A fi­xa­ção em pro­ble­mas e an­gús­ti­as po­de dei­xar as pes­so­as do­en­tes

Re­pe­tir um pro­ble­ma em nos­sa ca­be­ça em bus­ca de uma so­lu­ção ime­di­a­ta po­de pa­re­cer a me­lhor for­ma de en­ca­rar as ques­tões do dia a dia. Mas, na ver­da­de, vo­cê po­de es­tar se dei­xan­do do­en­te

Ciencia em foco - - INDICE - TEX­TO Ra­fa­el Gui­ma­rães/Co­la­bo­ra­dor PES­QUI­SA Dou­glas Fran­ço­za/Co­la­bo­ra­dor ENTREVISTA Nathá­lia Pic­co­li/Co­la­bo­ra­do­ra DE­SIGN Mary El­len Ma­cha­do

VO­CÊ JÁ PA­ROU PA­RA CHE­CAR QU­AN­TO TEM­PO PAS­SA POR DIA SO­FREN­DO COM IDEI­AS E PEN­SA­MEN­TOS QUE JÁ ERAM PRA TER DEI­XA­DO A SUA CA­BE­ÇA? Co­mo se pre­o­cu­par com ques­tões que já fo­ram re­sol­vi­das ou con­ti­nu­ar cha­te­a­do com al­go que já era pra ter si­do per­do­a­do?

A psi­co­lo­gia cha­ma is­so de ruminar pen­sa­men­tos, com­pa­ra­do com o ato da ru­mi­na­ção fei­to por ani­mais co­mo a va­ca, co­mo ex­pli­ca a mon­ja Co­en: “Ruminar é is­so, em vez de eu ter um pen­sa­men­to e dei­xar ele pas­sar, eu fi­co tra­zen­do de vol­ta. É que nem uma co­mi­da que já es­tá meio mas­ti­ga­da. E is­so não é be­né­fi­co”.

Não ape­nas ma­lé­fi­ca, a ru­mi­na­ção de pen­sa­men­tos po­de cau­sar pro­ble­mas de lon­go pra­zo e até mes­mo com­pli­car a re­cu­pe­ra­ção de ou­tras ques­tões de saú­de men­tal, co­mo con­ta o psi­qui­a­tra Caio Mag­no: “Se pen­sar em uma si­tu­a­ção cau­sar mau hu­mor, tris­te­za e des­mo­ti­va­ção é um si­nal de aler­ta. Além dis­so, é um fa­tor de ris­co im­por­tan­te pa­ra de­sen­vol­ver qua­dros de de­pres­são, an­si­e­da­de e es­tres­se. E tam­bém po­de di­fi­cul­tar a me­lho­ra des­ses pro­ble­mas”.

Ruminar é, en­tão, o ato de re­pe­tir tan­to uma ideia ou pro­ble­ma em nos­sa ca­be­ça a pon­to de nos exau­rir da ener­gia pa­ra re­al­men­te re­sol­ver a ques­tão. Mas por que is­so acon­te­ce?

O PRO­BLE­MA DE RUMINAR

A men­te tem que li­dar com cen­te­nas de pro­ble­mas todos os di­as, achan­do so­lu­ções pa­ra o que nos afli­ge. Quan­do co­me­ça­mos a de­di­car mais tem­po e ener­gia a um úni­co pen­sa­men­to, ele po­de con­su­mir um es­for­ço

que ori­gi­nal­men­te de­ve­ria ser dis­tri­buí­do en­tre vá­ri­as ques­tões. “Vo­cê re­sol­ve um pro­ble­ma, ou­tro sur­ge. Nos­sa vi­da é in­ces­san­te. Se vo­cê fi­car pen­san­do no an­te­ri­or, vo­cê não tem dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra pen­sar nes­te”, ex­pli­ca a mon­ja.

Is­so po­de ser mui­to ne­ga­ti­vo pa­ra vo­cê. De­di­car tan­to tem­po a um úni­co pen­sa­men­to po­de se tor­nar do­lo­ro­so pe­la re­pe­ti­ção. Mais do que is­so, po­de tor­nar di­fí­cil pen­sar em al­go di­fe­ren­te do pro­ble­ma que tan­to ocu­pa a sua men­te.

A ques­tão, en­tre­tan­to, não é fa­cil­men­te so­lu­ci­o­na­da por sim­ples­men­te não pen­sar em pro­ble­mas. “Há pes­so­as que evi­tam pen­sar nos pro­ble­mas, o que é dis­fun­ci­o­nal. Já os que ru­mi­nam pen­sam de­mais e de mo­do des­tru­ti­vo, pi­o­ran­do o es­ta­do de­pres­si­vo ou an­si­o­so, o que aca­ba le­van­do à ma­nu­ten­ção do pro­ble­ma”, ex­pli­ca Mag­no.

