A do­se cer­ta en­tre so­nhar de­mais e evi­tar frus­tra­ções

Ciencia em foco - - INDICE - TEX­TO E EN­TRE­VIS­TAS Bru­no Ri­bei­ro DE­SIGN Mary El­len Ma­cha­do

Na do­se cer­ta, se em­pol­gar e so­nhar com de­ter­mi­na­das si­tu­a­ções po­de ser sau­dá­vel. Mas é pre­ci­so ter cons­ci­ên­cia de que as coi­sas nem sem­pre acon­te­cem con­for­me o pla­ne­ja­do ou de­se­ja­do – es­pe­ci­al­men­te no que diz res­pei­to a ou­tras pes­so­as

FA­LAR SO­BRE EX­PEC­TA­TI­VAS NÃO É TA­RE­FA DAS MAIS FÁ­CEIS. IS­SO POR­QUE, EM­BO­RA SE­JA PAR­TE DA NA­TU­RE­ZA HU­MA­NA, elas es­tão con­di­ci­o­na­das a uma ima­gi­na­ção mui­to fér­til, o que faz com que os de­se­jos ex­ce­dam a com­pre­en­são so­bre a re­a­li­da­de em di­ver­sas opor­tu­ni­da­des. Além dis­so, te­mos a ten­dên­cia de pro­je­tar nos­sos an­sei­os nos ou­tros – por ve­zes até nos com­por­tan­do de for­ma egoís­ta.

As­sim, é ine­vi­tá­vel: quan­do ro­la uma entrevista de em­pre­go, lo­go já nos ve­mos cal­cu­lan­do os be­ne­fí­ci­os do no­vo sa­lá­rio, or­ga­ni­zan­do a no­va ro­ti­na e so­nhan­do com o im­pac­to que aque­le no­vo car­go po­de cau­sar em nos­sa car­rei­ra pro­fis­si­o­nal. Já quan­do fi­ca­mos ou nos apai­xo­na­mos por al­guém in­te­res­san­te, vi­ra qua­se um de­sa­fio não ide­a­li­zar o de­sen­vol­vi­men­to de uma re­la­ção co­mo sem­pre so­nha­mos.

Ob­vi­a­men­te, de­po­si­tar to­das as nos­sas fi­chas em uma von­ta­de que po­de ou não se re­a­li­zar não pa­re­ce a ati­tu­de mais ra­zoá­vel. Con­tu­do, tam­bém não é pe­ca­do es­pe­rar que coi­sas bo­as acon­te­çam. E a nar­ra­ti­va de re­jei­ção das fa­mi­ge­ra­das ex­pec­ta­ti­vas po­de cri­ar um ba­ta­lhão de pes­so­as que fin­ge não se im­por­tar, mas, em seus ín­ti­mos, se re­mo­em por não agi­rem co­mo gos­ta­ri­am. Des­sa ma­nei­ra, co­mo tra­tar des­sa si­tu­a­ção em do­ses e ní­veis cer­tos?

OS DOIS LA­DOS DA MO­E­DA

Pa­ra Aris­ti­des Bri­to, co­a­ch e di­re­tor do Mar­ca Pes­so­al Trei­na­men­tos, as ex­pec­ta­ti­vas abran­gem ques­tões mui­to am­plas e par­ti­cu­la­res. “Exis­tem pes­so­as que jo­gam pa­ra o des­ti­no, ou se­ja, cul­pam o aca­so. Mas a frus­tra­ção es­tá di­re­ta­men­te li­ga­da à in­ten­si­da­de de ex­pec­ta­ti­va que co­lo­cou em al­go ou em al­guém. Se vo­cê en­trar num re­la­ci­o­na­men­to e não co­brar a pes­soa, tu­do que ela ofe­re­cer, mes­mo que se­ja pou­co, vai ser su­fi­ci­en­te. Ago­ra, se ima­gi­nar al­guém só com qua­li­da­des, na ho­ra que apa­re­ce­rem os de­fei­tos, a frus­tra­ção vai ser enor­me”, aler­ta o es­pe­ci­a­lis­ta.

“O ide­al é de­sen­vol­ver a re­si­li­ên­cia, que é a ca­pa­ci­da­de de su­pe­ra­ção das ad­ver­si­da­des. E is­so vo­cê tra­ba­lha com trei­na­men­tos, di­nâ­mi­cas e até mes­mo com au­to­co­nhe­ci­men­to. Se vo­cê sa­be que o ex­ces­so de ex­pec­ta­ti­vas te traz frus­tra­ção, a me­lhor pos­tu­ra é ti­rar qual­quer pres­são so­bre o fu­tu­ro” Aris­ti­des Bri­to, co­a­ch e di­re­tor do Mar­ca Pes­so­al Trei­na­men­tos

Aris­ti­des ain­da ex­pli­ca os dois ex­tre­mos de cri­ar ex­pec­ta­ti­vas atre­la­das ao pla­ne­ja­men­to. So­bre o la­do po­si­ti­vo, ele re­ve­la: “Qu­an­to mais pla­ne­ja­do, mais pró­xi­mo da re­a­li­za­ção. Se vo­cê con­se­guir pre­ve­nir o má­xi­mo pos­sí­vel de acon­te­ci­men­tos, com uma boa aná­li­se, tem gran­des pos­si­bi­li­da­des de re­a­li­zar. As pes­so­as mais or­ga­ni­za­das têm mais chan­ce de não se frus­trar, pois pen­sam mui­to an­tes de par­tir pa­ra a prá­ti­ca. Já a pes­soa que não bus­ca se co­nhe­cer, co­nhe­cer os ou­tros e se in­for­mar, com cer­te­za po­de se frus­trar. E pro­va­vel­men­te vai cul­par o azar”.

