QUE DE­CEP­ÇÃO!

Li­dar com uma de­cep­ção não é, nem de lon­ge, uma das ta­re­fas mais fá­ceis, mas é pre­ci­so apren­der pa­ra con­se­guir ser fe­liz

Ciencia em foco - - ÍNDICE - TEX­TO Nathá­lia Pic­co­li/Co­la­bo­ra­do­ra DESIGN Ka­ri­na Ar­ru­da

Qu­e­brar a ca­ra faz par­te da vi­da, mas é al­go que nos aju­da a ama­du­re­cer

OTÉRMINO DE UM NAMORO, UMA DE­MIS­SÃO INESPERADA, UMA MEN­TI­RA DES­CO­BER­TA, UMA NO­TA BAI­XA APÓS TER PAS­SA­DO HO­RAS ESTUDANDO, UMA IDA AO CI­NE­MA DESMARCADA OU UM TEMIDO ADEUS. As pes­so­as pas­sam ou irão pas­sar um dia por al­gum des­ses pro­ble­mas. A de­cep­ção faz par­te da vi­da e é ne­ces­sá­ria pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no. Quan­do nos de­sa­pon­ta­mos com al­go ou com nós mes­mos, na mai­o­ria das ve­zes, usa­mos as for­ças res­tan­tes pa­ra ir ao en­con­tro dos nos­sos ob­je­ti­vos.

Co­mo de­cep­ção, po­de­mos con­si­de­rar qual­quer er­ro iden­ti­fi­ca­do na­qui­lo que se de­se­ja al­can­çar ou que de fa­to acon­te­ceu. “O sen­ti­men­to de de­cep­ção vem as­so­ci­a­do à ex­pec­ta­ti­va, à von­ta­de pré­via que se cons­truiu em tor­no de al­go. Vo­cê pro­je­ta e ide­a­li­za uma si­tu­a­ção pa­ra o fu­tu­ro – uma vi­a­gem fan­tás­ti­ca, um dia per­fei­to, um pre­sen­te da fa­mí­lia – e aqui­lo sim­ples­men­te não acon­te­ce (ou, pe­lo me­nos, não da for­ma co­mo se es­pe­ra­va). É es­se ‘de­sa­li­nha­men­to’ en­tre ex­pec­ta­ti­va e re­a­li­da­de que faz nas­cer a de­cep­ção”, ex­pli­ca a co­a­ch es­pe­ci­a­lis­ta em de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no He­loí­sa Ca­pe­las. A de­cep­ção é uma for­ma de frus­tra­ção e apren­der a li­dar com es­se fenô­me­no é uma ha­bi­li­da­de ne­ces­sá­ria pa­ra su­pe­rar os tom­bos da vi­da.

APRENDENDO COM O PAS­SA­DO

Per­ce­ber co­mo ad­mi­nis­trar as de­cep­ções e frus­tra­ções não é ta­re­fa fá­cil. O cho­ro apa­re­ce, a insô­nia, a dor e o sen­ti­men­to de so­li­dão tam­bém. Na in­fân­cia, um pas­so im­por­tan­te é da­do: a par­tir de um “não” dos pais, de um brin­que­do que­bra­do e, até mes­mo, de uma mu­dan­ça de es­co­la, os pe­que­nos co­me­çam a apren­der a li­dar com as frus­tra­ções, mes­mo que pe­que­nas, aju­dan­do as­sim, a de­sen­vol­ver a ca­pa­ci­da­de pa­ra li­dar com as de­cep­ções mais do­lo­ro­sas ao lon­go da vi­da.

Na ado­les­cên­cia, as coi­sas mui­tas ve­zes não acon­te­cem de acor­do com as nos­sas ex­pec­ta­ti­vas. Mas é exa­ta­men­te nes­sa fa­se que de­ve­mos nos li­ber­tar pa­ra al­go no­vo, ex­pe­ri­men­tar e bus­car no­vos ru­mos. “A de­cep­ção traz uma li­ber­ta­ção so­bre uma vã es­pe­ran­ça, mas ao mes­mo tem­po traz a dor, por fir­mar que al­go aca­bou. Es­sa dor de­ve ser aco­lhi­da e res­pei­ta­da, as­sim, lo­go pas­sa­rá”, res­sal­ta a te­ra­peu­ta e co­a­ch es­pe­ci­a­lis­ta em de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no Dir­ce Ka­taya­ma.

