En­con­trar o la­do po­si­ti­vo nas mais di­ver­sas si­tu­a­ções é o se­gre­do pa­ra ven­cer no­vos de­sa­fi­os

Nem sem­pre é fá­cil, mas en­con­trar o la­do po­si­ti­vo nas mais di­ver­sas si­tu­a­ções é o se­gre­do pa­ra ven­cer no­vos de­sa­fi­os

Ciencia em foco - - INDICE - TEX­TO E EN­TRE­VIS­TAS Bru­no Ri­bei­ro DE­SIGN Bru­na Rai­a­do/Co­la­bo­ra­do­ra

VO­CÊ JÁ VIU NA MA­TÉ­RIA DA PÁ­GI­NA 6 QUE EXIS­TE UMA LI­NHA TÊNUE EN­TRE OS BE­NE­FÍ­CI­OS E OS PRE­JUÍ­ZOS DE CRI­AR EX­PEC­TA­TI­VAS. Ob­vi­a­men­te, nin­guém gos­ta de se frus­trar com pes­so­as ou si­tu­a­ções. Mas, em um ema­ra­nha­do de pro­pos­tas de co­mo re­a­gir di­an­te dos di­fe­ren­tes ce­ná­ri­os da vi­da (ser oti­mis­ta, pes­si­mis­ta, re­a­lis­ta, até mes­mo “de boís­ta”...), o que re­al­men­te de­ve­mos le­var em con­ta?

As du­ras pro­vas da vi­da po­dem cau­sar dor, so­fri­men­to e rup­tu­ras emo­ci­o­nais – por ve­zes ir­re­ver­sí­veis. Mas, nos úl­ti­mos anos, o “bo­om” da li­te­ra­tu­ra de au­to­a­ju­da tem ba­ti­do mui­to na te­cla de que “o se­gre­do pa­ra ven­cer es­tá den­tro de vo­cê!”. Pa­ra Ro­ber­to Debs­ki, psi­có­lo­go, mé­di­co e di­re­tor da Clí­ni­ca Ser In­te­gral, na ci­da­de de Santos (SP), a aná­li­se não é tão sim­ples as­sim.

“Acre­di­tar nes­sa fa­lá­cia po­de ser um ca­mi­nho pa­ra frus­tra­ções. So­mos do­nos so­men­te de nos­sas es­co­lhas e do que fa­ze­mos com aqui­lo que nos acon­te­ce. Por mais que fa­ça­mos o me­lhor, com a in­ten­ção mais po­si­ti­va, is­so não ga­ran­te que con­quis­te­mos tu­do o que al­me­ja­mos, do jei­to que es­pe­ra­mos. A vi­da traz sur­pre­sas. Is­so não quer di­zer que não de­ve­mos pla­ne­jar, ou que de­ve­mos abrir mão de ter me­tas. So­men­te sig­ni­fi­ca que ape­sar de ter­mos ob­je­ti­vos e so­nhos, de­ve­mos fa­zer nos­sa par­te, tu­do o que nos ca­be, e após is­so abrir mão do ape­go pe­lo re­sul­ta­do”, afir­ma o pro­fis­si­o­nal.

De fa­to, mui­ta gen­te ain­da con­fun­de amor-pró­prio com ar­ro­gân­cia ou ego­cen­tris­mo, e es­sa con­fu­são pre­ci­sa ser des­fei­ta. Até por­que, de acor­do com os es­pe­ci­a­lis­tas, os ar­ro­gan­tes e ego­cên­tri­cos são, via de re­gra, pes­so­as que so­frem mui­to com a fal­ta de au­to­es­ti­ma. Po­rém, a ver­da­de é que, sim, a fe­li­ci­da­de e a ple­ni­tu­de co­me­çam na gen­te, de den­tro pa­ra fo­ra, con-

for­me ex­pla­na He­loí­sa Ca­pe­las, co­a­ch em au­to­co­nhe­ci­men­to e in­te­li­gên­cia com­por­ta­men­tal e di­re­to­ra do Cen­tro Hoff­man no Bra­sil. “Todos nós te­mos, in­ter­na­men­te, re­cur­sos pa­ra al­can­çar exa­ta­men­te aqui­lo que qui­ser­mos. Além dis­so, so­mos uma usi­na ge­ra­do­ra de ener­gia, en­tão, aqui­lo que cul­ti­va­mos den­tro de nós equi­va­le­rá a aqui­lo que va­mos atrair e con­quis­tar em nos­sas vi­das”, ana­li­sa a es­pe­ci­a­lis­ta.

