OH, CÉUS! OH, VI­DA! OH, AZAR!

Ciencia em foco - - ÍNDICE - TEX­TO Nathá­lia Pic­co­li/Co­la­bo­ra­do­ra DESIGN Gui­lher­me Lau­ren­te/Co­la­bo­ra­dor

An­tes de re­cla­mar de al­gu­ma coi­sa, leia es­te tex­to e re­pen­se es­sa ati­tu­de

Re­cla­mar faz par­te do co­ti­di­a­no de pes­so­as do mun­do to­do. No en­tan­to, vo­cê já pa­rou pa­ra pen­sar so­bre os ma­le­fí­ci­os que es­sa ação po­de cau­sar?

“QUE TRÂN­SI­TO!”, “EU NÃO GOS­TO DIS­SO”, “EU NUN­CA MAIS VOL­TO PA­RA AQUE­LA LO­JA!”, “EU NÃO TE­NHO ROU­PA”. Que ati­re a pri­mei­ra pe­dra quem nun­ca re­cla­mou de al­gu­ma coi­sa que in­co­mo­dou ou ou­viu uma re­cla­ma­ção. “O ser hu­ma­no, de mo­do ge­ral, re­cla­ma de tu­do. A re­cla­ma­ção é uma ina­de­qua­ção en­tre a pes­soa e a re­a­li­da­de que se apre­sen­ta di­an­te de si. Re­cla­mar é nor­mal até cer­to pon­to. A re­cla­ma­ção é fru­to de uma rai­va in­te­ri­or do in­di­ví­duo. É bai­xa au­to­es­ti­ma. É in­sa­tis­fa­ção in­te­ri­or do in­di­ví­duo pe­ran­te a vi­da”, ex­pli­ca o pro­fes­sor de Psi­co­lo­gia So­ci­al Lu­ci­a­no Go­mes.

Um es­tu­do re­a­li­za­do pe­la Uni­ver­si­da­de de Stan­ford, nos Es­ta­dos Uni­dos, com­pro­vou que 95% das re­cla­ma­ções fei­tas di­a­ri­a­men­te são sem pro­pó­si­to. Ou se­ja, a pes­soa não tem a pre­ten­são de pro­vo­car mu­dan­ças po­si­ti­vas, ape­nas li­be­rar al­gu­mas emo­ções ne­ga­ti­vas den­tro de si. “Re­cla­mar, mui­tas ve­zes, tor­na-se um com­por­ta­men­to vi­ci­o­so que li­mi­ta a nos­sa per­cep­ção dos fa­tos e da re­a­li­da­de”, elu­ci­da a psi­có­lo­ga Re­na­ta Bar­ce­los.

O PER­FIL DE QUEM RE­CLA­MA

Co­a­ch es­pe­ci­a­lis­ta em au­to­co­nhe­ci­men­to, Lu­cas San­tos acre­di­ta que o ato de re­cla­mar po­de di­zer mui­to so­bre nós uma vez que “es­sa ação es­tá li­ga­da di­re­ta­men­te a uma ne­ces­si­da­de que as pes­so­as têm e não con­se­guem re­sol­ver, lo­go, cria-se na quei­xa uma ma­nei­ra de se de­fen­der ou ex­pli­car o porquê não es­tá con­se­guin­do o que de­se­ja”, afir­ma.

Um “re­cla­mão” de car­tei­ri­nha, na mai­o­ria das ve­zes, es­tá es­tres­sa­do, tris­te, com bai­xa au­to­es­ti­ma e bus­can­do sem­pre aten­ção. “São pes­so­as mui­to crí­ti­cas, tan­to com os ou­tros co­mo con­si­go mes­mo, ge­ral­men­te não são fle­xí­veis, não mu­dam de opi­nião com fa­ci­li­da­de e são rí­gi­das com os con­cei­tos que es­ta­be­le­cem”, re­tra­ta a psi­ca­na­lis­ta Pris­cil­la Gas­pa­ri­ni.

