Ba­nhei­ros vi­bran­tes

Quem dis­se que o es­pa­ço pre­ci­sa ser to­do bran­co?.....

Casa Linda - - Índice - Usar uma cor em des­ta­que ti­ra a mo­no­to­nia do am­bi­en­te

Quem dis­se que o es­pa­ço pre­ci­sa ser to­do bran­co? Tex­to: Di­a­na Di­niz/Co­la­bo­ra­do­ra De­sign: Ni­co­las Mes­si­as/Co­la­bo­ra­dor

Nem sem­pre o ba­nhei­ro pre­ci­sa ser um am­bi­en­te só­brio, sem cor. Pa­ra pro­var co­mo os tons mar­can­tes po­dem ser usa­dos sem me­do, trou­xe­mos dois ba­nhei­ros de 2,90m² que abu­sa­ram de­les na de­co­ra­ção. Apos­te!

Sem ba­gun­ça

Cri­ar um am­bi­en­te prá­ti­co, fá­cil de lim­par e fun­ci­o­nal. Es­ses fo­ram os pe­di­dos aten­di­dos pe­la ar­qui­te­ta Ra­quel de Cas­tro na ho­ra de pro­je­tar es­te ba­nhei­ro. O que ga­ran­tiu a pra­ti­ci­da­de no cô­mo­do foi o uso do ar­má­rio com por­ta úni­ca e da pra­te­lei­ra de gra­ni­to, que per­mi­tiu a or­ga­ni­za­ção de ces­tos pa­ra ar­ma­ze­nar os itens ne­ces­sá­ri­os.

Fe­mi­ni­no

O to­que de fe­mi­ni­li­da­de fi­cou por con­ta do re­ves­ti­men­to com pas­ti­lhas na área do box, que, pa­ra a ar­qui­te­ta, foi o lo­cal es­co­lhi­do por ser a pa­re­de com mai­or vi­si­bi­li­da­de do cô­mo­do. “Apro­vei­ta­mos o ni­cho pa­ra xam­pu pa­ra fa­zer uma fai­xa com a pas­ti­lha de­co­ra­da, que foi a gran­de sa­ca­da do pro­je­to”, res­sal­ta Ra­quel.

Ale­gria nos de­ta­lhes

A ar­qui­te­ta Alessandra Bran­di­ni Go­mes e a de­sig­ner de in­te­ri­o­res Mi­chel­le Ge­les­ko, do Stu­dio MA, pro­je­ta­ram es­te cô­mo­do de 2,90m2 pa­ra os mo­ra­do­res re­cém-ca­sa­dos com tons neu­tros nos re­ves­ti­men­tos e co­res vi­bran­tes nos de­ta­lhes. A pa­le­ta clara pre­va­le­ceu no pi­so e nas pa­re­des, en­quan­to a cor ale­gre se con­cen­trou nas la­te­rais do ar­má­rio e dos ni­chos.

Ca­da coi­sa em seu lu­gar

Pa­ra oti­mi­zar es­pa­ço e fa­ci­li­tar a cir­cu­la­ção, as pro­fis­si­o­nais op­ta­ram pe­los ni­chos aé­re­os que, além de or­ga­ni­za­do­res, po­dem ser usa­dos pa­ra co­lo­car ob­je­tos de de­co­ra­ção. O com­par­ti­men­to tam­bém tem fun­ção de ar­ma­ze­nar os pro­du­tos mais uti­li­za­dos no dia a dia, sem que ocu­pem a pia.

Pra­ti­ci­da­de

Lui­si Bil­bao, de­sig­ner de in­te­ri­o­res do Hõl­me In­te­ri­or De­sign, con­ta que, ao pla­ne­jar es­te ba­nhei­ro de 2,72m2 a in­ten­ção foi cri­ar um am­bi­en­te mais quen­te, em con­tra­po­si­ção às ce­râ­mi­cas en­tre­gues pe­la cons­tru­to­ra. “Os cli­en­tes não qui­se­ram fa­zer uma gran­de re­for­ma, por is­so, op­ta­mos por mu­dar ape­nas a pa­re­de de fun­do do box”, des­ta­ca.

Mais mo­der­ni­da­de

Pa­ra com­por o box, a es­co­lha foi co­brir o lo­cal com for­mas he­xa­go­nais e co­res neu­tras, que dei­xam “o cô­mo­do mais mo­der­no e jo­vi­al, e com a ca­ra dos mo­ra­do­res. Uti­li­za­mos o Chez Moi Riz da Por­to­bel­lo”, con­ta Lui­si.

No lu­gar

Pa­ra aco­mo­dar sa­bo­ne­te e xam­pu, a op­ção foi o ni­cho em­bu­ti­do no box. Pa­ra guar­dar os de­mais itens, foi pro­je­ta­do um ar­má­rio fe­cha­do em­bai­xo da ban­ca­da. A mo­bí­lia “com­por­ta os ob­je­tos e não se so­bres­sai no am­bi­en­te, de­vi­do ao re­ves­ti­men­to me­la­mí­ni­co ama­dei­ra­do si­mi­lar ao da pa­re­de”, re­ve­la a pro­fis­si­o­nal.

Pro­je­to 1: Ra­quel de Cas­tro, Aqui­raz – CE

Pro­je­to 2: Stu­dio MA, São Ber­nar­do do Cam­po – SP “No pi­so, tra­ba­lha­mos com o por­ce­la­na­to 60x60cm sem bri­lho pa­ra evi­tar que al­guém es­cor­re­gue”, pon­tu­am Alessandra e Mi­chel­le

Pro­je­to 2: Hõl­me In­te­ri­or De­sign, Rio de Ja­nei­ro – RJ Por ci­ma das ce­râ­mi­cas exis­ten­tes, foi apli­ca­do um pai­nel de la­mi­na­do ma­la­mí­ni­co ama­dei­ra­do que trou­xe acon­che­go ao lo­cal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.