MI­NHAS RE­GRAS

Pa­re­ce fá­cil, mas con­quis­tar au­to­no­mia é uma das ta­re­fas mais exi­gen­tes e com­pli­ca­das da vi­da

Ciencia em foco - - ÍNDICE - TEX­TO Ana Be­a­triz Gar­cia/Co­la­bo­ra­do­ra DESIGN Ka­ri­na Ar­ru­da

Não de­pen­der de nin­guém ou do­mi­nar as pró­pri­as ações: qual o re­al sig­ni­fi­ca­do da li­ber­da­de?

UM DOS CON­CEI­TOS MAIS DI­FÍ­CEIS DE DE­FI­NIR EM RE­LA­ÇÃO À EXIS­TÊN­CIA HU­MA­NA É O DE LI­BER­DA­DE. Quan­do se pen­sa nes­sa pa­la­vra, é pos­sí­vel que ima­gens co­mo a de cri­an­ças cor­ren­do, de pás­sa­ros vo­an­do e de cor­ren­tes se abrin­do sur­jam na ima­gi­na­ção. Bus­can­do um sig­ni­fi­ca­do mais pal­pá­vel, o di­ci­o­ná­rio apre­sen­ta até as op­ções de “ou­sa­dia” e “fran­que­za”. O que co­lo­ca a li­ber­da­de não ape­nas co­mo um es­ta­do fí­si­co, de sol­tu­ra, mas men­tal, de au­to­no­mia.

Pa­ra o pro­fes­sor de Fi­lo­so­fia e Psi­co­lo­gia So­ci­al da Fa­cul­da­de de Di­rei­to Pa­dre Ar­nal­do Jans­sen, Lu­ci­a­no Go­mes dos San­tos, o con­cei­to prin­ci­pal é o de co­e­xis­tir com a li­ber­da­de dos ou­tros e es­co­lher o ca­mi­nho e o es­ti­lo de vi­da a se­guir, sem prejudicar os de­mais mem­bros da so­ci­e­da­de. “A li­ber­da­de é mais do que a li­ber­da­de fí­si­ca, is­to é, re­fe­re-se tam­bém à li­ber­da­de in­te­ri­or. Sig­ni­fi­ca ser li­vre em sua vi­da psí­qui­ca, ou se­ja, ter do­mí­nio so­bre os me­dos”, afir­ma.

A BUS­CA PE­LA AU­TO­NO­MIA

Quan­do pe­que­nos, era co­mum que en­xer­gás­se­mos os adul­tos co­mo su­per-he­róis. Afi­nal, eles pa­re­ci­am ser tão se­gu­ros e tão sá­bi­os, tão for­tes e tão pre­pa­ra­dos. Mes­mo com um ca­lor es­cal­dan­te pe­la ma­nhã, eles acon­se­lha­vam le­var um ca­sa­co por­que o frio vi­ria no fim do dia. Ca­so um adul­to dis­ses­se pa­ra não cor­rer se­não iria se ma­chu­car, era jo­e­lho ra­la­do em pou­cos mi­nu­tos. Co­mo eles sa­be­ri­am is­so tu­do se não fos­sem su­per-he­róis?

Pois é, nós cres­ce­mos e per­ce­be­mos que ser adul­to não nos dá po­de­res. O acon­te­ce é que apren­de­mos al­gu­mas lições que nos aju­dam a gui­ar me­lhor a vi­da, mas, por ve­zes, ain­da saí­mos sem ca­sa­cos e pas­sa­mos frio por aí.

Con­quis­tar au­to­no­mia é, oca­si­o­nal­men­te, um dos mai­o­res de­sa­fi­os da vi­da adul­ta. “Li­ber­da­de é, pa­ra mui­tos, a ca­pa­ci­da­de de fo­car em si mes­mo e fa­zer da sua vi­da pri­o­ri­da­de. Mui­tos bus­cam a vi­da in­tei­ra es­sa tal li­ber­da­de, mas não con­se­guem pe­lo fa­to

de en­fren­ta­rem pro­ble­mas de au­to­es­ti­ma. E, por não se re­co­nhe­ce­rem co­mo ca­pa­zes de to­mar de­ci­sões, aca­bam fi­can­do a vi­da in­tei­ra de­pen­den­tes dos de­mais”, ex­pli­ca o neu­ro­ci­en­tis­ta Ari Bri­to.

