Vo­cê acre­di­ta ser ca­paz de pres­sen­tir a re­a­li­da­de a par­tir de su­as ex­pe­ri­ên­ci­as e emo­ções?

Vo­cê acre­di­ta ser ca­paz de per­ce­ber ou pres­sen­tir a re­a­li­da­de? O ser hu­ma­no po­de uti­li­zar es­se sen­ti­men­to na con­tri­bui­ção da re­a­li­da­de – e, mui­tas ve­zes, ele é uti­li­za­do nas de­ci­sões cor­re­tas que to­ma­mos

Ciencia em foco - - INDICE - TEX­TO E EN­TRE­VIS­TAS Nathá­lia Pic­co­li/Co­la­bo­ra­do­ra DE­SIGN Bru­na Rai­a­do/Co­la­bo­ra­do­ra

SA­BE QUAN­DO VO­CÊ TEM A CER­TE­ZA DE AL­GU­MA COI­SA, MAS NÃO SA­BE EX­PLI­CAR POR QUE OU DE ON­DE VEM TAN­TA CON­FI­AN­ÇA? Es­sa é a intuição, que vem do la­tim in­tu­e­ri e sig­ni­fi­ca con­si­de­rar, ver an­te­ri­or­men­te ou con­tem­plar. Tais pres­sen­ti­men­tos po­dem nos le­var a to­ma­da de de­ci­sões me­lho­res que as to­ma­das ra­ci­o­nal­men­te. Mas pa­ra com­pre­en­der, não bas­ta pen­sar, vai além: é pre­ci­so sen­tir.

A VOZ DA INTUIÇÃO

Por intuição en­ten­de­mos a fa­cul­da­de ou ato de per­ce­ber, dis­cer­nir ou pres­sen­tir coi­sas, in­de­pen­den­te­men­te de ra­ci­o­cí­nio ou de aná­li­se. De acor­do com Lu­ci­a­no Go­mes, pro­fes­sor de psi­co­lo­gia so­ci­al da Fa­cul­da­de Ar­nal­do, “é uma for­ma de co­nhe­ci­men­to di­re­to, cla­ro e ime­di­a­to, ca­paz de in­ves­ti­gar ob­je­tos per­ten­cen­tes ao âm­bi­to in­te­lec­tu­al, a uma di­men­são me­ta­fí­si­ca ou à re­a­li­da­de con­cre­ta. É uma for­ma de co­nhe­ci­men­to que es­tá den­tro de nós”.

As­sim, co­mo a pró­pria ca­pa­ci­da­de de pen­sar, a intuição é uma ap­ti­dão que todos nós te­mos, mas pre­ci­sa ser de­sen­vol­vi­da. “A intuição não é al­go ‘má­gi­co’ ou ‘mís­ti­co’. Ela é fru­to de um co­nhe­ci­men­to que já foi ad­qui­ri­do e que po­de ser re­cu­pe­ra­do a qual­quer mo­men­to”, co­men­ta o pro­fes­sor. Es­sas sen­sa­ções inex­pli­cá­veis po­dem apa­re­cer a qual­quer mo­men­to, por in­sights, so­nhos, ou em seu in­te­ri­or com uma voz eco­an­do que pa­re­ce di­zer “is­so é o cer­to”, “fa­ça is­so” ou “is­so não vai fun­ci­o­nar”.

AS ES­CO­LHAS DO IN­CONS­CI­EN­TE

De acor­do com o neu­ro­lo­gis­ta Mar­tin Port­ner, a intuição é, de fa­to, um pre­sen­te da sa­be­do­ria ce­re­bral. “É co­mo se na ho­ra de de­ci­dir vo­cê re­ce­bes­se um pa­co­te de pre­sen­te. Ao abri-lo, des­co­bre ser o me­lhor ca­mi­nho a se­guir e ain­da ex­cla­ma ‘mas co­mo não pen­sei nis­so’?”, exem­pli­fi­ca. Con­tu­do, e se es­se pa­co­te não for ras­treá­vel, ou se­ja, seu re­me­ten­te for ocul­to? Vo­cê con­fi­a­ria mes­mo as­sim?