OS PÉS NO CHÃO

To­dos nós es­ta­mos sus­ce­tí­veis a nos de­cep­ci­o­nar ao lon­go da vi­da com al­gum acon­te­ci­men­to. A co­a­ch He­loí­sa Ca­pe­las aler­ta so­bre a im­por­tân­cia de se man­ter com os pés nos chão: “é im­por­tan­te no­tar que, nor­mal­men­te, a ex­pec­ta­ti­va ex­ces­si­va e o sen­ti­men­to cons­tan­te de frus­tra­ção po­dem de­ri­var de pa­drões ne­ga­ti­vos de com­por­ta­men­to. Pes­so­as que vi­vem frus­tra­das, se­ja com o ou­tro ou com elas mes­mas, ten­dem a ser mui­to exi­gen­tes, con­tro­la­do­ras, co­bra­do­ras. Elas al­me­jam a per­fei­ção e, quan­do al­go fa­lha, sen­tem-se pro­fun­da­men­te de­cep­ci­o­na­das”, ex­pli­ca.

Na mai­o­ria das ve­zes, as pes­so­as con­fun­dem ex­pec­ta­ti­va com pla­ne­ja­men­to. Elas es­pe­ram re­sul­ta­dos po­si­ti­vos só por­que de­ter­mi­na­ram, tra­ça­ram e exe­cu­ta­ram o pró­prio pla­no. “Pla­ne­jar é es­sen­ci­al, co­lo­car em prá­ti­ca é in­dis­pen­sá­vel, mas li­dar com a pos­si­bi­li­da­de de fa­lhar tam­bém de­ve fa­zer par­te do ‘es­co­po’”, re­for­ça He­loí­sa.

É pre­ci­so com­pre­en­der que vo­cê fez o me­lhor que pô­de, in­de­pen­den­te­men­te se su­as ex­pec­ta­ti­vas fo­ram al­can­ça­das ou não. Per­do­ar aos ou­tros e a si mes­mo por even­tu­ais erros que te­nham si­do co­me­ti­dos é o me­lhor jeito de li­dar com a de­cep­ção e apren­der com ela.

O PO­DER DO AU­TO­CO­NHE­CI­MEN­TO

A me­lhor for­ma de evi­tar a de­cep­ção é per­cor­rer o ca­mi­nho do au­to­co­nhe­ci­men­to. “Qu­es­ti­o­ne-se pa­ra des­co­brir, a fun­do, o que exa­ta­men­te vo­cê es­tá sen­tin­do. Por que lhe faz tão mal quan­do de­ter­mi­na­da pes­soa não lhe re­co­nhe­ce da for­ma co­mo es­pe­ra­va? Quan­do is­so acon­te­ce, o que vo­cê pen­sa a res­pei­to do ou­tro? E a res­pei­to de si? O que as su­as pró­pri­as fa­lhas re­ve­lam so­bre vo­cê pa­ra vo­cê? E co­mo ima­gi­na que o ou­tro pas­sa a lhe ver quan­do vo­cê er­ra? Ao en­con­trar es­sas res­pos­tas, pos­si­vel­men­te, vo­cê vai per­ce­ber que ‘o bu­ra­co é mais em­bai­xo’”, apon­ta He­loí­sa.

A per­fei­ção não exis­te e ir por es­se ca­mi­nho é sim­ples­men­te es­bar­rar com a de­cep­ção. Por is­so, é tão im­por­tan­te se au­to­co­nhe­cer, con­se­guir en­xer­gar o que vo­cê re­al­men­te é, co­nhe­cer seus li­mi­tes e vi­su­a­li­zar, mi­nu­ci­o­sa­men­te, su­as fa­lhas e seus acer­tos.

CO­MO LI­DAR COM A DE­CEP­ÇÃO?