A li­ber­da­de pro­por­ci­o­na ini­ci­a­ti­va, res­pon­sa­bi­li­da­de, com­pro­me­ti­men­to, en­tre­ga, cons­ci­ên­cia dos ris­cos e de­ci­são de fa­lar por si pró­prio, ar­can­do com seus erros e acer­tos. To­dos es­ses fa­to­res le­vam a uma re­la­ção de tro­ca com o ou­tro. “Não po­de­mos con­fun­dir au­to­no­mia com au­tos­su­fi­ci­ên­cia. Nin­guém é au­tos­su­fi­ci­en­te. Quan­do agi­mos iso­la­da­men­te, re­cu­san­do aju­da, des­con­si­de­ran­do o ou­tro co­mo par­te in­te­gran­te da au­to­no­mia”, pon­tua a psi­có­lo­ga e psi­ca­na­lis­ta Fa­bi­a­na Be­net­ti.

Des­sa for­ma, al­can­çar a au­to­no­mia não quer di­zer “não pre­ci­sar de mais nin­guém pa­ra na­da”, mas en­con­trar em si mes­mo a for­ça pa­ra mo­ver sua vi­da e re­co­nhe­cer nas pes­so­as, o apoio e a im­por­tân­cia que ti­ve­ram du­ran­te to­do o pro­ces­so. “Is­so é di­fe­ren­te de ser de­pen­den­te, co­mo as cri­an­ças são dos adul­tos pa­ra se cons­ti­tuí­rem co­mo su­jei­to”, ex­pli­ca Fa­bi­a­na.

DES­DE CE­DO

Vol­tan­do à ideia de que pa­ra as cri­an­ças os adul­tos são sa­bi­chões, te­mos a im­pres­são de que se eles fa­zem al­go de de­ter­mi­na­da ma­nei­ra, es­ta de­ve ser a cor­re­ta, cer­to? Sen­do as­sim, as cri­an­ças se es­pe­lham nos exem­plos dos adul­tos, e as re­la­ções de se­gu­ran­ça e in­se­gu­ran­ça po­dem ser plan­ta­das du­ran­te es­se pe­río­do.

De acor­do com a psi­có­lo­ga e psi­ca­na­lis­ta Fa­bi­a­na Be­net­ti, quan­do os pais não es­ti­mu­lam a au­to­no­mia da cri­an­ça e fi­cam, por ve­zes, co­lo­can­do-os co­mo mo­de­lo de su­as ide­a­li­za­ções, co­mo se exis­tis­se uma ma­nei­ra per­fei­ta e cer­ta de ser, pos­si­vel­men­te es­ta­rão atro­pe­lan­do um tem­po es­sen­ci­al pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to das cri­an­ças. “Po­de­mos di­zer que a in­de­pen­dên­cia es­tá re­la­ci­o­na­da às ha­bi­li­da­des da cri­an­ça em re­a­li­zar ta­re­fas e se­guir uma re­fe­rên­cia vi­va, pre­sen­te, que tra­ga se­gu­ran­ça a ela. Já a au­to­no­mia es­tá re­la­ci­o­na­da ao de­sen­vol­vi­men­to emo­ci­o­nal da cri­an­ça, e is­so é pos­sí­vel quan­do a mes­ma tem um me­di­a­dor, que é ca­paz de olhar pa­ra seus fi­lhos co­mo ou­tra pes­soa e não ex­ten­são de­les”, afir­ma Fa­bi­a­na.