EXPERIMENTE A FE­LI­CI­DA­DE

Ou­tro es­tu­do re­a­li­za­do na Uni­ver­si­da­de de Stan­ford con­cluiu que meia hora de ne­ga­ti­vi­da­de po­de, de ime­di­a­to, não pa­re­cer na­da, mas, na re­a­li­da­de, es­ses 30 mi­nu­tos po­dem da­ni­fi­car o cé­re­bro de uma pes­soa – es­te­ja ela re­cla­man­do, ou­vin­do al­guém re­cla­mar ou, até mes­mo, as­sis­tin­do notícias ne­ga­ti­vas pe­la te­le­vi­são. Es­sa ação pre­ju­di­ca o fun­ci­o­na­men­to dos neurô­ni­os do hi­po­cam­po, par­te da mas­sa cin­zen­ta que cui­da da re­so­lu­ção de pro­ble­mas, do fun­ci­o­na­men­to cog­ni­ti­vo e da me­mó­ria.

Na di­re­ção opos­ta, um in­di­ví­duo oti­mis­ta tem o do­bro de chan­ce de ter um co­ra­ção mais sau­dá­vel do que um pes­si­mis­ta. Es­sa foi a con­clu­são de uma pes­qui­sa re­a­li­za­da pe­la Uni­ver­si­da­de de Il­li­nois.

Re­cla­mar faz mal pa­ra o cé­re­bro e pa­ra o co­ra­ção. En­tão, por que re­cla­mar? O au­tor do li­vro The Sque­aky Whe­el: Re­cla­man­do do Jeito Cer­to pa­ra Ob­ter Re­sul­ta­dos, Guy Win­ch, em en­tre­vis­ta à re­vis­ta FastCom­pany, deu al­gu­mas di­cas pa­ra co­me­çar a re­cla­mar me­nos, pen­san­do na fe­li­ci­da­de e na qua­li­da­de vi­da:

• Re­cla­ma­ções de­vem sem­pre ter pro­pó­si­tos;

• Se­ja con­ci­so e ob­je­ti­vo;

• Con­tro­le su­as emo­ções;

• E, por úl­ti­mo, co­me­ce e ter­mi­ne uma con­ver­sa com afir­ma­ções po­si­ti­vas.

É SÓ UMA RECLAMAÇÃOZINHA!

É in­te­res­san­te a com­pa­ra­ção en­tre “re­cla­mar de­mais” e o sim­ples fa­to de re­cla­mar. “No pri­mei­ro ca­so, po­de­mos di­zer que as ca­rac­te­rís­ti­cas já es­tão en­rai­za­das na per­so­na­li­da­de da pes­soa, ela re­cla­ma de uma for­ma tão na­tu­ral que, quan­do não faz is­so, é per­cep­tí­vel que al­go es­tá ain­da mais for­te”, ex­pli­ca Lu­cas San­tos.

To­da­via, o sim­ples fa­to de fa­zer a re­cla­ma­ção já in­di­ca o iní­cio de um ci­clo que po­de fi­car ca­da vez pi­or se vo­cê co­me­ça a pro­gra­mar seu cé­re­bro a fo­car no pro­ble­ma, e não na so­lu­ção.

SE­JA LE­VE

De acor­do com o au­tor do li­vro Pa­re de Re­cla­mar e Con­cen­tre-se nas Coi­sas Bo­as, Will Bowen, es­sa ati­tu­de afas­ta as pes­so­as da fe­li­ci­da­de. “Re­cla­man­do so­bre su­as vi­das, elas se con­cen­tram no que es­tá er­ra­do em vez de abrir a men­te pa­ra pos­sí­veis so­lu­ções”, afir­ma.

