LIÇÕES DE OU­RO

Os Jo­gos Olím­pi­cos de 2016 fo­ram a pro­va de­fi­ni­ti­va de que o es­por­te po­de, e de­ve, ser uma fer­ra­men­ta de trans­for­ma­ção so­ci­al

Ciencia em foco - - ÍNDICE - TEX­TO Éri­ka Al­fa­ro/Co­la­bo­ra­do­ra DESIGN Gui­lher­me Lau­ren­te/Co­la­bo­ra­dor

O que po­de­mos apren­der com al­guns epi­só­di­os vis­tos nos Jo­gos Olím­pi­cos

PO­DE ATÉ PA­RE­CER UMA COM­PE­TI­ÇÃO CU­JO OB­JE­TI­VO SE RE­SU­ME A CON­SA­GRAR OS ME­LHO­RES DE CA­DA MO­DA­LI­DA­DE. En­tre­tan­to, os Jo­gos Olím­pi­cos são mui­to mais do que ven­cer. O tor­neio, que sur­giu por vol­ta de 776 a.C. co­mo uma for­ma de ho­me­na­ge­ar os deu­ses, tam­bém se trans­for­mou em um sím­bo­lo de hu­ma­ni­da­de e su­pe­ra­ção. A his­tó­ria das pes­so­as por trás dos atle­tas que re­pre­sen­tam a eli­te es­por­ti­va dos paí­ses par­ti­ci­pan­tes é ca­paz de ins­pi­rar e emo­ci­o­nar po­pu­la­ções por to­do o mun­do.

Des­de sua ori­gem, as Olim­pía­das têm co­mo prin­cí­pi­os a paz e a har­mo­nia. “Se­ve­ras re­gras re­gi­am os Jo­gos. En­tre elas, a do ‘ar­mis­tí­cio sa­gra­do’, em que os he­le­nos es­que­ci­am mo­men­ta­ne­a­men­te su­as dis­pu­tas e de­di­ca­vam-se às ati­vi­da­des pa­cí­fi­cas sob a pro­te­ção dos deu­ses. Às vés­pe­ras do gran­de con­fron­to com os per­sas, em 480 a.C. – ba­ta­lha re­tra­ta­da no fil­me 300 de Es­par­ta –, o po­vo he­lê­ni­co es­ta­va reu­ni­do em Olím­pia pa­ra a re­a­li­za­ção do 75° Jo­gos Olím­pi­cos”, afir­ma o si­te ofi­ci­al do Co­mi­tê Olím­pi­co do Bra­sil (COB).

Des­sa for­ma, em ca­da edi­ção da com­pe­ti­ção, so­mos pre­sen­te­a­dos com mo­men­tos que re­tra­tam o ver­da­dei­ro es­pí­ri­to olím­pi­co, sen­ti­men­to ca­paz de res­tau­rar a fé nas pes­so­as. Por meio do es­por­te, o mun­do to­do en­tra em con­ta­to com tra­je­tó­ri­as de su­pe­ra­ção, per­sis­tên­cia, lu­tas in­ter­nas e ex­ter­nas, além de mo­men­tos que mis­tu­ram ale­gria e tris­te­za e são ca­pa­zes de mu­dar a vi­da dos en­vol­vi­dos.

ES­PÍ­RI­TO OLÍM­PI­CO

Quem es­te­ve no Rio de Ja­nei­ro no pe­río­do em que as Olim­pía­das es­ta­vam acon­te­cen­do, afir­mou que o cli­ma da ci­da­de mu­dou. O es­pí­ri­to olím­pi­co es­ta­va no ar. Nes­se con­tex­to, mais do que ído­los por seus mé­ri­tos es­por­ti­vos, os atle­tas tor­na­ram-se exem­plos. Mais do que pre­mi­a­ções que evi­den­ci­am as me­lho­res per­for­man­ces, as me­da­lhas co­ro­a­ram his­tó­ri­as de vi­da.