Quan­do ex­pe­ri­men­tar a de­cep­ção, pro­cu­re en­fren­tá-la de ca­be­ça er­gui­da, mes­mo que se­ja di­fí­cil. Vale a pe­na, pois, quan­do vo­cê se en­con­tra num es­ta­do de aba­ti­men­to é au­to­ma­ti­ca­men­te pu­xa­do pa­ra bai­xo, on­de seus pen­sa­men­tos e an­gús­ti­as se en­raí­zam no me­do, tris­te­za e dor. O ci­clo de ne­ga­ti­vi­da­de cres­ce e se tor­na uma bo­la de ne­ve ca­da dia mai­or – a tris­te­za se ali­men­ta de tris­te­za.

Nin­guém gos­ta de fi­car de­cep­ci­o­na­do, mas é pre­ci­so sa­ber li­dar com a si­tu­a­ção. A co­a­ch He­loí­sa Ca­pe­las su­ge­re que, quan­do is­so acon­te­cer, ime­di­a­ta­men­te, vo­cê fa­ça du­as per­gun­tas: “se não deu cer­to, o que pos­so fa­zer de di­fe­ren­te a par­tir de ago­ra?” e “co­mo re­co­me­çar?”. Pen­sar nas res­pos­tas po­de fa­zer com que vo­cê en­xer­gue uma luz no fim do tú­nel, um ca­mi­nho a se­guir. É im­por­tan­te tra­ba­lhar a sua ca­pa­ci­da­de de adap­ta­ção às cir­cuns­tân­ci­as da vi­da e às mu­dan­ças. “A vi­ti­mi­za­ção pós-de­cep­ção só atra­pa­lha. Quan­do al­go não dá cer­to, é pre­ci­so com­pre­en­der que há ou­tros ca­mi­nhos a se­guir, no­vas ten­ta­ti­vas a fa­zer, e fi­car ape­ga­do ao pas­sa­do só im­pe­di­rá de se­guir em fren­te”, lem­bra He­loí­sa.

O ME­DO DE UMA NO­VA DE­CEP­ÇÃO

Uma vez que vo­cê per­ma­ne­ce em um es­ta­do de de­sa­pon­ta­men­to, fi­ca pre­so nas su­as ex­pec­ta­ti­vas frus­tra­das de co­mo de­ve­ria ser a re­a­li­da­de. Mas es­sas per­cep­ções não são ver­da­dei­ras, elas são ape­nas in­ven­ções cri­a­das por vo­cê, são cren­ças de co­mo vo­cê que­ria que fos­se, um fil­me ro­tei­ri­za­do por vo­cê. “Mui­tas pes­so­as aca­bam ví­ti­mas de

“Pla­ne­jar é es­sen­ci­al, co­lo­car o pla­no em prá­ti­ca é in­dis­pen­sá­vel, mas li­dar com a pos­si­bi­li­da­de de fa­lhar tam­bém de­ve fa­zer par­te do ‘es­co­po’”

He­loí­sa Ca­pe­las, co­a­ch es­pe­ci­a­lis­ta em de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no

su­as pró­pri­as his­tó­ri­as. Elas cri­am obs­tá­cu­los à sua pró­pria fe­li­ci­da­de por me­do de se ve­rem no­va­men­te ma­go­a­das, de­cep­ci­o­na­das, frus­tra­das. É uma es­co­lha que pre­ju­di­ca mui­to mais a sua vi­da, do que a de qual­quer ou­tra pes­soa”, re­for­ça He­loí­sa.

Quan­do vo­cê se se­pa­ra dos seus va­lo­res e da­qui­lo que é sig­ni­fi­ca­ti­vo pa­ra si, a vi­da co­me­ça a ser vi­vi­da de for­ma va­zia. Li­dar com a de­cep­ção não é na­da fá­cil, mas vale a pe­na ten­tar. Ain­da que al­guns dos seus ob­je­ti­vos an­ti­gos pos­sam ter re­sul­ta­do em de­cep­ções, is­so per­ten­ce ao pas­sa­do. É pre­ci­so apren­der com elas e con­ti­nu­ar em fren­te. “Trans­for­mar o er­ro em mo­ti­va­ção, não em de­cep­ção, é ex­tre­ma­men­te fun­ci­o­nal pa­ra quem de­se­ja vi­ver uma vi­da mais ple­na e fe­liz”, res­sal­ta He­loí­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.