0800-7733393 | Fo­to: An­der­son Bor­de/AgNews

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.