CA­SAR OU COM­PRAR UMA BI­CI­CLE­TA?

Em meio a tan­tas opor­tu­ni­da­des, op­ções e ca­mi­nhos, co­mo nos ori­en­tar pa­ra fa­zer bo­as es­co­lhas?

Ciencia em foco - - ÍNDICE - TEX­TO Ana Be­a­triz Gar­cia/Co­la­bo­ra­do­ra DESIGN Gui­lher­me Lau­ren­te/Co­la­bo­ra­dor

To­da es­co­lha cau­sa im­pac­to na nos­sa vi­da. Sai­ba co­mo fa­zer as mais ade­qua­das

RESPONDA RA­PI­DA­MEN­TE AOS SE­GUIN­TES QUES­TI­O­NA­MEN­TOS: UMA COR? UMA CO­MI­DA? UMA MÚ­SI­CA? Tais in­da­ga­ções são res­pon­di­das to­dos os di­as. Sem per­ce­ber, do mo­men­to em que des­per­ta­mos até ador­me­cer­mos, es­ta­mos to­man­do de­ci­sões. Por ve­zes, já dei­ta­dos na ca­ma, ain­da re­pen­sa­mos as es­co­lhas que fi­ze­mos du­ran­te o dia e dei­xa­mos al­gu­mas pre­vi­a­men­te de­fi­ni­das pa­ra o pró­xi­mo.

Uma pes­qui­sa com mais de dois mil ame­ri­ca­nos re­a­li­za­da pe­la psi­có­lo­ga e eco­no­mis­ta She­e­na Iyen­gar, es­cri­to­ra do li­vro The Art of Cho­o­sing (A ar­te da es­co­lha, em por­tu­guês), re­ve­lou que o ame­ri­ca­no faz cer­ca de 70 es­co­lhas em um dia co­mum.

Em ou­tro es­tu­do, ci­en­tis­tas do­cu­men­ta­ram to­das as ta­re­fas nas quais os che­fes exe­cu­ti­vos de uma em­pre­sa se en­vol­ve­ram e quan­to tem­po le­va­ram até to­ma­rem de­ci­sões. “Eles che­ga­ram à con­clu­são que os che­fes exe­cu­ti­vos se en­vol­vem em cer­ca de 140 ta­re­fas em uma se­ma­na. Ca­da uma de­las era com­pos­ta de mui­tas sub-es­co­lhas. 50% das de­ci­sões eram fei­tas em no­ve mi­nu­tos ou me­nos. So­men­te cer­ca de 12% das de­ci­sões eram fei­tas de­mo­ran­do uma hora ou mais”, de­cla­rou a pes­qui­sa­do­ra du­ran­te pa­les­tra no TED, con­fe­rên­cia que reú­ne pes­so­as pa­ra dis­se­mi­nar bo­as idei­as e so­lu­ções ino­va­do­ras.

O ques­ti­o­na­men­to que se­gue na apre­sen­ta­ção de She­e­na ser­ve tam­bém pa­ra nos­sa re­fle­xão. “Co­mo é que vo­cês es­tão em re­la­ção ao ge­ren­ci­a­men­to de su­as es­co­lhas?”, per­gun­tou ao pú­bli­co.

BOMBARDEIO DE OP­ÇÕES

Ima­gi­ne uma pra­te­lei­ra com mais de 250 ti­pos di­fe­ren­tes de mos­tar­das e vi­na­gres e ou­tros 348 ti­pos di­fe­ren­tes de ge­leia (além de mui­tas op­ções de azei­tes, fru­tas, le­gu­mes e ver­du­ras). Sua fun­ção é es­co­lher al­guns itens de sua pre­fe­rên­cia. Vo­cê pen­sa que sai­ria da lo­ja com a sa­co­la cheia ou sem ne­nhum item?

