O SIG­NI­FI­CA­DO DAS CO­RES

Já que es­ta­mos fa­lan­do so­bre co­res e co­mo elas in­ter­fe­rem em nos­so co­ti­di­a­no (mais do que cos­tu­ma­mos ima­gi­nar), que tal co­nhe­cer um pou­co mais so­bre o sig­ni­fi­ca­do e o efei­to de al­gu­mas de­las nos se­res hu­ma­nos?

Ciencia em foco - - CRIAÇÃO -

VER­ME­LHO

A cor ver­me­lha de­no­ta in­ten­si­da­de. Não à toa ela é con­si­de­ra­da a cor da pai­xão e do amor. Além dis­so, ela tam­bém é uma cor es­ti­mu­lan­te, que in­duz à ação. Já re­pa­rou co­mo o ver­me­lho é usa­do fre­quen­te­men­te em re­des de fast fo­od ou pa­ra as pu­bli­ci­da­des de li­qui­da­ção? Pois é, ele po­de es­ti­mu­lar tan­to o ape­ti­te qu­an­to o con­su­mo. Por fim, o ver­me­lho é usa­do pa­ra si­na­li­za­ção e ad­ver­tên­cia, co­mo as pla­cas de trân­si­to.

AMA­RE­LO

As­so­ci­a­do ao ver­me­lho, o ama­re­lo tam­bém é mui­to uti­li­za­do em re­des de fast fo­od, is­so por­que a com­bi­na­ção es­ti­mu­la o ape­ti­te. No en­tan­to, o ama­re­lo so­zi­nho re­me­te ao oti­mis­mo e à po­si­ti­vi­da­de. A cor tam­bém es­tá vin­cu­la­da à con­cen­tra­ção e ao in­te­lec­to.

AZUL

O sig­ni­fi­ca­do e a uti­li­za­ção da cor azul na psi­co­lo­gia das co­res de­pen­de mui­to de sua to­na­li­da­de, mais cla­ra ou es­cu­ra. O azul cla­ro pro­vo­ca uma sen­sa­ção de le­ve­za e hi­gi­e­ne, além de es­ti­mu­lar a pro­du­ti­vi­da­de. O azul es­cu­ro, por sua vez, de­no­ta um ar mais cor­po­ra­ti­vo e de fi­ne­za. Mos­tra po­der e con­fi­an­ça.

VER­DE

O ver­de re­me­te à na­tu­re­za, saú­de, fres­cor e har­mo­nia. É uti­li­za­do em es­ta­be­le­ci­men­tos li­ga­dos à saú­de, co­mo clí­ni­cas e hos­pi­tais, pa­ra re­la­xar os pa­ci­en­tes e vi­si­tan­tes. A cor ver­de tam­bém es­tá re­la­ci­o­na­da às ques­tões am­bi­en­tais e aos pro­du­tos com ape­lo à sus­ten­ta­bi­li­da­de e saú­de.

LA­RAN­JA

O la­ran­ja, bem co­mo o ver­me­lho, é uma cor vi­bran­te e in­ten­sa. Re­tra­ta o âni­mo, o con­su­mo e a cri­a­ti­vi­da­de. Em re­la­ção ao ver­me­lho, o la­ran­ja é uma cor mais “le­ve” e agra­dá­vel aos olhos. A cor tam­bém im­pri­me uma sen­sa­ção de ca­lor e di­na­mis­mo. Sua uti­li­za­ção é fre­quen­te no co­mér­cio pa­ra cha­mar a aten­ção e anun­ci­ar pro­mo­ções. Em mar­cas, ge­ral­men­te é em­pre­ga­da por em­pre­sas que que­rem trans­mi­tir a sen­sa­ção de ser cri­a­ti­va, jo- vem e pró­xi­ma ao con­su­mi­dor.

PRE­TO

O pre­to é uma das co­res mais po­de­ro­sas em ex­pres­sar sen­sa­ções e, por ou­tro la­do, é con­si­de­ra­da neu­tra quan­do o as­sun­to é com­bi­nar com ou­tras co­res. Es­tá re­la­ci­o­na­da à for­ça, for­ma­li­da­de e ele­gân­cia. A cor so­zi­nha trans­mi­te so­bri­e­da­de. Em com­bi­na­ção com ou­tras co­res, po­de re­pre­sen­tar va­ri­a­das sim­bo­lo­gi­as.

O pre­to cos­tu­ma ser mui­to em­pre­ga­do no de­sign da in­for­ma­ção, pois sua neu­tra­li­da­de pos­si­bi­li­ta uma me­lhor trans­mis­são de con­teú­do e lei­tu­ra. Jun­ta­men­te com o bran­co, é mui­to uti­li­za­do em con­cei­tos mi­ni­ma­lis­tas da co­mu­ni­ca­ção vi­su­al.

BRAN­CO

É tão neu­tra qu­an­to o pre­to. O bran­co trans­mi­te cla­re­za, lu­mi­no­si­da­de, lim­pe­za e tran­qui­li­da­de. Se com­bi­na­do cor­re­ta­men­te com ou­tras co­res, pro­por­ci­o­na a sen­sa­ção de har­mo­nia, co­mo na de­co­ra­ção e pin­tu­ra de cô­mo­dos de uma ca­sa. O bran­co é res­pon­sá­vel pe­lo pen­sa­men­to ló­gi­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.