UMA LÁ­GRI­MA FAZ BEM

Mo­men­tos de tris­te­za não só fa­zem par­te da vi­da co­mo são ne­ces­sá­ri­os pa­ra o cres­ci­men­to pes­so­al

Ciencia em foco - - ÍNDICE - TEX­TO Éri­ka Al­fa­ro/Co­la­bo­ra­do­ra DESIGN Mary El­len Ma­cha­do

Di­an­te da “di­ta­du­ra da fe­li­ci­da­de”, es­que­ce­mos que a tris­te­za faz par­te da vi­da

CAR­LOS DRUM­MOND DE AN­DRA­DE ALERTOU A TO­DOS COM OS SEUS VERSOS AO DI­ZER QUE NO MEIO DO CA­MI­NHO TI­NHA UMA PE­DRA. O po­e­ta só se es­que­ceu de acres­cen­tar que ela não vi­nha de­sa­com­pa­nha­da, por­que os nos­sos ca­mi­nhos es­tão re­ple­tos de pe­dras me­ta­fó­ri­cas. A tra­je­tó­ria da vi­da ga­ran­te sua im­per­fei­ção e seus pe­río­dos de me­lan­co­lia. Por is­so, ques­ti­o­na­mos: te­ria co­mo ser di­fe­ren­te?

É fa­to que nin­guém é fe­liz o tem­po to­do, o que é nor­mal e per­fei­ta­men­te sau­dá­vel. A tris­te­za é um dos mui­tos sen­ti­men­tos e emo­ções pre­sen­te nas ex­pe­ri­ên­ci­as que trans­for­mam as pes­so­as no que elas são, en­ri­que­cem seus pen­sa­men­tos e são ca­pa­zes de pro­mo­ver o ama­du­re­ci­men­to.

BUS­CAN­DO O INALCANÇÁVEL

Con­sul­tan­do as re­des so­ci­ais, en­con­tra­mos pu­bli­ca­ções que re­tra­tam ce­ná­ri­os que pa­re­cem má­gi­cos: re­la­ci­o­na­men­tos per­fei­tos, de­cla­ra­ções de amor eter­no, fa­mí­li­as uni­das, tra­ba­lhos bem-su­ce­di­dos, vi­a­gens des­lum­bran­tes, co­mi­das de­li­ci­o­sas e ra­ci­o­cí­ni­os aplau­di­dos pe­los ami­gos.

Anún­ci­os pu­bli­ci­tá­ri­os, ca­pas de re­vis­tas, pra­te­lei­ras de li­vra­ri­as e até con­sul­tó­ri­os de pro­fis­si­o­nais cons­tro­em a ima­gem da vi­da per­fei­ta, do po­te de ou­ro no fi­nal do ar­co-íris e da fe­li­ci­da­de ir­res­tri­ta. Mas, se­rá que ela exis­te mes­mo? Em um mun­do cer­ca­do de se­res hu­ma­nos e con­tex­tos tão com­ple­xos, um sen­ti­men­to, uma emo­ção ou es­ta­do de es­pí­ri­to po­de ser ab­so­lu­to?

Es­ta­mos fa­lan­do da “di­ta­du­ra da fe­li­ci­da­de”, a ideia ven­di­da por tu­do o que é mi­diá­ti­co de que pre­ci­sa­mos, o tem­po to­do, bus­car ser fe­liz a qual­quer cus­to e que, nes­se mun­do co­lo­ri­do, não há es­pa­ço pa­ra des­con­ten­ta­men­to. De acor­do com a psi­có­lo­ga e psi­co­te­ra­peu­ta Mau­ra de Al­ba­ne­si, es­sa é uma fe­li­ci­da­de ilu­só­ria e, ge­ral­men­te, faz com que as pes­so­as se sin­tam mal por­que elas não re­co­nhe­cem su­as pró­pri­as vi­das na­que­las re­tra­ta­das pe­la mí­dia ou pre­sen­tes nas re­des so­ci­ais. “Além dis­so, ca­be a ca­da in­di­ví­duo re­fle­tir o que é fe­li­ci­da­de pa­ra si e es­ti­pu­lar, in­de­pen­den­te de qual­quer coi­sa, o que o faz fe­liz. A fe­li­ci­da­de é mui­to par­ti­cu­lar, é um es­ta­do de al­ma e não de con­quis­ta”, afir­ma a pro­fis­si­o­nal.