Por­tan­to, ao ruminar um pen­sa­men­to ten­do a ilu­são de que en­fren­tar re­pe­ti­da­men­te a mes­ma ques­tão po­de a re­sol­ver, vo­cê na ver­da­de aca­ba a des­con­fi­gu­ran­do. Pas­sa a en­ten­der as di­fi­cul­da­des de su­pe­rar o pro­ble­ma co­mo mai­o­res do que re­al­men­te são e po­de até per­der as es­pe­ran­ças de es­ca­par de­le. E nem com is­so es­ca­pa­mos da ru­mi­na­ção, uma vez que ago­ra pas­sa­mos a en­xer­gar aque­le obs­tá­cu­lo co­mo de­fi­ni­dor em nos­sa vi­da.

“A men­te é lu­mi­no­sa. Se vo­cê fi­ca que­ren­do pren­dê-la num de­ter­mi­na­do ti­po de ra­ci­o­cí­nio, vo­cê es­tá pre­ju­di­can­do to­do o fun­da­men­to da sua saú­de men­tal”, con­ta a mon­ja Co­en. “É um ví­cio, co­mo os ví­ci­os que as pes­so­as de­sen­vol­vem”. Sen­do as­sim, é pre­ci­so com­ba­ter a ru­mi­na­ção pa­ra im­pe­di-la de cau­sar da­nos à sua saú­de men­tal, o que po­de aca­bar se tor­nan­do ob­ses­são. Mas co­mo fa­zê-lo?

POS­SÍ­VEIS SO­LU­ÇÕES

Uma pos­sí­vel so­lu­ção pa­ra a ru­mi­na­ção é bem co­nhe­ci­da dos mon­ges bu­dis­tas. “Fi­car ob­ses­si­vo, fi­car sem­pre na mes­ma ques­tão é o co­me­ço de uma do­en­ça men­tal. É pre­ci­so de­sa­nu­vi­ar. E a me­di­ta­ção po­de aju­dar”, afir­ma a mon­ja.

A me­di­ta­ção, afi­nal, con­sis­te em fo­car a men­te atra­vés de um con­jun­to de téc­ni­cas de­sen­vol­vi­das a par­tir de trei­nos. Ela se faz pre­sen­te em di­ver­sas cul­tu­ras e re­li­giões, co­mo o bu­dis­mo, o ta­oís­mo, o su­fis­mo e até mes­mo o cris­ti­a­nis­mo. No za­zen, mé­to­do uti­li­za­do pe­los mon­ges zen, uti­li­za-se de um con­tro­le da res­pi­ra­ção com a pes­soa sen­ta­da.

Ou­tro mé­to­do mui­to co­mum é a uti­li­za­ção de man­tras, que são fra­ses ou pa­la­vras re­pe­ti­das pa­ra que a men­te pos­sa se con­cen­trar ne­las e não va­gueie pa­ra ou­tros as­sun­tos. A me­di­ta­ção po­de ser uma so­lu­ção pa­ra

pro­ble­mas de ru­mi­na­ção de pen­sa­men­to, en­tre­tan­to, é pre­ci­so to­mar cui­da­do ca­so a ques­tão já te­nha se apro­fun­da­do.

A mon­ja fa­la so­bre as li­mi­ta­ções da me­di­ta­ção: “Se a si­tu­a­ção for gra­ve, o ide­al é pro­cu­rar um mé­di­co. A me­di­ta­ção, so­zi­nha, não faz mi­la­gre”. A so­lu­ção, en­tão, é pro­cu­rar um psi­qui­a­tra que pos­sa au­xi­li­ar a re­sol­ver o pro­ble­ma com tra­ta­men­to por meio de re­mé­di­os e acon­se­lha­men­to.

Ou­tra pos­sí­vel so­lu­ção é a prá­ti­ca de aná­li­se. Mui­tos ana­lis­tas, com téc­ni­cas pró­pri­as de ca­da ti­po de tra­ta­men­to ana­lí­ti­co, são ca­pa­zes de au­xi­li­ar na re­cu­pe­ra­ção da pes­soa. Eles tam­bém con­se­guem di­ag­nos­ti­car a pro­fun­di­da­de do pro­ble­ma e in­di­car um psi­qui­a­tra es­pe­ci­a­li­za­do, ca­so se­ja ne­ces­sá­rio.

EVI­TAR A RU­MI­NA­ÇÃO

O me­lhor jei­to de fi­car li­vre da ru­mi­na­ção, po­rém, é nem mes­mo co­me­çar a en­ca­rar os pro­ble­mas de for­ma re­pe­ti­ti­va. Pa­ra is­so, às ve­zes, é pre­ci­so en­fren­tar as coi­sas com mais le­ve­za.

