5 DI­CAS PA­RA SE RE­CU­PE­RAR DE UMA DE­CEP­ÇÃO

Ciencia em foco - - FRUSTRAÇÃO -

A te­ra­peu­ta e co­a­ch es­pe­ci­a­lis­ta em de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no Dir­ce Ka­taya­ma re­for­ça a ideia de que, “fi­car pre­so a uma emo­ção li­mi­tan­te por mui­to tem­po e se tor­nar um re­fém emo­ci­o­nal da de­cep­ção é dei­xar de vi­ver, é não sa­ber que as emo­ções são ape­nas uma par­te de nós, é ig­no­rar nos­sa ca­pa­ci­da­de de fa­zer es­co­lhas sau­dá­veis, é blo­que­ar a ex­pres­são do amor que te­mos e so­mos”. Des­se mo­do, ela dá cin­co di­cas pa­ra vo­cê con­se­guir se re­cu­pe­rar de uma de­cep­ção:

1. Re­co­nhe­ça o sen­ti­men­to;

2. Sin­ta res­pei­to e gra­ti­dão quan­to à de­cep­ção co­mo sen­do o si­nal de que al­go aca­bou, quer se­ja um re­la­ci­o­na­men­to, ou a es­pe­ran­ça da mu­dan­ça do com­por­ta­men­to de al­guém. Aco­lha es­sa dor;

3. Com cu­ri­o­si­da­de, ava­lie que es­tá em um mo­men­to on­de de­ve­rá mu­dar o ru­mo de al­gu­mas ex­pec­ta­ti­vas;

4. Lem­bre-se dos exem­plos an­te­ri­o­res on­de per­ce­beu que su­as ex­pec­ta­ti­vas em re­la­ção ao ex­ter­no, ao ou­tro, eram ape­nas ex­pec­ta­ti­vas;

5. Trei­ne mu­dar sua pos­tu­ra cor­po­ral, re­sig­ni­fi­que a si­tu­a­ção per­ce­ben­do seus apren­di­za­dos, mu­de o seu diá­lo­go in­ter­no em re­la­ção a es­se sen­ti­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.