Lin­da em qual­quer fa­se

Con­fi­ra téc­ni­cas que vão re­ju­ve­nes­cer ain­da mais o seu vi­su­al!

Chanel and Curtos - - Índice - Tex­to: Juliana Bor­ges

JJá pen­sou que apos­tar em uma co­lo­ra­ção, uma fran­ja, um pen­te­a­do ou até mes­mo um cor­te ade­qua­do pa­ra o seu for­ma­to de ros­to po­de di­mi­nuir al­guns anos na sua apa­rên­cia? São di­ver­sos os fa­to­res que in­flu­en­ci­am na com­po­si­ção de uma imagem e é por is­so que trou­xe­mos al­gu­mas di­cas pa­ra vo­cê ade­rir e con­ti­nu­ar com o lo­ok sem­pre jo­vi­al.

Harmô­ni­co e su­a­ve: é co­mo o con­jun­to de­ve ser. Por is­so, é im­por­tan­te le­var em con­si­de­ra­ção a es­ta­tu­ra da pes­soa, seu mo­do de se ves­tir, seu tom de pe­le e for­ma­to do ros­to. “A pre­o­cu­pa­ção mai­or é man­ter um ca­be­lo bem tra­ta­do, bri­lhan­te e o cor­te atu­a­li­za­do. Tu­do junto vai cri­ar uma imagem de le­ve­za e des­con­tra­ção”, ex­pli­ca Gil Pran­do, hairsty­list e em­bai­xa­dor da iCa­be­los.

Fi­os bran­cos? Pa­ra quem já os tem, apos­tar nas lu­zes é uma boa es­co­lha. Pa­ra acer­tar o tom, “pro­cu­re um ca­be­lei­rei­ro vi­sa­gis­ta pa­ra cri­ar har­mo­nia en­tre a cor dos olhos e da pe­le, pois exis­te um tom de loi­ro pa­ra to­das as ida­des, que vai dos mar­rons cla­ros até o pla­ti­na­do”, su­ge­re Gil Pran­do. Já pa­ra quem es­tá co­me­çan­do a ter os pri­mei­ros fi­os bran­cos, os to­na­li­zan­tes po­dem ser a me­lhor op­ção.

Es­co­lha a co­lo­ra­ção: a tin­tu­ra é uma for­te ali­a­da de quem quer um lo­ok jo­vi­al, prin­ci­pal­men­te das mu­lhe­res que po­dem abu­sar das co­res. “Apos­to sem­pre em tons quen­tes, co­mo o loi­ro-aco­bre­a­do. Lem­bran­do que cor é ener­gia, e ener­gia é sím­bo­lo de jo­vi­a­li­da­de”, res­sal­ta o hairsty­list. Mu­lhe­res com pe­le mo­re­na à ne­gra po­dem op­tar por tons de ca­ra­me­lo ou mel, en­quan­to as de pe­le cla­ra po­dem in­ves­tir nos tons de loi­ro-cla­ro ou pe­ro­la­do.

Fran­jas e to­pe­tes: cos­tu­mam pas­sar uma ideia de pro­du­ção mo­der­na pa­ra as mu­lhe­res, po­rém não po­dem ser cur­tas ou re­tas. Nei­va Pe­na, téc­ni­ca da Bio Ex­tra­tus, ex­pli­ca que o ide­al são mo­de­los de fran­jas lon­gas e des­fi­a­das, pa­ra se­rem usa­das na la­te­ral. “Já os to­pe­tes de­vem ser fei­tos com vo­lu­me na raiz e fi­cam me­lho­res sem se­rem po­li­dos, com um efei­to mais des­po­ja­do”, su­ge­re.

Apos­te nas ca­ma­das: elas con­fe­rem ao cor­te um ar mais jo­vi­al, dis­tri­buin­do as me­chas e ofe­re­cen­do vo­lu­me ao ca­be­lo. O cor­te em ca­ma­das po­de ser fei­to em qual­quer tex­tu­ra de fio, mas “nos ca­be­los ca­che­a­dos ou afro, é ne­ces­sá­rio con­tro­lar a al­tu­ra das ca­ma­das, pa­ra não fi­ca­rem mui­to cur­tas e cri­a­rem um vo­lu­me des­pro­por­ci­o­nal”, aler­ta Nei­va Pe­na.

Hi­dra­ta­ção: é im­por­tan­te em to­das as ida­des, e dei­xa as ma­dei­xas sem­pre com as­pec­to mais re­ju­ve­nes­ci­do. “O ca­be­lo, quan­do es­tá res­se­ca­do, po­de trans­mi­tir um cer­to des­cui­do e en­ve­lhe­ci­men­to. Prin­ci­pal­men­te com o pas­sar da ida­de, o ca­be­lo perde me­la­ni­na e fi­ca com as­pec­to mais po­ro­so”, de­ta­lha a pro­fis­si­o­nal.

In­ves­tiu nas ca­ma­das

Ri­fai/Co­la­bo­ra­do­ra Sa­ma­ra Fo­tos:

Apos­tou na cor­ti­ni­nha

Tes­ser/Co­la­bo­ra­do­ra Gi­se­le Fo­tos:

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.