Se­gun­do a psi­có­lo­ga e psi­co­te­ra­peu­ta Mau­ra de Al­ba­ne­si, os jo­gos des­per­ta­ram nos bra­si­lei­ros uma gran­de ale­gria, além da ins­pi­ra­ção: ver o exem­plo dos atle­tas pas­sou uma men­sa­gem pa­ra as pes­so­as en­fren­ta­rem seus pró­pri­os li­mi­tes, irem além dos obs­tá­cu­los e per­se­gui­rem seus so­nhos. “O es­por­te e as Olim­pía­das me­xe­ram com to­do mun­do, a ener­gia foi di­fe­ren­te. Ver aque­las pes­so­as se es­for­çan­do tan­to pa­ra che­gar até lá, na­que­le mi­nu­to em que elas ti­nham que dar o me­lhor de­las mes­mas. Um ins­tan­te po­de­ria co­lo­car tu­do a per­der. E a vi­da é as­sim, ela se pas­sa sem­pre nes­se mi­nu­to. En­tão, é no ago­ra que te­mos que dar tu­do de nós mes­mos”, ana­li­sa a pro­fis­si­o­nal.

DAN­DO A VOL­TA POR CI­MA

Rafaela Sil­va, ju­do­ca de 24 anos, foi a pri­mei­ra bra­si­lei­ra a con­quis­tar a me­da­lha de ou­ro no Rio de Ja­nei­ro. A fe­li­ci­da­de pe­lo triun­fo foi enor­me, mas, no mo­men­to de ce­le­bra­ção, o pas­sa­do não foi es­que­ci­do. Após ser des­clas­si­fi­ca­da nos Jo­gos de Lon­dres (2012) em de­cor­rên­cia de um gol­pe ile­gal apli­ca­do pe­la hún­ga­ra Hed­vig Ka­ra­kas, Rafaela foi al­vo de xin­ga­men­tos ra­cis­tas e che­gou a ser cha­ma­da de “ver­go­nha pa­ra sua fa­mí­lia”.

A ca­ri­o­ca fi­cou mui­to aba­la­da por cau­sa do epi­só­dio de dis­cri­mi­na­ção, re­la­tan­do que cho­ra­va mui­to du­ran­te os treinos e que qua­se aban­do­nou o judô. No en­tan­to, ela não de­sis­tiu do seu so­nho. Qua­tro anos de­pois, pô­de su­bir ao lu­gar mais al­to do pó­dio e, or­gu­lho­sa­men­te, afir­mar: “dis­se­ram que eu de­ve­ria es­tar pre­sa na jau­la e, ho­je, eu te­nho uma me­da­lha no pei­to”.

Além dis­so, Rafaela tam­bém te­ve uma tra­je­tó­ria de mui­ta lu­ta no es­por­te. A me­ni­na co­me­çou jo­gan­do fu­te­bol em um ti­me mas­cu­li­no, mas foi im­pe­di­da de con­ti­nu­ar na mo­da­li­da­de por­que as mu­lhe­res não po­di­am com­pe­tir. Nas­ci­da no Rio de Ja­nei­ro, na co­mu­ni­da­de da Ci­da­de de Deus (Zo­na Oes­te), ini­ci­ou sua car­rei­ra co­mo ju­do­ca no Ins­ti­tu­to Re­a­ção, uma or­ga­ni­za­ção não go­ver­na­men­tal. Des­sa for­ma, te­ve que su­pe­rar mui­tos pre­con­cei­tos pa­ra che­gar on­de che­gou.

Ou­tro bra­si­lei­ro que emo­ci­o­nou o país foi o gi­nas­ta Di­e­go Hy­po­li­to. Na fi­nal do so­lo nas Olim­pía­das de Pe­quim (2008), o atle­ta fa­zia uma apre­sen­ta­ção im­pe­cá­vel e era um can­di­da­to mui­to for­te ao pó­dio. En­tre­tan­to, per­deu o equi­lí­brio e so­freu a que­da que ti­rou sua me­da­lha, uma vez que fi­cou na sex­ta po­si­ção. Qua­tro anos de­pois, em Lon­dres, se­quer con­quis­tou uma va­ga nas fa­ses fi­nais de­pois de cair no­va­men­te. Des­sa vez, com o ros­to no chão.