“To­das as de­ci­sões do he­mis­fé­rio es­quer­do são ras­treá­veis, vo­cê po­de re­pe­tir os pas­sos ló­gi­cos pa­ra che­gar àque­la con­clu­são quan­tas ve­zes qui­ser. Ago­ra, com o pa­co­te da intuição é pe­gar ou lar­gar sem sa­ber os pas­sos in­ter­me­diá­ri­os. Vo­cê po­de con­fi­ar ne­la ou não”, ex­pli­ca o neu­ro­lo­gis­ta.

Fi­ló­so­fos co­mo Pla­tão já va­lo­ri­za­ram a intuição co­mo um pon­to de par­ti­da pa­ra su­as idei­as. In­tuir funciona co­mo um “sex­to sen­ti­do” co­lo­ca­do à nos­sa dis­po­si­ção e nos aju­da a me­lho­rar a re­la­ção com nós mes­mos ou com o mun­do e fa­ci­li­tar nos­sa vi­da. É o au­to­co­nhe­ci­men­to, aliás, que nos per­mi­te re­co­nhe­cer os pres­sen­ti­men­tos que a men­te tem. A intuição, por­tan­to, é en­xer­gar me­lhor o mun­do olhan­do pa­ra den­tro de nós mes­mos. Mas de na­da adi­an­ta abrir uma co­mu­ni­ca­ção com o in­cons­ci­en­te se is­so não im­pul­si­o­nar ações por me­do dos ris­cos e con­sequên­ci­as. Vi­ver é se ar­ris­car e, pa­ra is­so, nem sem­pre bas­ta ape­nas pen­sar.

O CÉ­RE­BRO EM AÇÃO

As to­ma­das de de­ci­são de­cor­rem do pro­ces­sa­men­to de ex­ten­sos agru­pa­men­tos de neurô­ni­os no cór­tex pré-fron­tal. De lá emer­gem neurô­ni­os cur­tos, que agem em sin­to­nia gru­pal, e neurô­ni­os lon­gos que bus­cam in­for­ma­ções re­le­van­tes em ou­tras áre­as. “A mai­o­ria das de­ci­sões é ob­ti­da pe­lo pro­ces­sa­men­to dos neurô­ni­os cur­tos. Con­tu­do, em al­gu­mas oca­siões, neurô­ni­os lon­gos im­pac­tam es­se sis­te­ma de de­ci­são com in­for­ma­ções con­si­de­ra­das hi­per-re­le­van­tes à si­tu­a­ção. A per­cep­ção do con­teú­do in­tui­ti­vo des­sas in­for­ma­ções é a intuição”, ex­pli­ca o neu­ro­lo­gis­ta Mar­tin.

O in­cons­ci­en­te é o con­jun­to de ope­ra­ções ce­re­brais que es­ca­pa à cons­ci­ên­cia. A cons­ci­ên­cia hu­ma­na é co­mo um ho­lo­fo­te que, de mo­men­to a mo­men­to, se con­cen­tra em de­ter­mi­na­dos as­pec­tos das ope­ra­ções ce­re­brais. Nos­sa men­te tra­ba­lha me­lhor re­le­gan­do ao in­cons­ci­en­te uma par­ce­la do pen­sa­men­to ra­ci­o­nal. Sen­do as­sim, a pró­pria evo­lu­ção do­tou nos­sa men­te da ca­pa­ci­da­de de re­a­gir an­tes mes­mo de pen­sar quan­do es­ta­mos di­an­te de uma si­tu­a­ção de ris­co. Na mai­or par­te dos ca­sos, os pres­sen­ti­men­tos se ba­sei­am em um vo­lu­me bai­xo de in­for­ma­ções.

