jor­na­lei­ro ra­di­cal

Em­pre­sa­rio ad­mi­nis­tra trei­nos pa­ra ma­ra­to­nas com o tra­ba­lho e mos­tra co­mo o es­por­te mu­dou sua vi­da

Casa Linda - - News -

Quem fre­quen­ta a ban­ca Tex, em São Jo­sé dos Cam­pos, in­te­ri­or de São Pau­lo, já se acos­tu­mou com a ro­ti­na des­co­la­da de Au­reo Adriano da Sil­va, 53 anos. Em­pre­en­de­dor há 27 anos, o jor­na­lei­ro apro­vei­tou a pos­si­bi­li­da­de de mon­tar sua pró­pria di­nâ­mi­ca de tra­ba­lho pa­ra ter uma vi­da mais sau­dá­vel. Ele per­cor­re os 12 quilô­me­tros que o afas­tam de sua ca­sa até o tra­ba­lho di­a­ri­a­men­te em um ska­te no for­ma­to long­bo­ard. A prá­ti­ca aju­da o jor­na­lei­ro a ter fô­le­go pa­ra cor­rer ul­tra­ma­ra­to­nas e dis­po­si­ção pa­ra ofe­re­cer aos cli­en­tes um aten­di­men­to es­pe­ci­al. “A cor­ri­da abriu mi­nha ca­be­ça, me­lho­rou mi­nha men­te e me dei­xou mais fe­liz. Meus cli­en­tes sen­tem is­so”, diz. “Cri­a­mos um la­ço de par­ce­ria. O sal­do é bem po­si­ti­vo.”

Lo­co­mo­ver-se ao lo­cal de tra­ba­lho de ska­te não é à toa – e traz con­si­go um porquê. Em me­a­dos de 2001, aos 37 anos, o em­pre­sá­rio an­da­va in­dis- pos­to e pro­cu­rou um mé­di­co por es­tar aci­ma do pe­so. O con­se­lho? Dei­xar o se­den­ta­ris­mo. Foi quan­do ele en­cai­xou a ca­mi­nha­da na ro­ti­na e co­me­çou a ga­nhar dis­po­si­ção pa­ra tra­çar no­vos de­sa­fi­os. “Em três me­ses, eu já con­se­guia cor­rer, não sen­tia do­res nas per­nas e es­ta­va mais dis­pos­to.”

A evo­lu­ção dos trei­nos o fez que­rer vi­ven­ci­ar a ex­pe­ri­ên­cia da fa­mo­sa São Sil­ves­tre. Ao al­can­çar os 21 quilô­me­tros, de­ci­diu au­men­tar sua am­bi­ção e cor­rer ul­tra­ma­ra­to­nas. Há cer­ca de 12 anos, par­ti­ci­pa anu­al­men­te da pro­va BR135. Com du­ra­ção de 60 ho­ras, ela é con­si­de­ra­da a pro­va con­tí­nua mais di­fí­cil do Bra­sil. O long­bo­ard é um dos seus ali­a­dos diá­ri­os na pre­pa­ra­ção pa­ra a pro­va. “Mi­nha con­di­ção na ban­ca me dá li­ber­da­de de pro­gra­mar meus ho­rá­ri­os jun­to com os da mi­nha es­po­sa. Con­si­go con­ci­li­ar a vi­da de em­pre­sá­rio com a de um es­por­tis­ta.”

A aqui­si­ção da ban­ca Tex acon­te­ceu no iní­cio da dé­ca­da de 1990. Pre­o­cu­pa­do com a cri­se econô­mi­ca do go­ver­no Col­lor e com re­ceio de fi­car de­sem­pre­ga­do, Sil­va de­ci­diu em­pre­en­der e con­du­zir seu pró­prio ne­gó­cio. Um dia, en­quan­to com­pra­va uma re­vis­ta em uma ban­ca, de­pa­rou-se com a pla­ca de “ven­de-se”. Foi quan­do de­ci­diu mu­dar o ru­mo de sua e vi­da e com­prar a ban­ca. “A opor­tu­ni­da­de fez com que eu con­se­guis­se for­mar meus dois fi­lhos na uni­ver­si­da­de e or­ga­ni­zas­se me­lhor o meu dia.”

Aber­ta das 7h às 21h des­de que as­su­miu o con­tro­le, a ban­ca é ad­mi­nis­tra­da por Sil­va e sua es­po­sa, Ma­ri­le­ne Apa­re­ci­da Jor­ge Sil­va. A mu­dan­ça na ro­ti­na da vi­da de fun­ci­o­ná­rio pa­ra em­pre­sá­rio con­tou com al­gu­mas adap­ta­ções. Se, por um la­do, as fé­ri­as fo­ram re­du­zi­das, de ou­tro, a ban­ca abriu opor­tu­ni­da­des pa­ra o cres­ci­men­to pro­fis­si­o­nal e pes­so­al. “Apren­di a ser mais re­si­li­en­te, a li­dar me­lhor com as ad­ver­si­da­des. Até pas­sei a acon­se­lhar meus cli­en­tes”, afir­ma. E foi jus­ta­men­te por meio des­sa ex­pe­ri­ên­cia úni­ca de vi­da que Sil­va con­quis­tou o pú­bli­co lo­cal.

Au­reo Adriano da Sil­va, 53 anos, con­ci­lia ro­ti­na es­por­ti­va aos ne­gó­ci­os

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.