Por ou­tro la­do, exis­te a pos­si­bi­li­da­de de, mes­mo com to­das as aná­li­ses e pre­vi­sões, acon­te­cer al­go ines­pe­ra­do, e a si­tu­a­ção sair do con­tro­le. E é aí que mo­ra o pe­ri­go, já que, qu­an­to mai­or a al­tu­ra, mai­or a que­da. “No ge­ral, es­sas pes­so­as que cal­cu­lam tu­do, que pen­sam no mai­or nú­me­ro de de­ta­lhes, são as que mais se frus­tram quan­do acon­te­ce al­go. En­tão, o equi­lí­brio é se pre­pa­rar, tor­cer pa­ra dar cer­to, mas se cons­ci­en­ti­zar pa­ra to­das as si­tu­a­ções. Até por­que, o exa­ge­ro na pre­ven­ção tam­bém po­de te dei­xar es­tag­na­do, sem sair do lu­gar, o que em ge­ral é pés­si­mo”, ava­lia Aris­ti­des.

Vi­ver uma vi­da cons­ci­en­te pres­su­põe, an­tes de tu­do, apren­der a per­ce­ber quan­do es­tas ilu­sões co­me­çam a se for­mar em nos­sa men­te e acei­tar o fa­to de que não te­mos o dom de ma­ni­pu­lar a re­a­li­da­de pa­ra que ela se mol­de ao nos­so de­se­jo. Em sín­te­se, uma boa so­lu­ção se­ria di­vi­dir os as­pec­tos de sua vi­da em dois gran­des gru­pos: as coi­sas que vo­cê es­pe­ra que acon­te­çam e de­pen­de de­ter­mi­nan­te­men­te de vo­cê e as coi­sas que vo­cê es­pe­ra que acon­te­çam, mas de­pen­dem mui­to mais de ou­tras pes­so­as e acon­te­ci­men­tos do que das su­as pró­pri­as ações. Mas é bom que se di­ga: não po­de­mos ser es­cra­vos de uma vi­da fo­ca­da em blin­dar de­cep­ções.

SO­LU­ÇÕES

“Qu­an­to mais ex­pe­ri­ên­ci­as, mais pre­pa­ra­da a pes­soa fi­ca pa­ra su­pe­rar cer­tas si­tu­a­ções”, afir­ma Aris­ti­des. Afi­nal, co­mo di­zem por aí, a frus­tra­ção tam­bém po­de ser­vir de com­bus­tí­vel pa­ra qu­em so­nha, cai e se le­van­ta em bus­ca de seus pro­pó­si­tos.

“A primeira coi­sa é en­ten­der que elas po­de­ri­am acon­te­cer com qual­quer um em qual­quer lu­gar, não é na­da pes­so­al. Às ve­zes a pes­soa se mar­ti­ri­za, se vi­ti­mi­za por acre­di­tar que aqui­lo só acon­te­ce com ela, co­mo se ela fos­se aza­ra­da. Is­so é da sua ca­be­ça. O se­gun­do as­pec­to é ti­rar al­go de po­si­ti­vo da si­tu­a­ção. Por mais com­pli­ca­do que se­ja, e por mais tris­te que a si­tu­a­ção te­nha se de­se­nha­do, vai fi­car o apren­di­za­do”, com­ple­ta o es­pe­ci­a­lis­ta.

Po­de pa­re­cer cli­chê, mas o au­to­co­nhe­ci­men­to é fun­da­men­tal pa­ra dis­cer­nir ce­ná­ri­os ad­ver­sos e si­tu­a­ções de ris­co. A lon­go pra­zo, qu­an­to mais se­gu­ra a pes­soa es­ti­ver, mais ma­tu­ri­da­de te­rá pa­ra ad­mi­nis­trar as frus­tra­ções. E, se­gun­do Aris­ti­des, um con­cei­to que an­da mui­to re­cor­ren­te po­de ser de­ci­si­vo nes­te pro­ces­so. Tra­ta-se da re­si­li­ên­cia.

“O ide­al é de­sen­vol­ver a re­si­li­ên­cia, que é a ca­pa­ci­da­de de su­pe­ra­ção das ad­ver­si­da­des. E is­so vo­cê tra­ba­lha com trei­na­men­tos, di­nâ­mi­cas e até mes­mo com au­to­co­nhe­ci­men­to. Se vo­cê sa­be que o ex­ces­so de ex­pec­ta­ti­vas te traz frus­tra­ção, a me­lhor pos­tu­ra é ti­rar qual­quer pres­são so­bre o fu­tu­ro”, ana­li­sa o pro­fis­si­o­nal. E as nu­an­ces do tem­po dão o gan­cho pa­ra a con­clu­são de sua li­nha de ra­ci­o­cí­nio.

“Nor­mal­men­te, as pes­so­as em uma so­ci­e­da­de ex­ces­si­va­men­te tec­no­ló­gi­ca co­mo a nos­sa se co­bram mui­to do fu­tu­ro, vi­vem no fu­tu­ro. Is­so ge­ra an­si­e­da­de e até mes­mo do­en­ças mais gra­ves co­mo con­sequên­cia. Vi­ver o pre­sen­te, o ago­ra, é al­go que de­ve ser tra­ba­lha­do com mui­to exer­cí­cio. Os mais jovens tal­vez pos­su­am di­fi­cul­da­de pa­ra en­ten­der is­so, mas, com ma­tu­ri­da­de, a mai­o­ria en­ten­de que não se de­ve co­brar na­da do fu­tu­ro. E is­so, in­fe­liz­men­te, só é apren­di­do com as ex­pe­ri­ên­ci­as ao lon­go do tem­po”, fi­na­li­za.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.