Es­tu­dos do ci­en­tis­ta e fi­ló­so­fo Ste­ven Par­ton, di­vul­ga­dos pe­lo por­tal de notícias Cu­ri­ous Apes, in­di­cam co­mo a re­cla­ma­ção de uma pes­soa que es­tá per­to po­de nos afe­tar ne­ga­ti­va­men­te. Em re­su­mo, o nos­so cé­re­bro fun­ci­o­na as­sim: sem­pre que te­mos um pen­sa­men­to, uma si­nap­se irá fun­ci­o­nar co­mo uma es­pé­cie de “pon­te” com ou­tra si­nap­se, e é nes­sa pon­te que pas­sa a in­for­ma­ção, o pen­sa­men­to. Quan­to mais pen­sar­mos na mes­ma coi­sa, mais cur­ta fi­ca a pon­te. Se pen­sa­mos mui­to ne­ga­ti­va­men­te, o cé­re­bro vai en­cur­tar e fa­ci­li­tar que es­se ti­po de pen­sa­men­to se pro­pa­gue e is­so po­de al­te­rar a per­so­na­li­da­de do in­di­ví­duo, tor­nan­do-o uma pes­soa des­mo­ti­va­da e sem­pre pra bai­xo. “O res­mun­gão com­pul­si­vo pre­ju­di­ca a si mes­mo, pois nin­guém con­se­gue con­vi­ver por mui­to tem­po com pes­so­as as­sim. O fa­to de re­cla­mar in­di­ca o ne­ga­ti­vis­mo em re­la­ção a tu­do e a to­dos”, re­la­ta o pro­fes­sor Lu­ci­a­no.

OS BE­NE­FÍ­CI­OS DE RE­CLA­MAR ME­NOS

Qu­ei­xar-se me­nos pro­duz in­con­tá­veis be­ne­fí­ci­os pa­ra a vi­da hu­ma­na. “Di­mi­nuir a re­cla­ma­ção tem co­mo con­sequên­cia me­nor es­tres­se psí­qui­co e des­gas­te com o pró­prio ser e com as pes­so­as”, elu­ci­da Lu­ci­a­no. Ao se po­li­ci­ar pa­ra dei­xar as re­cla­ma­ções de la­do, é pos­sí­vel ex­pan­dir a per­cep­ção e a cons­ci­ên­cia so­bre o que vo­cê po­de ou não mu­dar, so­bre o que quer ou não. “Vo­cê pas­sa a di­re­ci­o­nar os es­for­ços ape­nas pa­ra o que re­al­men­te tem im­por­tân­cia, di­mi­nuin­do con­si­de­ra­vel­men­te os des­gas­tes des­ne­ces­sá­ri­os e au­men­tan­do a sen­sa­ção de bem-es­tar”, completa Re­na­ta Bar­ce­los.

O res­mun­gão ga­nha di­ver­sos as­pec­tos po­si­ti­vos em re­la­ção à saú­de quan­do dei­xa de re­cla­mar. Há uma con­si­de­rá­vel re­du­ção do ní­vel de es­tres­se, uma no­va per­cep­ção dos acon­te­ci­men­tos, a com­pre­en­são da si­tu­a­ção – de­la co­mo um to­do, sem ima­gi­na­ção ou pes­si­mis­mos –, o au­men­to da fle­xi­bi­li­da­de pa­ra li­dar com pro­ble­mas e, prin­ci­pal­men­te, uma vi­da mais le­ve e fe­liz.

É exa­ta­men­te nes­sa ba­se que o “de­sa­fio dos 21 di­as sem re­cla­mar” cri­a­do pe­lo ame­ri­ca­no Will Bowen se en­cai­xa: pro­mo­ver o bem-es­tar sem qual­quer ti­po de “mimimi”. “Tra­ta-se de um de­sa­fio no qual as pes­so­as, du­ran­te 21 di­as, es­for­çam-se pa­ra não re­cla­ma­rem de na­da nem de nin­guém, nem de si mes­mos, nem da vi­da, nem do pas­sa­do, nem do que po­de­ria acon­te­cer”, ex­pli­ca Re­na­ta.