“Em ou­tras pa­la­vras, tu­do é pos­sí­vel e sus­ten­tá­vel des­de que nas­ça da gen­te e pa­ra a gen­te. Eu só con­si­go trans­for­mar o meu en­tor­no se, an­tes, trans­for­mar a mim mes­ma; eu só con­si­ga amar ao pró­xi­mo, ser com­pas­si­va e per­do­ar se, an­tes, fi­zer o mes­mo por mim. Nos aviões, as ins­tru­ções de se­gu­ran­ça são: em ca­so de emer­gên­cia, pri­mei­ro vo­cê de­ve co­lo­car a más­ca­ra de oxi­gê­nio no seu pró­prio ros­to e, só de­pois, de­ve aju­dar al­guém a co­lo­cá-la. A ló­gi­ca é sim­ples: eu só pos­so aju­dar ao ou­tro se, an­tes, ti­ver fei­to por mim mes­mo”, com­ple­ta.

DA TE­O­RIA PA­RA A PRÁ­TI­CA

Quan­do al­can­ça­mos uma con­quis­ta, ce­le­bra­mos. Se não con­se­gui­mos, agra­de­ce­mos pe­lo apren­di­za­do e nos pre­pa­ra­mos pa­ra o pró­xi­mo mo­men­to, quan­do po­de­re­mos ob­ter me­lho­res re­sul­ta­dos. Mas, con­ve­nha­mos: nem sem­pre is­so acon­te­ce, cer­to? Afi­nal, não é fá­cil di­zer sim a tu­do que o des­ti­no pro­põe, acre­di­tan­do que tu­do que nos acon­te­ce é em no­me de al­go. Po­rém, a ex­clu­são e a não acei­ta­ção nos pren­dem à per­cep­ção e sen­sa­ção de fra­cas­so, en­quan­to a acei­ta­ção e a aber­tu­ra nos dei­xam li­vres pa­ra vi­ver o pre­sen­te com su­as pos­si­bi­li­da­des e pers­pec­ti­vas de fu­tu­ro.

“Um dos pos­tu­la­dos da PNL (Pro­gra­ma­ção Neu­ro­lin­guís­ti­ca) enun­cia que ‘a ener­gia flui pa­ra on­de a aten­ção es­tá’. Nos mo­men­tos de di­fi­cul­da­de, man­ter o fo­co no po­si­ti­vo é ga­nhar – in­de­pen­den­te­men­te do que acon­te­ça – pos­si­bi­li­da­des de trans­for­mar os re­sul­ta­dos ad­ver­sos, pe­lo me­nos na­qui­lo que de­pen­der de nós”, de­cla­ra Ro­ber­to Debs­ki.

Con­tu­do, pa­ra que tal li­nha de ra­ci­o­cí­nio fun­ci­o­ne na prá­ti­ca, é pre­ci­so de uma mu­dan­ça de ati­tu­de. Por is­so, pas­sa a ser fun­da­men­tal de­sen­vol­ver há­bi­tos e com­pe­tên­ci­as co­mo a per­sis­tên­cia, dis­ci­pli­na, fo­co, aten­ção, pla­ne­ja­men­to, fle­xi­bi­li­da­de, mo­ti­va­ção e re­si­li­ên­cia, ga­ran­tin­do, se não os re­sul­ta­dos, a cer­te­za que, in­de­pen­den­te­men­te do que hou­ver, sa­be­mos pa­ra on­de qu­e­re­mos ir e as ma­nei­ras de che­gar até lá.

Pa­ra He­loí­sa Ca­pe­las, mu­dar de ati­tu­de re­quer aten­ção e in­ten­ção, trans­for­man­do os pen­sa­men­tos po­si­ti­vos em ações mui­to além do pla­no das idei­as. “É pre­ci­so agir, as­su­mir as ré­de­as e pla­ne­jar as me­di­das ne­ces­sá­ri­as pa­ra al­can­çar os re­sul­ta­dos que es­pe­ro. O que a po­si­ti­vi­da­de pro­põe é a ele­va­ção da cons­ci­ên­cia no sen­ti­do de: os obs­tá­cu­los vão sur­gir, as fa­lhas vão ocor­rer, mas o que eu te­nho a apren­der com tu­do is­so? Se as­sim não deu cer­to, quais são mi­nhas ou­tras pos­si­bi­li­da­des?”, re­fle­te a es­pe­ci­a­lis­ta.