Quan­do a ra­zão ten­ta nos le­var por de­ter­mi­na­do ca­mi­nho ou es­co­lha e, lá no fun­do, so­mos ins­ti­ga­dos a de­ci­dir de ma­nei­ra di­fe­ren­te, is­so re­fle­te a nor­ma­li­da­de do pro­ces­so de de­ci­são dos cir­cui­tos ce­re­brais. “As zo­nas pré-fron­tais do cé­re­bro, en­car­re­ga­das das de­ci­sões hu­ma­nas, re­ce­bem dois ti­pos de in­for­ma­ção pa­ra de­ci­dir: as pro­ve­ni­en­tes das áre­as ló­gi­cas do he­mis­fé­rio ce­re­bral es­quer­do e as das zo­nas sub­cor­ti­cais (tam­bém cha­ma­das de in­cons­ci­en­tes). A de­ci­são se­gue pe­lo ca­mi­nho que de­pen­de da mai­or in­fluên­cia: o ló­gi­co ou o in­tui­ti­vo”, ex­pli­ca o neu­ro­lo­gis­ta.

A CI­ÊN­CIA EX­PLI­CA

Pa­ra ten­tar en­ten­der es­se cu­ri­o­so com­por­ta­men­to hu­ma­no, ci­en­tis­tas aus­tra­li­a­nos de­sen­vol­ve­ram uma téc­ni­ca ca­paz de “me­dir” a intuição. O es­tu­do pu­bli­ca­do pe­la re­vis­ta ci­en­tí­fi­ca Psy­cho­lo­gi­cal Sci­en­ce su­ge­re que as pes­so­as po­dem agir de for­ma in­tui­ti­va pa­ra to­mar de­ci­sões mais rá­pi­das e pre­ci­sas.

O pro­fes­sor de psi­co­lo­gia Jo­el Pe­ar­son, da Uni­ver­si­da­de de No­va Ga­les do Sul, na Aus­trá­lia, co­man­dou uma sé­rie de ex­pe­ri­men­tos pa­ra ve­ri­fi­car se as pes­so­as uti­li­za­vam a intuição na to­ma­da de de­ci­sões. Os pes­qui­sa­do­res reu­ni­ram cer­ca de 20 es­tu­dan­tes em pe­que­nos gru­pos e mos­tra­ram pon­tos em pre­to e bran­co que se mo­vi­men­ta­vam na me­ta­de da te­la de um com­pu­ta­dor. Os par­ti­ci­pan­tes ti­nham de res­pon­der o sen­ti­do que es­ses ob­je­tos se mo­vi­men­ta­vam: di­rei­ta ou es­quer­da. No mo­men­to em que os es­tu­dan­tes es­ta­vam pres­tes a to­mar uma de­ci­são, um qua­dra­do bri­lhan­te pis­ca­va na ou­tra me­ta­de da te­la. Ne­le, era exi­bi­da uma ima­gem com a in­ten­ção de pro­vo­car uma res­pos­ta emo­ci­o­nal. Ca­da fi­gu­ra ti­nha o in­tui­to de in­du­zir uma sen­sa­ção po­si­ti­va ou ne­ga­ti­va. Po­rém, as ima­gens sur­gi­am em al­ta ve­lo­ci­da­de e não eram fa­cil­men­te per­ce­bi­das. De acor­do com o es­tu­do, as fi­gu­ras usa­das de mo­do su­bli­mi­nar ser­vi­am pa­ra si­mu­lar o fenô­me­no da intuição.

Os re­sul­ta­dos mos­tra­ram que os es­tu­dan­tes ti­ve­ram me­lhor de­sem­pe­nho quan­do as ima­gens po­si­ti­vas apa­re­ce­ram. Os par­ti­ci­pan­tes re­la­ta­ram que se sen­ti­ram mais con­fi­an­tes em su­as es­co­lhas. De acor­do com o re­sul­ta­do do es­tu­do aus­tra­li­a­no, a in­for­ma­ção sub­cons­ci­en­te per­ce­bi­da pe­lo cé­re­bro aju­da nas de­ci­sões. Ain­da se­gun­do os ex­pe­ri­men­tos, o uso da intuição se apri­mo­ra ao lon­go do tem­po.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.