Es­se ca­so é re­al, e quan­do a psi­có­lo­ga She­e­na Iyen­gar era uma es­tu­dan­te de gra­du­a­ção na Uni­ver­si­da­de de Stan­ford, na Ca­li­fór­nia, ela dei­xa­va es­sa lo­ja com as mãos aba­nan­do. De­pois de se ques­ti­o­nar o porquê de não com­prar ne­nhu­ma das va­ri­a­das op­ções, ela propôs ao do­no da lo­ja que fi­zes­se uma pes­qui­sa com os cli­en­tes. “Nós apron­ta­mos uma pe­que­na ca­bi­ne de tes­tes bem pró­xi­ma à en­tra­da da lo­ja. Co­lo­ca­mos seis sa­bo­res di­fe­ren­tes de ge­leia ou 24 sa­bo­res di­fe­ren­tes de ge­leia”, con­ta She­e­na.

A ideia era con­fe­rir quan­tas pes­so­as pa­ra­ri­am em ca­da um dos ca­sos pa­ra pro­var ge­lei­as e em qual de­les elas fi­ca­vam mais pro­pen­sas a com­prar. O re­sul­ta­do foi bas­tan­te re­ve­la­dor: 60% das pes­so­as pa­ra­vam na ca­bi­ne quan­do es­ta exi­bia 24 ti­pos de ge­leia, des­tas ape­nas 3% ad­qui­ri­am o po­te. Ao pas­so que 30% das pes­so­as que pa­ra­vam na ca­bi­ne de seis op­ções ad­qui­ri­ram a ge­leia de sua pre­fe­rên­cia.

Ou se­ja, quan­do as pes­so­as ti­nham me­nos op­ções, tor­na­va-se mais fá­cil de­li­mi­tar os cri­té­ri­os pa­ra que es­co­lhes­sem al­go que as agra­das­sem. De acor­do com She­e­na, as pes­so­as “es­tão mais pro­pen­sas a re­tar­dar

a es­co­lha – pro­cras­ti­nar mes­mo quan­do is­to vai con­tra o seu me­lhor in­te­res­se. Elas ten­dem a fa­zer a pi­or es­co­lha – pi­o­res es­co­lhas fi­nan­cei­ras, es­co­lhas mé­di­cas – a op­ta­rem por coi­sas que as deixam me­nos sa­tis­fei­tas, mes­mo quan­do elas su­ce­dem ob­je­ti­va­men­te”.

Is­so ocor­re por­que es­ta­mos to­dos os di­as ex­pos­tos a uma quan­ti­da­de in­fi­ni­ta de op­ções e ca­mi­nhos. So­mos bom­bar­de­a­dos por pro­pa­gan­das, anún­ci­os de ven­da e va­gas de em­pre­go, por exem­plo. Re­co­nhe­cer se, em meio a tan­tas op­ções, nos­sas de­ci­sões irão nos le­var pe­lo ca­mi­nho cer­to é uma missão que exi­ge au­to­co­nhe­ci­men­to.

CO­MO FA­ZER “BO­AS ES­CO­LHAS”

Ain­da na in­fân­cia, es­co­lher não é ta­re­fa fá­cil e re­cor­re­mos a téc­ni­cas co­mo “mi­nha mãe man­dou” e “uni du­ni tê” pa­ra nos au­xi­li­ar em nos­sas pri­mei­ras de­ci­sões. Se­rá que con­for­me cres­ce­mos e ama­du­re­ce­mos is­so se tor­na al­go mais sim­ples? Afi­nal, o que sig­ni­fi­ca fa­zer bo­as es­co­lhas?

“Em vez de fa­lar de es­co­lhas bo­as ou más, pre­fi­ro fa­lar de es­co­lhas que fun­ci­o­nam ou não”, de­cla­ra o pro­fes­sor do MBA de Ges­tão Es­tra­té­gi­ca de Pes­so­as da Es­co­la de En­ge­nha­ria da UFRJ, André Da­met­to. Se­gun­do ele, o con­cei­to de bom ou mau tem uma co­no­ta­ção mo­ral mui­to for­te. “Há di­ver­sas ‘bo­as es­co­lhas’ que não se ade­quam à nos­sa re­a­li­da­de. Des­sa for­ma, en­ten­do que as es­co­lhas que fun­ci­o­nam são aque­las que nos aju­dam a nos apro­xi­mar de nos­sas vo­ca­ções”, com­ple­men­ta.

