ME­NOS É MAIS

Ciencia em foco - - CARREIRA -

A cur­to pra­zo, a com­pul­são ex­tre­ma e ex­clu­si­va po­de até tra­zer re­com­pen­sas, co­mo o al­can­ce de me­tas e elo­gi­os de seus su­pe­ri­o­res na hi­e­rar­quia da em­pre­sa. Não à toa, o psi­có­lo­go nor­te-ame­ri­ca­no Bryan Ro­bin­son des­cre­veu o wor­kaho­lism co­mo “o pro­ble­ma de saú­de men­tal mais bem ves­ti­do e dis­far­ça­do”. No en­tan­to, se vo­cê já per­ce­beu que es­tá exa­ge­ran­do e quer li­vrar-se do ví­cio de tra­ba­lhar, mas es­tá ten­do di­fi­cul­da­de, pro­cu­re man­ter al­gu­mas coi­sas em men­te:

Co­mer um lan­che sem sair de sua me­sa de tra­ba­lho não faz bem

Ain­da que se­ja um lan­chi­nho rá­pi­do, co­mo uma sim­ples bar­ra de ce­re­ais: o sim­ples ato de le­van­tar da ca­dei­ra e co­mer em um lo­cal ade­qua­do po­de aju­dar a ele­var a pro­du­ti­vi­da­de e, de que­bra, evi­tar pro­ble­mas de so­bre­pe­so – até por­que, não é se­gre­do que pes­so­as que co­mem mais lan­ches du­ran­te o ex­pe­di­en­te apre­sen­tam uma ten­dên­cia mai­or à obe­si­da­de. Is­so sem fa­lar que a ini­ci­a­ti­va po­de se en­qua­drar nos tem­pos de in­ter­va­los ci­ta­dos aci­ma, ser­vin­do tam­bém co­mo in­te­ra­ção e networ­king com co­le­gas de tra­ba­lho. Dei­xe de che­car seus e-mails 24h por dia

Du­ran­te o ex­pe­di­en­te, ok, a ini­ci­a­ti­va faz par­te da ro­ti­na de tra­ba­lho. Po­rém, com as no­vas tec­no­lo­gi­as dos smartpho­nes, mui­tas pes­so­as pos­su­em su­as con­tas pro­fis­si­o­nais lo­ga­das na pal­ma da mão. E a Ci­ên­cia já com­pro­va: fi­car con­fe­rin­do sua cai­xa de en­tra­da o tem­po to­do é ex­tre­ma­men­te pre­ju­di­ci­al, vis­to que au­men­ta os ní­veis de es­tres­se e ain­da atra­pa­lha su­as re­la­ções pes­so­ais fo­ra do am­bi­en­te de tra­ba­lho.

Não dei­xe de ti­rar fé­ri­as

Em­bo­ra se te­nha a cons­ci­ên­cia da im­por­tân­cia do des­can­so, mui­tos pro­fis­si­o­nais adi­am su­as fé­ri­as por lon­gos pe­río­dos – prin­ci­pal­men­te tra­ba­lha­do­res autô­no­mos e in­for­mais, que ge­ral­men­te não con­se­guem ser re­mu­ne­ra­dos du­ran­te o pe­río­do sa­bá­ti­co. O sim­ples fa­to de se des­li­gar por al­guns di­as e vi­si­tar no­vos lu­ga­res é su­fi­ci­en­te pa­ra di­mi­nuir a pres­são ar­te­ri­al, me­lho­rar a qua­li­da­de do so­no e eli­mi­nar o es­tres­se.

Seu cé­re­bro pre­ci­sa de in­ter­va­los de des­can­so

Ok, as tão so­nha­das fé­ri­as só acon­te­cem uma vez por ano. Mas se­rá que vo­cê tam­bém re­ser­va al­guns in­ter­va­los pa­ra des­can­sar du­ran­te o dia? De acor­do com um es­tu­do de­sen­vol­vi­do pe­la Uni­ver­si­da­de de Hi­roshi­ma, a ra­zão ide­al en­tre tra­ba­lho e des­can­so de­ve ser 52 mi­nu­tos de la­bu­ta se­gui­dos por um in­ter­va­lo de 17 mi­nu­tos. É ver­da­de que os che­fes di­fi­cil­men­te irão se ren­der à ideia, mas não há dú­vi­das: dei­xar o cé­re­bro re­la­xar e de­va­ne­ar por al­guns mo­men­tos au­men­ta a pro­du­ti­vi­da­de, a cri­a­ti­vi­da­de e a ca­pa­ci­da­de de so­lu­ci­o­nar pro­ble­mas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.