A cri­a­ção da ima­gem ne­ga­ti­va acer­ca da tris­te­za e a de jú­bi­lo eter­no so­bre a fe­li­ci­da­de de­sen­ca­deia di­ver­sos pro­ble­mas co­ti­di­a­nos. A an­si­e­da­de po­de se ma­ni­fes­tar quan­do um in­di­ví­duo ide­a­li­za sem­pre mais, já que a vi­da que pos­sui sim­ples­men­te não é aque­la al­me­ja­da. E, nes­sa cor­ri­da pe­la ple­ni­tu­de, a frus­tra­ção é qua­se cer­ta. Se es­sa fe­li­ci­da­de in­fi­ni­ta e in­to­cá­vel é ilu­só­ria, as pes­so­as só acu­mu­lam de­cep­ções quan­do não a al­can­çam. “Uma ex­pec­ta­ti­va al­ta tem gran­de po­der de ge­rar frus­tra­ções, pois, quan­do con­se­gui­mos al­go, aca­ba sen­do me­nos do que ha­vía­mos pla­ne­ja­do”, des­ta­ca Wil­li­am Fer­raz, te­ra­peu­ta e mas­ter co­a­ch es­pe­ci­a­lis­ta em neu­ro­ci­ên­cia e in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal.

VI­VEN­DO E APRENDENDO

Uma pes­qui­sa de­sen­vol­vi­da por ci­en­tis­tas da Uni­ver­si­da­de de Leu­ven, na Bél­gi­ca, con­cluiu que a tris­te­za é a emo­ção mais du­ra­dou­ra que exis­te. Ou se­ja, quan­do o sen­ti­men­to é aci­o­na­do, ele per­ma­ne­ce por mais tem­po do que qual­quer ou­tro – se fi­ca­mos fe­li­zes, a sen­sa­ção pas­sa mais rá­pi­do.

O es­tu­do con­tou com 233 pes­so­as que re­lem­bra­ram epi­só­di­os es­pe­cí­fi­cos que pro­vo­ca­vam al­gu­ma emo­ção. De­pois dis­so, os vo­lun­tá­ri­os re­la­ta­ram por quan­to tem­po se sen­ti­ram da­que­la ma­nei­ra. Fo­ram 27 emo­ções e a avaliação fi­nal de­mons­trou que a tris­te­za per­ma­ne­ceu com a pes­soa por cer­ca de cin­co di­as (120 ho­ras), en­quan­to a ver­go­nha du­rou, em mé­dia, meia hora; a rai­va, du­as ho­ras; a in­ve­ja, 15 ho­ras; o de­ses­pe­ro, 24 ho­ras, e a ale­gria per­ma­ne­ceu por 35 ho­ras.

Is­so acon­te­ce não por­que a tris­te­za é mais po­de­ro­sa ou mais im­por­tan­te, mas pe­lo fa­to de que, quan­do es­ta­mos tris­tes, a re­fle­xão é ine­vi­tá­vel, po­den­do ser mui­to po­si­ti­va. Quan­do olhamos pa­ra nós mes­mos, pen­sa­mos no pla­no ge­ral e re­co­nhe­ce­mos aqui­lo