Des­sa for­ma, é im­por­tan­te pen­sar que as es­co­lhas de­vem, em pri­mei­ro lu­gar, con­tem­plar os nos­sos va­lo­res e sa­ci­ar as nos­sas ne­ces­si­da­des. A cla­re­za em re­la­ção ao que so­mos e de­se­ja­mos pa­ra a vi­da po­de fa­ci­li­tar os pro­ces­sos de de­ci­são em di­ver­sos as­pec­tos. “An­tes de fa­zer qual­quer es­co­lha, pa­re al­guns mi­nu­tos e se per­gun­te: vo­cê re­al­men­te pre­ci­sa pas­sar por es­sa si­tu­a­ção? Fa­ça uma re­fle­xão cons­ci­en­te, ali­nha­da com su­as cren­ças e va­lo­res, es­ti­lo de vi­da e ne­ces­si­da­des,

or­ça­men­to e re­a­li­da­des. Só de­pois dis­so to­me uma de­ci­são”, in­di­ca a co­a­ch de al­ta per­for­man­ce e es­cri­to­ra Pau­la Abreu.

Uma es­co­lha é sem­pre acom­pa­nha­da de ab­di­ca­ções e, por ve­zes, o que se per­de é tão im­por­tan­te quan­to o que se ga­nha. Sen­do as­sim, as de­ci­sões de­vem ser fei­tas com cal­ma, re­fle­xão e ma­tu­ri­da­de. “Sem­pre re­fli­ta an­tes de uma de­ci­são. Ava­lie se es­sa es­co­lha vai te tra­zer mais fe­li­ci­da­de, se es­ta­rá te aju­dan­do a al­can­çar seus ob­je­ti­vos”, acon­se­lha Pau­la.

EM QUA­TRO PAS­SOS

Cor­te. Se­gun­do a psi­có­lo­ga She­e­na Iyen­gar, es­se é o pri­mei­ro pas­so pa­ra al­can­çar bons re­sul­ta­dos com su­as es­co­lhas. “Vo­cês ou­vi­ram is­to an­tes, mas is­to nun­ca foi tão ver­da­dei­ro quan­to ho­je, o me­nos é mais”, dis­se du­ran­te pa­les­tra no TED. De acor­do com ela, se vo­cê es­tá dis­pos­to a cor­tar tem de fu­gir da­que­las opi­niões su­pér­flu­as e re­dun­dan­tes. “Li­vre-se das al­ter­na­ti­vas ir­re­le­van­tes”, res­sal­ta a psi­có­lo­ga.

O se­gun­do pas­so pro­pos­to é pa­ra que tor­ne su­as es­co­lhas em fei­tos re­ais: con­cre­ti­zar. “Por que as pes­so­as gas­tam uma mé­dia de 15% a 30% mais quan­do usam um car­tão de ban­co ou um car­tão de cré­di­to do que quan­do usam di­nhei­ro? Por­que não pa­re­ce ser di­nhei­ro re­al. Pa­ra as pes­so­as en­ten­de­rem as di­fe­ren­ças en­tre as es­co­lhas, elas têm que ser ca­pa­zes de en­ten­der as con­sequên­ci­as as­so­ci­a­das com ca­da op­ção, e que as con­sequên­ci­as pre­ci­sam ser sen­ti­das de uma for­ma vi­va, de uma ma­nei­ra con­cre­ta”, res­sal­ta She­e­na.

O pró­xi­mo pas­so é a cri­a­ção de ca­te­go­ri­as que, se­gun­do a psi­có­lo­ga, é o ter­cei­ro pas­so pa­ra efi­ci­ên­cia das es­co­lhas, já que “nós po­de­mos li­dar com mais ca­te­go­ri­as do que com es­co­lhas, por­que as ca­te­go­ri­as nos di­zem co­mo dis­tin­gui-las”, afir­ma.

Co­mo quar­to e úl­ti­mo pas­so des­sa téc­ni­ca pro­pos­ta por She­e­na Iyen­gar, es­tá a con­di­ção de com­ple­xi­da­de em que as op­ções nos são apre­sen­ta­das. Ou se­ja, sim­pli­fi­que. “Acon­te­ce que nós li­da­mos com mais in­for­ma­ções do que so­mos ca­pa­zes de pen­sar, nós te­mos ape­nas que tor­ná-las um pou­co mais fá­ceis”, completa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.