“Às ve­zes, vo­cê tem que dei­xar a men­te des­can­sar um pou­co. Olhar pa­ra o céu, olhar pa­ra o mar”, su­ge­re Co­en. Quan­do fi­ca­mos mui­to pre­o­cu­pa­dos com nos­sos pro­ble­mas, po­de­mos es­que­cer que es­ta­mos cer­ca­dos de coi­sas bo­as. Ten­tar en­ca­rar com mais le­ve­za o dia a dia e re­sol­ver nos­sos pro­ble­mas ape­nas co­mo fo­rem pos­sí­veis é um ca­mi­nho pa­ra uma vi­da me­nos es­tres­sa­da.

O psi­qui­a­tra Caio con­ta que exis­tem pes­so­as com mais pro­pen­são a ruminar pen­sa­men­tos, mas que é fá­cil iden­ti­fi­car quais são elas: “Elas vi­ven­ci­am de for­ma mais in­ten­sa os sen­ti­men­tos de afli­ção, an­gús­tia, tris­te­za, an­si­e­da­de e têm bai­xa to­le­rân­cia à frus­tra­ção. Es­sas pes­so­as cos­tu­mam apre­sen­tar com mais pre­va­lên­cia os pen­sa­men­tos ru­mi­nan­tes dis­fun­ci­o­nais”. Exis­tem, en­tre­tan­to, for­mas de com­ba­ter es­sa pro­pen­são à ru­mi­na­ção. Os psi­qui­a­tras in­di­cam, por exem­plo, se afas­tar tem­po­ra­ri­a­men­te de al­go que es­te­ja cau­san­do es­se ti­po de sen­ti­men­to.

Di­ga­mos que vo­cê co­me­ce um pro­je­to pes­so­al e não es­te­ja con­se­guin­do so­lu­ci­o­nar um pro­ble­ma que con­si­de­ra ur­gen­te. Os psi­qui­a­tras re­co­men­dam um afas­ta­men­to da ques­tão, mes­mo que por ape­nas um dia. Even­tu­al­men­te, com a ca­be­ça mais lim­pa e re­fres­ca­da, re­tor­ne pa­ra o pro­je­to. Is­so cos­tu­ma dei­xar mais fá­cil a so­lu­ção do pro­ble­ma. É im­por­tan­te ocu­par a ca­be­ça com ou­tras coi­sas du­ran­te es­se pro­ces­so, de for­ma a não per­mi­tir ao pen­sa­men­to ru­mi­nan­te vol­tar du­ran­te o dis­tan­ci­a­men­to.

“Es­sa ru­mi­na­ção im­pe­de a men­te de se oxi­ge­nar, de se re­no­var e en­con­trar o que re­al­men­te se po­de fa­zer”, diz a mon­ja. “Ela im­pe­de a so­lu­ção re­al de emer­gir en­tre as ou­tras, já que tor­na tu­do mai­or. O cer­to é ir cui­dar de ou­tras ques­tões. Dei­xe a sua men­te ser li­vre, dei­xe os pen­sa­men­to pas­sa­rem, dê o tem­po cer­to a ca­da um de­les”.

Mas, por ve­zes, a so­lu­ção po­de ques­ti­o­nar a pró­pria ne­ces­si­da­de de se ruminar. “É pre­ci­so apren­der a con­tes­tar os pen­sa­men­tos ru­mi­nan­tes, ava­li­ar se são vá­li­dos e pen­sar em saí­das al­ter­na­ti­vas”, ex­pla­na Caio. “Só o fa­to de per­ce­ber que ruminar re­for­ça o pro­ble­ma emo­ci­o­nal po­de ge­rar na pes­soa uma pers­pec­ti­va di­fe­ren­te so­bre es­se há­bi­to tão ruim”.

A so­lu­ção, por­tan­to, é sem­pre bus­car o au­to­co­nhe­ci­men­to, se­ja atra­vés da me­di­ta­ção, da aná­li­se ou do ques­ti­o­na­men­to com re­la­ção ao ato de ruminar. Con­ver­sar com ou­tras pes­so­as so­bre os pro­ble­mas e de­sa­ba­far são sem­pre pos­si­bi­li­da­des de so­lu­ção, tam­bém. Tu­do pa­ra evi­tar que a re­pe­ti­ção de um pen­sa­men­to ne­ga­ti­vo nos mu­de até não nos re­co­nhe­cer­mos mais.

“A men­te é lu­mi­no­sa. Se vo­cê fi­ca que­ren­do pren­dê-la num de­ter­mi­na­do ti­po de ra­ci­o­cí­nio, vo­cê es­tá pre­ju­di­can­do to­do o fun­da­men­to da sua saú­de men­tal” Co­en Roshi, mon­ja zen bu­dis­ta bra­si­lei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.