PEN­SAN­DO NO FU­TU­RO

Ciencia em foco - - APRENDIZADO -

Se vo­cê es­tá cons­truin­do uma pon­te, seus fun­da­men­tos de­vem ser só­li­dos. Qu­an­to mais ce­do tra­ba­lha­mos as ha­bi­li­da­des so­ci­o­e­mo­ci­o­nais, mais es­tru­tu­ra­da e mais fá­cil fi­ca a ma­tu­ra­ção do cé­re­bro no de­sen­vol­vi­men­to com­por­ta­men­tal, pois as cri­an­ças têm ple­nas con­di­ções de re­ce­ber es­se ti­po de en­si­na­men­to e in­for­ma­ções mui­to ce­do.

Por is­so, é mui­to im­por­tan­te que, des­de a in­fân­cia, os in­di­ví­du­os se­jam es­ti­mu­la­dos a en­xer­gar o la­do bom dos acon­te­ci­men­tos. Pa­ra is­so, os pais de­vem ser po­si­ti­vos na re­la­ção com os fi­lhos, va­lo­ri­zar o que as cri­an­ças fa­zem cor­re­ta­men­te e en­si­ná-las que até mes­mo os er­ros po­dem ser fon­tes de apren­di­za­do.

“Quan­do cri­an­ças, nos­sos pais e res­pon­sá­veis de­ci­di­am por nós, e re­al­men­te de­pen­día­mos de­les. Mas, em mui­tas si­tu­a­ções, a cri­an­ça, in­cons­ci­en­te­men­te, se sen­te im­po­ten­te e ig­no­ra­da nes­se pro­ces­so. É co­mo se as von­ta­des e até per­so­na­li­da­des fos­sem “me­nos­pre­za­das” – ve­ja, é uma res­pos­ta emo­ci­o­nal e in­cons­ci­en­te. Há tam­bém as si­tu­a­ções em que os pais não re­co­nhe­cem de fa­to ou in­cen­ti­vam o ama­du­re­ci­men­to da es­co­lha co­mo par­te do de­sen­vol­vi­men­to da ma­tu­ri­da­de, e aca­bam to­lhen­do es­se cres­ci­men­to. O re­sul­ta­do des­se pro­ces­so cos­tu­ma ser pe­no­so pa­ra a mai­or par­te das pes­so­as. Al­gu­mas se tor­nam su­per pre­po­ten­tes, ou­tras se tor­nam ab­so­lu­ta­men­te sub­mis­sas, en­tre tan­tos ou­tros pos­sí­veis com­por­ta­men­tos”, re­fle­te He­loí­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.