A cri­a­ção da ima­gem ne­ga­ti­va acer­ca da tris­te­za e a de jú­bi­lo eter­no so­bre a fe­li­ci­da­de de­sen­ca­deia di­ver­sos pro­ble­mas co­ti­di­a­nos. A an­si­e­da­de po­de se ma­ni­fes­tar quan­do um in­di­ví­duo ide­a­li­za sem­pre mais, já que a vi­da que pos­sui sim­ples­men­te não é aque­la al­me­ja­da. E, nes­sa cor­ri­da pe­la ple­ni­tu­de, a frus­tra­ção é qua­se cer­ta

que nos faz mal, tor­na-se mais sim­ples en­fren­tar a si­tu­a­ção e mu­dar de­ter­mi­na­dos as­pec­tos – afi­nal, apren­de­mos o que nos dei­xa tris­tes e po­de­mos ca­na­li­zar nos­sas ener­gi­as pa­ra uma mu­dan­ça de ati­tu­de. “A tris­te­za traz um apro­fun­da­men­to pa­ra a pes­soa ave­ri­guar o que é bom ou não na vi­da de­la, pro­vo­can­do tam­bém o de­sa­pe­go”, as­si­na­la Mau­ra.

De acor­do com a psi­ca­na­lis­ta Cris­ti­an­ne Vi­la­ça, a tris­te­za pro­pi­cia um mo­men­to ex­tre­ma­men­te im­por­tan­te no qual a nos­sa psi­que re­qui­si­ta um re­co­lhi­men­to em di­re­ção ao mun­do in­te­ri­or pa­ra que pos­sa­mos ela­bo­rar as si­tu­a­ções que ain­da não es­tão com­pre­en­di­das ou as di­fi­cul­da­des que ain­da não fo­ram su­pe­ra­das. “Sem es­te mo­men­to de in­ter­na­li­za­ção da nos­sa ener­gia, a ela­bo­ra­ção dos com­ple­xos não po­de ocor­rer. Ao vi­ven­ci­ar­mos os mo­men­tos de tris­te­za sem ten­tar im­pe­di-los de se ma­ni­fes­ta­rem, te-

“A tris­te­za traz um apro­fun­da­men­to pa­ra a pes­soa ave­ri­guar o que é bom ou não na vi­da de­la, pro­vo­can­do tam­bém o de­sa­pe­go”

Mau­ra de Al­ba­ne­si, psi­có­lo­ga e psi­co­te­ra­peu­ta

re­mos a opor­tu­ni­da­de de um cres­ci­men­to pes­so­al e uma mai­or com­pre­en­são de quem nós so­mos”, completa. Ade­mais, a re­so­lu­ção de pro­ble­mas e a eu­fo­ria da su­pe­ra­ção sem­pre acon­te­cem de­pois do so­fri­men­to. As­sim, a tris­te­za tam­bém é im­por­tan­te pa­ra a mai­or apre­ci­a­ção e va­lo­ri­za­ção da ver­da­dei­ra ale­gria.

A DI­FE­REN­ÇA EN­TRE SER E ES­TAR

“A tris­te­za faz par­te da vi­da e do pro­ces­so de cres­ci­men­to, nos co­lo­ca em con­ta­to co­nos­co, in­te­ri­o­ri­zan­do e apro­fun­dan­do nos­sos pro­ble­mas. Por­tan­to, se al­guém dis­ser ‘eu nun­ca fi­quei tris­te’, é o mes­mo que afir­mar que nun­ca se apro­fun­dou em ne­nhu­ma ques­tão”, res­sal­ta Mau­ra.