As crí­ti­cas di­re­ci­o­na­das a Di­e­go fo­ram du­ras. Pa­ra mui­tas pes­so­as, aque­le mo­men­to po­de­ria ser o fi­nal da sua car­rei­ra. Mas, pa­ra o gi­nas­ta, não. O ano de 2016 mar­cou sua su­pe­ra­ção e o so­nho olím­pi­co fi­nal­men­te ren­deu fru­tos. A me­da­lha de pra­ta no so­lo, em ca­sa, fez o atle­ta ir às lá­gri­mas.

“Já pas­sei por mui­tas di­fi­cul­da­des, co­mo a mi­nha mãe cho­ran­do por­que não tí­nha­mos o que co­mer. As der­ro­tas ser­vi­ram pa­ra eu ver que não eram só as Olim­pía­das, que exis­tem coi­sas mais im­por­tan­tes, co­mo a fa­mí­lia. Fi­quei me­nos egoís­ta”, afir­mou em en­tre­vis­ta co­le­ti­va no Rio de Ja­nei­ro.

Hy­po­li­to tam­bém re­ve­lou que, além das di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras pe­las quais pas­sou, tam­bém pre­ci­sou su­pe­rar pro­ble­mas fí­si­cos e psi­co­ló­gi­cos. O gi­nas­ta fi­cou um lon­go tem­po sem trei­nar, pas­sou por dez ci­rur­gi­as e te­ve de­pres­são. As­sim, a men­sa­gem de Di­e­go aos bra­si­lei­ros foi cla­ra: nun­ca de­sis­ta dos seus so­nhos.

DI­PLO­MA­CIA OLÍMPICA: CO­REIA DO NOR­TE E CO­REIA DO SUL

Po­de­ria ser uma foto qual­quer, mas a sel­fie que co­lo­cou la­do a la­do a sul-co­re­a­na Lee Eun-jo e a nor­te-co­re­a­na Hong Un Jong é em­ble­má­ti­ca. As du­as na­ções, que já se en­fren­ta­ram em uma gu­er­ra na dé­ca­da de 1950, vi­vem uma re­la­ção pra lá de ten­sa. Sen­do as­sim, quan­do, em um even­to mun­di­al, as du­as atle­tas deixam de la­do to­do es­se ce­ná­rio con­tur­ba­do e ul­tra­pas­sam de­ter­mi­na­das bar­rei­ras, po­de-se ob­ser­var co­mo a com­pe­ti­ção cons­ti­tui um ter­ri­tó­rio que abre es­pa­ço pa­ra rup­tu­ra de im­po­si­ções po­lí­ti­cas e ide­o­ló­gi­cas.

“Im­por­tan­te lem­brar que, nes­se ca­so, a Co­reia do Nor­te vem bus­can­do di­plo­ma­cia no es­por­te. Acre­di­to que o es­por­te trans­for­ma pes­so­as, por is­so é um mo­men­to no qual não de­ve­ria existir gu­er­ra e nem ini­mi­gos”, pon­tua Ja­ques Grin­berg, em­pre­sá­rio, co­a­ch e es­cri­tor.

Mau­ra tam­bém acres­cen­ta que, de for­ma sim­bó­li­ca, as Olim­pía­das cri­a­ram mo­men­tos que aju­da­ram a des­per­tar uma vi­são mais igua­li­tá­ria dos se­res hu­ma­nos. Ou se­ja, ape­sar de to­da a ba­ga­gem cul­tu­ral, so­ci­al e his­tó­ri­ca, os atle­tas con­quis­ta­ram seus es­pa­ços e de­mons­tra­ram su­as ap­ti­dões.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.