“Os be­ne­fí­ci­os pa­ra os pra­ti­can­tes des­se de­sa­fio são inú­me­ros, co­mo au­men­to da for­ça de von­ta­de e de­ter­mi­na­ção pa­ra cum­prir ou­tros de­sa­fi­os da vi­da, au­men­to da pa­ci­ên­cia, au­to­con­tro­le, mai­or com­pre­en­são e, o mais im­por­tan­te, a mu­dan­ça do fo­co do pro­ble­ma pa­ra a so­lu­ção”, aten­ta Lu­cas San­tos.

CO­MO RE­CLA­MAR ME­NOS EM 8 PAS­SOS?

O co­a­ch es­pe­ci­a­lis­ta em au­to­co­nhe­ci­men­to Lu­cas San­tos ofe­re­ce 8 di­cas pa­ra quem es­tá em bus­ca de uma vi­da me­lhor, sem re­cla­ma­ções. “Re­cla­mar é um há­bi­to mui­to pre­sen­te no co­ti­di­a­no. Por­tan­to, se as pes­so­as de­se­jam mu­dar es­se há­bi­to, de­vem ado­tar al­gu­mas pos­tu­ras”, con­vi­da Lu­cas.

1. An­tes de re­cla­mar, per­gun­te-se qual o re­al de­se­jo por trás da re­cla­ma­ção. Por exem­plo, se vo­cê re­cla­ma do sa­lá­rio que a em­pre­sa te pa­ga. O ide­al se­ria di­zer “qu­e­ro ga­nhar mais” ao in­vés de “ga­nho pou­co”. As­sim, ti­ra-se o fo­co do pro­ble­ma pa­ra pen­sar na so­lu­ção.

2. O que é pos­sí­vel ser fei­to pa­ra mu­dar es­sa si­tu­a­ção? Ao fa­zer-se es­sa per­gun­ta, vo­cê bus­ca­rá o “co­mo” re­a­li­zar o que quer e sai­rá do cam­po da re­cla­ma­ção.

3. Mu­de de as­sun­to. Quan­do for re­cla­mar de al­go, subs­ti­tua a aten­ção pa­ra ou­tro pen­sa­men­to, al­go que es­tá ven­do ou es­cu­tan­do. Al­go que pro­duz um sen­ti­men­to po­si­ti­vo e que des­vie sua aten­ção da re­cla­ma­ção.

4. Tra­ga a res­pon­sa­bi­li­da­de pa­ra vo­cê. Es­sa é uma das ta­re­fas mais di­fí­ceis, pois boa par­te das pes­so­as acha mais fá­cil jo­gar a cul­pa em ou­tras coi­sas. Po­rém, quan­do as­su­mir o pa­pel do que es­tá acon­te­cen­do, en­ten­de­rá que tam­bém é vo­cê quem po­de re­sol­ver a ques­tão.

5. Con­te su­as re­cla­ma­ções e co­lo­que me­tas. Ao con­tar quan­tas re­cla­ma­ções vo­cê faz no dia, te­rá uma ba­se pa­ra es­ti­pu­lar me­tas pa­ra si.

6. Ve­ja o la­do po­si­ti­vo das coi­sas e ci­te su­as qua­li­da­des. Es­se é um bom pla­no pa­ra va­lo­ri­zar o mo­ti­vo da sua re­cla­ma­ção.

7. Ve­ja a re­a­ção das pes­so­as quan­do vo­cê re­cla­ma. Co­me­ce a ob­ser­var co­mo as pes­so­as a sua vol­ta se sen­tem quan­do vo­cê faz uma quei­xa. Se per­ce­ber que elas não es­tão fe­li­zes com o que es­tá fa­lan­do, por que con­ti­nu­ar?

8. Sor­ria as­sim que per­ce­ber que es­tá re­cla­man­do. Quan­do vo­cê sor­ri, seu es­ta­do de es­pí­ri­to mu­da, pois aci­o­na par­tes dis­tin­tas do cé­re­bro que po­dem qu­e­brar o es­ta­do das quei­xas. As­sim, a in­ten­si­da­de das re­cla­ma­ções di­mi­nui.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.