DI­VER­TI­DA MEN­TE

Ciencia em foco - - FICAR TRISTE -

Ven­ce­dor do Os­car de me­lhor animação, o fil­me Di­ver­ti­da Men­te foi, ini­ci­al­men­te, ide­a­li­za­do pa­ra o pú­bli­co in­fan­til. En­tre­tan­to, ilus­tra de ma­nei­ra pro­fun­da e cri­a­ti­va a im­por­tân­cia de ca­da emo­ção, apre­sen­tan­do uma nar­ra­ti­va com­ple­xa ca­paz de fa­zer mui­tos adul­tos re­fle­ti­rem. Por meio da per­so­na­gem Ri­ley, co­nhe­ce­mos as emo­ções que vi­vem no cen­tro de con­tro­le da sua men­te: Ale­gria, Me­do, Rai­va, No­ji­nho e Tris­te­za.

Em um pri­mei­ro mo­men­to, a Ale­gria pre­do­mi­na na vi­da da ga­ro­ta, mas, quan­do ela mu­da de ci­da­de e tem que li­dar com uma vi­da no­va, as emo­ções en­tram em con­fli­to. Por meio des­se pa­ra­le­lo, em que ca­da per­so­na­gem re­pre­sen­ta um sen­ti­men­to e eles não con­se­guem se en­ten­der, o ama­du­re­ci­men­to de Ri­ley acon­te­ce. A me­ni­na ten­ta ne­gar o es­pa­ço da Tris­te­za, mas, quan­do ela per­mi­te que es­sa emo­ção se­ja sen­ti­da, o equi­lí­brio é res­ta­be­le­ci­do.

Se­gun­do Wil­li­am Fer­raz, te­ra­peu­ta e mas­ter co­a­ch es­pe­ci­a­lis­ta em neu­ro­ci­ên­cia e in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal, to­dos nós, se­res hu­ma­nos, te­mos emo­ções bá­si­cas (me­do, rai­va, tris­te­za, afe­to e ale­gria) e nin­guém po­de fu­gir dis­so. O pro­fis­si­o­nal acres­cen­ta que faz par­te da in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal po­der li­dar, iden­ti­fi­car e di­re­ci­o­nar qual­quer emo­ção pa­ra um ob­je­ti­vo sau­dá­vel. “Co­nhe­ce­mos a tris­te­za a par­tir do mo­men­to que acei­ta­mos que ela faz par­te de nós, en­ten­de­mos e apren­de­mos com ela”, fi­na­li­za.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.