Na ân­sia de ofe­re­ce­rem uma cri­a­ção com ex­tre­mo pri­mor e ze­lo, os res­pon­sá­veis pe­la cri­an­ça po­dem cul­ti­var a se­men­te de um adul­to in­se­gu­ro e sem au­to­no­mia ne­ces­sá­ria no fu­tu­ro. Se­gun­do a psi­có­lo­ga, cri­an­ças de­vem fa­zer, so­zi­nhas, o que es­ti­ver de acor­do com a fai­xa etá­ria de­las. “O agen­ci­a­men­to que os pais po­dem pro­mo­ver é de in­cen­ti­var as fun­ções bá­si­cas co­mo: co­lo­car a rou­pa, ar­ru­mar a ca­ma, co­mer so­zi­nho, guar­dar os brin­que­dos, to­mar ba­nho e or­ga­ni­zar-se, acre­di­tan­do que seus fi­lhos vão cons­truir seu pró­prio jeito de fa­zer e ser, fo­men­tan­do a se­gu­ran­ça, in­de­pen­dên­cia e au­to­es­ti­ma da cri­an­ça”, des­ta­ca.

O re­co­nhe­ci­men­to por seus fei­tos, por me­no­res que se­jam, po­de au­xi­li­ar na ideia que a cri­an­ça cri­a­rá so­bre si mes­ma, en­quan­to pes­soa. “Elo­gi­ar os pe­que­nos pe­las ati­vi­da­des que re­a­li­zam com su­ces­so, cor­ri­gir com amor nos mo­men­tos mais de­li­ca­dos e re­co­nhe­cer su­as qua­li­da­des aju­da­rá a cri­ar adul­tos mais for­tes no fu­tu­ro”, su­ge­re Ari Bri­to.

LI­BER­DA­DE AJU­DA A SU­PE­RAR

Em uma so­ci­e­da­de re­ple­ta de re­gras e nor­mas de “co­mo de­ve­mos ser” e “o que é cer­to ou er­ra­do”, ca­da vez mais, as pes­so­as en­con­tram di­fi­cul­da­des em se re­co­nhe­cer co­mo al­guém li­vre, as­sim co­mo a pa­la­vra li­ber­da­de vem des­cri­ta no di­ci­o­ná­rio, com di­rei­to pa­ra fa­zer e ser o que de fa­to é.

“Uma vez que a au­to­no­mia ali­men­ta a li­ber­da­de, e com co­ra­gem des­cons­truí­mos

“A au­to­no­mia es­tá re­la­ci­o­na­da ao de­sen­vol­vi­men­to emo­ci­o­nal da cri­an­ça, e is­so é pos­sí­vel quan­do a mes­ma tem um me­di­a­dor, que é ca­paz de olhar pa­ra seus fi­lhos co­mo ou­tra pes­soa e não ex­ten­são de­les” Fa­bi­a­na Be­net­ti, psi­có­lo­ga e psi­ca­na­lis­ta

um mun­do hi­e­rár­qui­co, ide­al, po­den­do atri­buir dig­ni­da­de a tu­do que exis­te, a vi­da se en­che de sen­ti­do, as­sim, su­pe­ra­mos as di­fi­cul­da­des que cri­a­mos e en­con­tra­mos na vi­da”, co­men­ta Fa­bi­a­na Be­net­ti.

Uma pes­soa que age de for­ma sin­ce­ra pa­ra com ela mes­ma e sen­te-se autô­no­ma, li­vre pa­ra bus­car o seu lu­gar ao sol, ten­de a en­ca­rar as di­fi­cul­da­des da vi­da de for­ma mais for­te e co­ra­jo­sa. “Um dos prin­ci­pais in­gre­di­en­tes da re­si­li­ên­cia – que é a ca­pa­ci­da­de de se re­cu­pe­rar das di­fi­cul­da­des – é a au­to­no­mia. Pois a pes­soa tem cons­ci­ên­cia de que aque­la si­tu­a­ção é ape­nas mais uma e na pró­xi­ma vez po­de fa­zer di­fe­ren­te. Além dis­so, não é al­guém que de­pen­den­te dos de­mais e vi­ve cul­pan­do os ou­tros pe­los seus fra­cas­sos”, con­clui o neu­ro­ci­en­tis­ta Ari Bri­to.

“Mui­tos bus­cam a vi­da in­tei­ra es­sa tal li­ber­da­de, mas não con­se­guem pe­lo fa­to de en­fren­ta­rem pro­ble­mas de au­to­es­ti­ma”

Ari Bri­to, neu­ro­ci­en­tis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.