En­tre­tan­to, se, por um la­do, a vi­vên­cia de mo­men­tos de me­lan­co­lia é ne­ces­sá­ria pa­ra o ama­du­re­ci­men­to e pa­ra equi­li­brar nos­sas ex­pe­ri­ên­ci­as, exis­te uma gran­de di­fe­ren­ça en­tre “es­tar tris­te” e “ser tris­te”. Quan­do es­sa emo­ção per­sis­tir e co­me­çar a atra­pa­lhar a ro­ti­na ou as re­la­ções so­ci­ais, po­de ser um si­nal de de­pres­são. “Se a tris­te­za se tor­na crô­ni­ca, tal­vez se­ja o mo­men­to de pen­sar em bus­car uma te­ra­pia ana­lí­ti­ca pa­ra que se pos­sa en­ten­der os as­pec­tos in­cons­ci­en­tes que não es­tão sen­do com­pre­en­di­dos e tra­ba­lha­dos”, re­co­men­da Cris­ti­an­ne. A pro­fis­si­o­nal ain­da res­sal­ta que es­sa emo­ção aca­ba fun­ci­o­nan­do co­mo uma es­pé­cie de mar­ca­dor que nos in­for­ma se a ques­tão que nos afe­ta foi ou não su­pe­ra­da.

NÃO ADI­AN­TA FU­GIR

A tris­te­za é uma das nos­sas emo­ções bá­si­cas e na­tu­rais, por is­so, re­pri­mi-la não de­ve ser uma op­ção. “A ci­ên­cia atu­al, bem co­mo sua es­trei­ta re­la­ção com a mí­dia, es­tá po­la­ri­za­da e, em ra­zão dis­so, pas­sou a de­ter­mi­nar que emo­ções con­si­de­ra­das ne­ga­ti­vas de­vam ser evi­ta­das, se­não abo­li­das a qual­quer cus­to. E, nes­ta li­nha, a tris­te­za pas­sou a ser con­si­de­ra­da al­go ne­ga­ti­vo a ser im­pe­di­da de se ma­ni­fes­tar, ain­da que, pa­ra tan­to, se­ja

ne­ces­sá­rio dro­gar as pes­so­as com pí­lu­las”, res­sal­ta a psi­ca­na­lis­ta Cris­ti­an­ne Vi­la­ça.

E não é só a men­te que per­ce­be os efei­tos de um sen­ti­men­to coi­bi­do. O nos­so or­ga­nis­mo tam­bém não foi pro­je­ta­do pa­ra guar­dar as emo­ções, mas pa­ra vi­vê-las. Além dis­so, ci­en­tis­tas co­mo o ame­ri­ca­no Ro­bert Wright acre­di­tam que a fe­li­ci­da­de é fu­gaz por uma ra­zão: se ela não ti­ves­se pra­zo de va­li­da­de, as pes­so­as não te­ri­am mais mo­ti­va­ções pa­ra se­guir adi­an­te e tra­çar no­vas me­tas. En­tão, a tris­te­za po­de as­su­mir o pa­pel de “com­bus­tí­vel” da evo­lu­ção hu­ma­na.

Sem con­tar a ins­pi­ra­ção que nas­ce de mo­men­tos de pu­ra tris­te­za e re­fle­xão. Qu­an­tos po­e­mas não fo­ram es­cri­tos quan­do seus au­to­res es­ta­vam no fun­do do po­ço? Quan­tas mú­si­cas não sur­gi­ram em de­cor­rên­cia de um co­ra­ção par­ti­do? Tal­vez, ape­nas com es­sas in­da­ga­ções, mui­tos exem­plos ve­nham à men­te.

Um es­tu­do fei­to em 2003 pe­la Har­vard Me­di­cal Scho­ol ana­li­sou 17 pa­ci­en­tes di­ag­nos­ti­ca­dos com de­pres­são e ou­tros 16 com ci­clo­tí­mi­ca – um trans­tor­no se­me­lhan­te à bi­po­la­ri­da­de – em com­pa­ra­ção com um gru­po de pes­so­as sem quais­quer re­gis­tros de pro­ble­mas psi­co­ló­gi­cos. O re­sul­ta­do da pes­qui­sa foi, no mí­ni­mo, in­tri­gan­te. Is­so por­que os in­di­ví­du­os que so­fri­am de do­en­ças psí­qui­cas de­mons­tra­ram ín­di­ces mui­to mai­o­res de cri­a­ti­vi­da­de e de idei­as ino­va­do­ras.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.