E va­le lem­brar: a po­si­ti­vi­da­de tam­bém po­de ser um bom re­mé­dio con­tra

o ime­di­a­tis­mo. Is­so por­que mui­ta gen­te re­cla­ma que faz, faz e faz, mas não ob­tém re­sul­ta­dos, sem per­ce­ber que tu­do se dá no tem­po cer­to. “O uni­ver­so não nos en­tre­ga aqui­lo que qu­e­re­mos quan­do qu­e­re­mos, mas sim quan­do es­ta­mos pron­tos pa­ra re­ce­ber o que é nos­so por di­rei­to”, acres­cen­ta He­loí­sa.

ES­CO­LHAS

Des­de a in­fân­cia, o ato de es­co­lher po­de ser uma ques­tão com­pli­ca­da – pa­ra não di­zer trau­má­ti­ca – em re­la­ção à au­to­con­fi­an­ça e ao de­sen­vol­vi­men­to de pen­sa­men­tos sau­dá­veis. Afi­nal, exis­tem mui­tas pes­so­as que ten­tam aju­dar, mas aca­bam de­ci­din­do por nós. Em ou­tras si­tu­a­ções, a de­ci­são fe­cha por­tas pa­ra ou­tros ca­mi­nhos, ge­ram frus­tra­ções e mi­nam nos­sas pers­pec­ti­vas de con­ti­nu­ar per­sis­tin­do. Mas quais são os ce­ná­ri­os pa­ra sa­ber se vo­cê es­tá ma­du­ro pa­ra fa­zer uma boa es­co­lha? Exis­te al­gu­ma pe­ça-cha­ve pa­ra to­mar de­ci­sões?

Pa­ra Debs­ki, to­das as per­cep­ções que te­mos e ca­da es­co­lha que fa­ze­mos na vi­da, ge­ral­men­te, vêm dos fil­tros que her­da­mos dos pais e do sis­te­ma fa­mi­li­ar de ori­gem. “São as cren­ças, va­lo­res, com­por­ta­men­tos e apren­di­za­dos. Não cum­prir com es­se pa­pel nos faz sen­tir cul­pa­dos por não ser­mos le­ais à nos­sa fa­mí­lia e, sen­do as­sim, mui­tas ve­zes o fa­ze­mos pa­ra nos sen­tir­mos com a cons­ci­ên­cia tran­qui­la, uma ‘boa’ cons­ci­ên­cia que po­de le­var à in­sa­tis­fa­ção e nos afas­ta de nos­so des­ti­no”, ava­lia.

Mas, se fa­zer as pró­pri­as es­co­lhas po­de nos le­var a sen­tir um pe­so na cons­ci­ên­cia, co­mo nos apro­xi­mar de nos­sos pro­pó­si­tos e mis­sões sa­ben­do que es­ta­mos no ca­mi­nho cer­to? “A ma­nei­ra de li­dar sau­da­vel­men­te com es­sa du­a­li­da­de é acei­tan­do e hon­ran­do nos­sa fa­mí­lia exa­ta­men­te co­mo ela é, re­a­lis­ti­ca­men­te, em­bo­ra não ne­ces­sa­ri­a­men­te con­cor­dan­do com ela”, res­pon­de o pro­fis­si­o­nal.

As­sim, nos tor­nar­mos adul­tos cons­ci­en­tes e nos li­ber­tar­mos pa­ra cons­truir nos­so pró­prio des­ti­no, as­su­min­do as con­sequên­ci­as de nos­sos atos, con­for­me ex­pli­ca a co­a­ch He­loí­sa. “A me­lhor ma­nei­ra de to­mar uma de­ci­são é com cons­ci­ên­cia. Eu pre­ci­so ter ci­ên­cia a meu pró­prio res­pei­to, a res­pei­to da mi­nha his­tó­ria e a res­pei­to dos com­por­ta­men­tos que de­sen­vol­vi in­cons­ci­en­te­men­te ao lon­go da vi­da pa­ra com­pre­en­der quais são mi­nhas pos­si­bi­li­da­des den­tro de ca­da ce­ná­rio. E, in­clu­si­ve, eu pre­ci­so sa­ber, pro­fun­da­men­te, que to­da es­co­lha en­vol­ve uma re­nún­cia. A par­tir des­sa com­pre­en­são, eu as­su­mo a res­pon­sa­bi­li­da­de por mim mes­ma, o que di­mi­nui as chan­ces de que me sin­ta frus­tra­da – afi­nal, fui eu qu­em es­co­lhi es­te ca­mi­nho, não o ou­tro”, con­clui a es­pe­ci­a­lis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.